Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Kino Beat

Exposição Lento Crepúsculo na contracapa do Jornal do Comércio

jc_17.01.19

5º Kino Beat na contracapa em Zero Hora de hoje

zh_11.01.18.jpg

Festival Kino Beat na contracapa do Jornal do Comércio

jc_09.01.19.jpg

“Asteroide” encerra a programação do 5º Kino Beat neste domingo, 13 de janeiro

FV_bio_PT_EN.pages

Performance audiovisual inédita foi criada especialmente para o festival pelo artista uruguaio Fernando Velázquez

 

Após dois meses de intensa programação em diversos pontos da cidade, o Kino Beat encerra sua quinta edição com Asteroide, performance audiovisual inédita criada pelo uruguaio Fernando Velázquez especialmente para o festival, neste domingo, 13 de janeiro, às 20h, no Teatro da Unisinos. O evento, com entrada franca, tem patrocínio master da Oi e patrocínio Stella Artois, apoio cultural do Oi Futuro, com financiamento Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

Asteroide é uma performance audiovisual que explora a gravidade como catalisador da potência do mundo, desenvolvida especialmente para o festival. Fernando Velázquez é artista transdisciplinar. Suas obras incluem vídeos, instalações e objetos interativos, performances audiovisuais e imagens geradas com recursos algorítmicos. Na sua pesquisa explora a relação entre Natureza e Cultura colocando em diálogo dois tópicos principais, as capacidades perceptivas do corpo humano e a mediação da realidade por dispositivos técnicos. Se interessa pelo cruzamento da arte com outras áreas do conhecimento como a ciência, a filosofia e a antropologia visual de forma a construir processos e metodologias híbridas. Velázquez é parceiro antigo do evento: participou da primeira edição do Kino Beat, em 2014 com a performance Mindscapes.

Pela primeira vez, a programação do Kino Beat foi pautada por um tema principal, a abundância. “Vivemos o paradoxo da abundância, temos tanto e ao mesmo tempo tão pouco, seja em ideias, recursos naturais, recursos tecnológicos ou sob a perspectiva do conhecimento humano”, declara Gabriel Cevallos, criador e curador do evento. Com o objetivo de investigar o tema por meios das atrações artísticas e seus desdobramentos por analogias, metáforas e poéticas, a abundância se cristaliza na variedade de linguagens artísticas contempladas: música, cinema, teatro, artes visuais e as diversas disciplinas e gêneros que derivam destes pilares, e também no olhar e escuta atentos para a multiplicidade de vozes que gritam por visibilidade, abrangendo o maior e mais variado número de artistas brasileiros e estrangeiros.

Mais de 50 artistas e 22 atrações ao vivo integraram 11 dias de programação intensa em dez espaços culturais de Porto Alegre, com artistas e pensadores do Brasil, Uruguai, França e Suíça reunindo um público de mais de 2500 pessoas. “A edição desse ano foi um desafio, pelo formato fragmentado e espalhado pela cidade, com muitos dias de programação e locações, exigiu atenção e interesse do público, que ao final foi satisfatório. Foi bonito ver as pessoas se mobilizando e muitos acompanhando todas as atividades propostas, mostra que o festival tem um público fiel, e que também conseguiu alcançar novas plateias”, revela Cevallos.

A exposição Lento Crepúsculo, em cartaz na Pinacoteca Ruben Berta e no Paço Municipal, ganhou mais uns dias em cartaz: o público poderá visitar a mostra com curadoria de Chico Soll, Fernanda Medeiros e Gabriel Cevallos até 18 de janeiro.

Asteroide inicia às 20h com duração de uma hora, e as senhas serão distribuídas no local  a partir das 19h. Mais informações: facebook.com/kinobeat |kinobeat.com | Instagram @kinobeatfestival

