Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Cinemateca Capitólio Petrobras

Mostra com produções de realizadores que transformaram o cinema nos anos 1960 inicia em 04 de junho na Cinemateca Capitólio Petrobras

daisies2

  O Fenômeno dos Novos Cinemas ocorre de 04 a 16 de junho e integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

 

A Cinemateca Capitólio Petrobras recebe de 04 a 16 de junho a mostra O Fenômeno dos Novos Cinemas, com uma programação que apresenta obras de quatorze cineastas que transformaram o cinema na década de 1960, como o brasileiro Glauber Rocha, o indiano Mrinal Sen, a norte-americana Barbara Rubin, o canadense Gilles Groulx e o alemão Alexander Kluge.

A mostra conta com a exibição de As Pequenas Margaridas, obra-prima transgressora da tcheca Věra Chytilová, realizada em 1966, na abertura, terça-feira, 04 de junho, às 20h. Carro-chefe da Nouvelle Vague Tcheca, o filme é um exercício audiovisual extravagante, anarquista e dadaísta, com uma explosão de cores psicodélicas e símbolos do inconsciente. A diretora definiu o filme como “uma farsa filosófica feminista”.

O público poderá participar de duas sessões comentadas, agendadas para os dias 05 e 16 de junho: na quarta-feira, 5 de junho, às 20h, o pesquisador das cinematografias africanas Pedro Henrique Gomes participa de um debate após a sessão com quatro filmes do realizador nigerino Moustapha Alassane realizados entre 1962 e 1966. No domingo, 16 de junho, às 18h, a sessão de encerramento da mostra apresenta a cópia restaurada em DCP de O Demônio das Onze Horas, um dos filmes mais celebrados de Jean-Luc Godard, seguida de debate com o crítico Enéas de Souza, autor do livro Trajetórias do Cinema Moderno.

Barravento, primeiro longa-metragem de Glauber Rocha, tem exibição de cópia restaurada em DCP no sábado, dia 08. A mostra também marca a celebração do 50º aniversário de três obras-primas vanguardistas realizadas em 1969: O Chacal de Nahueltoro, filme emblemático do nuevo cine chileno de Miguel Littin, Mr. Shome, o marco inicial do Cinema Paralelo Indiano, realizado por Mrinal Sen, e Diário de um Ladrão Shinjuku, um dos filmes mais radicais de Nagisa Oshima, um dos fundadores da Nouvelle Vague Japonesa.

O Fenômeno dos Novos Cinemas tem co-organização do Goethe-Institut Porto Alegre, da Cinemateca Chilena, da Embaixada da França no Brasil, Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e Institut Français.

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019 aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que será realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

A bilheteria abre 30 minutos antes das sessões, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br |facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

FILMES

 Barravento

Brasil, 1962, 78 minutos, DCP

Direção: Glauber Rocha

Numa aldeia de pescadores de xaréu, cujos antepassados vieram da África como escravos, permanecem antigos cultos místicos ligados ao candomblé. A chegada de Firmino, antigo morador que se mudou para Salvador fugindo da pobreza, altera o panorama pacato do local, polarizando tensões.

 

A Solidão do Corredor de Fundo

(The Loneliness of the Long Distance Runner)

Reino Unido, 1962, 104 minutos, HD

Direção: Tony Richardson

Rapaz rebelde vai para reformatório depois de um roubo mal sucedido. O diretor descobre nele um enorme talento para corrida e se aproveita disso para tentar conquistar o campeonato entre reformatórios.

 

Natal na Terra

(Chrismas on Earth)

Estados Unidos, 1963, 30 minutos, HD

Direção: Barbara Rubin

Obra transgressora inspirada no poema Uma Temporada no Inferno, escrito por Arthur Rimbaud. Ao combinar, através de um ritual orgiástico, as paixões da jovem cineasta – 17 anos de idade – e as aspirações de emancipação de seu tempo, Natal na Terra tornou-se rapidamente uma obra de arte icônica da cena underground dos Estados Unidos.

 

O Evangelho Segundo São Mateus

(Il vangelo secondo Matteo)

Itália, 1964, 138 minutos, HD

Direção: Pier Paolo Pasolini

A vida de Jesus Cristo é recontada segundo o primeiro e o mais belo dos Evangelhos, o de São Mateus.

 

O Gato no Saco

(Le Chat dans le Sac)

Canadá, 1964, 75 minutos, HD

Direção: Gilles Groulx

Um jornalista encontra-se em um conflito entre tentar mudar a sociedade ou aceitar seu lugar nela. Enquanto vive essa tensão existencial, sua namorada, uma jovem atriz, não compartilha dos mesmos pensamentos. Surge uma tensão entre os dois. O longa de estreia de Groulx é um dos pilares do cinema moderno realizado no Québec nos anos 1960.

 

O Demônio das Onze Horas

(Pierrot Le Fou)

França, 1965, 115 minutos, HD

Direção: Jean-Luc Godard

Para escapar de uma sociedade entediante, Ferdinand Griffon viaja com Marianne. Os dois iniciam uma onda de crimes que vai da França ao Mediterrâneo e termina com um banho de sangue.

 

Filmes de Moustapha Alassane

 

O Anel do Rei Koda

(La bague du roi Koda)

Níger, 1962, 24 minutos, HD

Direção: Moustapha Alassane
Ilustração de uma lenda do país de Djerma em Niger. No reino do Rei Koda, um selvagem e cruel déspota, vive um bravo pescador chamado “Dedo de Deus”. Para testar sua virtude, o rei Koda lhe dá o anel que ele usa em seu dedo com a missão de devolvê-lo depois de um ano.

 

Aouré

Níger, 1962, 30 minutos, HD

Direção: Moustapha Alassane

Neste híbrido de ficção e documentário, Alassane narra a vida conjugal de um jovem casal muçulmano de etnia Zharma que vive no vale do rio Níger.

