Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Pelotas

“Arte Fora do Sete” tem única apresentação em Porto Alegre, no domingo, 22 de março

Arte Fora do Sete_Credito Annie Fernandes (10)

Espetáculo produzido pela Associação Amigos do Theatro Sete de Abril, de Pelotas, tem sessão com entrada franca no Teatro do Sesc

 

 

Porto Alegre, 03 de março de 2020 – A Associação Amigos do Theatro Sete de Abril – AmaSete chega a Porto Alegre para única apresentação do espetáculo Arte Fora do Sete no domingo, 22 de março, às 19h, no Teatro do Sesc.

Através dos sons e vozes que construíram o aparelho cultural que é o Theatro Sete de Abril de Pelotas, RS, a montagem dirigida por Diego Carvalho pretende levar o público ao desconforto como forma de apresentar o teatro como símbolo ausente. Passando por cenas que são fragmentos de uma história que ora valoriza a cultura, ora pouco se importa com ela, a peça foi idealizada como provocação aos atores e espectadores em sua relação com a cultura e com as artes, e também para com os equipamentos culturais. Presos em um ciclo de espera por um teatro que se abrirá, assim como em Esperando Godot, aguardamos por este contato com a arte que parece nunca vir. Uma peça teatral que pretende ser, como provocação, uma representação da arte “de um palco ausente” e que promova outra forma de viver e querer a arte e compreender a importância dela e da falta de espaços culturais, como o Theatro Sete de Abril, Patrimônio Histórico Nacional, coração artístico de Pelotas.

Fundada em 16 de agosto de 2012, após um período de intensas reflexões, a AmaSete se constitui em uma associação civil de promoção cultural, artística e educacional que tem por finalidade básica apoiar as atividades afins do Theatro Sete de Abril, que há dez anos está com suas portas fechadas.

Selecionado pelo edital SEDACTEL nº 26/2017 Edital de Concurso “Pró-Cultura RS FAC #JUNTOSPELACULTURA_2”, Arte Fora do Sete estreou em dezembro de 2019 em Pelotas e também passou por Jaguarão. A montagem foi desenvolvida com atores que integraram uma série de oficinas ministradas pela associação ao longo do ano, resultando no espetáculo. A dramaturgia tem assinatura de Thalles Echeverry, Direção de Dança de Daniela de Souza, Direção Musical de Sergio Sisto, Direção de Circo de Catarina Polino, Trilha Sonora assinada por Leandro Maia, cenário e figurinos de Aline Cotrim e iluminação de Diego Carvalho. A apresentação tem entrada franca com distribuição de senhas uma hora antes do espetáculo.

 

 

Crítica – Arte fora do Sete

 

Stendhal escreveu que a literatura – e pode-se estender a frase para todas as artes – é um espelho que vai passando em uma longa estrada. Ou seja, que a arte reflete o mundo em que vamos caminhando, que espelha um tempo, uma etapa da vida, uma época, uma sociedade.

Assim é a surpreendente e instigante peça teatral Arte fora do Sete. Um espelho que reflete uma situação específica – o abandono de um espaço fundamental da cultura do sul do Brasil – e, ao mesmo tempo, a imagem que reflete o descaso que a cultura em geral vem sofrendo em nosso país.

Gerações de artistas passaram por esse palco sagrado. E, como a demanda precisa da procura e vice-versa, gerações de assistentes passaram por ali também, e desses que assistiam (quando ali havia arte cotidianamente), como conseqüência lógica do que apreciavam, iam surgindo novos artistas. Eram noites e mais noites com artistas locais e da região. Havia também os consagrados, os que de longe vinham, os que serviam de parâmetros importantes para os que começavam. Porém, no mais das vezes, ali estavam os locais e regionais, os que buscavam seus espaços, por mínimos que fossem. Danças, músicas, orquestras, trupes de atores, corais, todos eles tinham no Sete de Abril um palco onde mostrar seus dons, suas maneiras de ver – e viver – o mundo.