Fernando Velázquez é artista transdisciplinar. Suas obras incluem vídeos, instalações e objetos interativos, performances audiovisuais e imagens geradas com recursos algorítmicos. Na sua pesquisa explora a relação entre Natureza e Cultura colocando em diálogo dois tópicos principais, as capacidades perceptivas do corpo humano e a mediação da realidade por dispositivos técnicos. Se interessa pelo cruzamento da arte com outras áreas do conhecimento como a ciência, a filosofia e a antropologia visual de forma a construir processos e metodologias híbridas. Mestre em Moda, Arte e Cultura pelo Senac-SP, pós graduado em Video e Tecnologias On e Off-line pelo Mecad de Barcelona, participa de exposições no Brasil e no exterior com destaque para a The Matter of Photography in the Americas (Cantor Arts Center, Universidade de Stanford, USA, 2018), Emoção Art.ficial Bienal de Arte e Tecnologia (Itaú Cultural, Brasil, 2012), Bienal do Mercosul (Brasil, 2009), Mapping Festival (Suiça, 2011), WRO Biennale (Polônia 2011) e o Pocket Film Festival(Centre Pompidou, Paris, 2007). Recebeu, dentre outros, o Premio Sergio Motta de Arte e Tecnologia (Brasil, 2009), Mídias Locativas Arte.Mov (Brasil, 2008) e o Vida Artificial (Espanha, 2008). Foi professor convidado na PUC-SP, FAAP-SP e Senac-SP e ministra palestras e workshops em instituições públicas, privadas e do terceiro setor como por exemplo, Stony Brook University (Nova Iorque), Cyberfest (São Petesburgo, Rússia), Naustruch (Sabadell, Espanha), Visiones Sonoras (Morelia, México). Tem organizado projetos e exposições como Motomix 2007, Papermind Brasil, Projeto !wr?, Adrenalina e Periscopio e desd

Sobre o Kino Beat

O Kino Beat é um Festival de música, performances audiovisuais multimídia e artes integradas. A partir dos pilares, imagem (Kino) e som (Beat), apresenta artistas e atividades multidisciplinares, que utilizam de diversos modos as tecnologias no processo criativo de suas obras. O experimental, o sensorial e a imersão, são premissas para composição do seu programa, que se espalha pela cidade, ocupando teatros, galerias, museus, espaços culturais e casas noturnas. Diluindo fronteiras entre linguagens e gêneros, as atrações de natureza híbrida, são apresentadas em diversos formatos, transitando entre shows musicais, performances audiovisuais, exposições, oficinas, seminário, mostras de filmes e festas.

Kino Beat promove Zeitgeist Sunset neste domingo, 09 de dezembro, no Vila Flores

Edgar_Foto Pedro Ladeira_2 (1)

Evento promove performances musicais e audiovisuais com entrada franca

Porto Alegre, 05 de dezembro de 2018 – O Vila Flores recebe neste domingo, 09 de dezembro, das 16h às 22h, shows de Brasília Strut (POA), Verde (POA), Edgar (SP), Tantão e os Fita (RJ) e Bonaventure (Suíça), integrando o Zeitgeist Sunset do 5º Festival Kino Beat. O evento tem patrocínio master da Oi e patrocínio Stella Artois, apoio cultural do Oi Futuro, com financiamento Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

Aliando mensagens sociais, tecnologia, música e diversão, o Zeitgeist Sunset propõe um final de tarde para dançar e pensar o mundo. Crise de refugiados, memória e preservação cultural, reciclagem, racismo, amor, opressão, esperança, distopias, utopias, natureza, excessos digitais. É possível dançar o som dos sentimentos, condições e estruturas que regem e afetam a nossa vida?

A programação no Vila Flores inicia às 16h com show do projeto Brasília Strut, criado pelo DJ, beatmaker e produtor de filmes Pedro Rämos, natural de Porto Alegre, que explora a música lo-fi, underground e obscura, resgatando músicas brasileiras perdidas e produzindo beats.

Às 17h é a vez do projeto audiovisual Verde, de Ricardo De Carli, também de Porto Alegre, que utiliza fontes pré-existentes, como um brinquedo antigo, uma fita encontrada, um vídeo aleatório, e os recontextualiza em camadas com outros sons. Ricardo integra o coletivo Medula e as bandas Akeem Music e Lanches.

Na sequência, às 18h, o rapper paulista Edgar, que participou do 33º álbum de Elza Soares, “Deus é mulher”, apresenta rimas que misturam ficção científica com jornalismo e poesia, em uma colcha de retalhos verbal que pinta distopias, jogando a realidade na cara do ouvinte com um surrealismo fantástico.

Às 19h os cariocas do trio Tantão e Os Fita, formado por Abel Duarte (eletrônicos), Cainã Bomilcar (eletrônicos) e Carlos Antônio Mattos a.k.a Tantão (letras e vocais), apresenta trabalho autoral carregado de referências estéticas, artísticas e históricas diversas como o rock alemão, surrealismo, cinema distópico, baile funk e literatura de rua.

Encerra a programação, às 20h, o projeto Bonaventure, da Suiça, criado no final de 2015 por Soraya Lutangu, após o falecimento de seu sobrinho Bonaventure, morto por ser negro. Soraya usa a tragédia como temática para suas músicas, incluindo causas de imigrantes, visibilidade de gênero e raça, em um contexto caótico de ritmos para pista de dança, onde combina também suas raízes africanas e europeias em sonoridades que “exploram os limites humanos”.

