Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Cinemateca Capitólio Petrobras

“A Era do Ouro do Cinema: anos 30 e 40” inaugura em 18 de outubro na Cinemateca Capitólio Petrobras

1944 - Laura - 20th Century FOX

Exposição com materiais de produções das décadas de 1930 e 1940 tem curadoria da historiadora Alice Trusz

 Atividade integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura

Inaugura na sexta-feira, 18 de outubro, na Cinemateca Capitólio Petrobras, a exposição A Era de Ouro do Cinema: anos 30 e 40, que reúne materiais de divulgação de produções cinematográficas das décadas de 1930 e 1940. A Era de Ouro do Cinema integra a programação especial com 26 atividades do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras Programação Especial 2019, dentre elas mostras de cinema, sessões acessíveis, masterclasses e, a segunda e ultima exposição que estará aberta ao público de forma gratuita de 18 de outubro a 20 de dezembro. Aprovado na Lei de Incentivo à Cultura/Governo Federal, com produção cultural da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura o projeto possui patrocínio master da Petrobras.

Com curadoria assinada pela historiadora Alice Trusz, concepção visual da designer Tatiana Sperhacke e expografia a cargo de Andreia Vigo, a exposição é formada por três módulos: o primeiro deles apresenta um estudo das principais vertentes exploradas neste período – o nascimento dos grandes estúdios e suas estrelas, do advento do filme colorido em Tecnicolor e os principais diretores da época, entre outros. O segundo módulo exibe um slide-show, que projeta uma seleção de cartazes e outros materiais relevantes digitalizados. Já o terceiro e último módulo traz uma projeção de trechos dos principais filmes destas duas décadas.

A mostra aborda os elementos artísticos e gráficos do período, utilizando peças do acervo da instituição, em sua maior parte advindas da coleção de Telmo Kersting, doada ao Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras, em 2017. O material, formado por cartazes, anúncios, catálogos, cartazetes, press releases, press books, pôsteres, entre outros, constitui-se como uma importantíssima fonte de pesquisa, onde lança uma nova perspectiva para o estudo da história do cinema no Brasil, bem como das relações com a indústria cinematográfica estrangeira, principalmente a norte-americana, mostrando seu impacto no cinema nacional.

“Através dessa exposição traremos ao público uma reflexão sobre o valor cultural, histórico e estético dessas peças para a compreensão das formas de afirmação comercial da indústria cinematográfica no passado”, revela a curadora, que contou com a assessoria de pesquisa de Marcus Mello e Rosemeri Iensen.

A abertura ocorre às 19h30 de 18 de outubro e a visitação segue com entrada franca até 20 de dezembro, de terça a sexta-feira das 09h às 20h30 e sábados, domingos e feriados das 14h às 20h30. Para Visitas Orientadas, os interessados devem entrar em contato pelo email cdmcapitolio@gmail.com ou pelo telefone (51) 3289 7463.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 A Era do Ouro do Cinema: Anos 30 e 40

Para a Fundação Cinema RS, que tem como missão institucional impulsionar o desenvolvimento da indústria cinematográfica e audiovisual do Rio Grande do Sul, e a parceria bem–sucedida, entre a SMC e ao patrocínio da Petrobras, foi possível, além da reforma e reestruturação da sala de exibição, tornar a Cinemateca Capitólio Petrobras um lugar de guarda, preservação e difusão da memória do cinema gaúcho e brasileiro e, assim, manter o espaço aberto ao público durante o ano inteiro. A exposição com materiais do acervo cumpre com a vocação da Cinemateca e promove reflexão sobre os caminhos passados, presentes e futuros da indústria cinematográfica no mundo.

O material constitui-se como uma importantíssima fonte de pesquisa, onde lança uma nova perspectiva para o estudo da história do cinema no Brasil, bem como das relações com a indústria cinematográfica estrangeira, principalmente a americana, mostrando seu impacto no cinema nacional.

Alice D. Trusz

Historiadora e curadora

 

Ficha técnica
Pesquisa e Curadoria: Alice D. Trusz
Expografia: Andreia Vigo
Concepção visual e Design gráfico: Tatiana Sperhacke
Assessoria de pesquisa: Marcus Mello, Rosemeri Iensen
Projeto de mobiliário e Coordenação de montagem: Eduardo Saorin

Edição de vídeo: Kevin Agnes
Produção: Débora Palhares, Juli Fossatti, Paola Mallmann

 

Agradecimentos:

Diretoria Executiva da Fundacine: Luiz Alberto Rodrigues, Luiz Alberto Cassol e Leo Sassen

Ana Maria De Oliveira Kersting, Hernani Heffner

Cineastas, Produtores e Designers que disponibilizaram seus acervos.

A maior parte dos cartazes desta exposição pertence à coleção de Telmo Kersting, doada ao Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras em fevereiro de  2017.

Cinemateca Capitólio Petrobras promove mostra “Horizontes do Filme Ensaio”, de 03 a 23 de outubro

antesdolembrar

 Atividade conta com filmes e debates em torno do ensaio fílmico e integra a programação especial 2019 com patrocínio master da Petrobras e é uma correalização com o Goethe-Institut Porto Alegre, Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e Institut Français.

 

De 03 a 23 de outubro a Cinemateca Capitólio Petrobras promove a Mostra Horizontes do Filme Ensaio, uma das 26 atividades do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras Programação Especial 2019, aprovado na Lei de Incentivo à Cultura/Governo Federal, com produção cultural da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O projeto tem patrocínio master da Petrobras.

Horizontes do Filme Ensaio apresenta 26 produções e um painel em torno das complexidades do ensaio fílmico. As sessões contam com obras de diferentes formatos e durações, realizadas por nomes como Harun Farocki, Sergei Eisenstein, o coletivo Les InsoumusesJonas MekasAngela Ricci Lucchi e Yervant GianikianChris MarkerOrson WellesJean RouchJohn AkomfrahJean-Daniel PolletMariana ShellardAloysio RaulinoJean-Luc GodardRaúl RuizZózimo BulbulPere PortabellaCarlos Adriano e Arthur Tuoto.

Além das exibições, a mostra conta com seis sessões comentadas, destaque da programação, que abordam temas contemporâneos como o afrofuturismo, as transformações dos espaços públicos, a representação de indivíduos marginalizados e a presença das mulheres nos ambientes de poder a partir de diferentes perspectivas do ensaio fílmico. Participam dos debates as pesquisadoras Lilian SantiagoKênia FreitasClaire Allouche, integrantes do Cineclube Academia das Musas e da Mutual Films.

A sessão de abertura, na quinta-feira, 03 de outubro, às 20h, apresenta o programa duplo com o curta-metragem Antes do Lembrar, de Luciana Mazeto e Vinicius Lopes, e o longa-metragem Objeto Misterioso ao Meio-Dia, do diretor tailandês Apichatpong Weerasethakul, inédito em Porto Alegre. Antes do Lembrar já participou de diversos festivais no Brasil e exterior, com destaque para o International Film Festival Rotterdam 2018 e recebeu o prêmio de melhor documentário na competição internacional do 46º Athens International Film and Video Festival.

No domingo, 06 de outubro, às 17h30, ocorre, com entrada franca, o painel Perspectivas do filme ensaio, com a presença de Rafael Valles, documentarista e pesquisador dos filmes-diários de Jonas Mekas, Flavio Guirland, pesquisador do cinema found footage, e Gabriela Almeida, autora do livro “O ensaio fílmico ou o cinema à deriva”.

A sessão de encerramento, na quarta-feira, 23 de outubro, apresenta a sessão de The Cleaners, de Hans Block e Moritz Riesewieck, comentada pelo produtor Fernando Dias.

A mostra Horizontes do Filme Ensaio é uma correalização com o Goethe-Institut Porto Alegre, a Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e o Institut Français.

Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

FILMES

ANTES DO LEMBRAR

Brasil, 21’, 2017, DCP

Direção: Luciana Mazeto, Vinícius Lopes

Nas primeiras evidências de humanidade no sul do Brasil, encontramos, lado a lado, as partes visíveis e invisíveis de uma história.

 

OBJETO MISTERIOSO AO MEIO-DIA

(Dokfa nai meuman)

Tailândia, 82’, 2000, HD para DCP

Direção: Apichatpong Weerasethakul

Uma equipe de filmagem parte em uma viagem pela Tailândia, de norte a sul, documentando várias vidas ao longo do caminho. No processo, cada sujeito filmado é solicitado para continuar uma história ficcional e fantasiosa.

 

O TIGRE E A GAZELA

Brasil, 15’, 1976, digital

Direção: Aloysio Raulino

As fisionomias, os gestos e as falas de mendigos, pedintes, loucos e foliões que passam pelas ruas de São Paulo. Os sons e imagens são ilustrados com extratos de Frantz Fanon.

