Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Porto Verão Alegre

Mirna Spritzer na coluna de Luiz Gonzaga Lopes no Correio do Povo de domingo

correiodopovo_19.01.20

Espetáculo “Pois é, Vizinha…” no Jornal de Gravataí de hoje

jornaldegravataí_16.01.20

Espetáculo “Pois é, Vizinha…” na coluna Informe Especial de Tulio Milman em Zero Hora de hoje

zh_15.01.20.jpg

Pois é, Vizinha… comemora 27 anos em cartaz integrando a  programação do 21º Porto Verão Alegre

poisemontagem

Com direção, adaptação e atuação de Deborah Finocchiaro, espetáculo é o único que participou de todas as edições do Festival e é o solo mais longevo da história do teatro gaúcho

 

A atriz Deborah Finocchiaro encerra sua participação no Porto Verão Alegre 2020 com a aclamada comédia Pois é, Vizinha…. As apresentações ocorrem nos dias 28, 29 e 30 de janeiro, às 21h, no Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa. O texto é uma adaptação de “Uma Donna Sola”, dos italianos Franca Rame e Dario Fo – Nobel de Literatura 1997, escritor, ator e um dos maiores dramaturgos contemporâneos – e retrata a realidade de mulheres que ainda vivem a situação de opressão e violência doméstica. Em sua trajetória, já participou e promoveu inúmeros eventos ligados às questões de gênero, em parceria com diferentes entidades e delegacias para mulher em vários estados brasileiros. Ações que comprovam a função e efetividade da representação cênica como caminho de questionamentos e transformações.

Maria, uma dona-de-casa trancafiada em casa pelo marido “gauchão”, é obrigada a suportar o cunhado semi-paralítico e tarado, o “voyeur” do prédio vizinho, o tarado do telefone e o apaixonado rapaz que é professor de inglês. Um dia se depara com uma vizinha do prédio em frente e desabafa. Aos poucos, o simples cotidiano revela-se patético. É uma comédia que apresenta as relações humanas de uma forma clara e direta, fazendo com que o público se identifique e, através de muitos risos, possa repensar e questionar a própria vida.

Pois é, Vizinha… integrou a programação do Porto Verão Alegre desde seu lançamento, sendo o único espetáculo a participar de todas as 21 edições do evento. Em cartaz desde 1993 e assistida por mais de 200 mil pessoas, a comédia conquistou 14 prêmios e arrebatou plateias dos oito aos 80 anos de diferentes classes sociais no Brasil e Argentina e é o solo mais longevo da história do teatro gaúcho.

Em sua trajetória, Deborah recebeu, além de dezenas de indicações, 32 prêmios. Entre eles nove de Melhor Espetáculo (três deles por Pois é, Vizinha…), 17 de Melhor Atriz (sete por Pois é, Vizinha…), além de Melhor Direção, Melhor Texto Adaptado, Melhor Roteiro e três deles como Melhor Artista de Teatro. Recentemente foi indicada ao Prêmio Açorianos 2019 de Melhor Atriz por Diário Secreto de Uma Secretária Bilíngue, espetáculo que também estará em cartaz na programação do Porto Verão Alegre 2020, dias 17 e 18 de janeiro, sexta 20h e sábado 18h no Instituto Ling.

Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente pelo site do festival ou nas lojas Claro (Shopping Bourbon Country e Praia de Belas), ponto de venda do PVA no Shopping Total, Casarão Verde e Theatro São Pedro com valores entre R$ 20,00 e R$ 32,00. Na hora, na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação, as entradas custam entre R$ 20,00 e R$ 40,00.

