Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Categoria

Artes

A Colmeia vence prêmio de Melhor Longa-Metragem Estrangeiro no Festival de Cinema de Zaragoza

Colmeia 2

Segundo longa de Gilson Vargas estreou em festivais no exterior e no Brasil em novembro

 

Após sua estreia em três festivais durante o mês de novembro, A Colmeia, segundo longa-metragem de Gilson Vargas, recebeu o Prêmio Augusto de Melhor Longa-Metragem Estrangeiro no Festival Internacional de Zaragoza na Espanha. O filme iniciou sua carreira em festivais no último dia 24, com exibição na programação do PÖFF 23 – Black Nights International Film Festival, na mostra Rebels With a Cause, na Estônia, seguindo para o Cine Zaragoza e chegando ao público brasileiro no 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em Brasília.

O Festival Internacional de Cinema de Zaragoza é um festival classificador do Goya e já se encontra em sua 24ª edição e ocorreu de 15 a 30 de novembro, promovendo, além de mostras, o Zaragoza Film Market, buscando consolidar uma indústria cinematográfica na cidade, como um polo de produção audiovisual e um espaço de networking para profissionais nacionais e internacionais da indústria, remanejando o foco que está concentrado em outras cidades da Espanha como Madrid e Barcelona.

Filmado em 2017 nos municípios de Maratá e Harmonia, interior do RS, o filme situa-se na no período da 2ª Guerra Mundial e traz como protagonistas um grupo de imigrantes alemães que vive isolado no interior do Brasil. Eles tentam se manter invisíveis, mas a curiosidade dos mais jovens e a insegurança perante o novo ambiente instaura uma tensão e um ciclo de violência sem volta. A Colmeia flerta com o cinema de suspense, com doses de poesia visual, refletindo sobre os conflitos gerados pelo medo e a opressão.

Segundo Vargas, diferente de Dromedário no Asfalto, seu filme de estreia, um road movie tanto em seu roteiro quanto em sua produção, A Colmeia é um filme de processo: “tivemos a oportunidade de fazer uma imersão com equipe e atores no universo do filme antes das gravações, com visitas às locações, trabalho de pesquisa dos personagens, aulas de alemão e muito ensaios”, conta.

Durante a pré-produção do longa, o elenco pode desenvolver a construção de seus personagens através de um intenso processo de imersão dos atores, que passaram alguns dias no campo e vivendo na casa onde foram rodadas grande parte das cenas do filme, um casarão erguido em 1864. O grupo viveu como os personagens, trabalhando no campo e realizando as atividades conforme o período em que se passa a história de A Colmeia: “os atores chegaram a passar uma noite sozinhos na casa, fazendo sua própria comida, tomando banho com bacias, usando ferros de passar roupa com brasas e sob a luz de lampiões”, revela o diretor.

No elenco, Rafael Fronskoviak, Janaina Pellizon, Martina Froederich, Renata de Lelis, Thais Petzhold, Samuel Reginato, João Pedro Prates e Andressa Mattos interpretam os imigrantes alemães.

A Colmeia tem roteiro de Matheus Borges, Gilson Vargas e Diones Camargo, que também assina o argumento. A direção de arte é de Gilka Vargas e Iara Noemi e a direção de fotografia de Bruno Polidoro, parceiro de Vargas em seu primeiro longa, em diversos curtas e na série de TV Travessias. O desenho de som e a montagem são por conta de Gabriela Bervian, também parceira do diretor em diversos filmes e na vida afetiva – Gabriela e Gilson, além de casados, são sócios da Pata Negra, produtora que assina o trabalho. A dupla é responsável pela produção executiva do filme, que também conta as produtoras Eduarda Nedel e Deise Chagas na equipe.

