Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Open_Feira de Design na Revista Donna em Zero Hora

zh_11.08.18.jpg

Zé do Bêlo no Jornal do Comércio de hoje

jc_08.08.18.jpg

Co-produção Brasil-Alemanha estreia em 30 de agosto no teatro do Goethe-Institut Porto Alegre

Crédito-Maí-Yandara-14

Pátria Estrangeira/Fremde Heimat é um projeto teatral com equipe e elenco brasileiro e alemão e que cumprirá temporada nos dois países

Porto Alegre 07 de agosto de 2018 – Estreia em 30 de agosto no teatro do Goethe-Institut Porto Alegre o espetáculo Pátria Estrangeira/Fremde Heimat, uma co-produção Brasil e Alemanha, que possui elenco e equipe brasileiro e alemão e cumprirá temporada nos dois países. A montagem, uma coprodução da ATO cia.cênica, Primeira Fila Produções e Badisches Staatstheater Karlsruhe, tem financiamento pelo Kulturstiftung des Bundes em parceria com Goethe-Institut Porto Alegre.
Pátria Estrangeira/Fremde Heimat é uma direção e pesquisa de Mirah Laline, com pesquisa e texto de Jürgen Berger, construído em colaboração com o elenco, direção e equipe criativa e direção de dramaturgia de Jan Linders. No elenco, os brasileiros Philipe Philippsen, Camila Falcão, Martina Fröhlich, Karin Salz Engel e o alemão Thomas Prenn contam a história de descendentes de alemães no Brasil, em uma docuficcção. “Foi através de um resgate documental de cada um dos atores e seus antepassados, alguns deles vindos da Alemanha, que construímos este biodrama”, conta Mirah. A partir de uma pesquisa e resgate autobiográficos durante um workshop realizado no primeiro semestre deste ano em Porto Alegre, o autor Jürgen Berger, montou a base dos textos do espetáculo. Quatro atores e músicos brasileiros contracenam com um jovem ator de Karlsruhe, Alemanha. Temas como ancestralidade, gerações, memória, pertencimento, imigração permeiam questionamentos como é possível viver duas culturas ao mesmo tempo? Seria Pátria um instrumento do colonialismo? Que semelhanças existem com a recente onda de imigração no Brasil e na Alemanha?

Vídeos e músicas – executadas ao vivo e compostas pelo elenco – são elementos muito fortes da concepção, segundo a diretora. Os ensaios iniciaram no dia 16 de julho; parte da equipe alemã chegou a Porto Alegre no dia 23. Ricardo Vivian assina o Desenho de Luz, Rodrigo Shalako o cenário, Mauricio Casiraghi, Video e Projeções e Déh Dullius os figurinos.

Em Porto Alegre Pátria Estrangeira/Fremde Heimat estará em cartaz de 30 de agosto a 09 de setembro, com apresentações às 20h de quinta-feira a sábado e às 18h aos domingos, com ingressos a R$ 40,00. As vendas antecipadas iniciam em 15 de agosto pelo site entreatosdivulga.com.br. Durante a temporada, será possível adquirir entradas no local, uma hora antes do início do espetáculo. Em Karlsruhe, o espetáculo estreia em 20 de setembro e terá apresentações nos dias 23, 29 e 30 do mesmo mês.