 

A ORDEM

França, 44’, 1973, digital

Direção: Jean-Daniel Pollet

A vida na colônia de leprosos de Spinalonga, uma ilha ao largo de Creta, através dos olhos de Raimondakis, que conta sua história para a câmera depois de ter sido excluído de sua comunidade.

 

A QUARTA E ÚLTIMA MORADA

Brasil, 89’, 2019, DCP

Direção: Mariana Shellard

Híbrido de ficção e documentário, o filme foi inspirado no livro Sangue Sábio, (1949) de Flannery O’Connor. Um ator de teatro (Ronaldo Braga), representando um pregador de rua no turbulento e cacofônico centro da cidade de São Paulo onde se concentram pregadores autônomos e religiosos, interage com a população e consequentemente traça um perfil do microcosmo local. Sua fé é a Igreja Sem Cristo e sua pregação declara que “não há verdade por trás de todas as verdades”.

 

COMMUNION LOS ANGELES

EUA, 68’, 2018, DCP

Direção: Peter Bo Rappmund, Adam R. Levine

O filme segue, quadro a quadro, a auto-estrada mais antiga da Califórnia (SR 110), das Montanhas de São Gabriel ao Oceano Pacífico, definindo e dividindo as comunidades 2 para as quais foi desenhada para servir. Ao observar essas 35 milhas de asfalto com infraestrutura e arquitetura públicas, essa jornada equinocial realça as dicotomias de mobilidade, tecnologia e espaço urbano. Além de fazer seus próprios filmes, os dois diretores trabalharam como assistentes e colaboradores de Thom Andersen em diversos trabalhos, e Rappmund também participou da montagem de A quarta e última morada. O filme estreou na mostra Signs of Life (Sinais de Vida), no Festival de Locarno.

 

DOMÍNIO

Portugal, 12’, 2019, DCP

Direção: Marcelo Félix

Abordagem pessoal ao tema da sustentabilidade, Domínio evoca o invisível na rotina dos seres e das coisas, a dimensão imensurável de cada escolha, a origem e o destino da memória: uma despedida em contagem decrescente, entre a nostalgia da distância que repõe a perspectiva e a imersão quotidiana na múltipla proximidade do caos. Domínio é um relance sobre gestos de discreta subversão e também uma breve lembrança do desgaste do mundo, feito de fragmentos de passado e futuro.

 

LAS CAMPAÑAS DE INVIERNO

Cuba/Venezuela/México, 70’, 2019, DCP

Direção: Rafael Ramírez

O prolífico cineasta cubano experimental Rafael Ramírez leva a campanha de Napoleão para a Rússia como ponto de partida para seu excepcional longa de estreia. Ele apresenta uma realidade singularmente mundana, mas também um universo perturbador de fantasia. O filme então oferece dois mundos em conflito, onde os personagens se tornam símbolos de representação e nos quais uma narração misteriosa é o guia exclusivo para o espectador atravessar a fronteira entre eles. Las campañas de invierno é um filme de grande beleza feito de rascunhos, modelagem e remodelagem.

 

O ÚLTIMO ANJO DA HISTÓRIA

(The Last Angel of History)

Reino Unido, 45’, 1995, HD

Direção: John Akomfrah

Um ensaio fílmico sobre a estética negra que traça as ramificações da ficção científica dentro da cultura pan-africana. Akomfrah articula o uso de imagens da nave espacial e do alienígena no trabalho de três músicos de gênio excêntrico – Sun Ra, George Clinton e Lee Perry –, para em seguida abordar a obra dos escritores da ficção científica negra Octavia Butler e Samuel Delany. O filme sugere que a nave espacial e o alienígena têm ressonâncias óbvias na condição diaspórica de exílio e deslocamento. Akomfrah expande sua constelação para incluir desde Walter Benjamin até DJ Spooky, traçando um itinerário pela música e ficção científica negras, a fim de lançar um olhar revelador sobre a modernidade na aurora da era digital.

 

O ENCANTADOR MÊS DE MAIO

(Le Joli Mai)

França, 165’ 1963, digital

Direção: Chris Marker, Pierre Lhomme

Paris, maio de 1962. A guerra da Argélia acaba de terminar. Neste primeiro mês de paz após sete anos de conflito, o que pensam os parisienses? Cada um testemunhou a tragédia da sua maneira, com suas angústias, felicidades e esperanças. Pouco a pouco, desenha-se um retrato vivo da França na alvorada nos anos 1960.

 

A MÁSCARA

(Het Masker)

Holanda/França, 53’, 1989, digital

Direção: Johan van der Keuken

Enquanto a França festeja o bicentenário da revolução francesa, Phillippe vive em Paris sem domicílio fixo, entre as paradas de metrô e os albergues do Exército da Salvação. Johan van der Keuken mostra em paralelo a vida dos excluídos e as imagens comerciais das celebrações do bicentenário. Entre a rejeição aos estrangeiros e o multiculturalismo, enquanto os partidos de extrema direita crescem na Europa, a sociedade francesa busca sua identidade.

 

ALMA NO OLHO

Brasil, 12’, 1973, HD

Direção: Zózimo Bulbul

Metáfora sobre a escravidão e a busca da liberdade através da transformação interna do ser, num jogo de imagens de inspiração concretista.

 

CUADECUC, VAMPIR

Espanha, 63’, 1971, HD

Direção: Pere Portabella

Uma das mais importantes produções clandestinas do cinema espanhol, em plena ditadura de Franco, Cuadecuc, Vampir traz uma combinação onírica entre ensaio, documentário e ficção e é definido pelo próprio Portabella como um “filme-vampiro”. Realizada com negativos roubados da televisão estatal, a obra se constrói através das filmagens de Conde Drácula (1970), de Jesús Franco, com Christopher Lee e as musas Maria Rohm e Soledad Miranda no elenco. Desconstrução do cinema de horror clássico e uma homenagem aos primeiros filmes sobre a história do vampiro, especialmente Vampyr, de Carl Theodor Dreyer e Nosferatu, de F. W. Murnau.

 

OUTUBRO

(Oktyabr)

União Soviética, 103’, 1927, DCP

Direção: Serguei Eisenstein, Grigoriy Aleksandrov

O intenso processo revolucionário da Rússia desde 1917 até a tomada do poder pelos bolcheviques.

 

A VOZ E O VAZIO: A VEZ DE VASSOURINHA

Brasil, 15’, 1998, DCP.

Direção: Carlos Adriano

A arte sincopada do original e obscuro sambista paulistano Vassourinha (1923-1942), que gravou apenas seis discos 78rpm.

 

IMAGENS DO MUNDO E INSCRIÇÕES DA GUERRA

(Bilder der Welt und Inschrift des Krieges)

Alemanha, 75’, 1988, digital

Direção: Harun Farocki

Filme-ensaio sobre o uso de imagens operacionais (desenhos e fotografias realizados com finalidade técnica, sem pretensão artística) em processos produtivos, operações militares e como mecanismos de controle. Harun Farocki se debruça especialmente sobre um conjunto de fotografias aéreas de Auschwitz tiradas por aviões de bombardeio norte-americanos em 1944, mas que foram descobertas e identificadas por dois funcionários da CIA. apenas em 1977. O cineasta reflete sobre o papel do olho como intermediário entre o ser humano e o mundo, e sobre como o ponto de vista determina o que vemos.

 

MASO E MISO VÃO DE BARCO

(Maso et Miso vont en bateau)

França, 55’, 1976, digital

Direção: Carole Roussopoulos, Delphine Seyrig, Ioana Wieder, Nadja Ringart

O coletivo Les Insoumuses usa de ironia e sarcasmo para interferir na reprodução de uma entrevista realizada pelo jornalista Bernard Pivot com a também jornalista e escritora Françoise Giroud, Secretária de Estado da Condição Feminina (1974-1976) no governo de Jacques Chirac.

 

VERDADES E MENTIRAS

(F for Fake)

França, 90’, 1973, HD

Direção: Orson Welles

Ao traçar o perfil de Elmyr de Hory, um notório falsificador de obras de arte, Verdades e mentiras descobre um emaranhado de histórias sobre fraudes e acaba por esbarrar nas próprias mentiras de Welles.