SERVIÇO:
Espetáculo teatral “Pois é, Vizinha…”

Quando: 28, 29 e 30 de janeiro | terça, quarta e quinta
Hora: 21h
Local: Teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa (Avenida Independência, 75)
Classificação etária: 12 anos

Duração: 60 minutos

Ingressos antecipados com desconto nos pontos de venda do Porto Verão Alegre:

R$ 32,00 (inteira)

R$ 24,00 (Banricompras e Clube do Assinante)

R$ 20,00 (meia-entrada)

Lojas Claro, no Shopping Bourbon Country (Av. Túlio de Rose 80- 2º Piso) e no Shopping Praia de Belas Shopping (Av. Praia de Belas 1181- 2º piso): segunda a sábado, das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h;

Shopping Total (Av. Cristóvão Colombo, 545), em frente à Panvel: segunda a sábado, das 10h às 22h e domingos, das 14h às 20h;

Casarão Verde, na Mezanino Produções, no DC Shopping (Rua Frederico Mentz, 1561, Navegantes): segunda a sexta, das 12h às 19h;

Theatro São Pedro, na Chapelaria, a partir do dia 07/01: terça a sábado das 15h às 21h e domingos das 15h às 18h.

Online: http://www.portoveraoalegre.com.br

Ingressos na hora (na bilheteria do teatro uma hora antes do início da apresentação).

R$ 40,00 (inteira)

R$ 32,00 (Banricompras e Clube do Assinante)

R$ 20,00 (meia-entrada)

 

FICHA TÉCNICA:
Do original A Mulher Sozinha de Dario Fo e Franca Rame
Tradução do original Una Donna Sola
– Roberto Vignati e Michel Piccoli
Direção, adaptação e atuação – Deborah Finocchiaro
Ator convidado – Leandro Roos Pires
Cenografia – Rafael Silva
Iluminação e operação de luz – Mauricio Moura
Operação de som – Antonio Perra
Figurino – Cleria Finocchiaro
Projeto gráfico – Eloar Guazelli Filho e Cléo Magueta
Produção e Realização – Companhia de Solos & Bem Acompanhados

 

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

bruna@brunapaulin.com | Fone 51 984070657

 

 

 

“A adaptação de Una Donna Sola, confirma o talento da atriz e diretora Deborah Finocchiaro cuja performance convincente e vigorosa traduz o sucesso da carreira de Pois é, Vizinha… feita pela própria atriz em 1992, como trabalho de conclusão na Escola de Teatro do  DAD na UFRGS…”

Eleonora Prado, atriz  – 18º Porto Verão Alegre, 16/01/2017 – Porto Alegre/RS

 

“… Deborah Finocchiaro é uma criadora que sabe urdir os elementos empáticos da franca comédia sem sublimar a violência do cotidiano patético da história, num bravo exercício de sensibilidade ao gênero…”

Lucianno Maza, dramaturgo, diretor e crítico de teatro – Blog Zine Cultural, 03/09/2013 – Juiz de Fora/MG

 

“… A montagem causa um conjunto tão grande de sensações que é de perder o fôlego… Como é bom ver Deborah em cena. Como é bom ver uma atriz na sua plenitude…  soberba em cena, dona absoluta do tempo e do espaço do espetáculo. Vai do gesto mais ínfimo aos movimentos mais amplos… Pois é, Deborah. Decididamente, você deu uma aula de teatro e de vida. Obrigado pela sua generosidade.”

Helcio Kovaleski, Diário dos Campos, 14/11/2012 – Ponta Grossa/PR

 

“O Rio Grande do Sul está bem representado pela Companhia de Solos & Bem Acompanhados… Este é um papel para uma grande atriz. Já tinha visto este texto montado em São Paulo, com duas grandes atrizes: Denise Stoklos e Marília Pêra. Deborah não fica devendo nada a nenhuma delas. Esta atriz superlativa, carismática, em sua plenitude artística, incorporou essa personagem, fazendo-a com irreverência, ousadia, despudor, originalidade e… muito fôlego! Afinal, não é fácil manter sozinha a plateia lotada e ligada, gargalhando o tempo todo…”

Vinício Angelici, crítico – http://portal.uepg.br/noticias.php?id=3547- 14/11/2012 – São Paulo/SP

 

“… excelente atriz… Direta, humorada, sinuosa, lacônica por exigência da dramaturgia, a personagem encontra na atriz, e vice versa, uma afinidade teatral muito precisa… Pois é, vizinha… atrai a atenção, mesmo que pelo riso, a uma discussão sobre violência contra a mulher… Seu recado fixa ao riso e à reflexão. Deborah e sua personagem encantam, chocam, comovem e deixam um exemplo de teatro para rir e pensar…  A Cia. de Solos & Bem Acompanhados cumpre seu papel no roteiro e pauta do teatro brasileiro.”