Nada mais oportuno e importante, portanto, que essa peça escrita por dois talentosos dramaturgos, Thalles Etcheverry e Diego Carvalho – dirigida por este último.

No roteiro, eles perpassam pela questão histórica da tentativa de supressão da voz de descendentes de índios e negros e, principalmente, pela tentativa de cercear os cenários da cultura de origem popular.

Casa grande e senzala, cidade e aldeia, charqueada e quilombo, poderiam ser dicotomias expressadas pelos atores. E são. Estão nas entrelinhas dos muito bem travados diálogos. Ali está, pulsante e denunciadora, a antiga ideia dos senhores de escravos e encomiendas de calar a voz que vem do cantochão das senzalas. A sonoridade acompanhada por agogôs e atabaques, por sopapos, bongôs e treme-terras. Ali está, nas palavras e mensagens, a tão europeia e, para muitos, civilizada ideia de silenciar as milenares letanias indígenas, acompanhadas por seus erkes e sikuris, suas zampognas e maracas.

Mas quem saberá, na realidade, qual o ser mais avançado? O que transforma e destrói a natureza, ou o que se mistura a ela e a respeita como divindade? Visões de mundo. Caminhos possíveis, destruídos pela derrota da utopia, desde quando o primeiro branco aportou na América. Desde quando o primeiro negro foi escravizado.

Há um momento na peça em que os artistas saem do palco e se mesclam à platéia, e há outro em que saem para alcançar as ruas. Dois momentos marcantes e inesquecíveis. Atores e atrizes, em belíssimas atuações, exalando energia e esperança. E juventude. Juventude acima de tudo de alma, que é a que mais importa, posto que é a que faz a vida valer a pena ser vivida. Atrizes e atores gritando e cantando – se expressando – por todos os outros que não tiveram voz em cima do palco, nesses anos todos de ausência, silêncio e abandono, de um local que é a próprio coração da arte sul brasileira.

Saúdo, por fim, a todos os artistas – corajosos artistas – que participam da peça Arte fora do Sete. E que ela seja a semente que traga a arte outra vez para dentro desse teatro, em uma viagem de regresso ao lugar onde ela sempre deveria ter estado.

E, quem sabe, possa essa criação artística ser também o lampejo inicial, a chama propulsora – pequena, mas eterna – de uma nova etapa em que a arte volte a conquistar seu espaço devido: o da transmissão de conhecimentos, o da sabedoria popular, o da inteligência mais profunda de uma nação. Martim César

 

FICHA TÉCNICA

– Direção Geral: Diego Carvalho

– Assistência de Direção e Dramaturgia: Thalles Echeverry

– Direção de Dança: Daniela de Souza

– Direção de Música: Sergio Sisto

– Direção de Circo: Catarina Polino

– Criação de Trilha Musical: Leandro Maia

– Cenário e Figurinos: Aline Cotrim

– Iluminação: Diego Carvalho

– Elenco: Alex Gomes Ferreira, Alice Buchweitz, BiancaOliveira da Silva, Brenda Seneme, Daiana Gonçalves Molina, Evelin Cristine, Suchard Aires, Gustavo Teixeira Duarte, Iago de Mattos Lima, Irruan Pereira Nunes, Isabela Petry, João Vitor Soares, Julia Moreira de Ávila, Kelvin Moraes, Larielly Donini Gonçalves, Manuela Tatiana Garcia, Maria Beatriz Borges Conceição, Murilo Sponton Peres, Naiane Ribeiro Rosa, Patrícia Cristina Perote do Nascimento, Thalles Echeverry e Victor Santiago da Cunha.

– Suplentes: Bárbara Scola Lopes da Cunha, Jefferson Perleberg Rubira e Josué Kuhn Völz.