 

QUEBRA-GELO

(Brise-Glace)

Suécia/França, 86’, 1988, HD com legendas em espanhol

Direção: Jean Rouch, Raúl Ruiz e Titte Törnroth

No quebra-gelo “Frej”, três diretores entregam suas impressões: Rouch filma as obras no navio, Törnroth dá a palavra à tripulação e Ruiz apresenta um toque fantástico… Um filme em três episódios que se encaixa em um projeto multimídia maior, incluindo também criações musicais, radiofônicas e um livro ilustrado

 

REMINISCÊNCIAS DE UMA VIAGEM À LITUÂNIA

(Reminiscences of a Journey to Lithuania)

Estados Unidos, 82’, 1972, HD

Direção: Jonas Mekas

Este filme está dividido em três partes. A primeira parte é composta pelo material que filmei com minha primeira Bolex, durante meus primeiros anos na América, sobretudo entre 1950 -1953. A segunda parte foi filmada na Lituânia. Quase tudo em Semeniskiai, o vilarejo onde nasci. Não se pode perceber de fato como a Lituânia é hoje: pode-se percebê-la apenas através das memórias de um exilado que retorna à casa pela primeira vez após 25 anos.

 

OH, HOMEM!

(Oh! Uomo)

Itália, 71’, 2004, HD

Direção: Yervant Gianikian, Angela Ricci Lucchi

Usando material found footage de noticiário e fotografias de arquivos italianos, o filme coleciona imagens de guerra que se concentram na dor e no sofrimento que a batalha inflige aos soldados.

 

CRISE ANTROPOMÓRFICA

Brasil, 17’, 2018, digital

Direção: Victor Souza

Corpo-Ferramenta x mundo; corpo-conceito x cultura; hiper-corpo x realidade.

 

CARNÍVORA

Brasil, 63’, 2016, HD

Direção: Arthur Tuoto

Após ser encontrada por seres alienígenas, a sobrevivente de um episódio misterioso que dizimou parte da raça humana tenta compreender os fatos que levaram o planeta Terra a esse trágico destino. Formado inteiramente por imagens de arquivo sob domínio público, o filme é uma adaptação do conto de ficção científica “The Carnivore”, de Katherine MacLean.

 

ECLIPSE

Brasil, 1984, 12’, DCP

Direção: Antonio Moreno

Diante de imagens que se transfiguram, dentro de um cogumelo de uma explosão já começada, a narração de um rude poema latino-americano conta ocorrências e impressões das décadas de sessenta, setenta e oitenta no Brasil e América Latina, com algumas falhas de memória. O filme foi realizado a partir da técnica de animação direta na película.

 

FILME SOCIALISMO

(Film Socialisme)

França/Suíça, 100’, 2010, 35mm

Direção: Jean-Luc Godard

Num cruzeiro pelo mar Mediterrâneo, com personalidades como o filósofo francês Alain Badiou e a cantora americana Patti Smith a bordo, passageiros discutem sobre história, dinheiro e geometria. Longe dali, a família Martin, que mora num posto de gasolina, recebe a visita de uma jornalista e sua cinegrafista. As duas passam o dia à espera de uma entrevista com os pais, enquanto as crianças exigem deles explicações sobre liberdade, igualdade e fraternidade.

 

THE CLEANERS

(Im Schatten der Netzwelt)

Alemanha/Brasil, 88’, 2018, DCP

Direção: Hans Block, Moritz Riesewieck

 

A cada minuto 245 mil fotos estão sendo carregadas na internet, totalizando mais de 350 milhões de fotos diariamente. Simultaneamente, algumas dessas imagens e vídeos estão sendo bloqueados ou excluídos: pornografia infantil, fotos de tortura ou violência extrema, mas também imagens inofensivas de mães que amamentam. Quem são esses moderadores que fazem a “limpeza” das redes sociais? Com qual critério? E o quanto essas decisões podem influenciar a vida e opinião de todos?

 

GRADE DE HORÁRIOS

 

3 de outubro

16h – Verdades e Mentiras

18h – Imagens do Mundo e Inscrições da Guerra

20h – Antes do Lembrar + Objeto Misterioso ao Meio-Dia

 

4 de outubro

16h – Crise Antropomórfica + Carnívora

18h – Quebra-Gelo

20h – A Quarta e Última Morada + debate com Mariana Shellard e Aaron Cutler

 

5 de outubro

16h – Communion Los Angeles

18h – Domínio + Las Campañas de Invierno

20h – O Tigre e a Gazela + L’Ordre + debate com Lilian Santiago

 

6 de outubro

16h – Oh! Homem

17h30 – Painel: Perspectivas do filme ensaio

20h – Reminiscências de uma Viagem à Lituânia

 

8 de outubro

16h – Quebra-Gelo

18h – Eclipse + Filme Socialismo

20h – Alma no Olho + Cuadecuc, Vampir

 

9 de outubro

16h – O Encantador Mês de Maio

19h – Imagens do Mundo e Inscrições da Guerra

 

10 de outubro

16h – Crise Antropomórfica + Carnívora

18h – Verdades e Mentiras

20h – A Voz e o Vazio: A Vez de Vassourinha + Outubro

 

11 de outubro

18h – Quebra-Gelo

20h – Projeto Raros Especial: O Último Anjo da História + debate com Kênia Freitas

 

12 de outubro

14h – O Encantador Mês de Maio

17h – A Máscara + debate com Claire Allouche

 

13 de outubro

14h – Crise Antropomórfica + Carnívora

15h30 – Maso e Miso vão de Barco + debate com Cineclube Academia das Musas

 

15 de outubro

14h – Verdades e Mentiras

16h – O Encantador Mês de Maio

 

16 de outubro

16h – A Quarta e Última Morada

 

17 de outubro

16h – Quebra-Gelo

 

18 de outubro

16h – Eclipse + Filme Socialismo

 

20 de outubro

14h – A Voz e o Vazio: A Vez de Vassourinha + Outubro

 

22 de outubro

18h – Imagens do Mundo e Inscrições da Guerra

20h – Eclipse + Filme Socialismo

 

23 de outubro

18h – Crise Antropomórfica + Carnívora

20h – The Cleaners + debate com Fernando Dias

Cinemateca Capitólio Petrobras recebe duas Sessões Acessíveis no mês de setembro

dWWsTe4Q

Exibições integram a programação especial 2019 que conta com 26 atividades e patrocínio master da Petrobras. A produção cultural é da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

O público poderá conferir com entrada franca os longas “Mulher do Pai” (21/09) e “Djon África” (28/09)

 

A Cinemateca Capitólio Petrobras promove duas Sessões Acessíveis no mês de setembro, com entrada franca. As exibições dos longas-metragens Mulher do Pai e Djon África integram as dez sessões acessíveis da programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. No dia 21 de setembro, às 14h, o público poderá conferir Mulher do Pai, de Cristiane Oliveira. Já no dia 28, também às 14h, é a vez de Djon Àfrica, dirigido por Filipa Reis e João Miller Guerra. As atividades contam com interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto.

Mulher do Pai, filmado no interior do Rio Grande do Sul, traz para as telas o trabalho de Marat Descartes e Maria Galant como protagonistas da trama que conta a história de Ruben e Nalu, pai e filha que moram no campo, perto da fronteira entre Brasil e Uruguai. Quando Ruben percebe que a filha, aos 16 anos, já é uma mulher, uma perturbadora proximidade surge entre os dois. O estranhamento inicial dá lugar ao ciúme quando Rosario, uma atraente uruguaia, ganha espaço na vida de ambos.

Djon Àfrica, dirigido por Filipa Reis e João Miller, conta a história de Miguel “Tibars” Moreira, mais conhecido como Djon Africa, filho de cabo-verdianos, que nasceu e cresceu em Portugal. Sem conhecer seu pai, ele acaba descobrindo que ele mora em Tarrafal, e decide aventurar-se à sua procura.

As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. Além desta atividade, o projeto engloba oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses e duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. “O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. “Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

Terceira edição do “Noites na Cinemateca” ocorre no sábado, 14 de setembro

Movimento à Margem

Projeto de maratonas cinematográficas temáticas na madrugada integra a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras 2019

 

Porto Alegre, 10 de setembro de 2019 – Neste sábado, 14 de setembro, às 23h59, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove a terceira edição do projeto Noites na Cinemateca, que promove maratonas cinematográficas temáticas nas madrugadas de sábado para domingo. Nesta edição, que coincide com a realização do 26º Porto Alegre em Cena, o tema será Cinema & Dança (os anteriores foram Cinema & Música e Cinema & Erotismo), e terá como atrações um programa de documentários, um filme surpresa (uma produção internacionalmente cultuada, lançada há mais de 30 anos) e o clássico da era de ouro dos musicais hollywoodianos Entre a Loura e a Morena, estrelado por Carmen Miranda.

O Noites na Cinemateca faz parte das ações do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – Programação Especial 2019.  Entre os meses de março e novembro deste ano, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e cooperação cultural da Fundacine – Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação Cinema e Vídeo.