FICHA TÉCNICA

MIRAH LALINE | Pesquisa e Direção

JÜRGEN BERGER | Pesquisa e Texto*

PHILIPE PHILIPPSEN – CAMILA FALCÃO – MARTINA FRÖHLICH – KARIN SALZ ENGEL – THOMAS PRENN | Elenco

MAURICIO CASIRAGHI | Vídeo e Projeções

DÉH DULLIUS Figurinista

RODRIGO SHALAKO | Cenógrafo

RICARDO VIVIAN | Desenho de Luz

LUCAS DALA-LANNA Design Gráfico

JANAINA  VIANNA | Assistência de Direção

PASCAL BERTEN | Tradução

JAN LINDERS| Diretor de Dramaturgia do Badisches Staatstheater Karlsruhe

ROZE PAZ e VINICIUS MELLO | Produção Executiva

BRUNA PAULIN | Assessoria de Imprensa e Gestão de Redes Sociais

DANIELA MAZZILLI E LETICIA VIEIRA | Coordenação de Produção

PRIMEIRA FILA PRODUÇÕES | Produção Brasil

ATO. Cia cênica | Coprodução Brasil

GOETHE INSTITUT PORTO ALEGRE | Coprodução Brasil

BADISCHES STAATSTHEATER KARLSRUHE | Produção Alemanha

KULTURSTIFTUNG DES BUNDES | Financiamento

* com a colaboração do elenco, direção e equipe criativa

Zé do Bêlo na imprensa

zh_07.08.18

metro_07.08.18

Casa do Medo traz edição inspirada em José Saramago

casadomedo

Encenação oferece experiência interativa e sensorial de terror imersivo na Casa Cultural Tony Petzhold em agosto

 

Sucesso de público desde sua estreia em junho de 2017, o projeto Casa do Medo, da Macarenando Dance Concept, traz uma nova edição inspirada no romance “Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago. A edição CEGUEIRA ocorre nos dias 17, 18 e 19 de agosto, na Casa Cultural Tony Petzhold.

A nova edição, “CEGUEIRA”, é inspirada no romance “Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago, e desafia o público a fazer a travessia pela casa sem poder enxergar absolutamente nada. “A ideia é que a cegueira, a privação da visão, o breu total, a impossibilidade de enxergar sejam gatilhos para experimentar diferentes situações sensoriais e despertar os diferentes tipos de medo que as pessoas têm, desde um simples medo de escuro até uma complexa cegueira social contemporânea”, afirma Diego Mac, diretor do projeto.

Casa do Medo é um formato inovador de encenação que coloca o público como protagonista de uma experiência interativa e sensorial de terror imersivo. Não pense em túnel do terror, trem-fantasma ou similares de parques de diversão. Casa do Medo é diferente das atrações de terror existentes no Brasil. Trata-se de uma visita a uma casa real, conduzida por uma narrativa fragmentada pelos vários aposentos do local. Inspirada em filmes de terror e em games de survival horror, a passagem pela casa é uma experiência de grupo e um teste de coragem, e coloca o público dentro de uma experiência sensorial de cortar a respiração. É indicado para os amantes do terror e não é aconselhável ao público mais sensível. Todo o processo é realizado por profissionais treinados e habilitados para promover a experiência com eficácia e segurança, portanto, as regras devem ser cumpridas fielmente, sob pena de exclusão de participantes, avisam os organizadores.

O lançamento da Casa do Medo ocorreu em junho de 2017, com altíssimo sucesso e engajamento de diferentes tipos de público e sessões lotadas na Casa Cultural Tony Petzhold. Os ingressos são disponibilizados antecipadamente e esgotam rapidamente assim que lançados. Cada sessão tem um público restrito de 13 pessoas.

As sessões ocorrem dias 17, 18 e 19 de agosto, na Casa Cultural Tony Petzhold, das 19h às 02h, com ingressos a R$ 50,00 (50% de desconto para estudantes e idosos).

 

EDIÇÃO CEGUEIRA [AGO/2018]

17, 18, 19/ago
Sessões: 19h, 20h, 21h, 22h, 23h, 0h, 01h, 02h

 

VALORES

MEIA*: R$ 25
INTEIRA: R$ 50
(*50% de desconto para estudantes, idosos e classe artística, conforme legislação)

 COMO COMPRAR

Somente online (taxa de conveniência de 10% paga pelo cliente): https://casadomedocegueira.eventize.com.br

 

EVENTO

https://www.facebook.com/events/237291513751598/

 

+ INFO

facebook.com/casadomedopoa

facebook.com/macarenando

casadomedo@macarenando.com.br

(51) 9 8918 2124

 

REALIZAÇÃO

Macarenando Dance Concept

 