 

Sobre a AMASETE

Fundada em 16 de agosto de 2012, após um período de intensas reflexões, a Associação Amigos do Theatro Sete de Abril – AmaSete, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e sem qualquer vínculo com poder público ou partido político, se constitui em uma associação civil de promoção cultural, artística e educacional que tem por finalidade básica apoiar as atividades afins do Theatro Sete de Abril.

Reúne no seu interior artistas e ativistas culturais, além de gestores de patrimônio cultural, que têm lutado arduamente pelo desenvolvimento da cultura na cidade de Pelotas/RS e que, como sociedade civil organizada, quer continuar presente na vida e história do Sete de Abril.

O ponto de partida é o próprio Theatro Sete de Abril, que desde 15 março de 2010 está com suas portas fechadas. Inaugurado em 2 de dezembro de 1833 – completa 180 anos em 2013 – e elevado à patrimônio cultural do Brasil em 1972, o Sete, como carinhosamente é chamado pela comunidade, é símbolo cultural no espaço onde está inserido.

Desde sua instalação e apresentação pública, em 19 de dezembro de 2012, a AmaSete estabeleceu parcerias culturais e institucionais com diversos artistas, companhias e instituições, como a Bibliotheca Pública Pelotense, Caixa Econômica Federal, Centro Contemporâneo Berê Fuhro Souto, Moviola Filmes, RBS TV – Seção Pelotas/RS e Secretaria Municipal de Cultural de Pelotas. Realizou e promoveu conjuntamente diversas atividades artísticas e culturais. Fazem parte de sua ação cultural os eventos “Saudade dos aplausos no Sete de Abril”, apoio ao projeto Sete ao Entardecer, Dança Fora de Si, Aplausos Fora do Sete e Dia do Patrimônio Pelotas/RS, com atividade de Educação Patrimonial, Cortejo Cultural 2014 e 2015 e em 2015 a realização da 1ª Mostra de Dança- AmaSete, Audiências Publicas em defesa das obras de restauro Theatro, entre outras não menos importantes atividades culturais.

 

Arte Fora do sete

Domingo, 22 de março, 19h

Teatro do SESC – Av. Alberto Bins, 665

ENTRADA FRANCA – RETIRADA DE SENHAS uma hora antes do espetáculo

Despedida no Diário Popular

diariopopular_capa_09.03

diariopopular_09.03

diariopelotas_09.03.2019

diariopelotas2_03.09

Projeto Acústicos RS na mídia

diáriopopular2_14.02.17.jpgjc_15-02-17correiodopovo_15-02-17

Projeto Acústicos RS promove shows com entrada franca em Pelotas com patrocínio da NET Claro

DL06_CreditoEduDefferrari.jpg

Ian Ramil e Duca Leindecker integram a segunda turnê do projeto, que ocorre durante o mês de fevereiro em três cidades do interior do RS

 

Chega a Pelotas no dia 15 de fevereiro a segunda turnê do projeto Acústicos RS, que promove apresentações de renomados artistas gaúchos pelo interior do Rio Grande do Sul: uma noite e dois grandes shows em três cidades, com entrada franca. Rock de Galpão, Antonio Villeroy, Papas da Língua, Jéf e banda, Duca Leindecker e Ian Ramil integram as apresentações em Santa Cruz do Sul, Bento Gonçalves e Pelotas que tem patrocínio da NET Claro.

Encerrando a caravana do projeto, o vencedor do Grammy Latino 2016, Ian Ramil, retorna à sua cidade natal, Pelotas, para se apresentar na mesma noite que Duca Leindecker, que em show acústico apresenta todas as fases e sucessos de sua carreira.

Os ingressos são distribuídos sempre um dia antes de cada apresentação, das 12h as 19h, e nos dias de espetáculo, das 12h até às 20h, com direito a duas entradas por CPF. Em Pelotas, os ingressos estarão disponíveis a partir do dia 14 de fevereiro, no Theatro Guarany.