Zeitgeist Sunset
09 de dezembro
Das 16h às 22h
Vila Flores – R. São Carlos, 753 – Floresta, Porto Alegre
Entrada franca

Sobre o Kino Beat

O Kino Beat é um Festival de música, performances audiovisuais multimídia e artes integradas. A partir dos pilares, imagem (Kino) e som (Beat), apresenta artistas e atividades multidisciplinares, que utilizam de diversos modos as tecnologias no processo criativo de suas obras. O experimental, o sensorial e a imersão, são premissas para composição do seu programa, que se espalha pela cidade, ocupando teatros, galerias, museus, espaços culturais e casas noturnas. Diluindo fronteiras entre linguagens e gêneros, as atrações de natureza híbrida, são apresentadas em diversos formatos, transitando entre shows musicais, performances audiovisuais, exposições, oficinas, seminário, mostras de filmes e festas.

Edgar (SP)

Rapper paulista, Edgar Pereira da Silva lançou este ano o álbum Ultrassom e participou do 33º álbum de Elza Soares, “Deus é mulher”. Suas rimas misturam ficção científica com jornalismo e poesia, em uma colcha de retalhos verbal que pinta distopias, jogando a realidade na cara do ouvinte com todo seu surrealismo fantástico.

O álbum Ultrassom foi produzido por Pupillo Oliveira (Nação Zumbi), com a participação da cantora Céu. O primeiro single, Plástico, é um rap eletrônico (sobre o qual Edgar discursa contra a poluição do meio ambiente, projetando um futuro sombrio para as crianças que crescerão em um mundo cada vez mais contaminado por resíduos industriais.

Plástico é uma composição assinada por Edgar em parceria com Maurício Fleury e o produtor Pupillo. “Estamos sendo bombardeados por esse material, o plástico. A letra desenha um cenário de um futuro lindo, mas contaminado. O futuro é uma criança com medo de nós”, sentencia Edgar.

Tantão & Os Fita (RJ)

Show do trio eletrônico Tantão e Os Fita (RJ), apresentando faixas do álbum “Espectro”, improvisos e novas faixas que farão parte do álbum “Drama”. Batidas eletrônicas, aceleração do ritmo cardíaco,

distorção, hiperestímulo letras curtas e vocal afiado. Tantão e Os Fita é um trio de música eletrônica do Rio de Janeiro, formado por Abel Duarte (eletrônicos), Cainã Bomilcar (eletrônicos) e Carlos Antônio Mattos a.k.a Tantão (letras e vocais). Figura icônica do underground carioca, Tantão é músico e artista plástico, fundador da banda post-punk Black Future nos anos 80 e atuante desde então na cena de música experimental da cidade. Em 2017, junto aos produtores Abel e Cainã (radiolixo), lançam o e álbum de estreia “Espectro” pelo selo QTV, marcado pela intensa combinação de letras afiadas com arranjos eletrônicos ruidosos.

Tantão e Os Fita recortam e colam informações oriundas de diversos registros criativos para desenvolver seu trabalho autoral, carregado de referências estéticas, artísticas e históricas diversas como o rock alemão, surrealismo, cinema distópico, baile funk e literatura de rua. Ficha técnica: Abel Duarte (Eletrônicos), Cainã Bomilcar (Eletrônicos), Tantão (Vocal)

Brasila Strut (POA)

Brasila Strut explora a música lo-fi, underground e obscura, resgatando músicas brasileiras perdidas e produzindo beats. O projeto foi criado pelo DJ, beatmaker e produtor de filmes Pedro Rämos.

https://soundcloud.com/brasilastrut/brasila-strut-live-red-light-radio-amsterdam-082018

VERDE – Ricardo de Carli (POA)

Verde é um projeto de som e imagem que mistura coisas que não existem com coisas que já existem. Na maioria das vezes o som parte de alguma fonte pré-existente – um brinquedo antigo, uma fita encontrada, um vídeo aleatório – e então é alterado e recontextualizado em camadas com outros sons.

Verde é um projeto audiovisual de Ricardo De Carli, lançado ao vivo neste ano no Quartinho #25 na Void. Há um desejo em investigar o processo criativo mesclando o analógico e o digital, e em observar e manipular sons e imagens provenientes de outras fontes, atentando para novas associações e somas de sentido que tais elementos adquirem em seus trajetos. Como verde, Ricardo já realizou performances visuais em parceria com Beatlimite (POA), na qual experimentou com projeção analógica ao vivo, e com Tétano (SP), para a festa de 1 ano do Coletivo Plano (POA). Além disso, Ricardo integra o coletivo Medula e as bandas Akeem Music e Lanches. Para a quinta edição do festival Kino Beat, verde apresenta um live set de uma hora de duração com sonoridades sampleadas e sintetizadas.https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1851042164935590&id=106688852704272