Maneco Nascimento, ator, radialista e jornalista  – Blog do Maneco – http://www.vooz.com.br / manekonascimento.blogspot.com – 11/08/2012 – Teresina/PI

 

“Atriz Deborah Finocchiaro é ovacionada em tragicomédia sobre condição feminina! Ver o público gargalhando, alguns espectadores chorando de tanto rir, e contando as cinco vezes em que a atriz foi aplaudida em cena aberta, é, no mínimo, um grande prazer… Em meio a tantas risadas, a peça faz um alerta importante sobre a condição da mulher diante do machismo e na necessidade de realizarmos nossos sonhos…”

Leidson Ferraz – http://www.fundarpe.pe.gov.br – 23/07/2011 – Garanhuns/PE

 

“… Foram raríssimas as vezes que desviei o olhar daquela mulher engraçadíssima, pueril e, sobretudo, bem-humorada! …Considerada uma das melhores atrizes gaúchas, Deborah tem consciência de cada objeto que põe em cena, espremendo suas utilidades na narrativa de forma original e ousada… Benditas foram as gargalhadas nessa montagem verossímil e potente.”

Guilherme Nervo – percebeoteatro.blogspot.com – 16/01/2010 – Porto Alegre/RS

 

“… Maria serve-se da agilidade de Finocchiaro, de sua disponibilidade vocal, de seu corpo criativo e, principalmente, de seu carisma… Maria sobre Finocchiaro nos faz rir e nos faz pensar sobre a crueldade que nos motiva a rir… Cara Maria, aqui vai minha contribuição. I Love You.”

Rodrigo Monteiro – teatropoa.blogspot.com – 15/01/2010 – Porto Alegre/RS

 

“…Deborah é, sem favor algum, uma das melhores atrizes gaúchas, preparada, articulada, inteligente. Versátil, divertida, curiosa… Ela encenou, em dias diferentes, “Sobre Anjos e Grilos” e “Pois é, Vizinha”… Foram duas apresentações inesquecíveis, tão diferentes entre si, e que causaram uma impressionante ovação da plateia… Deborah protagonizou um verdadeiro triunfo do teatro gaúcho e, através do seu trabalho, diminuiu a distância entre capitais tão distanciadas…”

Luciano Alabarse, Coordenador do Festival Internacional de Teatro Porto Alegre Em Cena – Jornal Usina do Porto, março de 2008Porto Alegre/RS

 

“A atriz Deborah Finocchiaro, um dos grandes nomes da cena nacional, representa como quem mantém uma conversa íntima e descontraída com o público… Simples, carismática, afável, inventiva, criatividade e emoção saltando aos olhos, ela é atriz de mão cheia… ela arranca muitos risos e aplausos, ao mesmo tempo que leva o público a refletir sobre a situação que atravessa em suas relações pessoais e afetivas…”

Aurora Miranda Leão, Tribuna do Ceará, 01/11/2000 – Fortaleza/CE

 

“… Uma atriz que sozinha no palco, conquistou o público não só pela intensidade do texto, mas também pela interpretação impecável… engraçada, Deborah Finocchiaro recebeu o prêmio de Melhor Espetáculo no festival Isnard Azevedo.”

Valéria Rivoire, Diário Catarinense, 12/11/99 – Florianópolis/SC

 

“Texto de Dario Fo e Franca Rame é prova de fogo pela qual Deborah Finocchiaro passa muito bem… simples, feito com prazer de quem explora um território interpretativo, mas sem o exagero de um exibicionismo pessoal, o espetáculo assinado por Deborah é fiel a poética da dupla de autores: Encantar e divertir por intermédio da intérprete.”

Mariângela Alves de Lima,O Estado de São Paulo, 05/06/98 – São Paulo/SP

 

“A peça é um monólogo cheio de vida e de acontecimentos… é extremamente envolvente e divertida, muito bem dirigida e interpretada por Deborah Finocchiaro.”

Agnaldo Ribeiro da Cunha, Diário Popular, 27/05/98 – São Paulo/SP

 

“A alucinada e divertidíssima dona-de-casa Maria, que é o centro de Pois é, Vizinha… “Una Donna Sola”, adaptada brilhantemente pela energética atriz e diretora Deborah Finocchiaro… Pois é , Vizinha…é puro Fo”.

