Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Instituto Ling

zh_12.10.17.jpg

Chef Belén Montava promove curso de Pintxos no Instituto Ling

belenmontava_creditopedroantoniohenrich

Atividade ocorre nos dias 25 de outubro e 01 de novembro

 

Nos dias 25 de outubro e 01 de novembro, das 19h às 22h, a chef espanhola Belén Montava promove o curso de Pintxos no Instituto Ling. Originalmente uma pequena porção de comida servida sobre uma fatia de pão, que dava para pegar com um palitinho no balcão de um bar, os Pintxos, esse tipo de tapas ou petisco tradicional do País Basco, ultrapassaram as fronteiras e o oceano e chegam agora ao Instituto Ling pelas mãos de Belén.

Em dois encontros, a chef divide todos os segredos por trás de receitas autênticas e tradicionais, para que os participantes possam reproduzir e experimentar as delícias de um legítimo bar da Espanha, sem sair de casa. São receitas de releituras de pratos como cornetes recheados de creme de batata e ovas de peixe, pintxo pizza, e tradicionais como falsa burrata, Pintxo moruno, entre outros.

As inscrições custam R$ 380,00 e devem ser feitas através do site da instituição: http://www.institutoling.org.br/index.php/cursos/gastronomia/curso-de-pintxos.html

 

Curso de Pintxos com a chef Belén Montava

25/10 e 01/11, das 19h às 22h, no Instituto Ling – Rua João Caetano, 440

Investimento – R$ 380,00

http://www.institutoling.org.br/index.php/cursos/gastronomia/curso-de-pintxos.html

 

25.10.2017 – Releituras

– Pesto escalivado, pão coca e encurtidos;

– Releituras do atum em lata: Steak tartar de atum temperado;

– Pintxo pizza: manta de burrata recheada;

– Cornetes recheados de creme de batata e ovas de peixe;

– Leche frita brulée e arrope.

 

01.11.2017 – Tradição

– Falsa burrata. Capresse;

– Churros de bacalhau e molhos;

– Pintxo moruno (espetinho) e maionese de batata ao rãs hanout;

– Peixe frito, alcachofra, limão e azeitona;

– Tapa doce de amêndoas e calda cítrica.

 

Sobre a Chef: A chef espanhola Belén Montava é multitarefa: especializada em gastronomia espanhola e internacional, está sempre em busca de aproximar o turismo, as artes e a história de seus cardápios e cursos.

Herdou da bisavó a paixão pela gastronomia, que a levou a trabalhar com turismo gastronômico durante 21 anos na Europa, além de passar por diversas cozinhas internacionais, como Enopata em Valencia (vinhos e gastronomia), The Crown em Londres (restobar), The Boulevard em São Francisco (novelle cuisine), Alambique Madrid (escola cozinhas do mundo), La Seu Xerea Anglo-birmana (restaurante), Rathaus Wiesbaden (cozinha tradicional alemã), Tapeame Madrid (Tapas e iguarias), Restaurante Itinerante Palácio Democracia Berlim.

Desde 2013 vive em Porto Alegre, onde desenvolve projetos de turismo e gastronomia, como palestras, aulas de gastronomia e gastronomia cultural, cooking shows, aulas particulares, além de assinar cardápios para eventos de diversos tamanhos e roteiros de turismo gastronômico.

A partir deste semestre Belén integra o time de professores convidados do curso de Graduação em Gastronomia da Unisinos. Mais informações: http://www.belenmontava.es | facebook.com/belenmontavachef

 

Muovere Cia de Dança Contemporânea estreia espetáculo de dança para segunda infância

By-Gui-Malgariz.png

Tóin 2 – Dança para Segunda Infância tem sessão no dia 14 de outubro no Instituto Ling

Após cinco anos de sucesso do espetáculo Tóin – dança para bebês, a Muovere Cia de Dança contemporânea estreia no sábado, 14 de outubro sua mais nova montagem: Tóin 2 – Dança Para Segunda Infância, voltado para crianças de três a sete anos.