Bonaventure (Suíça)

Soraya Lutangu começou a fazer música no final de 2015 após a morte de seu sobrinho Bonaventure, morto por ser negro. Soraya usou essa devastação como temática para suas músicas, incluindo causas de imigrantes, visibilidade de gênero e raça, em um contexto caótico de ritmos para pista de dança, Bonaventure busca em sua música combinar também suas raízes africanas e européias em sonoridades que “exploram os limites humanos”.

https://soundcloud.com/bonaventure_mbote

5º Kino Beat na imprensa

jc_04.12.18correiodopovo_04.12.18

Exposição Lento Crepúsculo inaugura no dia 04 de dezembro na Pinacoteca Ruben Berta e dia 06 no Paço Municipal com entrada franca

berna reale_cantando na chuva

Mostra reúne 22 obras de 22 artistas com curadoria de Chico Soll, Fernanda Medeiros e Gabriel Cevallos, integrando a programação do 5º Kino Beat

 

Na próxima terça-feira, 04 de dezembro, a partir das 18h30, a Pinacoteca Ruben Berta abre suas portas para a exposição Lento Crepúsculo. Na quinta, dia 06, o Paço Municipal inaugura a segunda parte da mostra, que integra a programação do 5º Kino Beat, reunindo obras de 22 artistas com curadoria de Chico Soll, Fernanda Medeiros e Gabriel Cevallos. O evento, com entrada franca, tem patrocínio master da Oi e patrocínio Stella Artois, apoio cultural do Oi Futuro com financiamento Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

Utilizando como ponto de partida o conceito de abundância, a exposição coletiva apresenta obras que abordam a dimensão do termo e que exploram os seus possíveis transbordamentos: de informações, de discursos, de crises, de sentimentos, e até mesmo o reflexo disso no meio-ambiente.

O “lento crepúsculo” foi como o escritor argentino Jorge Luis Borges nomeou o seu longo processo de perda da visão. Em uma série de sete conferências realizadas em 1977 no Teatro Coliseu em Buenos Aires, o autor usou a sétima conferência, La Ceguera, para falar de sua doença congênita. Borges foi perdendo a visão desde o momento em que nasceu, e ao longo de meio século de vida ficou cego de um olho e com a visão parcial do outro. Esse processo inexorável e gradual de cegueira ele nomeou de “lento crepúsculo”. “Aparentemente nessa conferência Borges se afasta do seu estilo mais marcante, o de criar mundos e ficções, e se atém de forma prática a sua condição pessoal. Apenas aparentemente, pois a potência de vida e força das palavras do autor foram suficientes para dar início ao universo desta exposição, a metáfora do lento crepúsculo foi a gênese, o gatilho criador para explorar e experienciar as nossas cegueiras”, revelam os curadores.

“Para nós, cabe investigar a metáfora por trás dessa cegueira lenta e gradual, e dos riscos de ignorar as pressões e os excessos do mundo”, afirmam. “Esta exposição foi concebida no auge de um processo eleitoral denso e traumático, em que sentimentos contraditórios contaminaram as escolhas dos trabalhos”. Integram a mostra 22 obras, entre fotografias, vídeos, livros de artista, obras gráficas e objetos, além de pinturas, que problematizam a questão da abundância no universo das artes visuais, assinadas por Aleta Valente, André Severo, Andressa Cantergiani, Berna Reale, Bill Maynard, Carlos Krauz, Carmela Gross, Coletivo Habitantes, Gisele Beiguelman, Guilherme Dable, Intransferível, Ivan Grilo, Letícia Lopes, Marion Velasco e Adauany Zimovski, Martin Heuser, Leopoldo Plentz, Nicolas Maigret, Regina Silveira, Romy Pocztaruk, Talita Menezes e Tyrell Spencer. A exposição conta com quatro obras do acervo das pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli e duas do acervo da Fundação Vera Chaves Barcelos.

“Nos acostumamos com os pontos cegos da nossa existência, mesmo que o principal museu do país queime nas chamas do descaso, ainda sim as labaredas desse horror não serão suficientes para iluminar os nossos caminhos. O comportamento de manada e o tsunami de insensibilidade que transborda das redes sociais, soterra a cada post inflamado com discurso de ódio a utopia do ciberespaço como o local da “civilização da mente”.

Integram a seleção dos curadores as obras “Cantando na chuva”, de Berna Reale, “Odiolândia”, de Giselle Beiguelman –  criada em 2017 e onde reúne comentários publicados nas redes sociais sobre as ações da Prefeitura e do Governo do Estado de São Paulo na Cracolândia entre maio e junho daquele ano, e “The Pirate Cinema”, registro de performance de Nicolas Maigret, que torna a atividade e geografia escondida das transferências Peer-to-Peer visíveis. O projeto é apresentado como vídeo registro  de uma sala de monitoramento, onde são exibidas transferências Peer-to-Peer em tempo real em redes utilizando o protocolo BitTorrent.

