Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Espetáculo Causos do Coronel – A Comédia Gaúcha na mídia

diáriogaúcho_19.10.18metro_19.10.18

Longa-metragem Rasga Coração na Folha de São Paulo de hoje

folhadesp_18.10.18.jpg

Festival Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 no Jornal do Comércio

jc_18.10.18.jpg

Espetáculo Causos do Coronel – A Comédia Gaúcha na capa do caderno Panorama no Jornal do Comércio de hoje

jc_18.10.18.jpg

Orquestra Eintracht é a atração deste domingo no Festival de Primavera Vivar no Multipalco Eva Sopher do Theatro São Pedro

Orquestra-Eintracht_crédito_Lívia-Stumpf

 Evento com entrada franca promove atividades gratuitas na concha acústica até dezembro

 

O Festival de Primavera Vivar, que ocorre no Multipalco Eva Sopher, recebe neste domingo, 21 de outubro, a Orquestra Eintracht. O evento promove atrações de música popular, samba, música de orquestra, teatro de bonecos, circo e música tradicionalista, durante seis domingos na concha acústica do local, com entrada franca, até dezembro.

“Andante”, espetáculo que será apresentado pela orquestra, se constrói olhando a cultura brasileira a partir de sua latinidade. O Brasil latino americano, o Brasil do afeto, da cor, da alegria, da fé, da intensidade. As obras dos artistas, Arthur Bispo do Rosário, Hélio Oiticica, Tunga e do Profeta Gentileza inspiram a incorporação das vivências populares, das experiências afetivas, das expressões e das práticas coletivas. O Brasil percorrido pelo ANDANTE não é geográfico nem temporal, mas sim, afetivo e plural.  ANDANTE também é o andamento musical que corresponde ao andar e a frequência cardíaca humana. É um tempo na música, é o pulsar na vida.

Com 27 instrumentistas, dois solistas, regência de Ademir Schmidt e direção de Fernando Ochôa, a orquestra de sopros executará 17 músicas, como as Bachianas de Heitor Villa Lobos, Maria Maria, de Milton Nascimento e Fernando Brandt, Podres Poderes, de Caetano Veloso, Apesar de Você de Chico Buarque, entre outras.

A apresentação gratuita inicia às 19h. Em novembro, o Festival promove nos dias 4 a 2ª Mostra de Circo com o espetáculo “Assobia e Chupa Cana”  e no dia 18, o show de 50 Tons de Pretas. Em dezembro, estão agendadas atividades no dia 2 com a 2ª Mostra de Teatro de Bonecos, e encerrando a programação no dia 16, Canto Livre.

O Festival de Primavera tem patrocínio da Vivar e realização do Multipalco Eva Sopher, Associação Amigos do Theatro São Pedro, Theatro São Pedro e Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Para mais informações, acesse: http://www.teatrosaopedro.com.br/multipalco/

 

Festival de Primavera Vivar

Multipalco Eva Sopher – Concha Acústica

Sempre às 19h, com entrada franca

14/10 – Os Fagundes

21/10 – Orquestra Entracht

4/11 – 2ª Mostra de Circo: Espetáculo “Assobia e Chupa Cana”

18/11 – 50 Tons de Pretas

2/12 – 2ª Mostra de Teatro de Bonecos

16/12 – Canto Livre

Orquestra Eintracht – Andante

REGÊNCIA: Ademir Schmidt – formou-se pela escola de música da Ospa, e é bacharel em Flauta Transversal pela UFRGS. Atualmente é professor de flauta transversal, teoria e percepção musical. É regente da Orquestra de Sopros Ivoti e  da Orquestra de Flautas Transversas do IPDAE. Participa da Orquestra Eintracht desde 1996 como 1º flautista e coordenador de naipe, assumindo a regência em 2014.