 

O Retorno do Aventureiro

(Le retour d’un Aventurier)

Níger, 1966, 33 minutos, digital

Direção: Moustapha Alassane

Uma sátira aos filmes de cowboys norte-americanos é o plano de ação que leva o diretor Moustapha Alassane a questionar a África e o mundo ocidental.

 

Boa Viagem, Sim

(Bon Voyage, Sim)

Níger, 1966, 5 minutos, digital

Direção: Moustapha Alassane

Sim, presidente da ‘Repúplica dos Sapos’, parte em viagem convidado pelo presidente de um país vizinho

 

As Pequenas Margaridas

(Sedmikrásky)

Tchecoslováquia, 1966, 72 minutos, 35mm

Direção: Věra Chytilová

Duas garotas, ambas chamadas Marie, reconhecem que o mundo está corrompido e decidem embarcar em uma série de brincadeiras destrutivas que consomem e destroem o que está ao redor delas. Carro-chefe da Nouvelle Vague Tcheca, o filme é um exercício audiovisual extravagante, anarquista e dadaísta, com uma explosão de cores psicodélicas e símbolos do inconsciente. A diretora definiu o filme como “uma farsa filosófica feminista”.

 

Despedida de Ontem

(Abschied von Gestern)

Alemanha, 1966, 84 minutos, digital

Direção: Alexander Kluge

Uma jovem, Anita G., rouba um pulôver para se aquecer. Cumprida a pena, ela faz várias tentativas de começar vida nova. Depois de uma fuga em ziguezague, vai parar de novo na cadeia. Os nazistas tinham levado seus pais. Ela vem do Leste. E agora passa frio no Oeste. Três Alemanhas.

 

Memórias do Subdesenvolvimento

(Memorias del subdesarrollo)

Cuba, 1968, 97 minutos, HD

Direção: Tomás Gutiérrez Alea

Baseado no livro homônimo de Edmundo Desnoes, o filme conta a história de Sergio. Mesmo após a partida de seus amigos e familiares de Cuba, no início dos anos 1960, ele decide permanecer no país e acompanhar as transformações vivenciadas após a Revolução.

 

A Cor da Romã

(Sayat Nova)

União Soviética, 1969, 80 minutos, HD

Direção: Sergei Parajanov

A vida, a arte, as ideias, as paixões, os tormentos e as trepidações da alma do trovador armênio do século XVIII, Harutyun Sayatyan, conhecido como Sayat Nova (O Rei da Canção). Uma abordagem lírica e mística recriada por Parajanov a partir do mundo interior do poeta.

 

O Chacal de Nahueltoro

(El Chacal de Nahueltoro)

Chile, 1969, 95 minutos, HD

Direção: Miguel Littin

Basado em fatos reais, o filme é a recriação de um impactante crime, descoberto na crônica policial do Chile em meados da década de 1960, quando um campesino chamado Jorge del Carmen Valenzuela Torres foi preso pelo assassinato múltiplo de uma mulher campesina e seus cinco filhos, na localidade de Nahueltoro.

 

Mr. Shome

(Bhuvan Shome)

Índia, 1969, 85 minutos, digital

Direção: Mrinal Sen

Viúvo acostumado à rotina resolve tirar um dia de folga. O encontro com uma jovem camponesa abala seu modo de ver a vida. Comédia política com uma enorme abertura à invenção cinematográfica, o filme é considerado o marco inicial do cinema paralelo indiano.

 

Diário de um Ladrão de Shinjuku

(Shinjuku Dorobu Nikki)

Japão, 1969, 96 minutos, HD

Direção: Nagisa Oshima

Um retrato híbrido de Shinjuko, bairro famoso de Tóquio, livremente centrado em duas personagens: Torio Okanoue, que tem um fascínio quase erótico pelos livros que rouba de uma livraria, e Umeko Suzuki, a assistente da loja começa a se relacionar com ele após tê-lo observado a roubar.

 

GRADE DE HORÁRIOS

4 a 16 de junho

 

4 de junho (terça-feira)

20h – As Pequenas Margaridas

 

5 de junho (quarta-feira)

18h30 – As Pequenas Margaridas

20h – Filmes de Moustapha Alassane + debate com Pedro Henrique Gomes

 

6 (quinta-feira)

18h30 – Filmes de Moustapha Alassane

20h – O Gato no Saco

 

7 (sexta)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – A Cor da Romã

 

8 (sábado)

18h30 – Barravento

20h – Memórias do Subdesenvolvimento

 

9 (domingo)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – A Solidão do Corredor de Fundo

 

11 (terça)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – Memórias do Subdesenvolvimento

 

12 (quarta)

18h30 – O Demônio das Onze Horas

20h30 – O Chacal de Nahueltoro

 

13 (quinta)

18h – A Solidão do Corredor de Fundo

20h – Mr. Shome

 

14 (sexta)

18h – A Cor da Romã

20h – Projeto Raros Especial: Diário de um Ladrão Shinjuku

 

15 (sábado)

18h – O Evangelho Segundo São Mateus

21h – Natal na Terra

 

16 (domingo)

18h – O Demônio das Onze Horas + debate com Enéas de Souza

 

 

“Rasga Coração” é a próxima produção na programação de sessões acessíveis 2019 na Cinemateca Capitólio Petrobras no sábado, 11 de maio

rasgacoracao_creditofabiorebelo (2)

 Atividade integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 03 de maio de 2019 – No sábado, 11 de maio, ocorre a segunda das dez sessões acessíveis que integram a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O filme Rasga Coração, dirigido por Jorge Furtado, será exibido com sessão gratuita, às 14h, e contará com a presença do diretor e roteirista para debate após a sessão. A atividade terá interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto.