O lançamento comercial está previsto para março de 2020, após o filme circular por festivais, com distribuição da Lança Filmes. A Colmeia tem financiamento do FSA Ancine e do FAC Pro-Cultura RS com recursos do Edital Arranjos Regionais, que fomentou a realização de diversos filmes realizados no Rio Grande do Sul, como Yonlu, de Hique Montanari, Rifle, de Davi Pretto e Disforia, de Lucas Cassales. A obra também conta com apoio Institucional do Goethe-Institut Porto Alegre e do Ministério das Relações Exteriores. Para mais informações, acesse: https://www.facebook.com/cinepatanegra/

 

GILSON VARGAS

Gilson Vargas é roteirista, diretor e produtor. Dirigiu diversos curtas-metragens premiados dentro e fora do Brasil, como o curta-metragem “Casa Afogada”, vencedor de quatro Kikitos no Festival de Cinema de Gramado. Em 2015 lançou o seu primeiro longa-metragem, “Dromedário no Asfalto”. Atualmente, está realizando a série de documentário para TV chamada “Travessias”, que também possui versão no formato de longa-metragem e foi filmada em diversos países, incluindo a Rússia, Mongólia, Estados Unidos, Japão, China e Tanzânia. No teatro, fez duas incursões como diretor, tendo recebido o Prêmio Nacional Myriam Muniz pelo espetáculo Crucial Dois Um. Leciona Roteiro e Direção no Bacharelado em Cinema da UNISINOS, no Rio Grande do Sul. A Colmeia é seu segundo longa-metragem. Gilson Vargas é também sócio da produtora Pata Negra, sediada em Porto Alegre.

Muovere Cia de Dança promove apresentações de Tóin: dança para bebês no Teatro Eva Herz – Livraria Cultura com participação do Papai Noel

toin_creditoGuiMalgarizi

Apresentações ocorrem nos dias 14 e 15 de dezembro

 

Nos dias 14 e 15 de dezembro a Muovere Cia de Dança promove duas apresentações do espetáculo “Tóin: dança para bebês” no Teatro Eva Herz na Livraria Cultura. Esta edição contará com uma participação especial do Papai Noel para celebrar o Natal.

A partir do desejo de oferecer atividades artísticas para bebês entre 0 e 3 anos e seus cuidadores, em 2012 a Muovere Cia de Dança criou “Tóin – Dança para Bebês”, um espetáculo coreográfico dedicado a este público, inaugurando um encontro entre bailarinos e pequenos artistas, onde as formas, as cores e os sons provocam imaginários.

Inspirado em autores da literatura infantil, como Gláucia de Souza e Eva Furnari, Monteiro Lobato e Mário Quintana, em animações e em memórias de infância dos bailarinos e diretores, incluindo relatos, fotos e dossiês. A equipe de criação do projeto pesquisou um conjunto de referências pautadas no movimento do corpo, como um dos primeiros sinais que o bebê manifesta através de gestos dançados. Por Marcelo Delacroix, a trilha é composta de canções originais como a dança dos palitos, a dança dos dedinhos e das perninhas. Bruno Fernandes, Denis Gosh, Arthur Bonfanti e Aline Karpinski integram o elenco do espetáculo para dançar os personagens Ventania, Papel, Mola e Flor.

Com direção geral e coreográfica de Jussara Miranda e artística de Diego Mac, Tóin já foi apresentado em mais de 150 sessões em todo Brasil, entre festivais, mostras, feiras e escolas. A companhia também participou do programa Game para Bebês da Ana Maria Braga, Rede Globo, como também do importante projeto UM NOVO OLHAR- Festival de Artes para a primeira infância, promovido pelo SESC São Paulo.

A equipe do espetáculo também é composta pelo ensaiador e assistente de direção artística Nilton Gaffree. Os figurinos são de Antonio Rabadan, a trilha sonora original de Marcelo Delacroix e Beto Chedid e produção de Ana Paula Reis.

Os ingressos custam R$ 40,00 e tem 50% de descontos para estudantes, idosos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência e estão à venda na Livraria Cultura e online através do site http://www.sympla.com.br

 

SERVIÇO

Dias 14 e 15 de dezembro (sábado e domingo), às 16 horas.