DIREÇÃO: Fernando Ochôa – Diretor, iluminador, ator, dublador e designer.   Bacharel em Direção Teatral pela UFRGS. Alterna trabalhos artísticos para teatro, ópera, dança, orquestras, shows musicais e exposições. Pós-graduado em Iluminação pelo IPOG. Reconhecimento Público: Prêmio Açorianos Melhor Iluminação: (1999), por “As Traças da Paixão”, (2003) por “A Força do Hábito” , (2006) por “Larvárias” e (2012) por “Padre Landell – o padre inventor” e “Sr. Kolpert”. (2016) por “O Método”. Prêmio Braskem Em Cena (2015) “As 4 Direções do Céu”. Prêmio Tibicuera Melhor Iluminação: (1999) por “O Menino Maluquinho 2000”, (2001) por “Do Outro Lado da Cerca”, (2005) por “Pé de Sapato”, (2006) por “A Tempestade e os Mistérios da Ilha”.

NARRADOR  / SOLISTA: Cláudio Veiga – Iniciou seus estudos em música no Instituto dos Meninos Cantores de Novo Hamburgo. De lá para cá, entre cursos e viagens, tem se apresentado nos EUA, Bélgica, Holanda e Alemanha, com violão e voz. Ganhador do Prêmio Açorianos, entre outros, que fazem parte de sua diversificada trajetória profissional. Participou dos grupos Caverá, do Grupo Cuidado Que Mancha, de teatro infantil, do Grupo De Pernas Pro Ar, de teatro, música e performance e do Batuque de Cordas, duo de música instrumental.

SOLISTA: Fernanda Voltz – Graduada pelo Curso de Licenciatura em Música do Instituto Ivoti. Integrante do Acústico Dama há 7 anos. Lançou um CD de Mantras chamado “Spiritual Guide” em setembro de 2015 e hoje realiza shows pelo Brasil em eventos de Desenvolvimento Pessoal, Espaços Holísticos e diversas áreas que percebam a música e o canto como elemento fundamental para elevar a energia das pessoas. É Professora de Canto de crianças e adultos, e seu método tem como foco a saúde vocal do cantor.

Ficha Técnica:

Coordenação de Projetos e Produção: Hebe Cardoso

Realização: Centro Cultural Eintracht

Regência: Ademir Schmidt

Direção: Fernando Ochôa

Assistente de Direção: Hebe Cardoso

Solistas: Cláudio Veiga e Fernanda Voltz

Roteiro: Hebe Cardoso, Carina Rippel e Fernando Ochôa

Arranjador: Davi Coelho

Engenheiro de Som: Thomas Dreher

Designer de Luz: Fernando Ochôa

Fotografia: Elson Sempé

Arte Gráfica: Bruna Ribeiro de Quadros

Montagem e apoio de palco: Miguel Bastos

REPERTÓRIO

Canção Indígena Licença poética

Cio da Terra Milton Nascimento e Chico Buarque

Bachiana 5 Heitor Villa Lobos Bachiana 2 Heitor Villa Lobos

Maria Maria  Milton Nascimento e Fernando Brant

O Canto das 3 Raças  Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro

Nem ouro nem prata Rui Maurity e José Jorge Miquinioty

Canção da Meia Noite / Flores Astrais  Zé Flávio / João Ricardo e João Apolinário

Sangue Latino João Ricardo e Paulinho Mendonça

Alegria, Alegria Caetano Veloso

Brasil  Cazuza / George Israel / Nilo Roméro

Podres Poderes Caetano Veloso

Apesar de Você Chico Buarque

Isso aqui ta bom demais / Xodó Dominguinhos e Nando Cordel / Dominguinhos e Anastácia

Frevo Mulher Zé Ramalho

Festa do Interior Moraes Moreira e Abel Silva

Vai Passar Francis Hime e Chico Buarque

 

Espetáculo Causos do Coronel – A Comédia Gaúcha na imprensa

correiodopovo_17.10.18

jc_17.10.18

Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga selecionados para a Mostra Competitiva Brasil

cartazcen2018

Evento ocorre de 22 a 28 de novembro na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre

 

Porto Alegre, 17 de outubro de 2018 – O Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga os selecionados para a Mostra Competitiva Brasil do evento que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre, RS. Do total de 875 inscritos, sendo 666 curtas e médias-metragens, 103 longas e 106 videinstalações, videoperformances e performances, 39 obras foram escolhidas para integrar a programação do festival.