O filme “Cidades Fantasmas”, de Tyrell Spencer, vencedor do Festival É Tudo Verdade em 2017, e a performance “Neblina”, de Marion Velasco e Adauany Zimoviski, são alguns dos destaques, assim como a obra inédita “Luzia”, de Letícia Lopes, criada especialmente para a exposição. A obra é composta de uma pintura e um poema do escritor português Herberto Helder (1930 – 2015). A pintura estrutura-se a partir do entendimento de sua própria forma como uma espécie de lápide, onde estão representados um epitáfio e uma imagem do Museu Nacional do Rio de Janeiro em chamas. O poema (apropriado) explícita e enfatiza a intenção da pintura de apontar para os vários e reveladores cruzamentos entre as linguagens verbal (poética/simbólica) e imagética (pictórica/cromática), desdobramentos do processo criativo acionados pela reflexão acerca dos conceitos de luz, fogo, destruição, criação, e,principalmente, da beleza inata às grandes transformações.

A exposição “Lento Crepúsculo” segue em cartaz até 11 de janeiro, nos horários e dias de funcionamento dos dois espaços. Mais informações: facebook.com/kinobeat |kinobeat.com | Instagram @kinobeatfestival

5º Kino Beat apresenta Cornucópia Sunset no dia 01 de dezembro no Vila Flores

OKO DJ Photo 3

Evento reúne artistas locais e internacionais, com destaque para DJ Oko (França)

 

Porto Alegre, 25 de novembro de 2018 – O Vila Flores recebe neste sábado, 01 de dezembro, das 16h às 20h, shows de Saskia, DJ Oko (França), Repetentes 2008 (RJ) e M. Takara (SP), integrando a Cornucópia Sunset do 5º Festival Kino Beat. O evento tem patrocínio master da Oi e patrocínio Stella Artois, apoio cultural do Oi Futuro, com financiamento Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

No meio do caminho entre um concerto e uma festa, a Cornucópia Sunset propõe uma tarde/noite de abundância de ritmos, tempos e sonoridades. O percurso musical parte da introspecção instrumental, se desenrola em poesia com beats lo-fi, abre a pista com disco music brasileira robotizada, e acaba numa miscelânea de sons globais feitos para dançar. Cornucópia é um símbolo representativo da abundância. Na mitologia greco-romana era representada por um vaso em forma de chifre, com uma abundância de frutas e flores.

A programação no Vila Flores inicia com show do paulistano M. Takara, que apresenta “Música Resiliente Para Pessoas e Lugares”, um registro que retrata as amizades e colaborações com nomes como Joe Lally, Nathan Bell, Tim Kerr e Hanna Olivegren, que ele conheceu mais de perto durante passagem desses artistas pelo Brasil.

Às 17h a cantora gaúcha Saskia apresenta o melhor de sua produção musical, em uma performance potente que não se permite encaixar em um único estilo musical. A irreverente compositora utiliza a música não apenas como uma válvula de escape, mas também para abordar questões particulares da vida na metrópole.

Na sequência, o produtor musical Repetentes 2008, do Rio de Janeiro, um dos mais ambiciosos projetos da música eletrônica brasileira, apresenta músicas influenciadas pela cultura digital e o Vaporwave.

Encerrando a programação no Vila Flores, às 19h, a francesa DJ Oko apresenta repertorio eclético com sons contemporâneos e futuristas, passando pela música dos anos 1980. A apresentação de OKO está sendo realizada em parceria com a Aliança Francesa de Porto Alegre e Institut Français, e conta com o patrocínio da TIMAC Agro e financiamento da Lei de Incentivo à Cultura – Ministério da Cultura – Governo Federal. Mais informações: facebook.com/kinobeat |kinobeat.com | Instagram @kinobeatfestival

Takara (SP)

“Música Resiliente Para Pessoas e Lugares” é um registro que retrata as amizades e colaborações do paulistano Mauricio Takara (baterista do Hurtmold) com nomes como Joe Lally, Nathan Bell, Tim Kerr e Hanna Olivegren, que conheceu mais de perto durante passagem desses artistas pelo Brasil. “Música Resiliente…” tenta, em um momento de confusões geopolíticas e ondas de separatismo, celebrar o lado humano e congregante da criação musical, por meio de uma viagem do brasileiro por algumas cidades americanas, em que reencontra essas parcerias e conexões. O resultado é uma música viva e espontânea, na qual prevalece o uso de improvisos e conversas sonoras entre instrumentos de corda, percussão e vozes, com atmosferas e espaço para cores diversas. Ficha técnica: M.Takara (voz, eletrônicos, percussões). Duração: 45 min.

