Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Categoria

Exposição

6ª edição do Kino Beat – Arte em Movimento ocorre a partir de 26 de novembro em Porto Alegre

yonaonestill1

 Festival selecionado pelo edital Oi de Patrocínios Culturais Incentivados 2019, o evento promoverá programação gratuita com diversas atividades.

 

Selecionado pelo edital Oi de Patrocínios Culturais Incentivados 2019, o 6º Kino Beat – Arte em Movimento ocorre de 26 de novembro a 01 de dezembro, com diversas atividades e atrações espalhadas pela cidade. De acordo com o curador do projeto, Gabriel Cevallos, o Kino 2019 se desenvolve a partir de premissas que convidam à reflexão sobre algumas urgências do presente. “Estas ideias iniciais, substituem uma palavra central ou um tema fixo para esta edição, e lançam de forma aberta possibilidades para se sentir o mundo em conjunto – ficção, natureza, percepção, conciliação, território, mutação, esperança, mundos possíveis: estes são alguns dos pontos de partida para se imaginar o festival deste ano”, revela.

A criação da programação passa por diferentes linguagens e suportes, para estabelecer um discurso particular, onde conceitos e intuição, personalizam uma identidade múltipla para o festival. A mudança do subtítulo, de Imagem e Som em Movimento para Arte em Movimento, reforça a natureza incerta do Kino Beat, que abole os termos para expandir ainda mais a suas possibilidades de atuação. “É neste espaço permeável, em que se sonha e propõe arte como um exercício experimental da liberdade, que brotam atividades que não trilham caminhos usuais, e que assumem riscos ao propor aproximações inusitadas”, conta.

Ao estabelecer relações entre um show de funk e o universo das artes visuais, o evento sugere que a produção de sentido e conhecimento pode florescer de qualquer gesto ou objeto, da lacração de uma rima ou de uma obra de arte. O percurso da programação também passa pela subversão e ressignificação de espaços. Ao substituir ofertas publicitárias de grandes outdoors urbanos por imagens oníricas de pequenos cogumelos, a fotógrafa Tuane Eggers revigora a paisagem e desperta a imaginação para outras formas de se reger o mundo. Que não passam apenas pela lógica comercial. Os cogumelos/fungos surgem como uma metáfora para a transformação, ao possibilitarem com sua existência e decomposição, o fluxo da vida. Serão três outdoors com imagens da artista espalhados por diversos pontos da cidade expostos até 26 de dezembro.

A programação do evento inicia na terça-feira, 26 de novembro, às 20h, no Teatro da Unisinos em Porto Alegre com uma apresentação inédita na América do Sul: a performance da Auxuman (abreviação de auxiliar humano) Yona, um avatar virtual que funciona como companheiro digital e performático do processo criativo humano. Obra do tecnólogo e produtor iraniano radicado em Londres Ash Koosha, Yona usa inteligência artificial e ferramentas generativas para escrever, cantar e tocar sua própria música, sintetizando as ideias de produtores e compositores humanos e conectando-as ao público. A performance será seguida com conversa com o artista, medidada pela doutora Adriana Amaral.

No dia 27 é a vez da dupla mxm, de Mirella Brandi e Mueptmo apresentarem no Teatro Unisinos o projeto Axioma.8. A apresentação é disparada pelo som de gravações de um piano, que se somam a sons de outros instrumentos e vozes, manipuladas em tempo real por Mueptmo. A luz criada por Mirella Brandi, intensifica o percurso sensorial, em um diálogo direto com a música, que se transforma em formas e volumes de luz, envolvendo platéia e palco em um ambiente imersivo onde apenas a luz e o som parecem estar presentes.

Além das performances no Teatro Unisinos, será possível conferir com entrada franca uma série de atividades agendadas em diversos espaços da cidade como Agulha, MARGS, Vila Flores, Linha e Teatro da Unisinos. Linn da Quebrada, Rakta, Naves Cilíndricas, DJ TataOgan e o Candombe uruguaio do grupo F5 são algumas das atrações. A programação também contará com obras, atividades e performances com Projeto Sonora, Tomaz Klotzel, Camila Proto, Serraria e Tutti Rodrigues. A programação completa e todas as atrações podem ser conferidas no site kinobeat.com e nas redes sociais do evento: facebook.com/kinobeat | Instagram @kinobeatfestival