Gilberto Gasparetto, Il Giornale, 03/06/98 – São Paulo/SP

 

“… a dificuldade natural de manter concentração e tensão cômica por exatos 70 minutos são superados com sobra pelo talento de Deborah.”

Renato Mendonça, Zero Hora, 25/01/95 – Porto Alegre/RS

 

“…Deborah Finocchiaro é daquelas atrizes que fisgam o espectador na primeira cena. Personalidade forte e presença marcante, esbanja talento a cada nova montagem. …Pois é, Vizinha… traz a divina Deborah no papel de uma dona-de-casa… onde conduz com humor e sensibilidade a situação-limite vivida pela personagem Maria…”

Newton Pinto da Silva, Correio do Povo, 18/01/95 – Porto Alegre/RS

 

“Se não disse antes, digo agora, sempre fui fã absoluto da atriz  Deborah Finocchiaro, por isso não me surpreende, mas alegra profundamente reencontrá-la tão inteira e completa, num espetáculo como Pois é, Vizinha…”

Antonio Hohlfeldt, Jornal do Comércio, 12/05/94 – Porto Alegre/RS

 

“Deborah Finocchiaro é daquelas manufatoras de tipos que sabe até onde levar os extremos da representação. Do trágico ao hilário ela parece manter a personagem amarrada a uma corda que se distende sutilmente mesmo quando a gargalhada da platéia irrompe.”

Maristela B. Schmidt, Correio do Povo, 23/10/93 – Porto Alegre/RS

 

 

A COMPANHIA:

A Companhia de Solos & Bem Acompanhados, um dos núcleos de criação cênica mais atuantes do Rio Grande do Sul, caracteriza-se pela mescla de diferentes linguagens, versatilidade e escolha de temas que estimulam a reflexão e o pensamento crítico. Em sua trajetória, já atingiu mais de 500.000 pessoas através de seus espetáculos, oficinas e performances. Atualmente tem em seu repertório os espetáculos “Pois é, Vizinha…”, direção Deborah Finocchiaro; “Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario Quintana”, direção Deborah Finocchiaro e Jessé Oliveira; “GPS GAZA”, direção Camila Bauer, “Caio do Céu”, direção Luís Artur Nunes e “Diário Secreto de Uma Secretária Bilingue”, direção de Vinícius Piedade e Deborah Finocchiaro. As peças curtas “Histórias de Um Canto do Mundo Chamado Sul” e “Erico de Bolso”, os projetos “Palavra de Bolso – Onde a Literatura ganha Voz”, “Sarau Voador – Literatura e Improvisos Transcriados”, que agrega artistas de diferentes áreas para unir a literatura a outras expressões artísticas e as obras literomusicais, “Leitura às Cegas”, “Palavra Balada” e “Benção Poetinha”, a partir da obra de Vinicius de Moraes. Além de dezenas de indicações, recebeu 37 prêmios, entre eles 9 de melhor espetáculo, 18 de melhor atriz, 2 de melhor cenário, 2 de melhor trilha, 1 de melhor direção, texto adaptado, roteiro e 3 prêmios como melhor artista de teatro. Já percorreu mais de 80 cidades no RS, 18 estados brasileiros, Uruguai e Argentina, participando de temporadas, projetos, mostras e festivais nacionais e internacionais.

 

http://www.facebook.com/companhiadesolosebemacompanhados  

http://www.deborahfinocchiaro.com

 

Espetáculo Caio do Céu em Zero Hora de hoje

zh_06.01.20.jpg

Espetáculo Caio do Céu na coluna de Luiz Gonzaga Lopes do Correio do Povo

correiodopovo_29.12.19.jpg

“Caio do Céu” integra a programação 21º Porto Verão Alegre

Caio do Céu. foto Náthaly Weber 9

 Espetáculo com Deborah Finocchiaro e Fernando Sessé tem apresentações nos dias 10, 11 e 12 de janeiro no teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa

 

A Companhia de Solos & Bem Acompanhados inicia sua participação na programação do 21º Porto Verão Alegre com o espetáculo Caio do Céu, com apresentações às 21h nos dias 10, 11 e 12 de janeiro no teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa. A montagem, que abriu a programação da 18ª edição do festival em 2017, traz a obra de Caio Fernando Abreu sob a direção de Luís Artur Nunes com a atriz Deborah Finocchiaro e o músico Fernando Sessé em cena.