Tóin 2 – Dança Para Segunda Infância dança a história de três personagens e seus amigos imaginários. A pesquisa partiu do estímulo do livro As Cidades Invisíveis de Ítalo Calvino, revelando os “Marco Polinhos” que povoam o imaginário infantil. Gláucia de Souza, Maurilo Andreas, Eva Furnari, Monteiro Lobato e Maria Amália Camargo ilustram a visão poética do espetáculo.

Heróis, robots, personagens de filmes e vídeos e histórias infantis atuais compõem a fantástica aventura vivida por Juju do Bigode Azul (Nilton G. Junior), R20 (Artur Bonfanti) e Romieta (Aline Karpinski) e seus avatares. Diferentes, se encontram na bola encantada para brincar de dança, cada um à sua maneira.

O Bigode Azul de Juju tem poderes de adivinhar os pensamentos. Já R20 tem a força da dança e Romieta a dança da paixão desenfreada. Segundo Jussara Miranda, diretora da companhia, que assina a concepção, direção geral e coreográfica da montagem, “os avatares são instigantes. Não falam a nossa língua, não conhecem os nossos costumes e só aparecem na Bola Encantada para brincar de dança, cada um à sua maneira. Ninguém sabe onde vivem. São curiosos, amáveis e engraçados”, revela. “Esse universo foi pensado e criado dentro de referências para crianças entre três e sete anos – como interagem com os amigos, os tipos de estímulos musicais que os fazem reagir e as brincadeiras mais populares”, afirma.

A trilha sonora e os figurinos também viajam por mundos diversos. A cada nova dança uma nova brincadeira. Beto Chedid assina a trilha sonora, que conta com diversas versões de canções conhecidas do público em uma adaptação futurista, além de clássicos do folclore infantil brasileiro. A direção artística é de Diego Mac, Antonio Rabadan assina os figurinos, Ricardo Vivian a iluminação e videografia, Sandro Ka a identidade e programação visual e Gui Malgarizi a fotografia e colaboração em pesquisa.

As apresentações ocorrem às 15h e 17h, com ingressos a R$ 40,00 e descontos para estudantes, idosos e classe artística que podem ser adquiridos pelo site www.institutoling.org.br ou no local.

Ficha técnica:

Direção geral e coreográfica: Jussara Miranda

Direção Artística: Diego Mac

Bailarinos: Aline Karpinski, Arthur Bonfanti e Nilton Gaffree Jr.

Trilha Sonora: Beto Chedid

Iluminação e Vídeografia: Ricardo Vivian

Figurinos: Antonio Rabadan

Identidade Visual e Projeto gráfico: Sandro Ka

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Fotografia e colaboração em pesquisa: Gui Malgarizi

Apoio: Instituto LING; Espaço N; CT Academia

Realização: Muovere Cia de Dança

 

Tóin 2 – Dança Para Segunda Infância

14 de outubro, com sessões às 15h e 17h

Auditório do Instituto Ling (Rua João Caetano, 440. Bairro Três Figueiras)

[51] 3533-5700. [estacionamento privado, restaurante, climatização]

Ingressos: www.institutoling.org.br

Inteira: R$ 40,00. Meia: R$ 20,00 [estudantes; + 60 anos e classe artística]

Espetáculo Abobrinhas Recheadas na imprensa

zh_21.07.17correiodopovo_21.07.17

Abobrinhas Recheadas tem apresentações no Instituto Ling nos dias 21, 22, 28 e 29 de julho

Abobrinhas-Recheadas---Foto-Gui-Malgarizi-(2)

Instituto Ling recebe pela primeira vez o único espetáculo de STAND UP DANCE COMEDY do RS

 

Primeiro espetáculo de Stand-Up Dance Comedy do RS, Abobrinhas Recheadas realiza sua 13ª Temporada nos dias 21, 22, 28, 29 de julho, sextas às 20h e sábados às 19h, no Instituto Ling (R. João Caetano, 440).