Rasga Coração é uma adaptação da peça homônima de Oduvaldo Vianna Filho, com roteiro de Furtado, Ana Luiza Azevedo e Vicente Moreno e conta a história de Manguari Pistolão (Marco Ricca), militante anônimo, que depois de quarenta anos de lutas vê o filho Luca (Chay Suede) acusá-lo de conservador. Sem dinheiro para fechar o mês, sofrendo com as dores de uma artrite crônica, e num crescente conflito com Luca, Manguari passa em revista seu passado, e se vê repetindo as mesmas atitudes de seu pai. Intercalando fragmentos de vários momentos da vida de Manguari, o filme atravessa quarenta anos da vida política brasileira. O longa-metragem é uma coprodução da Casa de Cinema de Porto Alegre, Globo Filmes e Canal Brasil, com distribuição da Sony Pictures. No elenco, além de Ricca e Suede, estão Drica Moraes, Luisa Arraes, George Sauma, João Pedro Zappa, Duda Meneghetti, Kiko Mascarenhas, Fabio Enriquez, Nelson Diniz, Anderson Vieira e Cinândrea Guterres. São 20 atores no elenco e 350 figurantes que compõe a ficha de Rasga Coração.

O texto original segue tão atual e necessário quanto em seu lançamento, em 1974. Última peça escrita por Vianninha, além de censurada, teve sua encenação e publicação proibidas e mesmo assim recebeu primeiro prêmio no concurso do SNT, por unanimidade da banca, sendo liberada pela censura apenas cinco anos depois. No prefácio da peça, escrito em fevereiro de 1972, o autor dedicaria ao “lutador anônimo político, aos campeões de lutas populares; preito de gratidão à ‘velha guarda’: à geração que me antecedeu, que foi a que politizou em profundidade a consciência do país”.

As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. Além desta atividade, o projeto engloba oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses e duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o Projeto Cinemateca Capitolio Petrobras – Programação Especial 2019, aprovado na Lei Rouanet/ Governo Federal, realizado pela Fundação Cinema do RS – Fundacine e possui patrocínio master da Petrobras.

“O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes da sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

Sobre o filme

As gravações ocorreram em Porto Alegre no final de 2017, com captação em 4K, e com uma equipe composta por 150 profissionais, que ficaram envolvidos pelo período médio de dois meses de pré-produção e um mês de filmagem, nas dependências do Tecna-Viamão/PUCRS, onde o cenário do apartamento de 170m2 foi construído em 20 dias, mantendo a reprodução de um edifício de Copacabana, selecionado pelos diretores de arte Fiapo Barth e William Valduga.

Aproveitando o espaço da antiga Capela do local, uma equipe de dez marceneiros, dez pintores de arte (vindos de SP),  três serralheiros e dois escultores trabalhou no apartamento de Manguari Pistolão que foi montado nos mínimos detalhes para manter as características das construções do bairro carioca: detalhes da fachada, réplica de persianas antigas e janelas do mesmo tamanho que o prédio original, com uma vista para um chroma de 20m, que foi trabalhado em efeitos na pós-produção integram a cena. Mais de 30 empresas fornecedoras estiveram envolvidas, entre serralheria, vidraçaria, madeireira, tintas, papel de parede, pisos, demolidora, acabamentos, molduras, entre outros, além dos oito profissionais da própria equipe de arte do filme. As externas foram filmadas em Porto Alegre e no Rio de Janeiro.

No elenco, além de Ricca e Suede, estão Drica Moraes, Luisa Arraes, George Sauma, João Pedro Zappa, Duda Meneghetti, Kiko Mascarenhas, Fabio Enriquez, Nelson Diniz, Anderson Vieira e Cinândrea Guterres. São 20 atores no elenco e 350 figurantes que compõe a ficha de “Rasga Coração”.

Rasga Coração tem roteiro de Jorge Furtado, Ana Luiza Azevedo e Vicente Moreno, Direção de Jorge Furtado, Produção Executiva de Nora Goulart, Direção de Fotografia de Glauco Firpo, Direção de Arte de Fiapo Barth e William Valduga, Direção de Produção de Bel Merel e Glauco Urbim, Figurinos de Rô Cortinhas, Caracterização de Britney, Música Original de Maurício Nader e Montagem de Giba Assis Brasil.

Rasga Coração teve sua première na 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em outubro de 2018. O filme também foi exibido no Festival do Rio, na mostra Première Brasil e no X Festival Internacional de Cinema da Fronteira, onde recebeu o prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular.

Mais informações: facebook.com/RasgaCoracaoFilme

 

Primeira edição do “Noites na Cinemateca” ocorre no sábado, 27 de abril

let-it-be.jpg

Projeto de maratonas cinematográficas temáticas na madrugada integra a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras 2019

 

Na madrugada do dia 27 para o dia 28 de abril, a Cinemateca Capitólio Petrobras abre as portas da sala de cinema para a primeira edição do Noites na Cinemateca, projeto que a cada dois meses promoverá maratonas cinematográficas temáticas nas madrugadas de sábado para domingo.

Neste primeiro noitão, com início marcado para a meia-noite, a música é o tema que pauta a seleção de filmes, com a exibição de quatro títulos: o premiado documentário brasileiro Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla, sobre a cantora paulista Linn da Quebrada, o mítico documentário inglês Let It Be, sobre as gravações do disco homônimo da banda The Beatles, um filme surpresa (internacionalmente cultuada produção da década de 1970, nunca lançada nos cinemas brasileiros), e o drama russo Verão, sobre a cena roqueira na Rússia durante a década de 1980.

O Noites na Cinemateca faz parte das ações do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – programação especial 2019.  Entre os meses de março a novembro deste ano, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e produção cultural da Fundacine – Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação de Cinema e Audiovisual.