Serão 35 obras exibidas na Cinemateca Capitólio e quatro videoinstalações que serão expostas no Goethe-Institut Porto Alegre, co-realizadores do CEN 2018. A seleção conta com 13 projetos dirigidos por grupos, 13 realizadoras e 36 realizadores. Temáticas como feminismo, empoderamento da negritude, política atual, colonialismo, questões indígenas, pertencimento, religião, queer, entre outras, pautam os títulos selecionados de onze Estados brasileiros e nove produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

“Neste amplo panorama da recente produção autoral e independente do país, fica bastante claro que será uma edição extremamente posicionada e política”, afirmam os curadores que assinam a seleção, Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinicius Lopes.  A lista integra títulos como “Sol Alegria”, de Tavinho Teixeira e sua filha Mariah Teixeira, uma ficção científica lo-fi, onde uma família nada tradicional corre por um país dominado por uma junta militar e pastores corruptos; “Supercomplexo Metropolitano Expandido”, de Guerreiro do Divino Amor, que investiga como forças ocultas e ficções de diferentes naturezas, sejam elas geográficas, sociais, midiáticas, políticas ou religiosas, interferem na construção do território e do imaginário coletivo a ideia de cidade-máquina em São Paulo; e “Azougue Nazaré” de Tiago Melo, eleito o melhor filme da mostra Bright Future da 47ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdã,  que incorpora elementos sobrenaturais em um retrato quase antropológico de uma pequena comunidade canavieira, dividida entre o Maracatu e o evangelismo.

Destaque também para “Majur”, documentário de Rafael Irineu Alves Lacerda que mostra um ano na  vida de Majur, chefe de comunicação de uma aldeia no interior do Mato Grosso; “O Peixe”, curta-metragem documental experimental que retrata uma vila de pescadores que tem o ritual de abraçar os peixes ao pesca-los; além de “Terremoto Santo” de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, um curta musical com jovens cantores da cena da música evangélica da cidade de Palmares em Pernambuco, explorando com poesia e uma direção de fotografia muito autêntica a cultura evangélica do país.

O festival que, há quinze anos e onze edições derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, apresentará a performance “Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada”, de Marcelo Birck. Realizada em tempo real, exibe animações feitas à mão em super-8, antigas lâminas de lanterna mágica, e slides encontrados com som gerado a partir de um processo similar à montagem do cinema, transposto para outro material: vinis cortados a laser e recolados.

Entre os realizadores gaúchos, destacam-se “Tinta Bruta”, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, premiado como Melhor Longa Metragem no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim, “Música para quando as luzes se apagam” de Ismael Canepppelle e “Cidades dos Piratas” de Otto Guerra.

A Mostra Competitiva premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição), que serão divulgados em breve.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Cinemateca Capitolio e Goethe-Institut Porto Alegre e apoio Prime Box Brazil e Unisinos FM. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

MOSTRA COMPETITIVA BRASIL – CEN 2018 – SELECIONADOS

26 postais contam a história de uma amizade de 30 anos, Frederico Benevides

A Casa, Camila Leichter (realizadora); Mauro Bomfim Espíndola e Ali Khodr (co-realizadores)