O espetáculo será apresentado na versão Dance a Letra, com coreografias criadas a partir da mímica de letras de músicas famosas, que vão de Chico Buarque a Tom Jobim, passando por canções como Construção, Águas de Março, Show das Poderosas, Emoções e Faroeste Caboclo, além dos hits regionais como Amigo Punk, Tertúlia e Porto Alegre é Demais!

Produzido pela Macarenando Dance Concept, Abobrinhas Recheadas explora a união da dança e do humor e colabora na aproximação do público com as artes cênicas. Indicado em quatro categorias ao Prêmio Açorianos de Dança 2009, venceu em duas: Melhor Bailarino (Nilton Gaffrée) e Melhor Espetáculo eleito pelo Júri Popular (Prêmio RBS Cultura).

Segundo o diretor Gui Malgarizi, “o arranjo coreográfico de elementos comuns da cultura permite explorarmos a comicidade cênica da dança, trazendo diferentes formas de questionamento do corpo, da cultura pop, da mídia, da política. Com humor, aproximamos o público da dança e fomentamos a formação de plateias na área”.

Os ingressos custam R$ 40,00 e podem ser adquiridos no local e pelo site http://www.institutoling.org.br com descontos para estudantes, pessoas acima de 60 anos e classe artística.

Abobrinhas Recheadas – O Jogo

21, 22, 28, 29 de julho
Sextas às 20h; sábados às 19h
Instituto Ling (R. João Caetano, 440)

Duração: 80 minutos
Classificação Etária: Livre

 

Ingressos

R$ 40
50% desconto para estudantes, +60 e classe artística

 

Pontos de venda

Online: http://www.institutoling.org.br

Presencial: Instituto Ling (R. João Caetano, 440). De segunda a sexta-feira das 10h30 às 22h; sábados, das 10h30 às 20h.

 

Ficha técnica

Direção e coreografia: Diego Mac e Gui Malgarizi
Bailarinos: Daniela Aquino, Diego Mac, Juliana Rutkowski e Nilton Gaffree

Produção: Sandra Santos

Assistência de produção: Giulia Baptista Vieira e Arthur Bonfanti
Iluminação: Gui Malgarizi e Sandra Santos

Operação de som: Dani Dutra
Assessoria de imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor
Apoio: Instituto Ling, Casa Cultural Tony Petzhold, TVE e FM Cultura
Realização: Macarenando Dance Concept

 

 

Vídeos

 

Mais informações

http://www.macarenando.com.br/abobrinhasrecheadas
https://www.facebook.com/abobrinhasrecheadas
 

Muovere Cia de Dança Contemporânea realiza apresentações de Choking nos dias 09 e 10 de dezembro

crislima53_191116_8940

Sessões ocorrem no auditório do Instituto Ling

Após o sucesso de sua temporada de estreia, o novo espetáculo da Muovere Cia de Dança Contemporânea, que em 2016 completa 27 anos de trajetória, retorna para apresentações nos dias 09 e 10 de dezembro, no Instituto Ling. Choking integra o projeto Webcoreô, contemplado pelo Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014.

O espetáculo de dança, é um “estudo” atravessado por interfaces digitais e criado a partir de questionamentos sobre as relações estabelecidas entre realidade e ficção na interação cotidiana com a internet. Choking apresenta um conjunto de peças coreográficas que dialogam sobre noções de violência, movimento, sincronismo e anacronismo, perpassando o referencial imagético e sensível criado pela Cia Muovere ao longo de seus 27 anos.

Em que medida a internet, a web e os dispositivos interferem no movimento artístico do corpo?   Choking é composto de episódios, onde as camadas se trançam, em tempo real, nas variações de tempo e distância do espaço teatral. Segundo Jussara Miranda, diretora da companhia e do espetáculo, o ponto de partida da criação se baseia na questão da dança moribunda, noção citada pela coreógrafa no artigo Processos endêmicos ativados por picadas, in Políticas Culturais: teoria e práxis, 2011. Trata-se da dança das bordas, ou aquela que atrai nosso olhar para as ocorrências fora da zona de maior atenção. Para a Muovere, a dança moribunda trilhou no compasso da criação e montagem como um fio condutor, sobre “qual é a sua dança?”, um dos questionamentos que guia o desenvolvimento do projeto Webcoreô, que também contou com um seminário sobre tecnologia, dança e corpo, por Ivani Santana.