REGRAS DE PARTICIPAÇÃO

  1. Você poderá ser tocado durante a visita.
  2. Você não deverá comparecer à experiência portando quaisquer objetos que prejudiquem a sua mobilidade, tais como mochilas, bolsas, acessórios ou assemelhados. Não há serviço de Chapelaria!
  3. A pessoa deverá ser capaz de: agachar, ajoelhar, subir e descer escadas.
  4. Para a edição CEGUEIRA, é expressamente proibida a entrada de menores de 12 anos, grávidas, pessoas com problemas cardíacos, claustrofóbicas e epiléticas.
  5. O preço do ingresso é por visitante.
  6. Os ingressos são vendidos antecipadamente online (mais informações abaixo). Não há venda de ingressos na hora.
  7. Os ingressos são nominais. Para eventual troca de titularidade é necessário comunicar a produção até às 16h do dia da respectiva sessão. Envie e-mail para casadomedo@macarenando.com.br com: data e hora da sessão + nome completo do titular + nome e e-mail do novo visitante. E aguarde e-mail de confirmação da troca. Importante 1: se o ingresso foi comprado com desconto, o novo visitante também deverá ter direito ao desconto e deverá levar documento comprobatório no dia da visita. Importante 2: caso não seja seguido este procedimento, não será permitida a entrada do novo visitante.
  8. As sessões possuem horários definidos, que devem ser rigorosamente cumpridos.
  9. As portas abrem-se pontualmente no horário da sessão e fecham-se 1 minuto depois. Portanto, esteja presente com antecedência mínima de 10 minutos ao início da sua sessão.
  10. Confira cuidadosamente o horário e dia de sua sessão, pois as sessões 00:00, 01:00 e 02:00 podem confundir os participantes em relação ao dia da visita. Exemplo: se a sua sessão é para “sábado 24/NOV/2018 0h”, isso significa que você deve ir na madrugada de sexta para sábado, e não de sábado para domingo.
  11. A visita tem uma duração média de 50 minutos. A sessão é encerrada após esse período, mesmo que o grupo não tenha concluído a visita e independentemente do local em que estiverem.
  12. Cada sessão pode ter um público de 13 pessoas (máximo) e 4 pessoas (mínimo). Caso não haja o mínimo de 4 visitantes para determinada sessão, será disponibilizado o remanejamento para outro horário ou o reembolso do valor pago.
  13. Ao entrar no local, o grupo receberá instruções sobre a visita e as regras que deverão ser cumpridas.
  14. Os celulares e aparelhos eletrônicos devem ser desligados e colocados em envelopes lacrados fornecidos pela produção. Todos poderão permanecer com seus envelopes e respectivos aparelhos, contudo, é expressamente proibido ligá-los durante a investigação.
  15. É expressamente proibido entrar na propriedade com: qualquer tipo de equipamento de captação de imagem ou som; qualquer tipo de objeto gerador de luz (lanternas, isqueiros, lasers ou outros); alimentos e bebidas; armas; objetos cortantes e perfurantes.
  16. É extremamente aconselhável roupas e calçados confortáveis e que permitam a mobilidade física.
  17. Uma vez iniciada a visita, é impossível sair na metade do caminho. Uma palavra-chave será informada pela produção para casos extremos e/ou de urgência.

27ª Open_Feira de Design especial Dia dos Pais ocorre no sábado, 11 de agosto

Cartaz-Open-#27

Edição da feira destaca marcas com produtos direcionados ao universo masculino e ocorre com entrada franca no Pátio Ivo Rizzo

Porto Alegre, 06 de agosto de 2018 – No próximo sábado, 11 de agosto, ocorre a 27ª edição da Open_Feira de Design, no Pátio Ivo Rizzo, com entrada franca. O evento destaca nesta edição marcas com produtos direcionados ao universo masculino, oferecendo opções de presentes para o Dia dos Pais. Serão 41 expositores de vestuário adulto e infantil, acessórios, mobiliário, decoração e brinquedos, além de opções gastronômicas ao ar livre.

“Muito mais do que uma feira, a Open aproxima o universo do design e da indústria criativa do público portoalegrense”, revela Camila Farina, curadora do evento. Criada, desenvolvida e realizada pela Maria Cultura, tem como objetivo movimentar o mercado criativo trazendo ao público produtos autorais e de marcas locais. Inspirada nas feiras de design abertas de Palermo, em Buenos Aires, a Open já reuniu desde sua primeira edição em 2015 um público de mais de 25.000 pessoas e 350 expositores.