Acústicos RS tem patrocínio da NET Claro com financiamento do Governo do Estado do RS, produção e realização da Mais Produções, co-produção da Primeira Fila Produções e ativação do Grupo Austral. Mais informações e novidades, acompanhe pela fanpage do projeto – facebook.com/acusticosrs

Pelotas

Distribuição de ingressos: 14/02, das 12h às 19h e 15/02 das 12h até 20h – de acordo com a disponibilidade de ingressos

Show: 15/02

20h – Ian Ramil | 21h30 – Duca Leindecker

THEATRO GUARANY – R. Lôbo da Costa, 849 – Centro

 

Projeto Acústicos RS promove shows com entrada franca nas cidades de Santa Cruz do Sul, Bento Gonçalves e Pelotas com patrocínio da NET Claro

antonio-villeroy-divulgacao-samboleria-2

Rock de Galpão, Antonio Villeroy, Papas da Língua, Jéf e banda, Duca Leindecker e Ian Ramil integram a segunda turnê do projeto, que ocorre durante o mês de fevereiro

Inicia no dia 02 de fevereiro a segunda turnê do projeto Acústicos RS, que promove apresentações de renomados artistas gaúchos pelo interior do Rio Grande do Sul: uma noite e dois grandes shows em três cidades, com entrada franca. Rock de Galpão, Antonio Villeroy, Papas da Língua, Jéf e banda, Duca Leindecker e Ian Ramil integram as apresentações em Santa Cruz do Sul, Bento Gonçalves e Pelotas que tem patrocínio da NET Claro.

Antonio Villeroy e Rock de Galpão dão início à programação, com shows às 20h e 21h30 no Teatro do Colégio Mauá. Em Bento Gonçalves, o público poderá conferir as apresentações de Jéf e Papas da Língua  no dia 09, no SUSFA. Pelotas encerra a segunda edição do projeto com Ian Ramil e Duca Leindecker no dia 15 de fevereiro no Theatro Guarany

Villeroy completou 35 anos de carreira em 2016 como um dos autores brasileiros mais gravados na atualidade. Depois de Lupicínio Rodrigues é o gaúcho com o maior número de gravações na história da MPB. Além de seus próprios discos, suas canções podem ser ouvidas nas vozes de artistas como Ana Carolina, Gal Costa, Ivan Lins, Luiza Possi, Maria Bethânia,  Maria Gadu, Mart’nália, Moska, Preta Gil, Seu Jorge, Zizi Possi, entre outros.Rock de Galpão é um projeto especial que mescla as sonoridades regionais do Sul do país com as mais contemporâneas e universais formas de fazer música. O projeto é conduzido por Tiago Ferraz (voz e guitarra), Rafa Schuler (guitarra e vocais), Guilherme Gul (bateria), Alexandre “Mestre Kó” Gaiga (teclados e vocais), Paulinho Cardoso (acordeon) e Gustavo Viegas (contrabaixo).

Com mais de 20 anos de carreira, os Papas da Língua apresentam seus maiores sucessos revisitados em seu último lançamento, um DVD comemorativo lançado em 2014. Já o músico de Três Coroas Jéf, vencedor do programa Breakout Brasil, um reality show do Canal Sony, é o jovem talento que integra a caravana do Acústicos RS 2017, acompanhando de sua banda.

Encerrando o lineup, o vencedor do Grammy Latino 2016, Ian Ramil, retorna à sua cidade natal, Pelotas, para se apresentar na mesma noite que Duca Leindecker, que em show acústico apresenta todas as fases e sucessos de sua carreira.

Os ingressos são distribuídos sempre um dia antes de cada apresentação, das 12h as 19h, e nos dias de espetáculo, das 12h até às 20h, com direito a duas entradas por CPF. Em Santa Cruz do Sil, o público poderá garantir suas entradas no dia 01 de fevereiro no Teatro do Colégio Mauá. Em Bento Gonçalves, os ingressos estarão disponíveis no dia 08, no SUSFA. Em Pelotas a distribuição de entradas ocorre no dia 14, no Theatro Guarany.