Duração: 40 minutos

Teatro Eva Herz – Livraria Cultura / Bourbon Shopping Country – Av. Tulio de Rose, 80. Piso 2 – Loja 302. Bairro Passo d’Areia

Ingressos R$ 40,00

À venda na Livraria Cultura e online através do site http://www.sympla.com.br

Descontos para estudantes, idosos, jovens de baixa renda, pessoas com deficiência.

São considerados doadores regulares de sangue a mulher que se submete à coleta pelo menos duas vezes ao ano, e o homem que se submete à coleta três vezes ao ano.

 

Sarau da Clara Corleone recebe Jorge Furtado e Luisa Geisler na quinta, 05 de dezembro

clara corleone_credito_Carolina Disegna

O tema da edição será “Humor” e ocorrerá no Von Teese

 

Porto Alegre,  02 de dezembro de 2019 – Na quinta-feira, 5 de dezembro, às 20h30, o Von Teese recebe mais um Sarau da Clara Corleone. O evento literário traz a cada edição um tema que pauta os textos lidos por Clara e as personalidades que participam. O de dezembro será “Humor”. Dividem o sofá do Von Teese com a anfitriã o diretor Jorge Furtado e a escritora Luisa Geisler.

O evento da escritora e atriz já recebeu as escritoras Martha Medeiros e Claudia Tajes, as políticas Manuela D’Ávila e Fernanda Melchionna, os jornalistas Katia Suman, Carol Anchieta, Roger Lerina e Paulo Germano, as atrizes Mirna Spritzer, Maria Galant e Catharina Conte, os diretores de teatro Patrícia Fagundes, Júlio Conte e Patsy Cecato, entre outros. O “Sarau da Clara Corleone – Humor” tem couvert de R$ 10,00 (em dinheiro) ou R$ 15,00 (em cartão). O Von Teese fica na Rua Bento Figueiredo 32.

Clara Corleone é formada em Arte Dramática e divide o seu tempo como produtora no estúdio Otto Desenhos Animados e hostess do Bar Ocidente às sextas. Comanda o sarau no Von Teese desde 2017 e lançou seu primeiro livro, “o homem infelizmente tem que acabar” em 2019 na Editora Zouk, pelo selo Casa da Mãe Joanna.

Jorge Furtado é diretor e roteirista dos longas HOUVE UMA VEZ DOIS VERÕES (2002), O HOMEM QUE COPIAVA (2003) e MEU TIO MATOU UM CARA (2005) SANEAMENTO BÁSICO, O FILME (2007), O MERCADO DE NOTÍCIAS (2014),  REAL BELEZA (2015), QUEM É PRIMAVERA DAS NEVES (2017) e RASGA CORAÇÃO (2018). Dirigiu também vários curtas-metragens premiados no Brasil e no exterior, como O DIA EM QUE DORIVAL ENCAROU A GUARDA (1986), BARBOSA (1988), ILHA DAS FLORES (1989), ESTA NÃO É A SUA VIDA (1991), ÂNGELO ANDA SUMIDO (1997), e O SANDUÍCHE (2000). Para a TV Globo, dirigiu a série CENA ABERTA (2003), a minissérie LUNA CALIENTE (1998), DECAMERÃO (2010), as três temporadas de HISTÓRIA DO AMOR (2011/ 2012/2013), e os telefilmes HOMENS DE BEM (2011) e DOCE DE MÃE (2012). Este último originou a série em 14 episódios DOCE DE MÃE (2014) e rendeu dois prêmios Emmy Internacional: Melhor atriz, para Fernanda Montenegro, em 2013, e Melhor Série de Comédia, em 2015. Jorge Furtado é um dos sócios-fundadores da Casa de Cinema de Porto Alegre.