O projeto gráfico de agosto foi criado pelo estúdio Silva Design do designer Felipe Gil, inspirado pela tendência do design liquid motion, que traz formas orgânicas em movimento. Uma edição bem masculina que aposta no cor de rosa como cor para entregar todo seu afeto.

Camila destaca algumas marcas participantes dessa edição como sugestão de presente para os pais que valorizam objetos e vestuário originais, ou simplesmente gostam de aliar praticidade com estética:

A About Blank @aboutblankclothing traz peças perfeitas para proporcionar ao seu pai um dia a dia super confortável e cheio de estilo. Além disso os processos da marca são todos ligados na sustentabilidade. Práticas, as peças apresentam versões reversíveis, um exemplo disso é a jaqueta Bomber, que além de linda, tem produção local respeitando os princípios do fairtrade. O lado preto é feito em algodão ecológico, produzido através de processo que reduzem o seu impacto na natureza, e o camuflado é feito com poliéster de garrafa pet reciclado.

A Riscato @riscatoshoes quer resgatar a tradição da fabricação de sapatos artesanais e de qualidade. O design é pensado a partir clássicos masculinos. Cultuam a filosofia do slow fashion, trabalhando com estoque sob demanda e buscando relações diretas com os clientes. Perfeito para o pai que quer manter a elegância sendo moderno, mas não abre mão do conforto para trabalhar e passear.


A Calleya Urban Style @calleya_urban_style combina design e funcionalidade para criar suas mochilas e leg packs, todas produzidas a mão em nylon impermeável, que é super leve, ideal para acompanhar o pai que passeia por aí (em viagens, trilhas, na bike, na cidade). As mochilas com capuz já são a marca registrada da Calleya.

Para os pais super descolados indicamos uma marca @sapatosemnome que faz sua estreia na OPEN e simplesmente arrasa no design de calçados, que são feitos a mão, individualmente, ou seja, um é diferente do outro, sempre.


A Koala @comprekoala traz uma opção bem bacana de óculos para presentear os pais, pois além de lindos, são facilmente adaptáveis para o uso com grau e contam com proteção UVA & UVB.

A Voalá @voalaimagens captura imagens incríveis da cidade através de drones, mostrando o mundo por ângulos pouco explorados. Os quadros da marca são ótimos presentes para os pais.

O evento tem entrada franca e ocorre das 11h às 19h, é pet friendly e tem atividades para toda a família. Em caso de chuva, a Open será transferida.  Fique por dentro da programação: openfeiradesign.com

 

Open_Feira de Design #27

DATA: sábado, 11 de agosto de 2018

HORÁRIO: das 11h às 19h

LOCAL: Pátio Ivo Rizzo (Rua Félix da Cunha, 1213)

Marcas confirmadas:

Compre Koala
CUADRADO
TF Design
Tsuru Alfaiataria
sabonetes100artesanal
Riscato Shoes
Loucos por carne
Araçá Ateliê
Boys Only Kids
LU.V design
BeWood
Calleya Urban Style
Nat Dametto
Trybo Design
Voalá – Imagens Aéreas
Otro bikewear
Sambi
Cangote
Bypaulo1
Graziela Marcondes
Akitti
Libe Store
About:Blank Clothing
Fernanda Sica comfort clothes
Colorê Patchwork
Serendipity Scarfs
Embaleco Embalagens Ecológicas
Studio Terrarium
Enika
Tuta criações
Poke House
Frida Peppers
Estúdio Terra Mater
Tal Mãe, Tal Filha
IDEA.602 Studio Criativo
A Culpa é das Cervejas – Beer Truck
Pocket Chef
Pantai
Sapato Sem Nome
Brigadeiro do Adri
Blocks

Fique por dentro da programação:
www.openfeiradesign.com

Fanpage: facebook.com/openfeiradesign /
Instagram: open_feiradedesign

Um evento:
Maria Cultura

Apoio:
Grafiset
Poke House
Apdesign – Associação dos Profissionais em Design do RS
POA na Rua
Rádio Unisinos FM
A Rádio oficial da OPEN

Convidado de Design (desenvolvimento do cartaz):
Filipe Gil – Silva Design

Assessoria de Imprensa
Bruna Paulin – assessoria de flor em flor

// Manifesto pelo Design // OPEN FEIRA DE DESIGN

Queremos design. Queremos produtos que contem histórias e que assim colaborem com as nossas. Queremos estimular o consumo consciente. Queremos causar surpresa com presentes que sejam úteis. E além de tudo queremos incentivar novos criadores abrindo espaço para novos fluxos econômicos. Queremos fazer parte da mudança e conviver com pessoas que também pensem como a gente.