Acústicos RS tem patrocínio da NET Claro com financiamento do Governo do Estado do RS, produção e realização da Mais Produções e co-produção da Primeira Fila Produções. Mais informações e novidades, acompanhe pela fanpage do projeto – facebook.com/acusticosrs

Santa Cruz do Sul

Distribuição de ingressos: 01/02, das 12h às 19h e 02/02 das 12h até 20h – de acordo com a disponibilidade de ingressos

Show: 02/02

20h – Antonio Villeroy | 21h30 – Rock de Galpão TEATRO COLÉGIO MAUÁ –  Rua Cristóvão Colombo, 366 – Higienópolis

 

Bento Gonçalves

Distribuição de ingressos: 08/02, das 12h às 19h e 09/02 das 12h até 20h – de acordo com a disponibilidade de ingressos

Show: 09/02

20h – Jef | 21h30 – Papas da Língua

SUSFA –  R. Garibaldi, 559 – São Francisco

 

Pelotas

Distribuição de ingressos: 14/02, das 12h às 19h e 15/02 das 12h até 20h – de acordo com a disponibilidade de ingressos

Show: 15/02

20h – Ian Ramil | 21h30 – Duca Leindecker

THEATRO GUARANY – R. Lôbo da Costa, 849 – Centro

Projeto de mapeamento urbano digital chega a Pelotas

cidadetransmidia_santamaria_credito_haroldoparaguassu

Com apoio do Instituto Embratel Claro, o projeto Cidade Transmídia resgatará aspectos culturais e memória das cidades de Santa Maria, Caxias do Sul, Pelotas e Porto Alegre

Nascido em 2010 na Espanha e já realizado no Rio de Janeiro em 2013, o Cidade Transmídia defende uma nova visão sobre as cidades, resgatando a cultura local. Utilizando técnicas que misturam diferentes mídias, as oficinas do projeto buscam a exploração e o mapeamento dos espaços urbanos sob a ótica de personagens fictícios, criados pelos participantes. O projeto, com realização da agência cultural Maria Cultura (http://www.mariacultura.com.br), foi criado e é coordenado pelos artistas e pesquisadores em arte, comunicação e novas mídias Lenara Verle, Camila Farina e Tiago Lopes.

Os inscritos são divididos em grupos, criam um personagem e estabelecem o seu trajeto no mapa da cidade. Essa rota é documentada, na perspectiva do personagem, em vídeo e foto, ao mesmo tempo em que recebe intervenções no espaço urbano. Após editados, vídeos e fotos, são incorporados ao mapa virtual e podem ser acessados a qualquer momento no site do projeto – www.cidadetransmidia.com.br. Além das oficinas, a atividade promove ao final um encontro aberto ao público para apresentação das criações dos participantes e troca de ideias.

Nesta edição, o site ganha uma nova interface, proposta pela Santa Transmídia, que também está desenvolvendo sua versão em aplicativo, adaptado para celulares e tablets.

O projeto iniciou sua circulação por Santa Maria, nos dias 10 a 13 de junho e segue para Caxias do Sul nos dias 15 a 18 de julho. Os personagens e roteiros desta primeira edição já podem ser conferidos no site. Em Pelotas, a oficina acontece de 22 a 25 de julho e o encontro aberto no dia 25, ambos gratuitos. A oficina das 09h às 17h, e o encontro às 18h, no Casarão 6 (Praça Cel Pedro Osório, 6). As inscrições estão abertas, através do site do projeto. Em Pelotas, o evento tem parceria da Secretaria Municipal de Cultura e Melitta Wake.

O Cidade Transmídia foi um dos quatro projetos premiados, entre 1108 inscritos, pelo Edital do Instituto Embratel Claro “Novas ideias para o que temos ao redor”, cujo objetivo era investir em iniciativas que estimulem os jovens de ambientes urbanos a aplicar e compartilhar suas criações na melhoria de suas comunidades e dos espaços onde vivem. O projeto será realizado com financiamento da Secretaria do Estado da Cultura – Procultura RS.