O ingresso para o Noites na Cinemateca tem o valor de R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia), para estudantes e idosos, e é válido para as três sessões da maratona. Entre uma sessão e outra, haverá pequenos intervalos para os espectadores dispostos a atravessarem essa madrugada marcada por muita música e dança para poderem recarregar suas energias. Caso haja disponibilidade de lugares, também serão colocados à venda ingressos para quem desejar assistir a apenas parte da programação. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 |http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

PROGRAMAÇÃO

 Documentários de Dança

 Movimento à Margem, de  Lícia Arosteguy e Lucas Tergolina (Brasil, 2018, 20 minutos).

 Localizada na Usina do Gasômetro, a sala 209 foi um espaço público dedicado ao desenvolvimento e difusão da dança contemporânea em Porto Alegre. A partir do relato dos artistas do Coletivo de Dança da Sala 209, o documentário traça um panorama do trabalho desenvolvido nesse espaço e o contexto que levou ao encerramento de suas atividades.

 A Dançarina de Ébano (La Danseuse d’Ébène), de Seydou Boro (França 2002, documentário, 52 minutos).

Documentário sobre uma das maiores personalidades da dança de origem africana, Irène Tassembédo – natural de Burkina Fasso, onde o filme foi inteiramente rodado. Este “retrato filmado” contribui para a restauração de todo um segmento da história da dança, investigando os laços e as tensões existentes entre dois continentes e duas culturas. Irène Tassembédo reside na França há 20 anos. Em 1978, em Burkina Fasso, foi selecionada para freqüentar a escola Mudra-África, fundada por Maurice Béjart em Dacar e dirigida por Germaine Acogny. Conhecer Irène Tassembédo conduz à reflexão sobre um tema essencial: a questão do corpo, tanto em termos dos seus valores como do seu imaginário, e a concepção particular que ele assume para os dançarinos africanos confrontados com a aprendizagem da dança contem.

O Homem que Dança (Homme qui Danse), Rosita Boisseau e Valérie Urréa (França, 2004, documentário, 59 minutos).
Angelin Preljocaj, Christian Bourrigault, Dimitri Chamblas, Mark Tompkins, François Verret, Alain Buffard, Kader Belarbi, Josef Nadj e Philippe Decouflé são alguns dos artistas – todos do sexo masculino – retratados na tela. Amadurecido durante muito tempo, este projeto da crítica de dança Rosita Boisseau e da cineasta Valérie Urréa reúne trechos de espetáculos e entrevistas em torno de uma questão central: o homem e a dança. No documentário, o tema é explorado passo a passo a partir de um mesmo ponto de vista. Ao abrir espaço para que “os homens que fazem viver a dança contemporânea”, ou seja, intérpretes e coreógrafos com sólidas trajetórias profissionais, se expressem sobre uma mesma figura, o homem e a sua identidade.

Filme Surpresa

Uma obra-prima do cinema europeu realizada há mais de três décadas, na qual a dança desempenha papel central. Um filme adorado pelos cinéfilos à época de seu lançamento, permaneceu meses em cartaz em Porto Alegre, mas há anos não é exibido nos cinemas brasileiros. Além de ter colecionado prêmios pelo mundo, foi um êxito tanto de público quanto de crítica.

Entre a Loura e a Morena (The Gang’s is All Here), de Busby Berkeley (EUA, 1943, 103 minutos)

Em sua festa de despedida, jovem sargento prestes a embarcar para a guerra se encanta pela cantora Eadie Allen (Alice Faye), uma moça simples, que não se importa com dinheiro ou status. Ele se apresenta com outro nome e os dois se apaixonam na mesma noite, apesar de ele estar noivo da filha do amigo influente de seu pai, que arranjou o casamento. Anos depois, ao retornar da guerra, seu pai faz um show em sua homenagem e contrata o grupo de Eadie para se apresentar. Ao se reencontrarem, ela descobre a verdade: quem Andy é realmente e que, além disso, tem que disputá-lo com a noiva e com Dorita (Carmen Miranda), outra cantora que vai usar seu charme para tentar conquistar o rapaz. Filme que consagrou a cantora e atriz Carmen Miranda em Hollywood, célebre por seus números musicais. Dirigido por Busby Berkeley, o principal coreógrafo da era de ouro do cinema americano, famoso por assinar coreografias extravagantes, com dezenas de dançarinos em cena.

 

 

GRADE DE HORÁRIOS

23:59 – Documentários de Dança (Movimento à Margem, A Dançarina de Ébano e O Homem que Dança)

02:00 – Filme Surpresa (110 minutos)

04:00 – Entre a Loura e a Morena (The Gang’s is All Here), de Busby Berkeley (EUA, 1943, 10

Mostra sobre cinema da Ásia ocorre de 05 a 18 de setembro na Cinemateca Capitólio Petrobras

o mundo 6

O Cinema da Ásia apresenta doze grandes filmes dos principais realizadores do extremo oriente e sudeste asiático nesta década, além de seis obras que influenciaram a história do cinema. A mostra conta com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre.

 

Porto Alegre, 29 de agosto de 2019 – A Cinemateca Capitólio Petrobras apresenta de 05 a 18 de setembro a mostra O Cinema da Ásia, com 18 produções – doze grandes filmes realizados nesta década pelos principais realizadores do extremo oriente e do sudeste asiático, e a Seção Resgates, com seis obras influentes da história do cinema, entre clássicos e contemporâneos.

Hotel às Margens do Rio, o mais recente longa-metragem do celebrado diretor sul-coreano Hon Sangsoo, estará na abertura da mostra, na quinta, dia 05, às 20h. O drama familiar com toques oníricos e situações cômicas conta com a magnífica atuação de Ju-bong Gi que foi consagrada com o prêmio de melhor ator no Festival de Locarno de 2018, evento que marcou a estreia mundial do filme.

O Cinema da Ásia apresenta obras de importantes realizadores do cinema contemporâneo, como o filipino Lav Diaz, os taiwaneses Hou hsiao-hsien e Tsai Ming-liang, os chineses Jia Zhangke e Vivian Qu, os japoneses Naomi Kawase, Hirokazu Koreeda e Kiyoshi Kurosawa, o sul-coreano Lee Chang-dong, o tailandês Apichatpong Weerasethakul, e o singapuriano Anthony Chen.

No sábado, 07 de setembro, o diretor e professor Eduardo Wannmacher participa de um debate após a exibição às 18h de O Mundo, um dos filmes mais importantes do realizador chinês Jia Zhangke.

A seção Resgates traz para a mostra obras-primas asiáticas realizadas em diversos momentos da história do cinema. A grande atração é a cópia em DCP de Derzu Uzala, incursão soviética do mestre japonês Akira Kurosawa. O transgressor O Funeral de Rosas, filme de Toshio Matsumoto, realizando em momento de efervescência da contracultura japonesa, será exibido em versão restaurada.

O clássico filme de artes marciais Dragon Inn: A Estalagem do Dragão, de King Hu, ganha exibição comentada pelo pesquisador César Almeida dentro de edição especial do Projeto Raros. Produzida pelo Programa de Alfabetização Audiovisual, a Sessão Vagalume, que apresenta filmes para crianças de todas as idades, apresenta a versão dublada da animação O Castelo Animado, de Hayao Miyazaki, uma das obras-primas do Studio Ghibli.

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, este ano, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019, aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que vem sendo realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS em parceria com a Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 FILMES

 FILMES CONTEMPORÂNEOS

 A ASSASSINA

(Ci ke Nie Yin Niang)

Taiwan/China/Hong Kong/França, 2015, 105 min, DCP

Direção: Hou Hsiao-hsien

Durante a dinastia Tang (618-907 a.C.), uma assassina profissional se apaixona pelo alvo principal de sua missão. Melhor Direção no Festival de Cannes.

 

AMOR ATÉ AS CINZAS

(Jiang hu er nu)

China/França/Japão, 2018, 137 min, DCP

Direção: Jia Zhangke

Uma história de amor violento, vivida no extremo norte da China pela jovem dançarina Qiao e o mafioso Bin, dentro de um período de tempo que vai de 2001 a 2017.

 

ASSUNTO DE FAMÍLIA

(Manbiki kazoku)

Japão, 2018, 121 min, DCP

Direção: Hirokazu Koreeda

Depois de uma de suas sessões de furtos, Osamu e seu filho se deparam com uma garotinha. A princípio eles relutam em abrigar a menina, mas a esposa de Osamu concorda em cuidar dela depois de saber das dificuldades que enfrenta. Palma de Ouro no Festival de Cannes.

 

CÃES ERRANTES

(Jiao You)

Taiwan/França, 2013, 138 min, DCP

Direção: Tsai Ming-liang

Um pai e seus dois filhos vagueiam como marginais em Taipei. Toda noite, a família se abriga num prédio abandonado. No seu aniversário do pai, a família recebe a companhia de uma mulher. Será que ela pode ser a chave para desenterrar emoções do passado? Prêmio Especial do Júri no Festival de Veneza.