O 6º Festival Kino Beat – Arte em Movimento foi selecionado pelo edital de patrocínios culturais incentivados da Oi, conta com o apoio do Oi Futuro e com Financiamento da Lei de Incentivo à Cultura – Pró-Cultura RS –Secretaria de Estado da Cultura – Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Projeto Arte Para Todos Delphus na coluna de Eduardo Conill no Correio do Povo

correiodopovo_08.11.19

Projeto Arte Para Todos Delphus na imprensa

metro_07.11.19

 

jc_07.11.19

Última edição 2019 do projeto Arte para Todos Delphus promoverá live paiting com três artistas no sábado, 09 de novembro

_DSC4770 50x60 72dpi

Mostra tem curadoria de Rita Raimondi e apresenta obras de Antonio Gonzalez, Marcia Marostega e Victor Hugo Porto

 

Porto Alegre, 01 de novembro de 2019 – A última edição 2019 do projeto Arte para Todos Delphus promove uma coletiva sem precedentes de três autores renomados que fazem arte figurativa com características e temáticas diferentes: Armando Gonzalez, Marcia Marostega e Victor Hugo Porto apresentam em suas obras peculiaridades e diversidades que enriquecem essa mostra e por isso mesmo a fazem especial e única. A Delphus Galeria abre suas portas no sábado, 09 de novembro, para a inauguração da mostra e live painting com os artistas, com entrada franca.

A exposição, com curadoria de Rita Raimondi, reunirá mais de 30 obras. A mostra coletiva integra o projeto criado em 2018 na galeria, que promove exposições e live paitings com objetivo de aproximar o público do ambiente da galeria e dos artistas.

Segundo a curadora, a forma humana e a natureza, elementos fundamentais das obras dos três artistas, são expressas com grande técnica e muita experiência: “Armando, com sua temática campeira, onde se destacam as fabulosas paisagens de um Pampa sem fim e a figura emblemática do Gaúcho, eternizado nas suas atividades simples e tão características da nossa terra; Marcia, que nos traz através dos rostos angelicais de suas excepcionais mulheres e meninas uma beleza suave e quase renascentista; e Victor, também com a temática feminina, em suas exuberantes e sensuais “Donas Marias”, com o batom vermelho a reforçar o imaginário. São um exemplo de como a arte ensina e nos permite compreender a beleza através do trabalho dos artistas, e ao mesmo tempo, entender e exercitar a sensibilidade presente em cada obra e em nós mesmos”, conta.

Gonzalez, Marcia e Porto produzirão pinturas ao longo da abertura da exposição, das 11h às 15h. “Esta é uma oportunidade para todos os interessados em acompanhar diferentes processos de criação de uma obra de arte”, afirma a diretora da Delphus, Salete Salvador. “Entender como funciona o trabalho artístico, poder assistir o preparo de uma tela, é uma oportunidade que poucas pessoas têm e é uma maneira de entender mais sobre arte”, conta.

Todas as peças dos três artistas expostas na galeria estarão com valores e condições especiais: “acreditamos que facilitando as condições de compra também estamos construindo uma ponte de acessibilidade à arte”, declara Salete. Para as compras à vista, as obras estarão com 10% de desconto ou poderão ser parceladas em até 10 vezes sem juros.

No encerramento da mostra, a galeria fará um sorteio das três obras produzidas na live painting, entre os visitantes e clientes. A mostra tem entrada franca até 30 de novembro. A Delphus Galeria funciona de segunda à sexta-feira das 09h às 18h45 e aos sábados das 09h às 13h na Av. Cristóvão Colombo, 1093.

O que inspira um artista? São muitas as respostas e um tema sempre recorrente são os pequenos detalhes do dia-a-dia que nos passam despercebidos ou parecem mesmo insignificantes, mas que são poderosas fontes de inspiração aos mais criativos.

A arte e os artistas têm sempre um princípio motivador que os impulsiona a expressar os sentimentos da vida; agitação, medo, alegria, raiva ou amor … Cada um de nós, por sua vez, percebe e reage a essas expressões de maneira diferente, estabelecendo assim um vínculo pessoal e único com a obra e o artista.

Estas motivações são fruto de uma sensibilidade acentuada natural e própria dos que lidam com a arte, seja uma ideia, um conceito ou um pensamento que o autor busca manifestar com traços, formas, cores, sombras e tons mostrando o que muitas vezes é difícil exprimir em palavras.

É nesse “território criativo” que os sentimentos se materializam e refletem a personalidade dos artistas e o que procuram manifestar com a sua obra.