Saskia (Porto Alegre)

Saskia apresenta o melhor de sua produção musical, em uma performance potente que não se permite encaixar em um único estilo musical. A compositora transborda irreverência utilizando a música não apenas como uma válvula de escape, mas também para abordar questões particulares da vida na metrópole. Com 22 anos e natural de Porto Alegre, Saskia grava músicas desde 2010. Compositora, cantora e produtora musical, já lançou suas tracks pelo grupo de artistas negros NON International, além de ser membra da Coletividade.NÁMÍBIÀ, grupo afrobrasileiro de música, arte e performance. Suas gravações lofi utilizam poucos recursos e intercalam linhas melancólicas de guitarra e teclado orgânicos com beats pegados eletrônicos e plásticos que transitam entre o trap, o indie e o folk. SASKIA empodera-se enquanto mulher negra e periférica e lança seu primeiro álbum físico em 2019 pelo projeto Natura Musical. Ficha técnica: Composição, Produção e Performance Musical: Saskia Peter Produção Executiva: Bruna Anele e Gabriela Marluce https://soundcloud.com/salnasalada

Repetentes 2008 (RJ)

O fascínio pela década de 1980/90 e a maneira única como Gabriel Guerra consegue retratar a cultura digital dessa época são algumas das principais razões pelas quais Repetentes 2008 é um dos mais ambiciosos projetos da música eletrônica brasileira. Longe de qualquer estereótipo que o Vaporwave possa ter proposto, suas músicas sintetizam muito além de sonoridades e timbres, mas a sensação de estar vivendo uma espécie de Zeitgeist que permeia pelos arcade games, comerciais da loja Mapping e vinhetas Hans Donner. https://soundcloud.com/repetentes2008

Oko DJ (França)

OKO DJ, sob seu nome real Marine, tem sido elogiada pelo ecletismo e pela qualidade de suas seleções, quebrando barreiras entre gêneros e ritmos. De sons contemporâneos e futuristas a música dos anos 80, da música corporal fria a atmosferas exóticas, os sets do OKO DJ são marcados por um sabor e liberdade únicos. http://shapeplatform.eu/artist/oko-dj/

A apresentação de OKO está sendo realizada em parceria com a Aliança Francesa de Porto Alegre e Institut Français, e conta com o patrocínio da TIMAC Agro e financiamento da Lei de Incentivo à Cultura – Ministério da Cultura – Governo Federal.

Cornucópia Sunset

01 de dezembro
Das 16h às 22h
Vila Flores – R. São Carlos, 753 – Floresta, Porto Alegre
Entrada franca

Sobre o Kino Beat

O Kino Beat é um Festival de música, performances audiovisuais multimídia e artes integradas. A partir dos pilares, imagem (Kino) e som (Beat), apresenta artistas e atividades multidisciplinares, que utilizam de diversos modos as tecnologias no processo criativo de suas obras. O experimental, o sensorial e a imersão, são premissas para composição do seu programa, que se espalha pela cidade, ocupando teatros, galerias, museus, espaços culturais e casas noturnas. Diluindo fronteiras entre linguagens e gêneros, as atrações de natureza híbrida, são apresentadas em diversos formatos, transitando entre shows musicais, performances audiovisuais, exposições, oficinas, seminário, mostras de filmes e festas.

 

Kino Beat promove estreia de espetáculo multimídia, performances e show da banda paulista Hurtmold

05_HRTMLD_Cover_AndreCalvente

Tema da Abundância orienta a linha curatorial do festival de música, performances audiovisuais e multimídia e artes integradas que ocorre até 13 de janeiro de 2019

 

Porto Alegre, 21 de novembro de 2018 – Com atividades programadas até 13 de janeiro de 2019, Porto Alegre recebe a quinta edição do Kino Beat, festival de música, performances audiovisuais multimídia e artes integradas. Em um cenário de crise política, econômica e ideológica, o evento resiste, celebra e apresenta uma programação que reúne formatos de atividades já consagradas nas edições anteriores e lança propostas inéditas. O Kino Beat tem patrocínio master da Oi e patrocínio Stella Artois, apoio cultural do Oi Futuro, com financiamento Pró-Cultura RS, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul.