A Chinesa de Riad, Leonardo Amaral & Roberto Cotta

A Cidade dos Piratas, Otto Guerra

À cura do rio, Mariana Fagundes

Apenas um gesto ainda nos separa do Caos, Yuri Firmeza

Azougue Nazaré, Tiago Melo

B.U.N.I.T.A.S. [ce], Estela Lapponi

BLANK Damour, Ali Khodr, Camila Leichter e Mauro Bomfim Espíndola

Bye Bye Deutschland, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

El Meraya, Distruktur

Entre Parentes, Tiago de Aragão

Era uma vez Brasília, Adirley Queirós

Estamos Todos Aqui, Chico Santos e Rafael Mellim

Frequências, Adalberto Oliveira

Galinhas no Porto, Caioz e Luís Henrique Leal

Heart of Hunger, Bernardo Zanotta

Ilhas ressonantes, Juruna Mallon

IMO, Bruna Schelb Correa

Inconfissões, Ana Galizia

Inferninho, Guto Parente e Pedro Diógenes

Latossolo, Michel Santos

Majur, Rafael Irineu Alves Lacerda

Música para quando as luzes se apagam, Ismael Caneppele

Nome de Batismo-Alice, Tila Chitunda

Num País Estrangeiro, Karen Akerman & Miguel Seabra Lopes

O Peixe, Jonathas de Andrade

Os Sonâmbulos, Tiago Mata Machado

Princesa Morta do Jacuí, Marcela Ilha Bordin

profanAÇÃO, Estela Lapponi

Sem título (5), Luciano Scherer e Maíra Flores

Silêncios, Caio Casagrande

Sobrado, Renato Sircilli

Sol Alegria, Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira

Sr. Raposo, Daniel Nolasco

Supercomplexo Metropolitano Expandido, Guerreiro do Divino Amor

Terremoto Santo, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

Tinta Bruta, Marcio Reolon e Filipe Matzembacher

Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada, Marcelo Birck

Lau Patrón lança 71 Leões, pela editora Belas Letras com bate-papo e sessão de autógrafos no sábado, 27 de outubro, em Porto Alegre

capa_71leoes

Um relato intenso e sincero dos 71 dias em que autora morou no hospital junto com o filho João Vicente, diagnosticado com síndrome raríssima e autoimune. Uma história sobre afeto, dor e renascimento que chega às principais livrarias do país em novembro

 Livro encontra-se em pré-venda pelo site https://belasletras.com.br/produto/71-leoes/

Parte da verba arrecadada em pré-venda será destinada ao tratamento de João Vicente

 

No sábado, 27 de outubro, o público de Porto Alegre poderá participar do lançamento do livro 71 Leõe, de Lau Patrón, que contará com bate-papo e sessão de autógrafos na Casa Guandu. Nas livrarias a partir de novembro, a publicação encontra-se em pré-venda pelo site https://belasletras.com.br/produto/71-leoes/ até 23 de outubro. O kit pré-venda conta com livro + marcador de página + 1 foto Polaroid asssinada + carimbo do João na primeira página do livro e poderá ser retirado no evento do dia 27. Parte da verba arrecadada nesta fase será destinada ao tratamento do menino, portador da Síndrome Hemolítica Urêmica atípica, chamada de SHUa.

“Esse livro é a minha montanha-russa particular e um convite para as pessoas entrarem comigo nela. Um convite de autoconhecimento, de reflexão. E espero que possa tocar e auxiliar, de alguma forma, outras histórias.” Nas palavras da autora Lau Patrón, 71 Leões é mais do que um livro sobre sua experiência com a maternidade. “É um livro sobre dor e amor. Todos os sentimentos complexos e às vezes incoerentes que fazem parte dos nossos processos de transformação.”

Nascida em Porto Alegre, filha de pai uruguaio e mãe gaúcha, a publicitária Lau tinha 25 anos quando seu filho João Vicente – o leãozinho, como ela chama desde a gestação – então com um ano e oito meses de idade, foi diagnosticado com a Síndrome Hemolítica Urêmica atípica, uma condição rara, genética, que causa falhas no sistema imunológico. Em meio a uma crise da doença, ele teve um AVC isquêmico que deixou sequelas motoras.

A jovem, que nunca havia almejado a maternidade, viu sua vida se transformar de maneira repentina. Em um dia ela acompanhava o filho correndo e brincando feliz no parque e, no outro, percebia os primeiros sinais da doença, que o levaria até quase a morte. Foi quando a vida virou do avesso. João recebeu um diagnóstico grave e um prognóstico desesperador, e Lau descobriu que o amor é o grande norteador de escolhas, e que força é o que fazemos a partir daquilo que dói.

Desde então, ela buscou possibilidades de tratamento, investiu em diversos tipos de terapia e hoje o menino já senta sozinho, desenha, voltou a movimentar as mãos e fica até de pé – resultados jamais esperados na época. Durante todo esse período, Lau mobilizou muitas pessoas, por meio de campanhas na internet. A página no Facebook “Avante Leãozinho” (facebook.com/avanteleaozinho) possui mais de 19 mil seguidores; e a autora já foi tema de diversas reportagens na imprensa nacional, e recentemente, participou do Tedx Unisinos, com um recorde de visualizações do vídeo de sua fala: https://www.youtube.com/watch?v=9eyCmr7At04&feature=youtu.be

Em 71 Leões, lançado pela Editora Belas Letras, que chega às principais livrarias do país em novembro, a autora narra os 71 dias que viveu no hospital ao lado do filho; 50 deles na UTI. Em formato de diário, o livro intercala cartas da mãe para o filho, relatos autobiográficos da vida de Lau, com a sequência dos acontecimentos, dia após dia, que iniciaram no dia 14 de outubro de 2013, quando João foi internado, até o dia 23 de dezembro daquele ano, quando recebeu alta.