Impossível ler  Caio Fernando Abreu sem enxergá-lo, sem senti-lo. Ele é visceral, sincero, confessional, um biógrafo do emocional, um fotógrafo da fragmentação contemporânea, um tradutor do seu tempo. Escreveu, principalmente, sobre o tema que mais lhe despertava a imaginação: a condição humana. Caio do Céu transpõe seu universo para o palco através de crônicas, cartas, contos, poemas, textos teatrais, depoimentos, música ao vivo e projeções. Traz para a cena o próprio artista, por meio de vídeos, com trechos de suas entrevistas. O roteiro, assinado por Deborah, com colaboração na seleção de textos de Nunes, prioriza parte da obra que valoriza a vida em todos os seus aspectos, apresentando também uma face pouco conhecida do autor: um homem vibrante e solar, que se revela desperto para o milagre da existência diante da iminência da morte – muitas vezes abordada com humor, leveza e profundidade. Caio do Céu expõe e questiona os valores da sociedade e, principalmente, as questões da alma humana, da morte e da vida.

Caio Fernando Abreu (1948/1996), um dos autores mais populares da literatura nacional, foi ator, dramaturgo, jornalista e escritor. Traduzido para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano e holandês, mesmo depois de sua morte, segue conquistando uma incrível legião de fãs. Suas frases e pensamentos são compartilhados incansavelmente nas redes sociais por jovens e adultos que reconhecem a profundidade e atualidade da sua obra.

A peça estreou em janeiro de 2017 no Theatro São Pedro e desde então vem conquistando plateias de diferentes idades e classes sociais, obtendo excelente receptividade do público e da crítica. Foi indicado em seis categorias do Prêmio Açorianos de Teatro (espetáculo, roteiro, trilha, produção, atriz e figurino) e vencedor em duas categorias do 8º Prêmio Válvula de Escape e Olhares da Cena 2018 (melhor trilha e melhor atriz). Entre outros, participou do 12º Festival Palco Giratório do SESC, do 28ª Festival de Inverno de Garanhuns (FIG) em Pernambuco, da 20ª Mostra SESC Cariri de Culturas no Ceará, da XXIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, além de promover o projeto “Caio na Fronteira”, financiado pelo FAC, que ofereceu o espetáculo, o recital homônimo e um conjunto de oficinas para três cidades da fronteira do RS.

Presente desde a primeira edição do festival com a peça Pois é, Vizinha…, Deborah Finocchiaro e sua Companhia de Solos & Bem Acompanhados participa do Porto Verão Alegre 2020 com Diário Secreto de uma Secretária Bilíngue, Sarau Voador – Literatura e Improvisos Transcriados e Pois é, Vizinha… (confira as datas abaixo). Os ingressos para as apresentações estão à venda pelo site do Porto Verão, com valores entre

R$ 20,00 e R$ 40,00 e nos dias de espetáculo na bilheteria do local, mediante disponibilidade. Em breve o festival divulgará os outros pontos de venda.

 

DURAÇÃO DO ESPETÁCULO: 60 minutos / CLASSIFICAÇÃO: 12 anos

SERVIÇO:
Espetáculo teatral “Caio do Céu”
Data: 10, 11 e 12 de janeiro | sexta, sábado e domingo
Hora: 21h
Local: Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Av. Independência, 75 – Fone: 51 3213.7258)

Classificação etária: 12 anos
Duração: 60 minutos

Ingressos:

antecipados com descontos

R$ 32,00 (inteira)

R$ 24,00 (Banricompras e Clube do Assinante)

R$ 20,00 (meia-entrada)

 

Ingressos na hora

R$ 40,00 (inteira)

R$ 32,00 (Banricompras e Clube do Assinante)

R$ 20,00 (meia-entrada)

 

Pontos de venda

Online: http://www.portoveraoalegre.com.br

Nos locais das apresentações: somente nos dias das sessões, uma hora antes do início das sessões.