Na próxima sexta-feira, 23 de novembro, às 20h, o Teatro do Sesc recebe a estreia do espetáculo multimídia inédito “Tudo Nasce de uma Ferida Íntima”, produzido especialmente para o evento. Desenvolvido de forma colaborativa e horizontal por Mirna Spritzer, Isabel Nogueira e Gabriel Cevallos, conta com desenho de luz de Mirella Brandi. Duas mulheres em cena. Construída apenas com registros de autoras, a dramaturgia de “Tudo Nasce” é formada por textos líricos, reportagens, entrevistas, textos escritos especialmente pra ocasião, áudios de Marielle Franco e Angela Davis, além de trechos do filme ”Um corpo feminino”, de Thais Fernandes. Uma performance de palavras, vozes, sons e luz, em remix de gestos e vozes de mulheres.

Na quarta-feira, 28 de novembro, às 20h, é a vez de Luciano Zanatta, Isabel Nogueira, Chico Machado e Alessandra Bochio apresentarem suas performances no Lugar. O LUGAR é um espaço de investigação artística compartilhado por Chico Machado, Isabel Nogueira, Luciano Zanatta, Alessandra Bochio e Felipe Merker Castellani. Os artistas apresentação parte de sua produção atual, trazendo o entrelaçamento de sonoridades, vídeos e objetos sonoros inusitados.

 “Estes artistas, que trabalham tanto individualmente como em parceria, comungam da busca por experimentações que chegam a transgredir os limites ou bordas tradicionais destas diversas linguagens artísticas, gerando também a necessidade da criação de conceitos e nomenclaturas que acompanhem esta investigação”, revela Gabriel Cevallos, curador do Kino Beat. Utilizando-se tanto de alta como de baixas tecnologias, a inventividade aparece em seus trabalhos tanto nos processos compositivos e de criação como nos modos de tocar os aparelhos e instrumentos que utilizam. Desejosos da necessidade de inventar instrumentos e modos operacionais que, se não são novos, são pouco usuais, estes artistas pesquisadores (todos artistas/professores de cursos de arte de universidades federais do Rio Grande do Sul) transitam entre as artes visuais, a música, o vídeo e a arte sonora, gerando performances com uma abundância de estímulos multissensoriais.

Encerrando o primeiro mês de programação do 5º Kino Beat, o sexteto paulistano Hurtmold chega pela primeira vez em Porto Alegre com seu show comemorativo de 20 anos de carreira, na sexta-feira, 30 de novembro, às 20h, no Theatro São Pedro. O Hurtmold foi formado em 1998 na cidade de São Paulo São Paulo pelos amigos Mauricio Takara, Guilherme Granado, Marcos Gerez, Mário Cappi e Fernando Cappi. A banda vem se apresentando pelo Brasil e exterior e lançando discos desde então. Em 2003, Rogério Martins se integra ao Hurtmold.

Uma banda de rock mas com diversas outras referências (musicais ou não), e que ao longo do tempo foi se firmando como um dos principais nomes do cenário da música alternativa e instrumental no Brasil. Com 7 discos lançados, o Hurtmold já dividiu o palco com músicos como o norte-americano Rob Mazurek, o brasileiro Paulo Santos (Uakti) e o suiço Thomas Rohrer. Individualmente seus integrantes colaboraram com os artistas Naná Vasconcelos, Pharoah Sanders, Bill Dixon, Roscoe Mitchell, Toninho Horta, Prefuse 73, Dan Bitney (Tortoise), Joe Lally (Fugazi), Mike Ladd, High Priest, entre outros

Todas as atividades são gratuitas, com distribuição de senhas a partir das 19h no dia do evento no Teatro do Sesc e Lugar e às 13h do dia 30 na bilheteria do Theatro São Pedro. Mais informações: facebook.com/kinobeat |kinobeat.com | Instagram @kinobeatfestival

Tudo nasce de uma ferida íntima (Espetáculo multimídia)

23 de novembro no Teatro do Sesc, às 20h – distribuição de senhas a partir das  19h

O Kino Beat tem o histórico de incentivo à criação e desenvolvimento de shows e espetáculos inéditos para compor a sua programação. Para esta edição o espetáculo Tudo nasce de uma ferida íntima, foi desenvolvido de forma colaborativa e horizontal por Mirna Spritzer, Isabel Nogueira e Gabriel Cevallos. Participação especial de Thais Fernandes com o curta-metragem “Um corpo feminino” e deseho e luz de Mirella Brandi.

Sons, poesia de sons e música. Música de palavras e gestos. Remix de ser muitas mulheres. Universo de sensações. Dor e prazer. Som e fúria. Fragmentos de entrevistas, depoimentos, poesia e escritas pessoais. Tudo nasce de uma ferida íntima. Cinema e luz projetando corpos femininos. Duas mulheres em cena. Outras tantas nas vozes e imagens. Um quebra-cabeças em loop. Em cena, o sentimento, o ruído, a celebração de ser agora.