Com narrativa potente, a autora compartilha cada detalhe íntimo e profundo da complexidade daqueles dias, transportando o leitor às paredes frias do hospital e ao ambiente hostil que pode ser uma UTI. Lau gravou a própria experiência, fazendo relatos diários em áudio de tudo o que ia acontecendo. A inspiração para essa narrativa veio a partir do filme Elena (2012), da atriz e cineasta brasileira Petra Costa.

Com 71 Leões pronto, Lau entrou em contato com a cineasta, que aceitou o convite e escreveu a apresentação do livro. “O livro provoca espasmos. Espasmos de choro, riso, espasmos de reconhecimento. Daquilo que escondíamos de nós mesmos. Uma travessia da qual saímos do outro lado mais vivos. E mais alegres também. Hoje agradeço Elena por me levar à Lau. A me conectar com uma mulher que, com apenas 30 anos, carrega a potência de ser uma das grandes autoras do nosso tempo”, escreveu Petra.

“71 Leões são linhas que falam de dor e de amor – e eu ainda não conheci coisas mais universais que isso”, conclui.

No evento de lançamento em Porto Alegre, mãe e filho estarão juntos autografando a publicação. As atividades têm entrada franca e ocorrem das 16h às 19h.  A Casa Guandu fica na Rua Mata Bacelar, 52.

Bate-papo e sessão de autógrafos- Lançamento 71 Leões em Porto Alegre

27 de outubro, sábado, das 16h às 19h

Casa Guandu (Rua Mata Bacelar, 52, Auxiliadora)

Entrada gratuita

 

Lau Patrón

Lau Patrón nasceu em Porto Alegre em 1988, meio uruguaia e meio brasileira. Trabalhou como produtora audiovisual e publicitária durante bons anos, antes de se tornar mãe do João Vicente. Faz três anos que criou a página Avante Leãozinho, onde divide suas reflexões sobre inclusão, além de acolher outras famílias. Vem desenvolvendo mais projetos nesse sentido, é uma palestrante TEDx, odeia a palavra “superação”, e acredita apenas na mudança que passa pelo afeto. Ela não é só uma publicitária, mãe ou mulher latino-americana feminista. Em seu microcosmo, Lau é um universo todo. E como tal, tem suas próprias leis: escrever é uma delas. Pelos cotovelos – histórias, poesias, crônicas que vem guardando na gaveta há anos. 71 Leões é seu primeiro livro.

 

71 Leões: Uma história sobre afeto, dor e renascimento

Laura Patrón

ISBN: 9788581744544

Família/Maternidade

Autoajuda/ Autobiografia

Número de páginas: 192

Formato: 15x21cm

Editora: Belas Letras

Preço de capa: 39,90

Peso (em Kg): 0,500

 

Sinopse

Em um domingo de sol, a publicitária Lau Patrón corria pelo parque tentando alcançar o seu filho João Vicente, um menininho alegre e destemido de um ano e meio, que ela sempre chamou de Leãozinho. No outro dia, assistia ele sofrer uma crise violenta e misteriosa. Um fio de vida escorrendo para longe do seu colo de mãe. E tudo virou do avesso. Diagnosticado com uma síndrome raríssima, João estava morrendo. Este livro é um diário intenso e sincero dos setenta e um dias que Lau morou no hospital, muitos ao lado de seu filho em coma em um box de UTI, esperando a vida ou a morte. Um relato comovente e poderoso onde Lau nos dá uma dimensão real das pessoas, das emoções fluidas, da não existência de heróis. Do amor, como fonte de escolhas. Do olhar para a dor, sem medo, e com alguma ternura. De não matar leões por dia e, sim, recebê-los com reverência. Um por dia, um a mais na matilha. Para avançar. Para ir avante.

folhadesp_16.10.18.jpg

Blog no WordPress.com.

Acima ↑