Entre cada projeção haverão intervalos de 20 a 30 minutos para os espectadores poderem recarregar as energias. Caso haja disponibilidade de lugares, também serão colocados à venda ingressos para quem desejar assistir a apenas parte da programação.

Os ingressos para o Noites na Cinemateca custam R$ 20,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras e valem para os quatro filmes da maratona.  A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 |http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

PROGRAMAÇÃO

Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla (Brasil, 2018, 75 minutos)

Linn da Quebrada, cantora transexual negra, é apresentada ao público neste documentário que captura a sua esfera pública e privada, ambas marcadas não apenas pela força de sua presença de palco, mas também por sua incessante luta pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça, aliada a um discurso político contundente. Vencedor do Teddy Award de melhor documentário no Festival de Berlim em 2018 e do prêmio do público no último Festival de Brasília, este original retrato de uma das mais potentes artistas surgidas no Brasil em anos recentes – ainda inédito nos cinemas brasileiros – o  ganha sua primeira exibição em Porto Alegre, abrindo a primeira edição do Noitão na Cinemateca.

 

Let It Be, de Michael Lindsay-Hogg (Inglaterra, 1970, 81 minutos)

Quinto filme feito pelo grupo de rock inglês The Beatles, lançado em maio de 1970, um ano após ser gravado junto com o álbum homônimo. Originalmente a ideia do filme era mostrar a banda gravando e criando um álbum em estúdio. Mas quando começaram as gravações os integrantes dos Beatles viviam em meio a uma série de conflitos e quando o filme foi finalmente lançado a banda já havia se separado. O filme ficaria então reconhecido como o documentário sobre o fim da banda. As câmeras captaram discussões, o gradual desinteresse dos músicos e uma briga notória entre Paul McCartney e George Harrison. A artista conceitual Yoko Ono, casada com John Lennon,  acusada como um dos pivôs da separação do grupo, também é vista em várias cenas do filme. A parte final do documentário é um mini-show realizado no telhado do estúdio em Saville Row. As filmagens começaram em 2 de janeiro de 1969 e terminaram no final do mesmo mês. Algumas músicas gravadas durante as filmagens jamais foram lançadas oficialmente pelo grupo.

Filme Surpresa  (98 minutos)

Filme de culto, nunca lançado nos cinemas brasileiros, esta obra única realizada na década de 1970 e assinada por um artista célebre, vai surpreender o público com sua inventividade.

Verão, de Kirill Serebrennikov (Rússia/França, 2018, 126 minutos)

No verão de 1981, o rock underground chegava na Rússia Soviética, mais precisamente em Leningrado, onde hoje localiza-se a cidade de São Petersburgo. Sob a influência de artistas internacionais, como Led Zeppelin e David Bowie, o rock vibrava na cidade, marcando o nascimento de uma nova geração de artistas independentes. O jovem Viktor Tsoi (Teo Yoo) ganhou fama internacional e tornou-se o primeiro grande representante russo do gênero. Além da música, ele também ficou conhecido pelas polêmicas relacionadas a sua vida pessoal, como o triângulo amoroso que viveu junto com o seu mentor musical, Mike, e a esposa dele, Natasha.

 

 

GRADE DE HORÁRIOS

00:00 – Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla (Brasil, 2018, 75 minutos)

02:00 – Let It Be, de Michael Lindsay-Hogg (Inglaterra, 1970, 81 minutos)

04:00 – Filme Surpresa (98 minutos)

06:00 – Verão, de Kirill Serebrennikov (Rússia/França, 2018, 126 minutos)

“Sueño Florianópolis” inaugura programação de sessões acessíveis 2019 na Cinemateca Capitólio Petrobras no sábado, 27 de abril

SF 02

 

Atividade integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 17 de abril de 2019 – No sábado, 27 de abril, inicia a série de dez sessões acessíveis que integram a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O filme Sueño Florianópolis, escrito e dirigido por Ana Katz foi o escolhido para abrir a programação, com sessão gratuita às 14h.

O filme, uma coprodução entre Brasil, Argentina e França, conta a história de uma família que viaja da Argentina para o Brasil em busca de reconexão entre si. No elenco, estão os atores brasileiros Andréa Beltrão, Caio Horowicz, Marco Ricca, e os argentinos Mercedes Morán, Gustavo Garzón, Manuela Martinez e Joaquin Garzon. O longa conquistou três prêmios no Karlovy Vary International Film Festival: Melhor Atriz (Mercedes Morán), Prêmio Especial do Júri e Prêmio da Crítica Internacional. Produzido pela Prodigo Films, Campo Cine e Groch Filmes, as filmagens aconteceram entre abril e maio de 2017, em Florianópolis (Santa Catarina/Brasil) e Buenos Aires (Argentina).

As sessões acessíveis da programação especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. O projeto conta com oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses, dez sessões de cinema acessível, além de duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. Além disso, o aporte também possibilitou a compra de equipamentos que proporcionarão acessibilidade completa (Libras, legenda descritiva e audiodescrição), que em breve será disponibilizada.

“O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes da sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

Sinopse

Buenos Aires, Argentina, verão de 1990, Pedro (Gustavo Garzón) e Lucrécia (Mercedes Morán), separados após vinte e dois anos de casamento, decidem viajar de férias com seus dois filhos adolescentes rumo ao litoral Sul do Brasil. Motivados pelo câmbio favorável, caem na estrada em um Renault 12, sem ar-condicionado, e viajam 1.750 km até Florianópolis (Santa Catarina). Juntos, porém separados, conhecem Marco (Marco Ricca) e Larissa (Andrea Beltrão). Pouco a pouco vão descobrindo qual é o sonho de cada um.