Luisa Geisler nasceu em 1991, em Canoas, Rio Grande do Sul. É escritora e tradutora. Autora de Luzes de emergência se acenderão automaticamente (Alfagura, 2014), De espaços abandonados (Alfagura, 2018) e Enfim, capivaras (Editora Seguinte, 2019), foi duas vezes vencedoras do Prêmio Sesc de Literatura, além de finalista do Prêmio Machado de Assis, semifinalista do Prêmio Oceanos de Literatura e duas vezes finalista do Jabuti. É mestre em processo criativo pela Universidade Nacional da Irlanda.Tem textos publicados e traduzidos em maia de 10 países.

Sarau da Clara Corleone

“Humor” com Jorge Furtado e Luisa Geisler

5 de dezembro, quinta-feira, às 20h30

Couvert a R$ 10,00 em dinheiro// R$ 15,00 em cartão

Von Teese – Rua Bento Figueiredo 32

 

6º Kino Beat na imprensa

zh_30.11.19

 

correiodopovo_30.11.19

Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira divulga vencedores

Caçador-still

Cerimônia de premiação revelou os vencedores da Mostra Competitiva Brasil, Mostra Outros Esquemas e Mostra Audiovisual em Curso

Júri elegeu “Caçador”, de Leonardo Sette como o vencedor do Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019

Nesta quarta-feira, 27 de novembro, o Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira divulgou os ganhadores das mostras Competitiva Brasil, Outros Esquemas e Audiovisual em Curso em cerimônia de premiação na Cinemateca Capitólio. O júri, composto pela realizadora Camila Leichter, a crítica de arte e curadora Gabriela Motta e o ator e diretor Silvero Pereira, elegeu Caçador, de Leonardo Sette, que ganhou o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019 e recebeu o troféu criado pelo artista Luiz Roque, além de R$ 8 mil em locação de equipamentos de luz e maquinária na Locall RS ou SP, R$ 10 mil em serviços no TECNA/PUCRS,  40h de edição de som, 12h de mixagem, 6h de foley e 4h de estúdio para dublagem no KF Estúdios.

As 33 obras exibidas em sessões de cinema, videoinstalações e performance foram avaliadas pelos jurados, que tiveram a missão de eleger o Grande Prêmio do Cine Esquema Novo 2019 e mais seis destaques, todos eles acompanhados de uma justificativa que explicita as razões da escolha. As produções selecionadas foram Aymberê, de Duo Strangloscope, Quando Elas Cantam, de Maria Fanchin, O Mundo é Redondo pra Ninguém se Esconder nos Cantos – Parte I: Refúgio, de Leandro Goddinho, Rise e Swinguerra, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, A Rosa Azul de Novalis, de Rodrigo Carneiro e Gustavo Vinagre e Jogos Dirigidos, de Jonathas de Andrade.

A novidade da premiação deste ano ficou por conta das mostras Outros Esquemas e Audiovisual em Curso, que contaram com júri popular. Raia 4, de Emiliano Cunha, filme vencedor da Mostra Outros Esquemas recebeu prêmios da Locall e TECNA/PUCRS. Com 15 produções que foram exibidas na Cinemateca Capitólio Petrobras, a mostra surge de um desejo do time de curadores do CEN 2019 em contemplar um espaço de expressão diferente da Mostra Competitiva Brasil, mas que fizeram brilhar seus olhos. “Todos os anos recebemos obras que nos despertam muito interesse, que queríamos muito ver no festival, mas que, por termos uma proposta de curadoria, digamos, quase temática (afinal, temos como subtítulo “Arte Audiovisual Brasileira”), acabamos com muito pesar não selecionando. Assim surgiu a Outros Esquemas, para exibir esses filmes que gostamos muito e que, justamente num momento em que o nosso cinema sofre ataques e riscos, devem ganhar mais espaço para se expressar”, revelam.