Em breve o Festival irá divulgar os pontos de venda antecipada.

FICHA TÉCNICA:

Textos: Caio Fernando Abreu

Concepção: Deborah Finocchiaro e Luís Artur Nunes

Seleção de textos: Deborah Finocchiaro com a colaboração de Luís Artur Nunes

Roteiro: Deborah Finocchiaro

Direção: Luís Artur Nunes

Atuação e Violão: Deborah Finocchiaro

Atuação, Handpan, Pandeiro, Sampler e Cajon: Fernando Sessé

Músicas: Fernando Sessé (com exceção de “Muros” e “Alento” de Deborah F. e trechos das músicas “Necessidade” e “Amor Nojento” de Laura Finocchiaro)

Direção de Vídeo: Bruno Polidoro e Daniel Dode

Pesquisa de Imagens: Bruno Polidoro

Edição de Vídeo: Daniel Dode

Entrevistas Caio Fernando Abreu: TVE RS e Marian Starosta

Fotos Adicionais (cena Necessidade): Fernanda Chemale

Participação em Vídeo: Marcelo Ádams

Figurino: Antonio Rabadan

Iluminação: Leandro Roos Pires

Técnico de Som e Imagens: Rafael David

Projeto Gráfico: Rafael Sarmento

Consultoria Astrológica: Amanda Costa

Colaborador: Fernando Ramos (Festipoa Literária)

Coordenação de Produção e Direção Geral: Deborah Finocchiaro

Produção e Realização: Companhia de Solos & Bem Acompanhados

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

A COMPANHIA:

A Companhia de Solos & Bem Acompanhados, um dos núcleos de criação cênica mais atuantes do Rio Grande do Sul, caracteriza-se pela mescla de diferentes linguagens, versatilidade e escolha de temas que estimulam a reflexão e o pensamento crítico. Em sua trajetória, já atingiu mais de 500.000 pessoas através de seus espetáculos, oficinas e performances. Atualmente tem em seu repertório os espetáculos “Pois é, Vizinha…”, direção Deborah Finocchiaro; “Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario Quintana”, direção Deborah Finocchiaro e Jessé Oliveira; “GPS GAZA”, direção Camila Bauer, “Caio do Céu”, direção Luís Artur Nunes e “Diário Secreto de Uma Secretária Bilingue”, direção de Vinícius Piedade e Deborah Finocchiaro. As peças curtas “Histórias de Um Canto do Mundo Chamado Sul” e “Erico de Bolso”, os projetos “Palavra de Bolso – Onde a Literatura ganha Voz”, “Sarau Voador – Literatura e Improvisos Transcriados”, que agrega artistas de diferentes áreas para unir a literatura a outras expressões artísticas e as obras literomusicais, “Leitura às Cegas”, “Palavra Balada” e “Benção Poetinha”, a partir da obra de Vinicius de Moraes. Além de dezenas de indicações, recebeu 37 prêmios, entre eles 9 de melhor espetáculo, 18 de melhor atriz, 2 de melhor cenário, 2 de melhor trilha, 1 de melhor direção, texto adaptado, roteiro e 3 prêmios como melhor artista de teatro. Já percorreu mais de 80 cidades no RS, 18 estados brasileiros, Uruguai e Argentina, participando de temporadas, projetos, mostras e festivais nacionais e internacionais.

AGENDA Deborah Finocchiaro no PORTO VERÃO ALEGRE 2020:

CAIO DO CÉU

Dias 10, 11 e 12 de janeiro – Sexta, sábado e domingo, 21h

Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa – Av. Independência, 75 – Fone: 51 3213.7258

 DIÁRIO SECRETO DE UMA SECRETÁRIA BILÍNGUE

Dias 17 e 18 de janeiro – Sexta, 20h e sábado, 18h

Instituto Ling – R. João Caetano, 440 – Três Figueiras – Fone: 51 3533-5700

 SARAU VOADOR – LITERATURA E IMPROVISOS TRANSCRIADOS

Edição “Apenas Um Rapaz Latino Americano” – convidados Lico Silveira e Juarez Fonseca.