 

Ficha técnica

Direção: Ana Katz

Roteiro: Ana Katz e Daniel Katz

Produzido por: Beto Gauss, Camila Groch, Francesco Civita, Nicólas Avruj

Produção Executiva: Camila Groch, Beto Gauss, Nicolás Avruj

Uma Produção: CAMPO CINE (ARG) e PRODIGO FILMS (BRA), em coprodução com GROCH FILMES (BRA)

Fotografia: Gustavo Biazzi

Direção de Arte: Gonzalo Delgado

Elenco Brasil: Andrea Beltrão (Larissa), Marco Ricca (Marco), Caio Horowicz (César)

Elenco Argentina: Mercedes Morán (Lucrécia), Gustavo Garzón (Pedro), Manuela Martinez (Flor), Joaquim Garzón (Julián)

Distribuição: VITRINE FILMES (BRA)

Sales Agent Internacional: Film Factory

 

SOBRE A DIRETORA

 

ANA KATZ é uma diretora argentina formada pela Universidad del Cine de Buenos Aires. Acumula também experiências como roteirista, dramaturga e atriz. Tem filmes premiados em importantes festivais pelo mundo, como São Paulo Short Film Festival, Rotterdam Film Festival, Habana Film Festival, Festival de Mar del Plata, Festival de San Sebastián e Festival de Cannes. Em 2012 foi convidada para mostras retrospectivas de seus filmes em Nova York (USA) e em Belo Horizonte (Brasil). Em 2013 seu projeto “Sueño Florianópolis” foi vencedor do Edital de Coprodução Brasil-Argentina, promovido pela ANCINE e INCAA. No ano de 2014 rodou seu quarto longa-metra gem, “Mi amiga del Parque”, ganhador do prêmio Ibermedia e selecionado no Festival de San Sebastián.

 

Filmografia

 

Direção / Roteiro (Longas)

“Sueño Florianópolis” (2018)

“Mi amiga del parque” (2018)

[Prêmio de melhor roteiro em Sundance 2016]

“Los Marziano” (2011)

[Competição Oficial do Festival de San Sebastián – Espanha]

“Una novia errante ” (2007)

[Seleção Un certain regard, Festival de Cannes]

“El juego de la silla” (2002)

[Premiado em festivais da Espanha, Alemanha, França e Itália]

 

Direção / Roteiro (Curtas)

“El Fotógrafo” (2005)

“Mujeres en Rojo: Despedida” – telefilme (2005)

“Ojalá corriera viento” (2001)

“Pantera” (1998)

“Merengue” (1995)

 

 

Cinemateca Capitólio Petrobras recebe mostra inspirada no cinema de Alfred Hitchcock

Um Corpo que Cai (Vertigo)

 

A Vertigem do Cinema Moderno ocorre de 17 a 28 de abril

 

A Cinemateca Capitólio Petrobras recebe a partir de 17 de abril a mostra A Vertigem do Cinema Moderno que segue até domingo, 28. Os filmes exibidos são de diferentes períodos e momentos da história do cinema que estabelecem diálogos instigantes com Um Corpo que Cai, a obra-prima de Alfred Hitchcock. A inspiração da mostra é a pesquisa Vertigo, a teoria artística de Alfred Hitchcock e seus desdobramentos no cinema moderno, de Luiz Carlos Oliveira Jr, que investiga a recorrência do filme em toda a história moderna do cinema. O pesquisador participa de um debate após a exibição da obra de Hitchcock no sábado, 20 de abril, às 20h.

A programação apresenta a cópia restaurada de Um Corpo Que Cai e mais quinze filmes, incluindo Blow-Up – Depois Daquele Beijo, de Michelangelo Antonioni, Sem Sol, de Chris Marker, Dublê de Corpo, de Brian De Palma, A Estrada Perdida, de David Lynch, e Você e os Seus, de Hong Sang-soo.

A sessão de abertura, ocorre na quarta-feira, 17 de abril, às 18h, e apresenta A Névoa Verde, dos diretores Guy Maddin, Galen Johnson e Evan Johnson, que revisita o enredo do clássico de Hitchcock através de uma colagem de imagens encontradas e reaproveitadas de filmes antigos e programas de televisão rodados em San Francisco. A sessão será comentada pelo crítico, professor e montador Milton do Prado.

Na sessão de encerramento, no domingo, 28 de abril, às 18h30, integrantes do grupo de estudos Aurora debatem os diálogos contemporâneos com a obra de Hitchcock após a sessão de Você e os Seus, filme realizado pelo sul-coreano Hong Sang-soo, inédito em Porto Alegre.

A mostra A Vertigem do Cinema Moderno integra o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – programação especial 2019, que conta com 26 atividades. São oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses, dez sessões de cinema acessível, além de duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e cooperação cultural da Fundacine – Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura.

Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 |http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

SOBRE LUIZ CARLOS OLIVEIRA JR

Luiz Carlos Oliveira Jr. é crítico e pesquisador de cinema. Autor do livro A mise en scène no cinema: Do clássico ao cinema de fluxo (Papirus, 2013). Doutor em Meios e Processos Audiovisuais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Já colaborou para as revistas Bravo!, Cult, Interlúdio, Paisà e Foco e para o Guia Folha – Livros, Discos e Filmes. Ministrou cursos e oficinas em espaços como Centro Cultural Banco do Brasil, CineSESC, Cine Humberto Mauro e Fundação Getúlio Vargas. Foi editor da revista eletrônica Contracampo. Foi curador das mostras Vincente Minelli – Cinema de Música e Drama e Jacques Rivette – Já Não Somos Inocentes.