Já a Mostra Audiovisual em Curso premiou, também através de escolha do público, os melhores projetos de curadoria, que receberão bolsas de cursos da Fluxo – Escola de Fotografia e Cinema. Com média 4,34, a sessão da UFPEL (cursos de animação e audiovisual), teve curadoria de André Berzagui, Emmanuelle Schiavon Melgarejo, Lucas Honorato Cordeiro, Rowan Romeiro, Rubens Fabrício Anzolin e Victória Deniz. A segunda edição da Mostra Audiovisual em Curso que contou com a curadoria de 19 alunos de sete cursos de realização audiovisual, artes visuais, comunicação e animação de cinco instituições do RS: Crav/Unisinos, Teccine/PUCRS, Fabico e Instituto de Artes/UFRGS, Audiovisual e Animação/UFPEL e Audiovisual/Uniritter e reuniu 38 obras selecionadas pelos alunos-curadores.

O evento reuniu durante uma semana de programação exibições de quatro mostras, rodadas de negócios, oficinas e seminário que ocorreram na Cinemateca Capitólio Petrobras, Goethe-Institut Porto Alegre, Hub Criativa Birô, Teatro Quilombo das Artes Utopia e Luta e Laboratório de Fotografia do Instituto de Artes da UFRGS. O time de curadores contou com Jaqueline Beltrame, Gustavo Spolidoro, Ramiro Azevedo e pelo segundo ano, Vinicius Lopes, realizador da produtora Pátio Vazio, parceira do festival há três edições.

Durante a cerimônia foi exibido o vídeo-manifesto Experimentar é resistir produzido pela diretoria 2019 da APTC-RS em parceria com o Cine Esquema Novo. Em diálogo com o jogo dadaísta do cadáver esquisito, a entidade convida os realizadores do festival para compor uma só voz em defesa do audiovisual brasileiro.

Realizado com recursos do edital SAV/MINC/FSA nº 11, 2018, o Cine Esquema Novo 2019 é uma Realização de: Ministério da Cidadania – Secretaria Especial da Cultura; Correalização de Goethe-Institut Porto Alegre; Apoio Institucional de Ministério das Relações Exteriores, Embaixada da França no Brasil e RS Criativo; Apoio de Prefeitura Municipal de Porto Alegre e Secretaria Municipal da Cultura através da Coordenação de Cinema e Audiovisual/Cinemateca Capitólio Petrobras e Prime Box Brazil; e Apoio Premiação de Locall, KF Studios, TECNA/PUCRS e Fluxo – Escola de Fotografia e Cinema. Mais informações, acesse: www.cineesquemanovo.org | www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

 

Saiba Mais

Mostra Competitiva Brasil – Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019 

“O filme transpira ambiguidades em todos seus planos. A caça, a lata, a lenha, o gás, o indígena, o homem branco em diálogos que potencializam existências.”

CAÇADOR, de Leonardo Sette

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2019 – vencedores

Prêmio: A IMAGEM QUEIMA

“Experiência audiovisual que foge da tela e invade o espaço, transformando a sala de cinema em um ambiente cinético. A proposta associa a queima do negativo com a violência contínua à ancestralidade instaurando a possibilidade de invenção de outros modos de existência.”

AYMBERÊ, de Duo Strangloscope

Prêmio: COMO INFECCIONAR O SISTEMA

“O filme opera uma transcendência do espaço de confinamento através da experiência estética.”

QUANDO ELAS CANTAM, de Maria Fanchin

Prêmio: EXPERIÊNCIA AUDIOVISUAL NO ESPAÇO EXPOSITIVO

“A associação entre narrativa e as imagens possibilita uma construção de outras viagens ao lado do personagem.”

O MUNDO É REDONDO PRA NINGUÉM SE ESCONDER NOS CANTOS – PARTE I: REFÚGIO, de Leandro Goddinho

Prêmio: TEMPORALIDADES TRANSVERSAIS

“A música num processo de desconstrução de gêneros e afirmação de existências. A força da arte num processo coletivo. As relações binárias desconstruídas de corpos dissidentes, violentados, alegres e unidos.”

RISE e SWINGUERRA, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

Prêmio: PRIMEIRO PLANO

“Como construir a narrativa de um documentário a partir da ficção considerando o cinema como um lugar da experiência onírica.”