CEMITÉRIO DO ESPLENDOR

(Rak ti Khon Kaen)

Tailândia/Reino Unido/Alemanha/França/Malásia, 2015, 122 min, DCP

Direção: Apichatpong Weerasethakul

Soldados com uma misteriosa doença do sono são transferidos para um hospital provisório instalado em uma antiga escola abandonada. Jenjira torna-se voluntária para tratar de Itt, um belo soldado que ninguém vem visitar.

 

CREEPY

(Kurîpî: Itsuwari no rinjin)

Japão, 2016, 130 min, DCP

Direção: Kiyoshi Kurosawa

Takakura, um ex-detetive detetive da polícia de Tóquio, é agora professor de psicologia criminal na universidade. Esperando que esta nova carreira o leve a uma vida mais tranquila, ele e sua esposa Yasuko se mudam para um tranquilo bairro no subúrbio. Um dia, Takakura é abordado pela filha do vizinho que lhe confessa: o homem que ele acredita ser o pai dela é um completo estranho.

 

EM CHAMAS

(Beoning)

Coreia do Sul, 2018, 148 min, DCP

Direção: Lee Chang-dong

Durante um dia normal de trabalho como entregador, Jong-Soo reencontra Hae-Mi, uma antiga amiga que vivia no mesmo bairro que ele. A jovem está com uma viagem marcada para o exterior e pede para Jong-Soo cuidar de seu gato de estimação enquanto ela está longe. Hae-Mi volta para casa na companhia de Ben, um jovem misterioso que conheceu na África. No entanto, o forasteiro tem um hobby peculiar. Prêmio da Crítica no Festival de Cannes.

 

ESPLENDOR

(Hikari)

Japão/França, 2017, 101 min, DCP

Direção: Naomi Kawase

Misako é uma escritora apaixonada por versões cinematográficas para deficientes visuais. Em uma exibição ela conhece Masaya, um fotógrafo que está perdendo sua visão e que tem um acervo de fotografias que fará com que Misako volte a seu passado.

 

HOTEL ÀS MARGENS DO RIO

(Gangbyeon hotel)

Coreia do Sul, 2018, 96 min, DCP

Direção: Hong Sangsoo

Um velho poeta se hospeda em um hotel à beira do rio. Ele convoca a presença dos dois filhos, com quem tem uma relação distante porque sente, sem razão aparente, que está morrendo. Ao mesmo tempo, após ser traída pelo parceiro, uma jovem se instala no mesmo local com uma amiga.

 

NORTE, O FIM DA HISTÓRIA

(Norte, hangganan ng kasaysayan)

Filipinas, 2013, 250 min, DCP

Direção: Lav Diaz

Nas Filipinas, três histórias se cruzam: uma mãe em busca vingança, um estudante de direito que comete dois assassinatos e um pai de família que cede à violência e é condenado à prisão. Inspirado no romance Crime e Castigo de Fiodor Dostoievski.

 

QUANDO OS MEUS PAIS NÃO ESTÃO EM CASA

(IloIlo)

Singapura/Japão/Taiwan/França, 2013, 99 min, DCP

Direção: Anthony Chen

Crônica de Singapura de 1997. A relação entre a família Lim e sua recém-chegada empregada, Teresa. Como muitas outras mulheres filipinas, ela veio em busca de uma vida melhor. A presença dela na casa piora o relacionamento da família, já complicado. Longa de estreia do diretor Anthony Chen. Caméra d’Or no Festival de Cannes.

 

RUA SECRETA

(Shuiyin jie)

China, 2013, 93 min, DCP

Direção: Vivian Qu

Um jovem estagiário de uma empresa de engenharia trabalha fazendo mapeamento digital das ruas da cidade. Certo dia, ele conhece uma bela e misteriosa moça num beco isolado, este encontro mudará sua vida para sempre.

 

SEÇÃO RESGATES

DERSU UZALA

União Soviética/Japão, 1975, 142 min, DCP

Direção: Akira Kurosawa

O capitão Vladimir Arseniev é enviado pelo governo soviético para explorar e reconhecer as montanhas da Mongólia, juntamente com uma pequena tropa. Em meio à expedição, eles encontram Dersu Uzala, um caçador que vive apenas nas florestas. Lendário filme de Kurosawa produzido pela Mosfilm.

 

O FUNERAL DAS ROSAS

(Bara no sôretsu)

Japão, 1969, 105 min, DCP

Direção: Toshio Matsumoto

O primeiro longa-metragem de Matsumoto – que chega ao seu aniversário de 50 anos – tem em seu elenco o inesquecível artista gay, Peter, no papel de Eddie, uma mulher trans que trabalha na cena noturna de bares e boates de Tóquio. Suas aventuras com colegas e rivais – interpretadas por travestis da cena local real – se desenrolam de forma dinâmica e docu-ficcional na medida em que entrevistas, animações, cenas de rua no estilo comédia musical, e visões horripilantes da mãe e dos parceiros de Eddie se juntam para confundir as fronteiras entre gêneros cinematográficos e humanos. Esse filme autorreflexivo inclui ainda uma releitura de Édipo Rei e, junto com ela, uma reflexão sobre o conceito de origem.

 

PROJETO RAROS ESPECIAL:

DRAGON INN: A ESTALAGEM DO DRAGÃO

(Dragon Inn)

Taiwan/Hong Kong, 1967, 111 min, HD para DCP

Direção: King Hu

China, ano de 1457. O ministro da defesa é executado, e seus dois filhos são condenados ao exílio por ordem do tirânico Tsao. Temeroso por uma futura vingança dos jovens, Tsao envia cruéis soldados para assassiná-los, mas um valoroso grupo de espadachins pode mudar o rumo da batalha na Estalagem do Dragão. Um dos wuxia mais influentes de todos os tempos, obra-prima do renomado realizador King Hu. Sessão comentada pelo pesquisador Cesar Almeida.

 

O MUNDO

(Shijie)

China/Japão/França, 143 min, HD para DCP

Direção: Jia Zhangke

Tão, dançarina no World Park de Pequim, namora Taisheng, que trabalha como segurança no mesmo local. O parque temático recria mais de uma centena de monumentos de 14 países de todo o mundo, como a Torre Eiffel, o Big Ben, a esfinge ou o Taj Mahal. Espetáculos teatrais e de dança procuram reproduzir um pouco da cultura de outros países. O mote é visitar o mundo sem sair de Pequim. No parque cruzam-se os dramas sociais e sentimentais de vários personagens. Sessão comentada pelo cineasta e professor Eduardo Wannmacher.

 

O CASTELO ANIMADO

(Hauru no ugoku shiro)

Japão, 119 minutos, 2005, HD

Direção: Hayao Miyazaki

Sofia é uma jovem de 18 anos que trabalha na chapelaria de seu pai. Em uma de suas raras idas à cidade ela conhece Hauru, um mágico bastante sedutor, mas de caráter duvidoso. Ao confundir a relação existente entre eles, uma feiticeira lança sobre Sofia uma maldição que faz com que ela tenha 90 anos. Desesperada, Sofia foge e termina por encontrar o Castelo Animado de Hauru.

 

GRADE DE HORÁRIOS

5 de setembro (quinta-feira)

20h – Hotel às Margens do Rio

 

6 de setembro (sexta-feira)

18h – Rua Secreta

20h – Esplendor

 

7 de setembro (sábado)

14h – Sessão Vagalume: O Castelo Animado

16h15 – Rua Secreta

18h – O Mundo + debate com Eduardo Wannmacher

 

8 de setembro (domingo)

14h – Sessão Vagalume: O Castelo Animado

16h15 – Quando os Meus Pais Não Estão Em Casa

20h – Assunto de Família

 

10 de setembro (terça-feira)

15h – Norte, O Fim da História

19h30 – Creepy

 

11 de setembro (quarta-feira)

17h – Em Chamas

19h30 – Cemitério do Esplendor

 

12 de setembro (quinta-feira)

17h – Cães Errantes

19h30 – Amor até as Cinzas

 

13 de setembro (sexta-feira)

18h – Quando os Meus Pais Não Estão Em Casa

20h – Projeto Raros (Dragon Inn + debate com Cesar Almeida)

 

14 de setembro (sábado)

16h – Dersu Uzala

20h – O Funeral das Rosas

 

15 de setembro (domingo)

16h – A Assassina

18h – Norte, O Fim da História

 

17 de setembro (terça-feira)

17h – Creepy

19h30 – Em Chamas

 

18 de setembro (quarta-feira)

17h – Cemitério do Esplendor

19h30 – Cães Errantes

Cinemateca Capitólio Petrobras recebe duas Sessões Acessíveis no mês de agosto

IMG_5819

Exibições integram a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Público poderá conferir no dia 10 de agosto “Ponto Zero” e no dia 31 “Pela Janela”, com entrada franca

 

Porto Alegre, 06 de agosto de 2019 – Duas Sessões Acessíveis ocorrem no mês de agosto na Cinemateca Capitólio Petrobras. As exibições dos longas-metragens Ponto Zero e Pela Janela integram as dez sessões acessíveis da programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. No dia 10 de agosto, às 14h, o público poderá conferir com entrada franca Ponto Zero, de José Pedro Goulart, seguido de bate-papo com a presença de Aletéia Selonk, produtora executiva do filme. Já no dia 31, também às 14h, é a vez de Pela Janela, dirigido por Caroline Leone. As atividades contam com interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto.