. // Saiba Mais

Os criadores do projeto:

CAMILA FARINA

Sempre esteve envolvida com produção e pesquisa em arte e especialmente arte no espaço urbano. É diretora da agência cultural Maria Cultura, pela qual coordenou projetos como Pixel Show/POA, Cut&Paste POA, Italian Genius Now Brasil, co-fundadora da plataforma de crowdfunding Múrmura e professora nos cursos de graduação em Design da UniRitter em Porto Alegre, onde ministra as disciplinas de Teoria da Informação e Estética e História da Arte III e também da Escola de Criação da ESPM/POA. Tem especialização em roteiro e direção de atores pela EICTV, Cuba (2006). É Mestre em Comunicação Social pela Unisinos (2008).


LENARA VERLE

Artista e pesquisadora em arte e novas tecnologias. Participa desde 1994 do grupo de arte colaborativa SITO.ORG. Foi artista residente no Planetary Collegium, Inglaterra 2000 e no ZKM – Centro de Arte e Midias, Alemanha 2005. Ganhadora dos prêmios VAD Net Art (Girona, Espanha 2003) e ZKM Media Art Award (Karlsruhe, Alemanha 2005). Professora do curso de Especialização em Cinema Expandido, PUC-RS. Doutoranda em História da Arte, na Universidade de Frankfurt. Mestre em Media Studies, New School University, NY (2003). Mestre em Comunicação, PUC-RS, Brasil (1997). Bacharel em Comunicação – Publicidade e Propaganda, UFRGS, Brasil (1994).


TIAGO LOPES

Desenvolve pesquisa e projetos nas áreas de narrativas interativas, transmedia storytelling e sistemas colaborativos de narração. É coordenador do Grupo de Estudos em Narrativas Interativas, vinculado ao curso de graduação em Jogos Digitais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo. É professor nos cursos de graduação em Comunicação Digital, Jogos Digitais, Realização Audiovisual e Publicidade da  Unisinos. Tem especialização em Roteiro e Direção pela EICTV, Cuba (2006). É Mestre e Doutor em Comunicação Social pela Unisinos (2014).

Sobre o Instituto Embratel Claro

O Instituto Embratel Claro, mantido pela Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel), Embratel Participações (Embrapar) e a Claro S.A, tem como missão aliar as tecnologias da informação e da comunicação à educação e ao desenvolvimento social. A organização é o resultado da união realizada em setembro de 2013 entre o Instituto Embratel (criado em abril de 2001) e o Instituto Claro (aberto em junho de 2008).

Alinhada à premissa do Grupo América Móvil em ser uma organização que impacte positiva e permanentemente as comunidades que atende e das quais faz parte, o Instituto Embratel Claro atua em atividades que favorecem o desenvolvimento social, cultural e educacional. Além disso, apoia o desenvolvimento integral das comunidades, estabelece parcerias com institutos e fundações que se dedicam ao desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras e proporciona acesso à internet a cada vez mais pessoas.

O Instituto Embratel Claro é qualificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Ministério da Justiça. Também é reconhecido pelo Departamento de Informação Pública das Nações Unidas (DPI/ONU) como uma organização não governamental corporativa que promove os ideais e princípios sustentados pela Carta das Nações Unidas.

Sobre a Maria Cultura

Uma agência cultural que desenvolve projetos e desenha patrocínio para iniciativas com linguagem contemporânea em diversas áreas culturais e criativas como arte, design, moda, música, cinema, realizando ações especiais, exposições, conferências e festivais como Pixel Show Porto Alegre/ (2010 e 2011), Cut&Paste Porto Alegre (2011), além da mostra Italian Genius Now Brasil (Sntander Cultural, 2012), Rio Moda Contemporânea (Unisinos, 2013) e Cidade Transmídia.  Entre os clientes que atende estão Melitta Wake, Shopping Total, Shopping Praia de Belas, Abicalçados.