Nessa linha, a última exposição 2019 de “Arte para Todos Delphus”, apresenta uma coletiva sem precedentes de três autores renomados que fazem arte figurativa com características e temáticas diferentes: Armando Gonzalvez Perez, Marcia Marostega e Victor Hugo Porto apresentam em suas obras peculiaridades e diversidades que enriquecem essa mostra e por isso mesmo a fazem especial e única.

Armando, com sua temática campeira, onde se destacam as fabulosas paisagens de um Pampa sem fim e a figura emblemática do Gaúcho, eternizado nas suas atividades simples e tão características da nossa terra; Marcia, que nos traz através dos rostos angelicais de suas excepcionais mulheres e meninas uma beleza suave e quase renascentista; Victor, também com a temática feminina, em suas exuberantes e sensuais “Donas Marias”, com o batom vermelho a reforçar o imaginário.

A forma humana e a natureza, elementos fundamentais que encontramos nas obras desses três pintores, são expressas aqui com grande técnica e muita experiência.

São um exemplo de como a arte ensina e nos permite compreender a beleza através do trabalho dos artistas, e ao mesmo tempo, entender e exercitar a sensibilidade presente em cada obra e em nós mesmos.

Rita Raimondi – curadora

 

Armando González

Nasceu em Montevidéu, no Uruguai, onde estudou desenho e pintura na Escola Nacional de Belas Artes e graduado em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da República Oriental do Uruguai. Mudou-se para o Brasil em 1972, radicando-se em Porto Alegre. Desde os anos 1960 participa de mostras individuais e coletivas, no Brasil, Uruguai e Argentina.

Marcia Marostega

Natural de Santa Rosa/RS. Atualmente reside em Santa Cruz do Sul/RS. Bacharel em Desenho e Plástica e pós-graduada em Design para Estamparia pela Universidade Federal de Santa Maria, estudou pintura na Scuola Lorenzo de’Medici em Florença/Itália. Participou de várias exposições coletivas e individuais. Classifica sua obra como Arte Moderna.

Victor Hugo de Porto

Nasceu em Caxias do Sul (RS) em 1954. Começou a pintar ainda criança. Trabalhou alguns anos com natureza morta, passando por paisagens até chegar às figuras femininas que são sua marca registrada, no estilo cubista expressionista, usando a técnica do acrílico sobre tela. Atualmente divide sua produção em pinturas, gravuras e esculturas. Suas mulheres são cheias de sensualidade, muito coloridad e com traços marcantes.

Sobre a Delphus Galeria

A Delphus Galeria, espaço especializado em molduras e obras de arte, foi lançada em 1974, na cidade de Porto Alegre, tendo, desde o princípio, seu diferencial no atendimento atencioso e especializado.

Desde abril de 2017, Salete Salvador, atuante em galerias de arte há 20 anos, assume a nova direção e propõe-se a manter a qualidade dos produtos e serviços oferecidos e conhecidos nesses 45 anos de mercado, inovando com diferentes matérias-primas, processos de emoldurações e, principalmente, trazendo novos artistas, acompanhando as tendências do mercado.

A galeria oferece obras de mais de 100 artistas plásticos de diversas localidades do Brasil, nos estilos clássico, moderno e contemporâneo. Na Delphus é possível encontrar pinturas, esculturas, gravuras, fotografias e reproduções (nacionais e importadas), com uma variedade de estilos e tamanhos que atende às mais diferentes necessidades. O serviço de emolduração é referência na cidade, já que alia a assessoria especializada na escolha da melhor montagem e a mão de obra primordial.

A Delphus Galeria atende de segunda à sexta-feira das 09h às 18h45 e aos sábados das 09h às 13h. Av. Cristóvão Colombo, 1093 – Floresta – Porto Alegre/RS (51) 99256.6218 / (51) 3222.3232

 

Projeto Arte Para Todos Delphus na coluna de Eduardo Conill do Correio do Povo

correiodopovo_25.09.19.jpg

Delphus Galeria no Caderno de Sábado do Correio do Povo

correiodopovo_14.09.19.jpg

Delphus Galeria na mídia

zh_12.09.19

 

jc2_12.09.19

 

jc_12.09.19

Projeto Arte para Todos Delphus recebe Selestino Oliveira a partir de 14 de setembro

Selestino Oliveira (12)

Mostra tem curadoria de Haidi Gertz e em sua abertura contará com live painting das 11h às 15h com entrada franca

Porto Alegre, 09 de setembro de 2019 – No sábado, 14 de setembro, a Delphus Galeria abre suas portas para a abertura da mostra com obras de Selestino Oliveira e curadoria de Haidi Gertz. A exposição integra o projeto Arte para Todos Delphus, que promove mostras individuais e live paintings com os artistas da galeria. A iniciativa pretende aproximar o público do ambiente da galeria e dos artistas. Nesta edição, a casualidade das Naturezas Mortas e paisagens pautam a seleção de mais de 50 obras do artista.