A ROSA AZUL DE NOVALIS, de Rodrigo Carneiro e Gustavo Vinagre

Prêmio: A FALA DO CORPO

“A experiência como filme, processo e vivência entre.”

JOGOS DIRIGIDOS, de Jonathas de Andrade

Prêmio do Público da Mostra Outros Esquemas

média 4,73

RAIA 4de Emiliano Cunha

 

Prêmio do Público da Mostra Audiovisual em Curso

média 4,34

Melhor Sessão: UFPEL – ANIMAÇÃO E AUDIOVISUAL, curadoria de André Berzagui, Emmanuelle Schiavon Melgarejo, Lucas Honorato Cordeiro, Raquel Romeiro, Rubens Fabrício Anzolin e Victória Deniz

Prêmios:

 

Mostra Competitiva Brasil

  • Troféu assinado pelo artista Luiz Roque
  • R$ 08 mil em locação de equipamentos de luz e maquinária na Locall RS ou SP
  • R$ 10 mil em serviços no TECNA/PUCRS
  • 40h de edição de som, 12h de mixagem, 6h de foley e 4h de estúdio para dublagem no Kiko Ferraz Estúdios

Jurados

CAMILA LEICHTER: Artista visual e doutoranda em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – UFRGS, com a pesquisa Campo e Contracampo da Experiência, envolvendo os aspectos processuais, imersivos e performativos da prática audiovisual a partir do lugar da experiência, atualmente, uma antiga casa adjacente a um moinho em ruínas e seu entorno, na Picada 48 Baixa – RS.

GABRIELA KREMER MOTTA: Curadora, crítica e pesquisadora em artes visuais. Atualmente, é bolsista PNPD junto ao PPG do Centro de Artes da UFPEL (2016 – 2020). Doutora em Teoria, Ensino e Aprendizagem da Arte, pela USP (2015), e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005).

SILVERO PEREIRA: Ator, dramaturgo e diretor. Fundador do Coletivo As Travestidas (Fortaleza- CE). No Teatro atuou em mais de 30 peças e circulou por quase todo o território brasileiro além de EUA e Alemanha. Na TV atuou na novela A FORÇA DO QUERER e participou do Show dos Famosos 2018 do domingão do Faustão, é mobilizador do programa Criança Esperança. No Cinema fez Serra Pelada (2012), curtas como No Fim de Tudo (RN) As Bodas do Diabo (SP) e Mar de Zila (RN). Recentemente participou do filme BACURAU de Kleber Mendonça e Juliano Dorneles.

Mostra Outros Esquemas

Júri popular

Prêmios:

  • R$ 08 mil em locação de equipamentos de luz e maquinária na Locall RS ou SP
  • R$ 05 mil em serviços TECNA/PUCRS

Mostra Audiovisual em Curso

Júri Popular

Prêmios: 03 bolsas de estudo na Fluxo – Escola de Fotografia e Cinema:

  • Curso de Linguagem Cinematográfica com Cássio Tolpolar
  • Curso Direção Cinematográfica com Emiliano Cunha
  • Curso Básico de Fotografia

 

Números do CEN 2019

8 filmes premiados

Sessão da Mostra Audiovisual em Curso premiada

4 mostras

33 filmes selecionados para Competitiva Brasil

9 projetos dirigidos por grupos ou duos (Mostra Competitiva Brasil)

12 realizadoras (Mostra Competitiva Brasil)

29 realizadores (Mostra Competitiva Brasil)

produções assinadas por brasileiros no exterior (Mostra Competitiva Brasil)

28 filmes em exibição na Cinemateca Capitólio

sessões com acessiblidade

1 performance

4 filmes na galeria do Goethe-Institut Porto Alegre

1 seminário

25 projetos selecionados para as Rodadas de Negócios

25 sessões em sala de cinema

oficinas

Quem fez o CEN 2019:

O CEN 2019 é uma realização do Ministério da Cidadania – Secretaria Especial da Cultura