SERVIÇO

Cidade Transmídia em Pelotas

Inscrições pelo site www.cidadetransmidia.com.br

Oficina – de 22 a 25 de julho (das 9h às 17h)

Encontro aberto ao público – 25 de julho, 18h

Local: Casarão 6 – Praça Cel Pedro Osório, 06

PARCEIROS: Secretaria Municipal de Cultura de Pelotas, Melitta Wake

Gal Costa sobe ao palco do Theatro Guarany em Pelotas para cantar “Recanto”

credito_gutocosta

Concebido e dirigido por Caetano Veloso, o espetáculo apresenta músicas do recente lançamento e resgata sucessos da carreira da cantora

No dia 22 de novembro, a cantora Gal Costa lança seu mais recente disco “Recanto” com única apresentação no Theatro Guarany em Pelotas.

O trigésimo disco de sua carreira traz músicas escritas pelo parceiro Caetano Veloso e co-produção de Moreno, filho de Caetano e seu afilhado.

Concebido e dirigido por Veloso, o espetáculo apresenta músicas do recente lançamento e resgata sucessos da carreira da artista.  Além das canções novas, “Madre Deus” e “Mansidão”, destaque para alguns clássicos como “Da Maior Importância”, “Divino maravilhoso”, “Folhetim”, “Barato Total”, “Dom de Iludir”, “Baby”, “Vapor Barato”, “Força estranha” e “Meu bem, Meu Mal”.

No palco, Gal é acompanhada por Domenico Lancellotti (bateria e MPC), Pedro Baby (guitarra e violão) e Bruno Di Lullo (baixo). Com sonoridade experimental, “Recanto” mistura rock, programações eletrônicas e dub-step à MPB.

Os ingressos estão à venda na Ótica Estima (General Neto, 1142) e pelo site ingressorapido.com com valores entre R$ 500,00 e R$ 150,00, com desconto de 50% para Assinante do Diário Popular, Cliente NET e cliente Porto Seguro e doação de 1 Kg de alimento não perecível.

“Recanto” nas palavras de Caetano Veloso:

“Quando voltei do exílio londrino, me apresentava usando batom vermelho. Meu cabelo descia até os ombros e era repartido no meio. Um retrato vivo de Gal, pensado como uma homenagem a ela ter encarnado os tropicalistas expatriados durante aqueles anos.

O disco é meu trabalho composicional de agora. Quis fazê-lo com o som da voz dela. Não se tratava de meramente relembrar o passado de Gal, mas de produzir com ela uma peça que fosse forte como expressão atual e, assim, estivesse à altura do nosso histórico. Sonhei com isso por um bom tempo.

Finalmente comecei a compor e a imaginar arranjos e sonoridades. Tudo fluiu muito rápido (o tempo que tomamos foi para fazer tudo com naturalidade, interrompendo para cumprir nossas agendas apertadas e voltando a pôr a mão na massa quando estivéssemos relaxados).

As letras desse disco são ao mesmo tempo muito diretas e um tanto enigmáticas. Não pude evitar. “Recanto escuro”, que é uma biografia cifrada da própria Gal (mas tem elementos de minha própria biografia), foi composta primeiro sem palavras. Todas as letras me surpreenderam à medida que foram se construindo.

No mais, deixamos Gal soar como ela soa. E aqui particularmente sóbria. Basta-lhe o timbre e o relaxamento. Sem intenções interpretativas óbvias e sem demonstrações de capacidade musical. Quanto mais simples, mais simplesmente Gal, maior a integração com os sons às vezes ásperos, às vezes etéreos da eletrônica.