Textos: Angélica Freitas, Cássia Pinto, Daniela Delias, Eliane Brum, Isabel Nogueira, Mirna Spritzer, Dea Trancoso, Sophia de Mello Breyner Andresen, Wislawa Symborska e Xoxotas de Pelotas.  Entrevistas de Angélica Lidell e Debora Noal

 

Luagáricos no Lugar: Performances de Luciano Zanatta, Isabel Nogueira, Chico Machado e Alessandra Bochio

28 de novembro às 20h – Performances dos 4 residentes do atelier/studio LUGAR – distribuição de senhas a partir das 19h

O LUGAR é um espaço de investigação artística compartilhado por Chico Machado, Isabel Nogueira, Luciano Zanatta, Alessandra Bochio e Felipe Merker Castellani. Nesta noite de performances estes artistas vão apresentar parte de sua produção, trazendo o entrelaçamento de sonoridades, vídeos e objetos sonoros inusitados.

Estes artistas, que trabalham tanto individualmente como em parceria, comungam da busca por experimentações que chegam a transgredir os limites ou bordas tradicionais destas diversas linguagens artísticas, gerando também a necessidade da criação de conceitos e nomenclaturas que acompanhem esta investigação. Utilizando-se tanto de alta como de baixas tecnologias, a inventividade aparece em seus trabalhos tanto nos processos compositivos e de criação como nos modos de tocar os aparelhos e instrumentos que utilizam. Desejosos da necessidade de inventar instrumentos e modos operacionais que, se não são novos, são pouco usuais, estes artistas pesquisadores (todos artistas/professores de cursos de arte de universidades federais do Rio Grande do Sul) transitam entre as artes visuais, a música, o vídeo e a arte sonora, gerando performances com uma abundância de estímulos multissensoriais, cujos resultados podem ser apreciados nesta noite performática.

Ficha técnica: Com Alessandra Bochio, Chico Machado, Felipe Merker Castellani, Isabel Nogueira e Luciano Zanatta.

Manipulação de softwares, hardwares, câmeras de vídeo, vídeo-projeção e objetos sonoros.

Duração: 90 minutos

 

HURTMOLD – 20 ANOS (São Paulo)

30 de novembro às 20h – Theatro São Pedro  – distribuição de senhas a partir das 13h

Pela Primeira vez em Porto Alegre, o sexteto paulistano Hurtmold chega para o Festival Kino Beat com seu show comemorativo de 20 anos de carreira.
O Hurtmold foi formado em 1998 na cidade de São Paulo São Paulo pelos amigos Mauricio Takara, Guilherme Granado, Marcos Gerez, Mário Cappi e Fernando Cappi. A banda vem se apresentando pelo Brasil e exterior e lançando discos desde então. Em 2003, Rogério Martins se integra ao Hurtmold.
Uma banda de rock mas com diversas outras referências (musicais ou não), e que ao longo do tempo foi se firmando como um dos principais nomes do cenário da música alternativa e instrumental no Brasil. Com 7 discos lançados, o Hurtmold já dividiu o palco com músicos como o norte-americano Rob Mazurek, o brasileiro Paulo Santos (Uakti) e o suiço Thomas Rohrer. Individualmente seus integrantes colaboraram com os artistas Naná Vasconcelos, Pharoah Sanders, Bill Dixon, Roscoe Mitchell, Toninho Horta, Prefuse 73, Dan Bitney (Tortoise), Joe Lally (Fugazi), Mike Ladd, High Priest, entre outros

HURTMOLD
Fernando Cappi – guitarra
Guilherme Granado – teclado, sinth
Marcos Gerez – baixo
Mário Cappi – guitarra
Mauricio Takara – bateria e trompete
Rogério Martins – percussão e clarone

Endereços:

TEATRO DO SESC  Av. Alberto Bins, 665 – Centro

LUGAR Subsolo, Av. Independência, 745 – Independência

THEATRO SÃO PEDRO Praça Mal. Deodoro, S/N – Centro Histórico

Sobre o Kino Beat

Kino Beat é um Festival de música, performances audiovisuais multimídia e artes integradas. A partir dos pilares, imagem (Kino) e som (Beat), apresenta artistas e atividades multidisciplinares, que utilizam de diversos modos as tecnologias no processo criativo de suas obras. O experimental, o sensorial e a imersão, são premissas para composição do seu programa, que se espalha pela cidade, ocupando teatros, galerias, museus, espaços culturais e casas noturnas. Diluindo fronteiras entre linguagens e gêneros, as atrações de natureza híbrida, são apresentadas em diversos formatos, transitando entre shows musicais, performances audiovisuais, exposições, oficinas, seminário, mostras de filmes e festas.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