 // Fale com a gente

open@mariacultura.com.br

// Sobre a Maria Cultura

A Maria Cultura é uma agência cultural que trabalha no desenvolvimento de projetos culturais. Especializada em áreas da cultura urbana como moda, design, artes visuais em geral, projetos ao ar livre, além de atender marcas como Lojas Pompéia, Unisinos, Duocasa, em função do patrocínio a projetos, faz a gestão da programação do Pátio Ivo Rizzo e tem no currículo iniciativas de sucesso como o carnaval Maria do Bairro, Pixel Show, Cut&Paste, Maratona Mude e diversas exposições como Mais Tempo Que lugar (Goethe Institute/Usina do Gasômetro), Transfer_cultura urbana_arte contemporânea(Santander Cultural), Italian Genius Now Brasil (Santander Cultural), Vinte(ver)Quintana (Shopping Praia de Belas), Imagina Erico (Shopping Praia de Belas).

Zé do Bêlo é o convidado do Sarau Elétrico desta terça, 07 de agosto

Ze-do-Belo---por-Kais-Ismail

Evento entra no túnel do tempo e recupera os anos 1920 e 1930

 

Nesta terça-feira, 07 de agosto, o Sarau Elétrico recebe o músico Zé do Bêlo no Sarau dos Anos 20 e 30, com canja de Marcelo Duani. Foram tempos turbulentos que marcaram a ascensão do nazismo e do fascismo, mas também legaram à civilização o cinema falado, as primeiras transmissões regulares de rádio e o direito ao voto das mulheres. No Brasil, a música popular dava o tom, com Noel Rosa, Pixinguinha, Ismael Silva, Assis Valente, Lamartine Babo e Dorival Caymmi.

O Sarau Elétrico entra no túnel do tempo e recupera os anos 1920 e 1930, com a participação especial de Zé do Bêlo, que nesta quinta-feira, 09 de agosto, faz show no Teatro Renascença com repertório de canções de compositores brasileiros deste mesmo período. Kátia Suman Luís Augusto Fischer e Diego Grando recebem, além de Zé, a canja de Marcelo Duani. O evento inicia às 21h, com ingressos a R$ 15,00. Mais informações: facebook.com/events/924875004358882 | facebook.com/saraueletrico

 

Sarau Elétrico anos 20 e 30 com Zé do Bêlo – canja Marcelo Duani

Terça-feira, 07 de agosto, 21h

Ocidente – ingresso R$ 15,00

 

Zé do Bêlo se apresenta na quinta, 09 de agosto, no Teatro Renascença

Ze do Belo - por Kais Ismail 3

Show marca o retorno do músico ao RS, com repertório resultante de pesquisa sobre MPB das décadas de 1920 e 1930

 

Na próxima quinta-feira, 09 de agosto, Zé do Bêlo sobe ao palco do Teatro Renascença para única apresentação, marcando o retorno do músico ao Estado, depois de oito anos vivendo em Brasília e na Paraíba. O espetáculo é o mais recente show do cantor, com repertório recheado de canções da música popular brasileira das décadas de 1920 e 1930, resultado de longa pesquisa por obras raras de gêneros de raiz popular como modinha, lundu, coco, embolada, choro e o samba nas suas variações.

O setlist, segundo o artista, é um apanhado de verdadeiras joias, canções populares selecionadas em uma pesquisa aprofundada em coleções de fonogramas antigos de obras de autores como Manezinho Araújo, João da Baiana, Jararaca e Ratinho, Almirante e Bando de Tangaras, Canuto, Noel Rosa, Braguinha. “Construo através desta pesquisa musical um cruzamento com uma pesquisa em bibliografia especializada de História do Brasil, contextualizando o ambiente político, cultural e social da época”, conta, através de textos de autores como José Ramos Tinhorão, Lúcio Rangel, Sergio Cabral, Jairo Severiano, entre outros.