Dia 23 de janeiro – quinta-feira, 20h

Barco Cisne Branco

 POIS É, VIZINHA…

Dias 28, 29 e 30 de janeiro – Terça, quarta e quinta, 21h

Teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa – Av. Independência, 75 – Fone: 51 3213.7258

https://www.facebook.com/caiodoceu/

www.instagram.com/caiodoceu.espetaculo/

https://www.facebook.com/companhiadesolosebemacompanhados/

Espetáculo Pátria Estrangeira no Jornal do Comércio de hoje

jc_01.02.19.jpg

Pátria Estrangeira/Fremde Heimat volta a cartaz nos dias 1, 2 e 3 de fevereiro na programação do 20º Porto Verão Alegre

credito may yandara

 Coprodução Brasil-Alemanha terá sessões no teatro do Goethe-Institut Porto Alegre

 

Após temporada de estreia no Brasil e na Alemanha em 2018, o espetáculo Pátria Estrangeira/Fremde Heimat volta a cartaz em Porto Alegre nos dias 1, 2 e 3 de fevereiro, integrando a programação do 20º Porto Verão Alegre. A montagem, uma coprodução da ATO cia.cênica, Primeira Fila Produções e Badisches Staatstheater Karlsruhe, teve financiamento pelo Kulturstiftung des Bundes em parceria com Goethe-Institut Porto Alegre e texto do autor Jürgen Berger.

A doc-ficção, que conta com a direção de Mirah Laline, aborda temas como imigração a partir de diálogos marcantes entre quatro atores e músicos brasileiros, com ascendência germânica, e um jovem ator alemão, radicado no Brasil. No elenco, Camila Falcão, Karin Salz Engel, Martina  Frölich, Pascal Bergen e Philipe Philippsen trazem temas como ancestralidade, gerações, memória, pertencimento, imigração permeiam questionamentos como: é possível viver duas culturas ao mesmo tempo? Seria Pátria um instrumento do colonialismo? Que semelhanças existem com a recente onda de imigração no Brasil e na Alemanha?

O sul do Brasil é conhecido por ser a região que recebeu grande parte dos imigrantes vindos da Alemanha. No século XIX chegaram ao Brasil colonos alemães que pela pobreza e falta de perspectiva econômica se refugiaram na região dos Pampas – as famílias receberam boas vindas com o propósito de colonizar a região e embranquecer a população. A partir de então, diversas ondas de imigração alemã se sucederam, desde os refugiados econômicos da crise de 1920, os perseguidos pelo Nazismo na segunda guerra até os próprios Nazistas que com o fim da guerra se esconderam na região. Em algumas famílias até hoje o dialeto alemão Hunsrückisch é falado. Atualmente, a Alemanha e o Brasil são países de destino da imigração causada pela pobreza. A Alemanha já foi um país de partida de imigrantes pobres. No projeto docuficcional, cinco atores com antecedentes migratórios partem em busca de sua “pátria estrangeira”.

As apresentações ocorrem sempre às 21h, com ingressos antecipados à venda pelo site do festival (portoveraoalegre.com.br), nos pontos de venda (Bourbon Shopping Wallig, Praia de Belas Shopping – 3° andar,  DC Shopping, Casarão Verde – Loja 33 e chapelaria do Theatro São Pedro) ou no local do espetáculo, duas horas antes das sessões com valores entre R$ 24,00 e R$ 40,00. Para mais informações, acesse:
facebook.com/patriaestrangeirafrremdeheimat
| Instagram @fremde.heimat

 

FICHA TÉCNICA

MIRAH LALINE | Pesquisa e Direção

JÜRGEN BERGER | Pesquisa e Texto*

PHILIPE PHILIPPSEN – CAMILA FALCÃO – MARTINA FRÖHLICH – KARIN SALZ ENGELPASCAL BERTEN | Elenco

MAURICIO CASIRAGHI | Vídeo e Projeções

DÉH DULLIUS | Figurinista

RODRIGO SHALAKO | Cenógrafo

RICARDO VIVIAN | Iluminação

LUCAS DALA-LANNA | Design Gráfico

JANAINA VIANNA | Assistência de Direção

PASCAL BERTEN | Tradução

JAN LINDERS| Diretor de Dramaturgia do Badisches Staatstheater Karlsruhe

VINICIUS MELLO | Produção Executiva

BRUNA PAULIN | Assessoria de Imprensa

DANIELA MAZZILLI E LETICIA VIEIRA | Coordenação de Produção

PRIMEIRA FILA PRODUÇÕES | Produção Brasil

ATO. Cia cênica | Coprodução Brasil

GOETHE INSTITUT PORTO ALEGRE | Coprodução Brasil

BADISCHES STAATSTHEATER KARLSRUHE | Produção Alemanha

KULTURSTIFTUNG DES BUNDES | Financiamento

* com a colaboração do elenco, direção e equipe criativa

 