Ponto Zero é o primeiro longa-metragem do cineasta José Pedro Goulart, um dos protagonistas da “Primavera do Curta Brasileiro”, nos anos 1980, quando dirigiu os filmes O Dia em que Dorival Encarou a Guarda (com Jorge Furtado) e O Pulso, ambos premiados em festivais nacionais e estrangeiros. Filmado em Porto Alegre na ordem em que o roteiro foi escrito, Ponto Zero relata as angústias de um garoto de 14 anos, às voltas com o bullying que sofre na escola e que se sente um estranho na própria casa. Estrelado pelo estreante Sandro Aliprandini, o filme conta com Eucir de Souza, Patrícia Selonk e Larissa Tavares no elenco. Recebeu os prêmios de Melhor Montagem e Melhor Som no Festival de Gramado 2015 e foi selecionado para a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e para a Mostra Competitiva do Biffan – Festival Internacional de Filmes Fantásticos na Coreia do Sul.

Pela janela é dirigido pela estreante Caroline Leone. Magali Biff e Cacá Amaral são os protagonistas do filme que ganhou o prêmio Fipresci no Festival de Rotterdam, o Prêmio Especial do Júri no Washington, DC International Film Festival e o Prêmio de Melhor Filme no XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador. O filme conta a história de Rosália, uma operária de 65 anos que dedicou a vida ao trabalho em uma fábrica de reatores, na periferia de São Paulo. Ela é demitida, e, deprimida, é consolada pelo irmão José, que resolve levá-la a Buenos Aires em uma viagem de carro. Na viagem, Rosália vê pela primeira vez um mundo desconhecido e distante de sua vida cotidiana, iniciando uma jornada de libertação e transformação interior.

As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. Além desta atividade, o projeto engloba oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses e duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o Projeto Cinemateca Capitolio Petrobras – Programação Especial 2019, aprovado na Lei Rouanet/ Governo Federal, realizado pela Fundação Cinema do RS – Fundacine e possui patrocínio master da Petrobras.

“O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

“Cartazes: uma história do cinema brasileiro” inaugura em 23 de julho na Cinemateca Capitólio Petrobras

1964_Deus e o diabo na terra do sol

Exposição com cartazes que retratam a história do cinema brasileiro durante 90 anos tem curadoria da historiadora Alice Trusz e integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 17 de julho de 2019 – Inaugura na próxima terça-feira, 23 de julho, na Cinemateca Capitólio Petrobras, a exposição Cartazes: uma história do cinema brasileiro, que acompanha os principais fatos da história do cinema brasileiro entre 1928 (ano da inauguração do Cine-Theatro Capitólio) e 2018, data em que o prédio, onde hoje está sediada a Cinemateca Capitólio Petrobras, completou seu 90º aniversário, por meio de uma narrativa construída a partir de uma seleção de alguns de seus cartazes mais significativos, boa parte deles pertencentes ao acervo da instituição. Cartazes integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria da Cultura/Coordenação de Cinema e Audiovisual.

 

Com curadoria assinada pela historiadora Alice Trusz, concepção visual da designer Tatiana Sperhacke e expografia a cargo de Andreia Vigo, a exposição é formada por três módulos: o primeiro deles apresenta uma linha do tempo, com 101 cartazes, fotografias e pequenos textos. O segundo módulo exibe um slide-show, que projeta uma seleção de cartazes digitalizados. Já o terceiro e último módulo traz uma projeção de trechos dos filmes representados nos cartazes da exposição.

O público é convidado a percorrer a história do cinema brasileiro em suas distintas temporalidades, valorizando o cartaz como peça fundamental para a divulgação dos filmes, e que por isso mesmo são peças que se constituem como objeto de interesse para o acervo da Cinemateca, tanto por seu valor documental quanto artístico.

“Nesta exposição, os cartazes de cinema são abordados enquanto peças de uma coleção museológica e fatores de cultura. Sob este novo estatuto, eles passam a servir como documentos históricos de práticas culturais, que informam sobre as formas de promoção publicitária do cinema, as mudanças no gosto do público, a história do design gráfico e a história do cinema. Como referências dos filmes, eles permitem evocar a sua lembrança e, assim, ganham um novo valor. Eles são memória e provocam memória, dos filmes e da experiência subjetiva de tê-los assistido”, revela a curadora. Alice contou com a assessoria de pesquisa de Marcus Mello e Rosemeri Iensen.

A abertura ocorre às 19h30 de 23 de julho e a visitação segue com entrada franca até 29 de setembro, de terça a sexta-feira das 09h às 20h30 e sábados, domingos e feriados das 14h às 20h30.

Para Visitas Orientadas, os interessados devem entrar em contato pelo email cdmcapitolio@gmail.com ou pelo telefone (51) 3289 7463.

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019 aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que será realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

CARTAZES: Uma História do Cinema Brasileiro no Capitólio

 Cartazes de cinema são peças gráficas que representam nossa cultura material, nossos sistemas de ideias e valores, nossas concepções de mundo. Como produtos históricos, eles revelam aspectos da dinâmica social, em suas contradições e transformações. Os cartazes, sendo objetos, possuem uma trajetória social, ao longo da qual desempenham diferentes usos e funções, sendo atribuídos de sentidos. Produzidos para divulgar um filme e atrair o espectador ao cinema, os cartazes podem, a seguir, ser descartados ou guardados por um colecionador privado ou institucional.

Nesta exposição, os cartazes de cinema são abordados enquanto peças de uma coleção museológica e fatores de cultura. Sob este novo estatuto, eles passam a servir como documentos históricos de práticas culturais, que informam sobre as formas de promoção publicitária do cinema, as mudanças no gosto do público, a história do design gráfico e a história do cinema. Como referências dos filmes, eles permitem evocar a sua lembrança e, assim, ganham um novo valor. Eles são memória e provocam memória, dos filmes e da experiência subjetiva de tê-los assistido.

Ao evidenciarmos certos aspectos da história do cinema brasileiro a partir dos cartazes de seus filmes mais relevantes, buscamos oferecer um panorama inicial de um processo histórico muito mais amplo e complexo, daí o caráter apenas exploratório da curadoria. No entanto, esperamos com tal amostra da coleção de cartazes de cinema do Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobrás despertar a comunidade para a sua importância para além de meios de comunicação comercial, espaços de criação artística e formação estética, fomentando o seu reconhecimento e preservação também como repositórios de nossa memória, documentos de nossa história e formadores de nossa identidade cultural.

Alice D. Trusz

Historiadora e curadora

 

Ficha técnica
Pesquisa e Curadoria: Alice D. Trusz
Expografia: Andreia Vigo
Concepção visual e Design gráfico: Tatiana Sperhacke
Assessoria de pesquisa: Marcus Mello, Rosemeri Iensen
Projeto de mobiliário e Coordenação de montagem: Eduardo Saorin

Edição de vídeo: Kevin Agnes
Produção: Débora Palhares, Juli Fossatti, Paola Mallmann

Cinemateca Capitólio Petrobras promove Sessão Acessível e Masterclass sobre produção criativa no sábado, 27 de julho

historietas-1

 

Atividades integram a programação especial com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

No sábado, 27 de julho, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove Sessão Acessível e Masterclass sobre produção criativa.  As duas atividades integram a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura.

A animação Historietas Assombradas é a quarta das dez sessões acessíveis que ocorrem até novembro no Capitólio. Pepe mora com sua avó, uma bruxa fazedora de poções, desde que era um bebê. Após descobrir que seus pais estão vivos, decide sair em busca deles, mas acaba atraindo a atenção de Edmundo, um vilão que precisa de Pepe para alcançar a imortalidade. O filme tem sessão gratuita às 14h e conta com interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto. As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras e a bilheteria abre 30 minutos antes da sessão, para distribuição de senhas.