 

GRADE DE PROGRAMAÇÃO – A VERTIGEM DO CINEMA MODERNO

17 de abril (quarta-feira)

18h – Um Corpo que Cai

20h – Vertigo Rush + A Névoa Verde e debate com Milton do Prado

 

18 de abril (quinta-feira)

18h – Férias de Amor

20h – A Lenda de Lylah Clare

 

19 de abril (sexta-feira)

18h – Sortilégio de Amor

20h – Dublê de Corpo

 

20 de abril (sábado)

16h – Férias de Amor

18h – Um Corpo que Cai + debate com Luiz Carlos Oliveira Jr.

 

21 de abril (domingo)

16h – Sortilégio de Amor

18h – Blow-Up – Depois Daquele Beijo

20h – Prelúdio Para Matar

 

23 de abril (terça-feira)

18h – Um Corpo que Cai

20h – Efeitos Especiais

 

24 de abril (quarta-feira)

18h – Dublê de Corpo

20h – Sem Sol

 

25 de abril (quinta-feira)

17h – Efeitos Especiais

21h – Instinto Selvagem

 

26 de abril (sexta-feira)

17h – Blow-Up – Depois Daquele Beijo

21h – Projeto Raros Especial (O Retrato Inacabado + Mas Allá del Olvido)

 

27 de abril (sábado)

16h – Blackout

18h – A Prisioneira

 

28 de abril (domingo)

16h – A Estrada Perdida

18h30 – Você e os Seus + debate

 

 

 

FILMES

 

Um Corpo que Cai

(Vertigo)

Estados Unidos, 1958, 120 minutos, HD

Direção: Alfred Hitchcock

 

O detetive aposentado ‘Scottie’ sofre de um terrível medo de alturas. Certo dia, encontra um antigo conhecido que para ele seguir sua esposa, Madeleine.

 

O Retrato Inacabado

(Le portrait Inachevé)

França, 1910, 18 minutos, digital

Direção: Léonce Perret

 

A morte da esposa deixa um marquês desesperado. Anos depois, ele encontra Madeleine, uma mulher idêntica à morta.

 

Férias de Amor

(Picnic)

Estados Unidos, 1955, 115 minutos, HD

Direção: Joshua Logan

 

Um viajante errante chega em uma pequena cidade do Kansas, para visitar e tentar conseguir emprego com um rico colega de faculdade. Lá ele se apaixona pela linda namorada do amigo interpretada por Kim Novak.

 

Mas Allá del Olvido

Argentina, 1956, 92 minutos, digital

Direção: Hugo del Carril

 

Após a morte de sua esposa, um homem encontra uma mulher idêntica e torna-se obcecado pelo o amor perdido. Adaptação do romance “Bruges, a morta” de Georges Rodenbach, que inspirou o roteiro de Um Corpo que Cai.

 

Sortilégio de Amor

(Bell Book and Candle)

Estados Unidos, 1958, 106 minutos, HD

Direção: Richard Quine

 

A feiticeira mais sedutora de Greenwich Village conhece seu novo vizinho, noivo de uma antiga amiga de faculdade. Filme protagonizado por Kim Novak e James Stewart, realizado no mesmo ano de Um Corpo que Cai.

 

Blow-Up – Depois Daquele Beijo

(Blow-Up)

Itália/Reino Unido, 1966, 111 minutos, DCP

Direção: Michelangelo Antonioni

 

Um fotógrafo bon vivant fica obcecado com um aparente assassinato revelado em uma fotografia.

 

A Lenda de Lylah Clare

(The Legend of Lylah Clare)

Estados Unidos, 1968, 130 minutos, digital

Direção: Robert Aldrich

 

Kim Novak é uma jovem atriz parecida com uma estrela dos anos 1930 que morreu de forma trágica e misteriosa. Ela ganha a chance de interpretá-la numa biografia dirigida pelo próprio marido da mulher morta.

 

Prelúdio para Matar

(Profondo Rosso)

Itália, 1975, 126 minutos, HD

Direção: Dario Argento

 

Pianista presencia o assassinato de uma paranormal e passa a investigar o crime.

 

Sem Sol

(Sans Soleil)

França, 1983, 100 minutos, HD

Direção: Chris Marker

 

Acompanhamos num transe quase hipnótico a narração das cartas de um homem que viaja pelo mundo. Meditação sobre o tempo e a memória, do Japão a Guiné-Bissau, da Islândia aos Estados Unidos (a São Francisco de Um Corpo que Cai).

 

Dublê de Corpo

(Body Double)

Estados Unidos, 1984, 114 minutos, HD

Direção: Brian De Palma

 

Morando no apartamento de um amigo, um fracassado ator de filmes b presencia estranhos acontecimentos com uma vizinha e passa a persegui-la.

 

Efeitos Especiais

(Special Effects)

Estados Unidos, 1984, 101 minutos, HD

Direção: Larry Cohen

 

Diretor de cinema mata uma jovem aspirante a atriz, usa o marido dela como o bode expiatório e tenta encontrar uma sósia para desempenhar o papel da falecida.

 

Instinto Selvagem

(Basic Instinct)

Estados Unidos, 1992, 127 minutos, HD

Direção: Paul Verhoeven

 

A investigação de um assassinato leva o detetive de polícia de San Francisco a uma bela e rica escritora. Seu jeito insinuante e aparentemente fatal deixa o homem obcecado.

 

Blackout

(The Blackout)

Estados Unidos, 1997, 98 minutos, HD

Direção: Abel Ferrara

 

Astro de Hollywood se envolve com drogas e arruína a carreira depois de ficar obcecado por uma mulher. Um ano depois, tenta refazer sua vida e procura novamente seu paradeiro.

 

A Estrada Perdida

(Lost Highway)

Estados Unidos, 1997, 135 minutos, HD

Direção: David Lynch

 

Um saxofonista é acusado de assassinar sua esposa. No corredor da morte, algo misterioso acontece.