Financiamento: BRDE/ FSA/ Ancine

Correalização: Goethe-Institut Porto Alegre

Direção Geral e Coordenação de Produção: Jaqueline Beltrame

Coordenação de Programação: Ramiro Azevedo

Coordenação de Curadoria: Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo

Curadoria Mostras Competitiva Brasil e Outros Esquemas: Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinícius Lopes

Curadoria Mostra Universitária BASE-Líbano: Ali Khodr

Júri Mostra Competitiva Brasil: Camila Leichter, Gabriela Motta e Silvero Pereira

Assessoria de Comunicação: Bruna Paulin

Produção Rodada de Negócios: Leandro Engelke

Produção Receptivo: Kamyla Claudino Belli

Curadoria e Produção Seminário Pensar a Imagem: Gabriela Almeida

Curadoria Mostra Audiovisual em Curso: UNISINOS – Beatrice Fontana, Guilherme, Medeiros, Lucas Bastos, Luiza Zimmer | UFRGS – Nicolas Lobato, Kahena Zanato Sartore, Sophia Kopte, Aline Rodrigues | PUCRS – Samanda Kozicki, Pedro Spieker | UFPEL – Rubens Fabricio Anzolin, André Berzagui, Raquel Romeiro, Lucas Honorato Cordeiro, Emmanuelle Schiavon Melgarejo, Victória Deniz | UniRitter – Márcio Picoli Valmorbida, Lorena Teodora Fraga Longaray, Daniel Santos de Castro

Administrativo e Assistência de Produção: Arthur Ferraz

Assistência de Curadoria: Isabel Cardoso

Redes Sociais e cobertura site (RP online): Ricardo Romanoff

Site: Pomo Studio (Gabriella Tachini e Fred Messias)

Fotografia: Roberto Vinicius – Agafoto

Cobertura vídeo: Vaibe Produções (Bruna O’Donnell, Lucas Borba, Rafael Munhoz e Thaís Brito)

Arte – ilustração, design e desenvolvimento material gráfico: Gustavo Panichi

Vinheta: Kamyla Claudino Belli

Assessoria Jurídica: Patrícia Goulart

Contabilidade: MVG Consultoria Contábil

Oficina Câmera Causa – Realização Audiovisual para grupos em vulnerabilidade social: Gustavo Spolidoro e Lucas Heitor

Oficina Trabalhando artesanalmente com película 16mm: Luciana Mazeto e Vinícius Lopes

Seminário Pensar a Imagem (palestrantes): Ali do Espírito Santo, Angelika Ramlow, Bernard Payen, Dieison Marconi, Izis Abreu, Juliana Costa, Paulo de Carvalho e Silvero Pereira

Rodadas de Negócios (players): Angelika Ramlow, Argel Medeiros, Leticia Friedrich e Paulo de Carvalho

Apoio Institucional: Ministério das Relações Exteriores, RS Criativo, Embaixada da França no Brasil

Apoio Premiação: TECNA PUCRS, Locall, KF Studios e Fluxo – Escola de Fotografia e Cinema

Apoio: Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação de  Cinema e Audiovisual/Cinemateca Capitólio Petrobras, Prime Box Brasil, Traduzca, Roger Lerina.com.br, Instituto de Artes/UFRGS, RC Som, Master Hotéis, Revista Clandestina, APTC, Bertoldo Espaço Cultural, Atelier de Massas, Ocidente, Bárbaros Cervejas Especiais, Cachaça da Chica, Justo, Ossip, Maison Forestier-Gran Legado, Suprem, Murof e 99

6º Kino Beat no Jornal do Comércio de hoje

jc_29.11.19.jpg

6º Kino Beat na capa do Segundo Caderno em Zero Hora de hoje

zh_28.11.19

 

zh2_28.11.19

6º Kino Beat na imprensa

correiodopovo_26.11.19

 

jc_26.11.19

 

zh_26.11.19

 

 

jc2_26.11.19

6º Kino Beat na coluna Vida Social do Jornal do Comércio de hoje

jc_22.11.19

Blog no WordPress.com.

Acima ↑