Oliveira produzirá uma obra ao longo da abertura da exposição, das 11h às 15h. “Esta é uma oportunidade para todos os interessados em acompanhar o processo de criação de uma obra de arte”, afirma a diretora da Delphus, Salete Salvador. “Entender como funciona o trabalho artístico, poder assistir o preparo de uma tela, é uma oportunidade que poucas pessoas têm e é uma maneira de entender mais sobre arte”, conta.

Com curadoria Haidi Gertz, que representa o trabalho do artista há 30 anos, a mostra contará com as célebres paisagens e Naturezas Mortas de Selestino. “A casualidade é efêmera, volátil e fugaz. Está na luz e sombra da Natureza Morta, nos barcos da praia, nas bicicletas nostalgicamente paradas no jardim. Ela é eternizada nos quadros de Selestino Oliveira, que capta com maestria todos os detalhes e efeitos encontrados na natureza, através da precisão de seu hiper-realismo”, revela a galerista.

Todas as peças de Oliveira disponíveis na galeria estarão com valores e condições especiais: “acreditamos que facilitando as condições de compra também estamos construindo uma ponte de acessibilidade à arte”, declara Salete. Para as compras à vista, as obras estarão com 10% de desconto ou poderão ser parceladas em até 10 vezes sem juros.

A mostra tem entrada franca até 05 de outubro. A Delphus Galeria funciona de segunda à sexta-feira das 09h às 18h45 e aos sábados das 09h às 13h na Av. Cristóvão Colombo, 1093.

Selestino Oliveira

Selestino Oliveira (STINO) é natural de Canela – RS (1954). Autodidata, desde muito cedo envolveu-se com arte, primeiramente através de artesanato em couro, depois como ilustrador publicitário. A Natureza Morta é sua marca registrada, tendo como característica a luminosidade através do jogo de luz e sombra, dentro do estilo hiper-realista. Atualmente reside em Nova Petrópolis, onde ministra aulas de pintura e desenho e produz suas obras.

 

Sobre a Delphus Galeria

A Delphus Galeria, espaço especializado em molduras e obras de arte, foi lançada em 1974, na cidade de Porto Alegre, tendo, desde o princípio, seu diferencial no atendimento atencioso e especializado.

Desde abril de 2017, Salete Salvador, atuante em galerias de arte há 20 anos, assume a nova direção e propõe-se a manter a qualidade dos produtos e serviços oferecidos e conhecidos nesses 45 anos de mercado, inovando com diferentes matérias-primas, processos de emoldurações e, principalmente, trazendo novos artistas, acompanhando as tendências do mercado.

A galeria oferece obras de mais de 100 artistas plásticos de diversas localidades do Brasil, nos estilos clássico, moderno e contemporâneo. Na Delphus é possível encontrar pinturas, esculturas, gravuras, fotografias e reproduções (nacionais e importadas), com uma variedade de estilos e tamanhos que atende às mais diferentes necessidades. O serviço de emolduração é referência na cidade, já que alia a assessoria especializada na escolha da melhor montagem e a mão de obra primordial.

A Delphus Galeria atende de segunda à sexta-feira das 09h às 18h45 e aos sábados das 09h às 13h. Av. Cristóvão Colombo, 1093 – Floresta – Porto Alegre/RS (51) 99256.6218 / (51) 3222.3232

ABCCC inaugura Espaço Cultural com documentário de Fagner Almeida na quinta, 22 de agosto

02

Fotógrafo lança série documental “Em Busca do Cavalo Crioulo” na Expointer e em outubro expõe obra no Louvre

 

Na próxima quinta-feira, 22 de agosto, às 18h, a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Crioulo, ABCCC, inaugura Espaço Cultural na Expointer, com exibição do episódio 1 da série documental “Em Busca do Cavalo Crioulo”, do fotógrafo Fagner Almeida.