“O interesse de trabalhar com a dança com mediação tecnológica foca na experiência sensorial e perceptiva a que se propõe o espetáculo, e não no uso de dispositivos, por si. A tecnologia está em Choking para potencializar nossas escolhas, ideias e pensamentos”, afirma. “Choking é um espetáculo-estudo. Criado a várias mãos investiu no campo das possibilidades, onde cada integrante da equipe tem sua parte de colaboração”, comenta Jussara.

As bailarinas Angela Spiazzi, Joana Amaral e Leticia Paranhos emprestam suas valiosas experiências de vida e arte para compor sentido junto à primorosa direção artística de Diego Mac.

Com figurinos de Antonio Rabadan, projeto gráfico de Sandro Ka, luminotécnica de Ricardo Vivian, projeto de maquiagem de Nilton G. Junior, Choking conta com o apoio do Instituto Ling, recebendo a Muovere em residência para a montagem do projeto, bem como a temporada de estreia e as apresentações de dezembro, que ocorrem às 20h e 21h na sexta-feira e às 20h no sábado, com ingressos entre R$ 20,00 e R$ 40,00

Ficha técnica

Coordenação Geral e Direção Coreográfica: Jussara Miranda

Coordenação Artística e Direção Cênica: Diego Mac

Elenco: Angela Spiazzi, Joana Amaral e Letícia Paranhos

Coordenação de Produção: Joice Rossato – Aresta Cultural

Produção Executiva: Laís Werneck

Iluminação e Videografia: Ricardo Vivian

Figurino: Antonio Rabadan

Costura: Marcia Groski

Maquiagem: Nilton Gaffrée Jr.

Identidade Visual e Projeto Gráfico: Sandro Ka

Fotografia: Cristina Lima, Gui Malgarizi e Rossato Lima

Texto – Episódio Tutorial: Gui Malgarizi

Trilha Sonora Pesquisada e Intervenção Cênica: Diego Mac

Registro e Edição Videográfica: Rossato Lima

Assessoria de Comunicação: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

 

Sinopse

“Fios, telas, carnes, operações, olhos, figuras, figurinos, roupa de batalha, espaços reais, espaços virtuais, imagens, tempo objetivo do relógio, tempo dramático do espetáculo: tudo junto, misturado, no palco, no lugar dos acontecimentos. Ponto de partida”. (por Diego Mac)

Duração: 45 minutos

Classificação: livre

facebook.com/ MuovereCiadeDancaContemporanea

Choking

Dias 09 e 10 de dezembro

09: 20h e 21h | 10: 20h

Ingressos a R$ 40,00 – descontos para idosos, estudantes e classe artística

Instituto Ling – Endereço: R. João Caetano, 440 – Três Figueiras, Porto Alegre – RS, 90470-260 – Telefone:(51) 3533-5700

Muovere Cia de Dança Contemporânea na imprensa

metro_18-11-16jc_18-11-16correiodopovo_18-11-16

Muovere Cia de Dança Contemporânea no Correio do Povo de hoje

correiodopovo_17.11.16.jpg

Muovere Cia de Dança Contemporânea estreia espetáculo no dia 18 de novembro no Instituto Ling

choking_cristina-lima-18
Choking integra o projeto Webcoreô, vencedor do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014

Estreia no dia 18 de novembro o novo espetáculo da Muovere Cia de Dança Contemporânea, que em 2016 completa 27 anos de trajetória. Choking integra o projeto Webcoreô, contemplado pelo Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014.