Durante a manhã, das 09h às 12h, ocorre a masterclass Produção Criativa em Cinema, ministrada pelo produtor Rodrigo Teixeira, da RT Features. No Brasil, esteve à frente de longas-metragens como O Cheiro do RaloTim MaiaAlemãoHelenoAbismo Prateado e O Animal Cordial. No mercado internacional, produziu premiados filmes como Me Chame Pelo Seu NomeFrances HaLove e A Bruxa. Teixeira apresenta os segredos por trás dos seus filmes de sucesso e conta os principais aprendizados e desafios da sua carreira como produtor de cinema e curador. As inscrições já estão esgotadas.

A Masterclass faz parte das ações do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – Programação Especial 2019. Tratam-se de duas grandes aulas, nas quais profissionais de cinema de renome internacional irão compartilhar suas experiências de forma crítica e reflexiva. Ambos os cursos, com duração de 3h, abordarão o processo criativo na realização cinematográfica, com ênfase a aspectos particulares de cada profissional convidado.

“As masterclasses ampliam a atuação da Cinemateca como espaço de fruição e reflexão do cinema ao trazer profissionais diretamente envolvidos na concepção e na realização de filmes numa possibilidade muito rica de troca com o público e em especial com estudantes e profissionais de cinema de Porto Alegre. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que garante a

democratização do acesso e a inclusão de pessoas com deficiências visuais e auditivas à programação da Cinemateca”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

Sobre o filme

Sinopse:

Pepe mora com sua avó, uma bruxa fazedora de poções, desde que era um bebê. Após descobrir que seus pais estão vivos, decide sair em busca deles, mas acaba atraindo a atenção de Edmundo, um vilão que precisa de Pepe para alcançar a imortalidade.

 LIBRAS (Ficha técnica)
Intérprete: Regiane Pereira
Revisão: Thaisy Payo
Captação e Edição: Camilla Fuente

Masterclass Produção Criativa de Cinema

O produtor Rodrigo Teixeira apresenta os segredos por trás dos seus filmes de sucesso e conta os principais aprendizados e desafios da sua carreira como produtor de cinema e curador. Rodrigo revela os caminhos para viabilizar projetos audiovisuais de impacto e como torná-los produtos atrativos ao mercado. Cinéfilo e leitor compulsivo, ele conta como a compra de direitos autorais de obras literárias contribuiu para que ele desse saltos exponenciais em sua carreira internacional. Da escolha das histórias até o lançamento nas salas de cinema, o curso acompanha a trajetória do mestre em aulas que trazem cases de sucesso, processos de financiamento, plano de negócios, relação com estúdios, distribuidores, diretores e parceiros.
Rodrigo Teixeira é fundador da RT Features e um dos mais proeminentes produtores brasileiros da atualidade. No Brasil, esteve a frente de longas-metragens como O Cheiro do RaloTim MaiaAlemãoHelenoAbismo Prateado e O Animal Cordial. No mercado internacional, Rodrigo produziu premiados filmes como Me Chame Pelo Seu NomeFrances HaLove e A Bruxa. Desde 2016, é integrante da Academia de Arte e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Com a produção de Me Chame Pelo Seu Nome foi indicado ao Globo de Ouro e disputou quatro estatuetas no Oscar 2018, tendo arrebatado a estatueta de Melhor Roteiro Adaptado.
Em 2018, o produtor emplacou três filmes indicados ao Independent Spirit Awards, principal premiação do cinema independente americano, além de Call me By Your Name, foram indicados Patti Cake$ e A Ciambra. A Ciambra, exibido no Festival de Cannes em 2017, foi o primeiro filme produzido pela parceria de Teixeira com o diretor Martin Scorsese por meio da Sikelia Productions, selo que financia filmes de cineastas emergentes em todo o mundo.Com três filmes selecionados para o Festival de Cannes 2019, ganhou Grand Prix na Un Certain Regard com A Vida Invisível de Eurídice Gusmão de Karim Aïnouz e o prêmio de melhor filme pelos críticos de cinema – FIPRESCI com o The Lighthouse do diretor Robert Eggers, estrelado por Robert Pattinson e Willem Dafoe. Rodrigo está finalizando neste momento o thriller de ficção científica Ad Astra de James Gray com Brad Pitt e Tommy Lee Jones,  Wasp Network de Olivier Assayas estrelado por Penélope Cruz, Gael Garcia Bernal, Wagner Moura e Édgar Ramírez e Alemão 2 do diretor José Eduardo Belmonte

Mostra sobre Cinema, Ciência e Tecnologia ocorre de 18 a 31 de julho na Cinemateca Capitólio Petrobras

umhomemcomumacamera01

Cinema, Ciência e Tecnologia: Diálogos Possíveis traz mais de 20 filmes que traduzem o impacto sociocultural e muitas transformações vivenciadas no século XX e integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 08 de julho de 2019 – A Cinemateca Capitólio Petrobras apresenta de 18 a 31 de julho a mostra Cinema, Ciência e Tecnologia: Diálogos Possíveis com mais de vinte filmes, entre curtas e longas, que trazem múltiplas perspectivas a respeito da intersecção tripla entre os saberes. Em diferentes tempos e territórios, as obras traduzem o impacto sociocultural e muitas transformações vivenciadas no século vinte.

A mostra é dividida em dez seções temáticas – Enigmas, Investigações, Ilusões, Experiências, Artifícios, Limites, Aprendizados, Consciências, Horizontes e Horrores – e apresenta obras que contribuíram com reflexões instigantes sobre as transformações tecnológicas testemunhadas pela própria história do cinema, como Matrix, de Lilly e Lana Wachowski, Um Homem com a Câmera, de Dziga Vertov, O Fundo do Coração, de Francis Ford Copolla e Razzle Dazzle: The Lost World, de Ken Jacobs.

A sessão de abertura, na quinta-feira, 18 de julho, às 19h30, apresenta uma das primeiras exibições brasileiras do longa-metragem A Noite Amarela, destaque do Festival de Rotterdam deste ano, dirigido pelo paraibano Ramon Porto Mota. O diretor estará presente para um debate após a exibição. A sessão de encerramento, na quarta-feira, 31 de julho, às 19h30, conta com a ficção-científica Plano Controle, o mais novo filme da realizadora de Baronesa, Juliana Antunes, seguido da versão restaurada do longa-metragem Abrigo Nuclear, de Roberto Pires, um clássico sci-fi brasileiro. Juliana estará presente e participa de uma conversa após a sessão.

Outra estreia importante na cidade é Mirante, longa-metragem experimental de Rodrigo John, que parte de um registro de mais de 10 anos das janelas de um apartamento no Centro de Porto Alegre. Completam a programação brasileira Branco Sai, Preto Fica, o híbrido entre documentário e ficção-científica de Adirley Queiróz, e o retrato das indígenas do Alto Xingu As Hiper Mulheres, de Takumã Kuikuro, Leonardo Sette, Carlos Fausto. O Auge do Humano, co-produção entre Argentina e Brasil, de Eduardo Williams, ganha sessão comentada pela Gogó Conteúdos Sonoros, a equipe responsável pela criação sonora do filme.

A programação também destaca grandes pioneiras do cinema, com filmes de Maya Deren, nome essencial do cinema de vanguarda, Julie Dash e Zeinabu irene Davis, integrantes do movimento L. A. Rebellion, grupo de realizadores que saíram da Universidade da Califórnia em Los Angeles e transformaram o cinema negro dos Estados Unidos, e Kathleen Collins, diretora de Sem Chão, outro marco da produção afro-americana realizada na década de 1980.

 O diálogo com as artes visuais no recorte temático da mostra está presente nas exibições do documentário Giuseppe Penone, sobre a obra de um dos grandes nomes da Arte Povera, que será comentado pelas pesquisadoras Marina Câmara e Maria Ivone dos Santos, e do vídeo da artista Nancy Holt que registra a criação Sun Tunnels, uma das obras-primas da Land Art.

A mostra ainda apresenta filmes impactantes de Michelangelo Antonioni, James Gray, David Cronenberg e Kiyoshi Kurosawa.

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019 aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que será realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

FILMES

 ENIGMAS

 A Noite Amarela

Brasil, 2019, 100 minutos, DCP

Direção: Ramon Porto Mota

O que pode ser morrer, frente ao medo de existir? Uma viagem de turma de adolescentes paraibanos para uma cidade pequena.

 

O Mistério de Oberwald

(Il Mistero di Oberwald)

Itália/Alemanha, 1980, 129 minutos, digital

Direção: Michelangelo Antonioni

Sebastian, um homem procurado, chega ao Castelo de Oberwald para matar a rainha, mas desmaia antes do crime. Ele é a imagem do rei assassinado no dia do casamento.