 

A Prisioneira

(La Captive)

França, 2000, 118 minutos, digital

Direção: Chantal Akerman

 

Simon ama Ariane perdidamente. Ele a interroga, a espia, a persegue. Ele a mantém reclusa na prisão dourada de seu luxuoso apartamento parisiense.

 

Vertigo Rush

Áustria, 2007, 19 minutos, HD

Direção: Johann Lurf

 

Na interação da natureza e da máquina (ótica), o oculto se torna visível.

 

Você e os Seus

(Dangsinjasingwa dangsinui geot)

Coréia do Sul, 2016, 86 minutos, HD

Direção: Hong Sang-soo

 

Um jovem pintor não consegue achar sua namorada de jeito nenhum.

 

A Névoa Verde

(The Green Fog)

Estados Unidos/Canadá, 2018, 62 minutos, DCP

Direção: Guy Maddin, Evan Johnson e Galen Johnson

 

Em um estúdio de cinema, um homem algemado é mantido sob a mira de um revólver enquanto observa as imagens na tela. Um mapa pode ser visto com um dedo apontando para São Francisco. Repórteres ficam em frente a um prédio, prontos para transmitir as notícias; o público espera com medo. A ponte Golden Gate aparece, banhada por uma luz verde; começa uma tempestade, as ruas íngremes da cidade estão desertas. A estrutura deste filme é uma homenagem a Um Corpo que Cai, de Hitchcock: um conjunto vertiginoso de imagens constrói uma fantasia cinematográfica que atrai o espectador.

 

Cinemateca Capitólio Petrobras recebe programação especial de março a novembro

La Flor

Programação com 26 atividades e aquisição de equipamento de acessibilidade completa tem patrocínio da Petrobras e cooperação cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

 

Durante os meses de março a novembro, a Cinemateca Capitólio Petrobras promoverá uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e cooperação cultural da Fundacine – Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura.

Serão oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses, dez sessões de cinema acessível, além de duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. Além disso, o aporte também possibilitou a compra de equipamentos que proporcionarão acessibilidade completa (Libras, legenda descritiva e audiodescrição).

“O projeto é uma oportunidade de reforçar a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e também um local de referência na preservação e memória do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A programação contará com oito mostras especiais com curadoria de Leonardo Bomfim, programador da Capitólio, e inicia na quinta-feira, 14 de março, com a mostra Cinema da América Latina. Já estão confirmadas as mostras A vertigem do Cinema Moderno e Cinema de Invenção. Quatro eventos especiais intitulados “Noites na Cinemateca”, ocorrem durante as madrugadas, visando ampliar tanto a experiência sensorial do público quanto a vivência do espaço cultural como um todo. A primeira edição está agendada para abril.

Duas masterclasses com renomados especialistas internacionais sobre o processo criativo na realização cinematográfica também integram a programação, tendo como público profissionais e estudantes gaúchos do setor, configurando um importante espaço de aprendizado, debate e reflexão crítica sobre a produção audiovisual. Materiais inéditos do acervo, através do trabalho de digitalização das coleções de grandes cartazes e documentos, serão objeto de duas exposições exclusivas para o espaço da galeria da Cinemateca, com aberturas previstas para junho e outubro, e curadoria da pesquisadora e escritora Alice Trusz.

 A parceria entre a Fundacine e a Secretaria da Cultura é exemplo que o público e o privado podem trabalhar de modo associativo para o benefício da população. Com o patrocínio da Petrobras os projetos atingem um conceito cultural diferenciado, pois demonstra a força governamental, através da estatal, em apoiar ações de cunho artístico capazes de fortalecer o setor audiovisual e o espaço Cinemateca Capitólio”, declara Luiz Alberto Rodrigues, presidente da FUNDACINE.

 

Acessibilidade completa

A Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras também contará com dez sessões de cinema acessível de ocorrência mensal. A primeira delas será no dia 27 de março, aniversário da abertura da Cinemateca Capitólio, e que também marcará o lançamento da sala acessível. Três kits de uso individual foram adquiridos, proporcionando total acessibilidade ao espectador, que pode selecionar em sua poltrona qual tipo de acessibilidade desejam usar para o filme em exibição, desde que a produção possua os recursos de acessibilidade disponíveis. A sala será a primeira no Estado a oferecer o serviço.

 

 

Cinema da América Latina

A mostra Cinema da América Latina apresenta um panorama da produção latino-americana com doze filmes inéditos em Porto Alegre. De 14 a 24 de março, o público da Cinemateca Capitólio Petrobras tem a chance de conhecer instigantes histórias contemporâneas realizadas em nove países – Brasil, Colômbia, Argentina, Uruguai, Bolívia, Peru, Chile, México e República Dominicana – de realizadoras e realizadores como Mariano Llinás, Federico Veiroj, Beatriz Seigner, Dominga Sotomayor, Julio Hernández Cordón, Nelson Carlos De Los Santos Ária e Albertina Carri.

A seleção conta com sessão comentada com a presença da diretora de As Filhas do Fogo, Albertina Carri, no domingo, 17 de março, e com a produção La Flor, do argentino Mariano Llinás, que será exibida em três sessões nos dias 23 e 24 de março. Rodado durante dez anos e com duração de 14 horas, este é o filme mais longo da história do cinema argentino. Seis histórias, quatro delas sem final, uma com final e uma sexta que apresenta desfecho, mas não um começo. Passeando por uma diversidade de gêneros, como horror B, espionagem e romance musical, essas épicas histórias se expandem através de três continentes e acompanham as quatro atrizes Pilar Gamboa, Elisa Carricajo, Laura Paredes e Valeria Correa através de dez anos.

Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

GRADE DE PROGRAMAÇÃO – MOSTRA CINEMA DA AMÉRICA LATINA

14 de março

20h – COMPRA-ME UM REVOLVER

 

15 de março

20h – LOS SILENCIOS

 

16 de março

16h – O SILÊNCIO É UM CORPO QUE CAI

18h – TARDE PARA MORRER JOVEM

20h – VERMELHO SOL

 

17 de março

16h – ALGO QUEIMA

18h – AS FILHAS DO FOGO + debate com Albertina Carri

 

19 de março

20h – WIÑAYPACHA

 

20 de março

20h – RETABLO

 

21 de março

19h – O SILÊNCIO É UM CORPO QUE CAI

20h30 – BELMONTE

 

22 de março

19h – ALGO QUEIMA

20h30 – COCOTE

 

23 de março

14h – LA FLOR – PARTE 1

19h – LA FLOR – PARTE 2

 

24 de março

14h – BELMONTE

16h – LA FLOR – PARTE 3

 

FILMES

 

La Flor

Argentina, 2018, 808 minutos

Direção: Mariano Llinás

Seis histórias, quatro delas sem final, uma com final e uma sexta que apresenta desfecho, mas não um começo. Passeando por uma diversidade de gêneros, como horror B, espionagem e romance musical, essas épicas histórias se expandem através de três continentes e acompanham as quatro atrizes Pilar Gamboa, Elisa Carricajo, Laura Paredes e Valeria Correa através de dez anos.

 

Tarde Para Morrer Jovem

(Tarde para Morir Joven)

Chile/Brasil/Argentina/Holanda/Catar, 2018, 100 minutos

Direção: Dominga Sotomayor

No verão de 1990, a democracia volta ao Chile. Em uma cidade isolada, Sofía, Lucas e Clara se preparam para o Ano Novo, enquanto lidam com seus primeiros medos e amores. Apesar de estarem longe dos perigos da cidade grande, estão perto dos da floresta.

 

Los Silencios

Colômbia/Brasil/França, 2018, 90 minutos

Direção: Beatriz Seigner

Amparo é mãe de dois filhos pequenos e está fugindo dos conflitos armados da Colômbia. Na tríplice fronteira do país com o Peru e o Brasil, ela e os meninos se abrigam em uma pequena ilha com casas de palafita no Rio Amazonas. No local, eles encontram o pai, que supostamente estava morto.

 

Compra-me um Revolver

(Cómprame un Revólver)

México, 2018, 84 minutos

Direção: Julio Hernández Cordón

Em um mundo cheio de violência, onde as mulheres se prostituem e são mortas, uma garota usa uma máscara do Hulk para ajudar o pai a cuidar de um campo de beisebol abandonado, onde os traficantes jogam.

 

Retablo

Peru/Alemanha/Noruega, 2017, 100 minutos

Direção: Alvaro Delgado Aparicio

Segundo Paucar é um menino de 14 anos que quer se tornar o melhor montador de caixas de brinquedo, os “retablos”, como seu pai Noé, para manter o legado da família.

 

Cocote

República Dominicana/Argentina/Alemanha/Qatar, 2017, 106 minutos

Direção: Nelson Carlos De Los Santos Aria

Christian Alberto é evangélico e trabalha como jardineiro em uma propriedade rica em Santo Domingo. Quando seu pai é assassinado, ele acaba tendo que voltar ao interior, onde passou sua infância, para acompanhar o funeral.

 

Belmonte

Uruguai/Espanha/México, 2018, 75 minutos

Direção: Federico Veiroj

Javier Belmonte (Gonzalo Delgado) é um pintor cujo trabalho é sensual, fantástico, por vezes repleto de cor, mas sempre com um senso de melancolia. Quando tem que se preparar para uma exposição no Museu Nacional de Montivideo, ele se percebe muito mais interessado em sua pequena filha, Celeste.

 

Algo Queima

(Algo Quema)

Bolívia, 2018, 77 minutos

Direção: Mauricio Ovano, Bolívia

Um filme sobre as imagens infinitas do meu avô, gravadas durante o seu governo militar na Bolívia, durante a década de 1960. A versão familiar é confrontada com a história familiar: o massacre dos mineiros, a nacionalização do petróleo, o assassinato de Che Guevara. Toda vez que eu paro para olhar uma imagem com mais profundidade, algo queima dentro de mim.

 

As Filhas do Fogo

(Las Hijas del Fuego)

Argentina, 2018, 110 minutos

Direção: Albertina Carri

Insatisfeitas com suas próprias vidas, três jovens mulheres independentes se encontram por acaso, bem longes de suas casas, e começam a se relacionar de maneira poliamorosa. Quando percebem que estão livres daquilo que acreditam ser regras sociais possessivas, elas decidem formar um grupo cujo propósito é libertar outras mulheres que estejam passando pelos mesmos problemas.

 

Vermelho Sol

(Rojo)

Argentina/Brasil/França/Alemanha/Holanda, 2018, 110 minutos

Direção: Benjamín Naishtat

Claudio é um advogado de meia idade que vive uma vida calma e confortável com sua esposa em uma pequena cidade da Argentina da década de 1970. Quando um detetive particular aparece na sua cidade determinado em localizar um estranho com quem ele brigou meses atrás em um restaurante, seu mundo é virado de cabeça para baixo.

 

Wiñaypacha

Peru, 2018, 87 minutos

Direção: Óscar Catacora

Enquanto espera ansiosamente por um resgate divino, um casal de idosos com cerca de 80 anos tenta sobreviver em um local remoto nos Andes, no Peru.

 

O Silêncio é um Corpo que Cai

(El silencio es un cuerpo que cae)

Argentina, 2018, 75 minutos

Direção: Agustina Comedi

Agustina encontra os vídeos que seu pai gravou antes do acidente que lhe tirou a vida. Sua pesquisa revelará uma história repleta de questões sobre desejo, sexualidade, família e liberdade.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