O espetáculo de dança, é um “estudo” atravessado por interfaces digitais e criado a partir de questionamentos sobre as relações estabelecidas entre realidade e ficção na interação cotidiana com a internet. Choking apresenta um conjunto de peças coreográficas que dialogam sobre noções de violência, movimento, sincronismo e anacronismo, perpassando o referencial imagético e sensível criado pela Cia Muovere ao longo de seus 27 anos.

Em que medida a internet, a web e os dispositivos interferem no movimento artístico do corpo?   Choking é composto de episódios, onde as camadas se trançam, em tempo real, nas variações de tempo e distância do espaço teatral. Segundo Jussara Miranda, diretora da companhia e do espetáculo, o ponto de partida da criação se baseia na questão da dança moribunda, noção citada pela coreógrafa no artigo Processos endêmicos ativados por picadas, in Políticas Culturais: teoria e práxis, 2011. Trata-se da dança das bordas, ou aquela que atrai nosso olhar para as ocorrências fora da zona de maior atenção. Para a Muovere, a dança moribunda trilhou no compasso da criação e montagem como um fio condutor, sobre “qual é a sua dança?”, um dos questionamentos que guia o desenvolvimento do projeto Webcoreô, que também contou com um seminário sobre tecnologia, dança e corpo, por Ivani Santana.

“O interesse de trabalhar com a dança com mediação tecnológica foca na experiência sensorial e perceptiva a que se propõe o espetáculo, e não no uso de dispositivos, por si. A tecnologia está em Choking para potencializar nossas escolhas, ideias e pensamentos”, afirma. “Choking é um espetáculo-estudo. Criado a várias mãos investiu no campo das possibilidades, onde cada integrante da equipe tem sua parte de colaboração”, comenta Jussara.

As bailarinas Angela Spiazzi, Joana Amaral e Leticia Paranhos emprestam suas valiosas experiências de vida e arte para compor sentido junto à primorosa direção artística de Diego Mac.

Com figurinos de Antonio Rabadan, projeto gráfico de Sandro Ka, luminotécnica de Ricardo Vivian, projeto de maquiagem de Nilton G. Junior, Choking conta com o apoio do Instituto Ling, recebendo a Muovere em residência para a montagem do projeto, bem como em temporada de première, que ocorre de 18 a 20 de novembro, com entrada franca.

Ficha técnica

Coordenação Geral e Direção Coreográfica: Jussara Miranda

Coordenação Artística e Direção Cênica: Diego Mac

Elenco: Angela Spiazzi, Joana Amaral e Letícia Paranhos

Coordenação de Produção: Joice Rossato – Aresta Cultural

Produção Executiva: Laís Werneck

Iluminação e Videografia: Ricardo Vivian

Figurino: Antonio Rabadan

Costura: Marcia Groski

Maquiagem: Nilton Gaffrée Jr.

Identidade Visual e Projeto Gráfico: Sandro Ka

Fotografia: Cristina Lima, Gui Malgarizi e Rossato Lima

Texto – Episódio Tutorial: Gui Malgarizi

Trilha Sonora Pesquisada e Intervenção Cênica: Diego Mac

Registro e Edição Videográfica: Rossato Lima

Assessoria de Comunicação: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Sinopse

“Fios, telas, carnes, operações, olhos, figuras, figurinos, roupa de batalha, espaços reais, espaços virtuais, imagens, tempo objetivo do relógio, tempo dramático do espetáculo: tudo junto, misturado, no palco, no lugar dos acontecimentos. Ponto de partida”. (por Diego Mac)

Duração: 45 minutos

Classificação: livre

facebook.com/ MuovereCiadeDancaContemporanea

 

Choking – temporada de estreia

Dias 18, 19 e 20 de novembro

18: 20h

19 e 20: 17h e 19h

O espetáculo tem entrada franca e as senhas serão distribuídas 30 minutos antes da apresentação, até a lotação do auditório (89 lugares).

Endereço: R. João Caetano, 440 – Três Figueiras, Porto Alegre – RS, 90470-260

Telefone:(51) 3533-5700

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