 

INVESTIGAÇÕES
Mirante

Brasil, 2019, 79 minutos, DCP

Direção: Rodrigo John

Morador observa os habitantes do centro de Porto Alegre, enquanto uma reviravolta na história do Brasil ecoa velhos fantasmas. No vidro das janelas, o lado de fora e o de dentro se misturam, numa sinfonia fora do tempo.
Giuseppe Penone

Brasil, 2018, 52 minutos, HD

Direção: Pedro Urano

Em seu estúdio em Turim, o artista apresenta alguns de seus trabalhos mais emblemáticos e o entendimento sobre a natureza e o tempo que eles contém. Acompanhamos a instalação da obra “Elevazione” no Inhotim, visitamos o “jardim das esculturas fluidas” – uma expressiva coleção de esculturas ao ar livre instalada permanentemente por Penone nos arredores de Turim – e flagramos o artista trabalhando no bosque próximo a sua casa de campo em San Raffaele.

ILUSÕES

Matrix

Estados Unidos/Austrália, 1999, 135 minutos, HD

Direção: Lilly e Lana Wachowski

Em um futuro próximo, jovem programador é atormentado por estranhos pesadelos: está conectado por cabos em um imenso sistema de computadores.

 

  1. A. Rebellion: Julie Dash e Zeinabu irene Davis

 

Ciclos

(Cycles)

Estados Unidos, 1989, 17 minutos, digital

Direção: Zeinabu irene Davis

Uma mulher aguarda a menstruação. Sua apreensão logo se aprofunda em transe.

 

Diário de uma Freira Africana

(Diary of an African Nun)

Estados Unidos, 1977, 15 minutos, digital

Direção: Julie Dash

O fluxo de consciência de uma freira negra vivendo em Uganda.

 

Ilusões

(Illusions)

Estados Unidos, 1982, 36 minutos, digital

Direção: Julie Dash

O encontro entre uma assistente de produção de Hollywood e uma cantora negra contratada para dublar atrizes brancas em cenas musicais.

 

EXPERIÊNCIAS

Cavaleiros Divinos – Os Deuses Vivos do Haiti

(Divine Horsemen: The Living Gods of Haiti)

Haiti/Estados Unidos, 1977, 53 minutos, HD

Direção: Maya Deren, Teiji Ito e Cherel Ito

Estudo etnográfico íntimo das danças e rituais de Vodu filmado por Maya Deren durante seus anos no Haiti (1947-1951). Edição feita por Teiji Ito e Cherel Ito nos anos 1970.
Z – A Cidade Perdida

(The Lost City of Z)

Estados Unidos, 2016, 141 minutos, DCP

Direção: James Gray

O explorador britânico Percy Fawcett viaja para a Amazônia no início do século XX e descobre evidências de uma civilização avançada que pode ter habitado a região.

 

ARTIFÍCIOS

Sun Tunnels

Estados Unidos, 1978, 26 minutos, digital

Direção: Nancy Holt

Sun Tunnels documenta a produção da obra-prima da Land Art criada pela artista Nancy Holt em 1976.
O Fundo do Coração

(One From the Heart)

Estados Unidos, 1982, 107 minutos, HD

Direção: Francis Ford Coppola

Numa Las Vegas onírica, Hank e Frannie decidem que seu casamento chegou ao fim. As novas paixões podem ser tão ilusórias quanto o brilho da cidade que os cerca.

 

LIMITES

Um Homem com uma Câmera

(Chelovek s kinoapparatom)

União Soviética, 1929, 68 minutos, HD

Direção: Dziga Vertov

A cidade acorda. A câmera-olho inicia sua aventura neste marco da vanguarda soviética dos anos 1920.

 

O Auge do Humano

(El Auge de Humano)

Argentina, 2016, 100 minutos, DCP

Direção: Eduardo Williams

Exe, argentino, Alf, moçambicano e Archie, das Filipinas, acabam se conhecendo na internet enquanto buscam algum tipo de conexão.

 

APRENDIZADOS

Sem Chão

(Losing Ground)

Estados Unidos, 1982, 86 minutos, HD

Direção: Kathleen Collins

Professora de filosofia vive crise com o marido, um pintor vanguardista. Longa de estreia Kathleen Collins e marco do cinema negro dos EUA.

 

O Professor Aloprado

(The Nutty Professor)

Estados Unidos, 1963, 107 minutos, HD

Direção: Jerry Lewis

Professor atrapalhado (e apaixonado) inventa uma fórmula para se transformar em outro homem.

 

CONSCIÊNCIAS

A Vida de Galileu

(Galileo)

Reino Unido, 1975, 139 minutos, digital

Direção: Joseph Losey

Galileu Galilei busca, por meio de instrumentos e da verificação científica, a validade das teorias de Copérnico. Adaptação da obra de Brecht.
Branco Sai, Preto Fica

Brasil, 2015, 94 minutos, DCP

Direção: Adirley Queiroz

Tiros em um baile de black music na periferia de Brasília ferem dois homens, Marquim e Sartana. Dimas vem do futuro para encontrar Sartana e provar que a culpa é da sociedade repressiva. Marquim trabalha numa invenção que irá levar a voz e a música de Ceilândia para o espaço.

 

HORIZONTES

As Hiper Mulheres

Brasil, 2012, 80 minutos, DCP

Direção: Takumã Kuikuro, Leonardo Sette, Carlos Fausto

Temendo a morte da esposa idosa, um velho pede a seu sobrinho que realize o maior ritual feminino do Alto Xingu, para que ela possa cantar uma última vez.

 

Razzle Dazzle: The Lost World

Estados Unidos, 2008, 92 minutos, digital

Direção: Ken Jacobs

Jacobs manipula digitalmente um curta de Thomas Edison de 1903, onde um grupo de crianças monta uma espécie de montanha russa.

 

HORRORES

Pulse

(Kairo)

Japão, 2001, 118 minutos, HD

Direção: Kiyoshi Kurosawa

Adolescentes japoneses investigam uma série de suicídios ligados a uma página de internet que promete aos visitantes a chance de se conectarem com os mortos.

 

eXistenZ

Canadá/Reino Unido, 1999, 96 minutos, HD

Direção: David Cronenberg

Uma renomada designer de jogos de realidade virtual é vítima de uma intensa perseguição por fanáticos religiosos que querem assassiná-la.

 

 

SESSÃO DE ENCERRAMENTO

Plano Controle + Abrigo Nuclear

Plano Controle

Brasil, 2018, 15 minutos, DCP

Direção: Juliana Antunes

Em um contexto político distópico, Marcela usa um novo serviço do celular para deixar o país.

Abrigo Nuclear

Brasil, 1981, 85 minutos, HD

Direção: Roberto Pires

O planeta foi contaminado por múltiplas explosões nucleares e os sobreviventes dos eventos vivem sob o solo, num abrigo controlado por cientistas. Após um acidente dentro do local, um grupo de rebeldes decide desafiar as restrições impostas e subir para a superfície

 

GRADE DE HORÁRIOS

18 a 31 de julho de 2019

18 de julho (quinta)

16h – A Vida de Galileu

19h30 – A Noite Amarela + debate com Ramon Porto Mota

 

19 de julho (sexta)

16h – Branco Sai, Preto Fica

18h – O Mistério de Oberwald

20h30 – Cavaleiros Divinos – Os Deuses Vivos do Haiti

 

20 de julho (sábado)

16h – Z – A Cidade Perdida

18h30 – Branco Sai, Preto Fica

20h – Giuseppe Penone + debate

 

21 de julho (domingo)

16h – A Vida de Galileu

18h30 – Sun Tunnels + debate

19h30 – O Mistério de Oberwald

 

23 de julho (terça)

16h – Matrix

18h30 – Um Homem com a Câmera

20h – O Fundo do Coração

 

24 de julho (quarta)

16h – O Fundo do Coração

18h – Um Homem com a Câmera

19h30 – O Auge do Humano + debate com integrantes da Gogó Conteúdo Sonoros

 

25 de julho (quinta)

16h – As Hiper Mulheres

17h30 – Z – A Cidade Perdida

20h – Razzle Dazzle: The Lost World

 

26 de julho (sexta)

16h – Branco Sai, Preto Fica

18h – O Professor Aloprado

20h – Projeto Raros Especial: Sem Chão + debate com Juliana Costa

 

27 de julho (sábado)

16h – As Hiper Mulheres

18h – Matrix

20h30 – L. A. Rebellion: Julie Dash e Zeinabu irene Davis

 

28 de julho (domingo)

16h – Pulse

18h – Um Homem com a Câmera

19h – Mirante + debate com Rodrigo John

 

30 de julho (terça)

16h – Pulse

18h – Z – A Cidade Perdida

20h30 – eXistenZ

 

31 de julho (quarta)

18h – eXistenZ

19h30 – Plano Controle + Abrigo Nuclear (debate com Juliana Antunes)

Blog no WordPress.com.

Acima ↑