Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Sala Carlos Carvalho

correiodopovo_17.04.16.jpg

jc2_16.10.15

correiodopovo_16.10.15

zh_15.10.15

Formas de falar das mães dos mineiros enquanto esperam que seus filhos saiam à superfície estreia dia 16 de outubro na Casa de Cultura Mario Quintana

formasdefalar_credito_fernandachemale

Texto inédito no Brasil do argentino Daniel Veronese tem direção de Breno Ketzer

Estreia no dia 16 de outubro, na Sala Carlos Carvalho, na Casa de Cultura Mario Quintana, o espetáculo Formas de falar das mães dos mineiros enquanto esperam que seus filhos saiam à superfície, com direção de Breno Ketzer e dramaturgia do argentino Daniel Veronese.

Ao buscar informações sobre seu filho Luís, desparecido há 12 anos em uma mina de carvão, Isabel vê-se envolvida em um jogo de encontros improváveis que a levam a confundir vontade e ilusão. No elenco, Nena Ainhoren, Maria Cecília Guimarães e João França interpretam o texto inédito no Brasil.

“A formalidade da instituição em contraponto com a força de uma mãe que busca por um filho desaparecido. Entre estas forças, os disfarces, manipulações e enganos provocados por personagens que, de forma sinistra, jogam um papel cruel. Neste escritório, nada é o que parece ser.  O que talvez não esperássemos é o efeito em Isabel e nos próprios funcionários. As dúvidas e incertezas promovidas por estes encontros revelam um estranho envolvimento, uma certa identificação de Isabel com seus algozes”.

É impossível não relacionar o desaparecimento de Luís – filho da personagem Isabel –  a uma série de episódios que insistem em repetir-se em nossa sociedade. Podemos fazer relações diretas com os regimes autoritários, que atingiram tanto a Argentina como o Brasil, e mais atualmente com a questão do narcotráfico que, em 2014 foi responsável pelo desaparecimento de 43 estudantes na província rural Raúl Isidro Burgos, de Ayotzinapa, no México, em 2014”, revela o diretor.

Veronese, um dos dramaturgos e diretor de maior reconhecimento do teatro contemporâneo argentino, apresenta uma situação sinistra de espera interminável em um labirinto burocrático que remete à obra de Kafka, induzindo Isabel a confundir realidade e ilusão, determinando um desfecho inesperado. A intersecção entre o mundo real, observável neste grande escritório e seus funcionários, com um mundo metafórico representado pela entrada da mina, é assumida pela encenação compondo um elemento central da linguagem do espetáculo. Contrapondo-se concretamente em cena, o espectador perceberá imediatamente uma disjunção entre estes dois planos.

 A temporada de estreia segue até 1 de novembro, às sextas, sábados e domingos, às 20h. Os ingressos custam R$ 30,00, com descontos de 50% para estudantes, idosos e classe artística, à venda uma hora antes do espetáculo, na bilheteria do teatro.

Ficha Técnica

Dramaturgia: Daniel Veronese

Atuação: Nena Ainhoren como Isabel, Maria Cecília Guimarães como Secretária e João França como Homem

Cenografia: Rodrigo Lopes

Figurinos e Adereços: Rô Cortinhas

Iluminação: Zézinho

Direção: Breno Ketzer

Fotografias: Fernanda Chemale

Produção: Bem Passado Produção Cultural

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Minibios:

Maria Cecília Guimarães é atriz com graduação em Artes Cênicas 2007 em São Paulo, 2007. Atuou nos espetáculos teatrais, como:  “Eu, Medéia”, “As Fidalgas”, “Desdêmona” e “Uma Alice Imaginária”. Em 2012 muda-se para Porto Alegre, onde trabalha com gestão cultural, função que já desenvolvia no Instituto Itaú Cultural há 4 anos.

Nena Ainhoren é atriz graduada pela UFRGS com grande experiência em teatro cinema e televisão. Participou de montagens teatrais como; “A Noite dos Assassinos” de José Triana com direção de Paulo Albuquerque; “Dona Otília Lamenta Muito” de Vera Karan, direção de Mauro Soares; “Cabaré Valentin” de Karl Valentin, direção de Buza Ferraz. Nena também possui grande experiência com ministrante de oficinas de teatro e projetos de formação.

João França é ator com grande experiência profissional em teatro tendo participado de vários espetáculos ao longo de sua carreira como; “ O Marido do Dr. Pompeu”, com direção de Dilmar Messias “Cassino Atlântida”, direção de Nestor Monastério e “ Marida Degolada” direção de Camilo de Lélis,  entre outros. Desenvolve também atividades na área do audiovisual  como ator, locutor e produtor.

Breno Ketzer é graduado em Artes Cênicas pela UFRGS tendo participado de diversos projetos de criação e montagem de espetáculos como ator, sonoplasta e iluminador. Entre eles “ Nisso se vai metade de nosso sangue” 1990, “A Tempestade” com direção de Luiz Paulo Vasconcellos, 1998, “Kaldewey, a farsa do convidado obsceno” direção de Maria Helena Lopes, 1992. Hamlet, direção de Luciano Alabarse, 2007.

Daniel Veronese.

A partir de oficinas de dramaturgia com Mauricio Kartun e Teatro de Bonecos cria o grupo, em 1989, “ El Periférico de Objetos” que integra atores e objetos. Em 1990 realiza a encenação de “ Ubú Rey” com bonecos no centro cultural Parakultural. Foi curador das 3 primeiras edições do Festival de teatro e dança de Buenos Aires, em 1999, 2001 e 2003. Tem inúmeras participações em festivais internacionais sendo considerado um dos dramaturgos e diretor de maior reconhecimento do teatro contemporâneo argentino.

Formas de falar das mães dos mineiros enquanto esperam que seus filhos saiam à superfície

 De 16 de outubro a 1 de novembro, sextas sábados e domingos às 20h.

Sala Carlos Carvalho – Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas,762. 2º andar)

 Ingressos: Na bilheteria do teatro: Valores: R$ 30,00

 R$15,00 (descontos para estudantes, idosos, classe artística)

Blog no WordPress.com.

Acima ↑