“Em Busca do Cavalo Crioulo” convida a uma viagem além dos redutos tradicionais da raça, mostrando onde e como são os criatórios da Itália, Alemanha, França e Suíça. “Em Busca do Cavalo Crioulo” conta com cinco episódios, cada um tratando especificamente de cada país. Nessa primeira temporada, estamos abordando a criação na Itália, Alemanha, França e Suíça, mais um capítulo específico sobre a Fieri Cavalli. “Para isso, ficamos durante 30 dias, entre outubro e novembro de 2018, percorrendo as cabanas europeias, com uma equipe de três pessoas, incluindo um cinegrafista, uma jornalista e eu, que fiz os registros em fotos e também em vídeos. Conseguimos um material fantástico e até eu fiquei surpreso com as coisas que vi e pudemos registrar. Nunca imaginei que houvesse tanta gente na Europa apaixonada pelos crioulos assim”, conta.

A série tem como objetivo apresentar o cavalo Crioulo fora do seu eixo tradicional, nas mais distintas culturas e nas mais adversas situações de extremos lugares, mostrando a adaptação da raça a qualquer local. “Tenho feito diversos trabalhos fora do estado e em outros países e quero mostrar até onde o Crioulo pode chegar”, revela.

A história de Fagner Almeida em busca do Cavalo Crioulo é uma trajetória de longa data. Em 2020, prestes a completar 10 anos como profissional e de trabalhos com a raça, o fotógrafo já percorreu distâncias que o levaram até Crioulos em territórios como a América do Sul, América do Norte e Europa.  Em 2010 começou a fotografar a Marcha da Resistência, uma das principais modalidades da raça. Fagner também é autor do livro “Marcha de Resistência Cavalo Crioulo – 20 anos Jaguarão”. A partir de 2012 o fotógrafo começou a trabalhar em provas do Freio de Ouro. No ano de 2014 fotografou pela primeira vez o World Equestrian Games (WEG) realizado na Normandia/França. Em 2016 trabalhou nas Olímpiadas, fazendo cobertura das provas de hipismo para a Revista Horse.

Ao final de 2016 é destacado pela imprensa americana no TOP15 melhores fotógrafos equestres do mundo. Na Europa, no ano de 2017, foi fotógrafo na feira de Golegã Lusitano em Portugal e também da Fieracavalli na Itália. Em 2018 Fagner também esteve presente em Tryon, nos Estados Unidos, para outra edição de um dos maiores eventos equestres do mundo: o World Equestrian Games. Recentemente em Lima no Peru, fez toda cobertura do hipismo nos jogos Pan-americanos.

Em outubro o artista embarca para a França, onde uma de suas fotos integra o Salão Internacional de Arte Contemporânea de Paris, que ocorre de 18 a 20 de outubro no Le Carroussel do célebre museu. Almeida foi um dos selecionados pela curadora Lisandra Miguel, que conheceu seu trabalho através de uma pintura de Raquel Fernandes, que usou os cavalos retratados pelo artista em sua obra – inclusive estarão expostos lado a lado em Paris. “Eu nem consigo acreditar ainda. Fico muito feliz em deixar minha marca, e mais orgulhoso ainda por saber que conquistei esse espaço através do Cavalo Crioulo, uma grande paixão desde adolescência.

Sobre o Espaço Cultural ABCCC

Anexo ao restaurante do Cavalo Crioulo, no Parque de Exposições Assis Brasil, palco da Expointer, o Espaço Cultural da ABCCC vai abrigar exposição de trabalhos de artistas que contam com projetos apoiados pela entidade. Durante a Expointer, as exibições serão com dias e horários pré-definidos. O presidente da ABCCC, Francisco Kessler Fleck, explica que o objetivo do novo espaço é promover a cultura no meio Crioulo. O público terá acesso integral às obras, podendo participar, apoiar e aprender sobre os conteúdos e seus respectivos artistas”, assegura. O primeiro trabalho apresentado ao público é o primeiro episódio do documentário “Em Busca do Cavalo Crioulo”. Nos dias seguintes, o local exibirá trabalhos de artistas como Caé Braga (escultor e artista plástico), Cassio Selaimen (cuteleiro), Felipe Constant (artista plástico), Henrique Fagundes da Costa (escritor e pesquisador), Eduardo Rocha (fotógrafo), Raul Sartor Filho (artista prateiro) e Renato Dalto (jornalista e escritor). A programação completa do Espaço Cultural pode ser conferida no site www. crioulo.org.br

Blog no WordPress.com.

Acima ↑