Este espetáculo segue como um desdobramento de “A Moda Chegando Eu Vou Ver Como É”, álbum de 2014, onde lançou o projeto de pesquisa e resgate da produção da música brasileira das primeiras quatro décadas do século XX. Porém, toda essa aventura teve início em 2012, quando Zé resolveu incluir em seu repertório “Pelo Telefone”, de 1916, cuja autoria está registrada no nome de Donga e Mauro de Almeida, tido como o primeiro samba gravado Brasil. “Pesquisei a respeito da música e, nos shows, conto um pouco de sua história. Percebi, então, que o público aprovou a escolha, aplaudindo-me efusivamente”.

Zé do Bêlo vem acompanhado de Alexandre Rossetto no contrabaixo, Luiz Jakka e Nêgo Zé na percussão e King Jim na voz e sax. A apresentação inicia às 20h30, com ingressos a R$ 20,00, na bilheteria do teatro no dia do show ou antecipados na Banca da República, com descontos de 50% para estudantes, professores, artistas, terceira idade e pessoas com necessidades especiais. Para mais informações, acesse: facebook.com/zedobelo/

 

Sobre Zé do Bêlo:

Zé do Bêlo é o nome artístico do músico porto-alegrense Maurício Sanches. Iniciou sua carreira nos anos 1990 com essa performance, apresentando formato de show cômico musical do tipo stand up. As canções, autorais, devido ao seu sucesso, motivaram convites para gravações.

O hit “Reprise” alcançou execução em rádios FM, e levou o artista a notoriedade local. Lançou o CD “Acústico” em 1998 pelo Selo Barulhinho e o CD “Zé do Bêlo Salva” em 2005 pela Loop Discos.

Protagonizou comerciais de TV e apresentou seu próprio programa de rádio na lendária Ipanema FM, onde alcançou 13 pontos na audiência durante 2002 e 2004.

Após o ciclo de trabalhos em publicidade e mídia, o artista passou a dedicar-se à sua verdadeira paixão, que é música popular do Brasil. Atualmente regrava canções históricas das décadas de 1920 e 1930 que passaram despercebidas das grandes produtoras. Lançou o álbum “A Moda Chegando Eu Vou Ver Como É” em 2014, trabalho que o aproximou de aliados importantes nacionalmente, como o musicólogo Ricardo Cravo Albin, o comunicador Rolando Boldrin e o violonista arranjador Marco Pereira.

Em 2018 comemora 20 anos do lançamento do primeiro disco, aclamado pelo crítico Luiz Antonio Giron, em sua coluna Fonoteca, Caderno de Cultura da Gazeta Mercantil, com o seguinte texto em 1999: “Zé do Bêlo tem um physique du rôle tipo Falcão, mas sua música, profunda e escatológica, tem a ver com a série iniciada por Caco Velho e continuada por Lupicínio Rodrigues e Raul Seixas. Com voz quebradiça e palavras incisivas, ele retrata o submundo de Porto Alegre, os imperativos do amor, o destempero e a religião. Seu gênio maldito é prova de que o Sul não é uma caatinga cultural.” Este ano também marca seu retorno ao RS após oito anos morando em Brasília e na Paraíba. facebook.com/zedobelo/

 

Show Zé do Bêlo

09 de agosto, quinta-feira, 20h30

Teatro Renascença – Centro Municipal de Cultura – Av. Erico Veríssimo, 307

Zé do Bêlo – voz & violão | Alexandre Rossetto – contrabaixo | Luiz Jakka – percussão | Nêgo Zé – percussão | King Jim – sax e voz

Ingressos: R$ 20,00 – Antecipados na Banca da República – Av. João Pessoa esquina Rua da República ou na bilheteria do teatro no dia do show

50% de desconto para estudantes, professores, artistas, terceira idade e pessoas com necessidades especiais

Casa de Cinema de Porto Alegre na mídia

jc_01.08.18.jpgzh_01.08.18

metro_31.07.18

Blog no WordPress.com.

Acima ↑