As únicas canções não inéditas são “Madre Deus” e “Mansidão”. A primeira foi feita para o bale “Onqotô”, do grupo Corpo, onde ela aparece gravada por Ze Miguel Wisnik. A segunda foi escrita para Jane Duboc, que a gravou já faz anos. Foi tudo um sonho meu. Mas ouvir o que a turma que reuni aprontou para Gal, sobretudo tendo dois dos meus filhos envolvidos, me faz sentir que me aproximei mais do que entendi sobre nosso grupo núcleo, Gil, Bethânia, Gal e eu, desde que começamos à beira da Bahia de Todos os Santos.”

Ficha técnica do show “Recanto”

Direção: Caetano Veloso

Assistente de direção musical e sonora: Moreno Veloso

Músicos: Domenico Lancellotti – Bateria acústica e MPC

    Pedro Baby – Guitarra e violão

    Bruno Di Lullo  – Baixo e violão

Figurino: Marcelo Pies

Maquiagem: Danilo Torres

Som: Vavá Furquim e Beto Santana

Luz: Ze Carlos

Roadie: Alexandres Soares

Produção: Ricardo Frugoli

Produtor e diretor Técnico: Guilherme Ruiz Calicchio 

Realização: Rafael Faustini Produções

 

Show “Recanto” com Gal Costa – Premiações:

 Melhor Show em 2012

 Prêmio MultiShow de 2012

 Prêmio Bravo de Cultura- 2012

 Indicação VMB 2012

 

Indicação Latin Grammy 2012

Guatambu participa de eventos de degustação em agosto

A Vinícola Guatambu, de Dom Pedrito, participa durante o próximo mês de três eventos enogastronômicos em Pelotas e Porto Alegre. A série de encontros inicia no dia 02 em Pelotas, no jantar harmonizado com vinhos e espumantes Guatambu, promovido pela Sindifisco, às 20h.

No dia 03, às 19h30, a engenheira agrônoma de enóloga da vinícola, Gabriela Pötter, ministra degustação na Fundação Ecarta, dentro do ciclo “A arte do vinho por seus artistas”. Cinco rótulos serão oferecidos no evento, entre espumantes e vinhos da safra 2011.

No sábado, dia 04, Gabriela participa da Noite de Queijos e Vinhos da Associação dos Fiscais de Tributos Estaduais do RS, às 20h, na sede social em Porto Alegre. Os três eventos são abertos ao público em geral. Mais informações www.afisvec.org.br | http://www.fundacaoecarta.org.br/cap/vinho.asp | sindifisco.pelotas@gmail.com

 

Sobre a Guatambu

Contando com administração familiar e visando diversificar seus produtos, a cinqüentenária Estância Guatambu, tradicional empresa do agronegócio, de Dom Pedrito, iniciou em 2003 o projeto de produção de uvas viníferas, com a implantação do vinhedo com mudas importadas da França e da Itália, visando aproveitar o excelente clima da Campanha Gaúcha, bastante adequado para esta atividade.

Em dezembro, a Guatambu inaugura a sua estância enoturística, a 14km da cidade de Dom Pedrito. Situada no pampa gaúcho, o projeto busca uma identificação com a arquitetura local, a cultura gaúcha, e as influências das estâncias da região do pampa. Sob o conceito de pátio central, a vinícola se desenvolverá em forma de U com iluminação e ventilação voltadas para o seu interior, como forma de abrandar o Minuano que sopra na campanha e proporcionar condições térmicas ideais para a produção de vinhos de qualidade. A vinícola possui uma arquitetura voltada para o turismo, com sala de degustação técnica, varejo, espaço gourmet com culinária típica da região e salão de eventos. Conforme Valter José Pötter, proprietário da estância Guatambu, o que motivou a família a investir na vinícola foram as premiações internacionais que os primeiros vinhos produzidos com uvas da Guatambu receberam, ao longo dos últimos 3 anos, o que consolida a região dos pampas como uma das mais promissoras da América para produção de vinhos finos. A área industrial da vinícola já está concluída, desde a vinificação até engarrafamento.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