Sinopse

Coração ambivalente

Atualmente a Alemanha e o Brasil são países de destino da imigração causada pela pobreza. A Alemanha já foi um país de partida de imigrantes pobres. No projeto docuficcional, cinco atores com antecedentes migratórios partem em busca de sua “pátria estrangeira”.

Os antepassados de Martina estão entre os primeiros emigrantes que, no início do século 19, emigraram da atual região da Renânia-Palatinado para o sul do Brasil. Ela vive em Porto Alegre e vive brigando com um coração ambivalente no seu peito. Uma alemã ela não é, mas é realmente brasileira?

Camila é tataraneta de uma família com influência afro-alemã. Sua tataravó teve uma relação com o filho de uma família de imigrantes alemães. O fato de que a tataravó alemã tenha desagregado a família do filho, acompanha Camila até hoje. Porém, no ano de 2018, uma brasileira descendente afro tem problemas mais urgentes.

Philipe é tataraneto de um patchwork brasileiro-indígena-judeu-europeu. Sua árvore genealógica poderia ser tema de um projeto de pesquisa. O brasileiro com os muitos corações no peito tem de viver com o fato de que, apesar de seus antepassados alemães, a cidadania alemã lhe é negada.

Karin viveu e trabalhou como pianista de concertos na Alemanha e na Suíça, mas apesar disso tinha a sensação de que seu coração batia em Porto Alegre. Após quatro anos de migração pela Europa central, ela se decidiu por retornar à sua pátria sul-brasileira. Ela chegou a um país profundamente dividido social e politicamente.

Thomas, do sul do Tirol, vive em Berlim e não pode requerer um passaporte alemão. Ele não necessita de um Ministério para saber que pátria é lá onde ele se sente em casa.

 

Pátria Estrangeira/Fremde Heimat no 20º Porto Verão Alegre

1, 2 e 3 de fevereiro, 21h

Teatro do Goethe-Institut Porto Alegre – Rua 24 de Outubro, 112

 

Ingressos:

Antecipados:

Idoso R$ 24,00

Meia entrada R$ 24,00

Banricompras antecipado R$ 28,00

Inteira antecipada R$ 36,00

Inteira na bilheteria do espetáculo R$ 40,00

 

Ingressos à venda pelo site do festival, no local dos eventos a partir de duas horas antes do início dos espetáculos ou em nossos pontos de venda físicos:

Bourbon Shopping Wallig. Loja da Claro. 2º piso. Av. Assis Brasil, 2611. Segunda a sábado das 10h às 22h e domingo das 14h às 20h.

DC Shopping. Mezanino Produções. Casarão Verde. Rua Frederico Mentz, 1561. Segunda à sexta das 12h às 19h.

Shopping Praia de Belas. Loja da Claro. 2º piso. Av. Praia de Belas, 1181. Segunda a sábado, das 10h às 22h e domingo das 14h às 20h.

Theatro São Pedro. Chapelaria. Praça Mal. Deodoro, S/N. Terça a domingo até o dia 03 de fevereiro, das 15h às 21h.

 

Portadores do Clube do Assinante ZH e do Banricompras terão desconto válido para titular e acompanhante (dois ingressos por peça), mediante apresentação do cartão ou de comprovante pelo titular. O desconto para portadores do Clube do Assinante ZH, especificamente, poderão contar com este desconto somente nas compras realizadas de maneira presencial.

Estudantes, idosos e demais contemplados pela Lei Federal da Meia Entrada devem apresentar no momento da compra e no momento de entrada no espetáculo o comprovante determinado pela própria lei.

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