Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

cinema

Mostra com produções de realizadores que transformaram o cinema nos anos 1960 inicia em 04 de junho na Cinemateca Capitólio Petrobras

daisies2

  O Fenômeno dos Novos Cinemas ocorre de 04 a 16 de junho e integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

 

A Cinemateca Capitólio Petrobras recebe de 04 a 16 de junho a mostra O Fenômeno dos Novos Cinemas, com uma programação que apresenta obras de quatorze cineastas que transformaram o cinema na década de 1960, como o brasileiro Glauber Rocha, o indiano Mrinal Sen, a norte-americana Barbara Rubin, o canadense Gilles Groulx e o alemão Alexander Kluge.

A mostra conta com a exibição de As Pequenas Margaridas, obra-prima transgressora da tcheca Věra Chytilová, realizada em 1966, na abertura, terça-feira, 04 de junho, às 20h. Carro-chefe da Nouvelle Vague Tcheca, o filme é um exercício audiovisual extravagante, anarquista e dadaísta, com uma explosão de cores psicodélicas e símbolos do inconsciente. A diretora definiu o filme como “uma farsa filosófica feminista”.

O público poderá participar de duas sessões comentadas, agendadas para os dias 05 e 16 de junho: na quarta-feira, 5 de junho, às 20h, o pesquisador das cinematografias africanas Pedro Henrique Gomes participa de um debate após a sessão com quatro filmes do realizador nigerino Moustapha Alassane realizados entre 1962 e 1966. No domingo, 16 de junho, às 18h, a sessão de encerramento da mostra apresenta a cópia restaurada em DCP de O Demônio das Onze Horas, um dos filmes mais celebrados de Jean-Luc Godard, seguida de debate com o crítico Enéas de Souza, autor do livro Trajetórias do Cinema Moderno.

Barravento, primeiro longa-metragem de Glauber Rocha, tem exibição de cópia restaurada em DCP no sábado, dia 08. A mostra também marca a celebração do 50º aniversário de três obras-primas vanguardistas realizadas em 1969: O Chacal de Nahueltoro, filme emblemático do nuevo cine chileno de Miguel Littin, Mr. Shome, o marco inicial do Cinema Paralelo Indiano, realizado por Mrinal Sen, e Diário de um Ladrão Shinjuku, um dos filmes mais radicais de Nagisa Oshima, um dos fundadores da Nouvelle Vague Japonesa.

O Fenômeno dos Novos Cinemas tem co-organização do Goethe-Institut Porto Alegre, da Cinemateca Chilena, da Embaixada da França no Brasil, Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e Institut Français.

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019 aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que será realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

A bilheteria abre 30 minutos antes das sessões, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br |facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

FILMES

 Barravento

Brasil, 1962, 78 minutos, DCP

Direção: Glauber Rocha

Numa aldeia de pescadores de xaréu, cujos antepassados vieram da África como escravos, permanecem antigos cultos místicos ligados ao candomblé. A chegada de Firmino, antigo morador que se mudou para Salvador fugindo da pobreza, altera o panorama pacato do local, polarizando tensões.

 

A Solidão do Corredor de Fundo

(The Loneliness of the Long Distance Runner)

Reino Unido, 1962, 104 minutos, HD

Direção: Tony Richardson

Rapaz rebelde vai para reformatório depois de um roubo mal sucedido. O diretor descobre nele um enorme talento para corrida e se aproveita disso para tentar conquistar o campeonato entre reformatórios.

 

Natal na Terra

(Chrismas on Earth)

Estados Unidos, 1963, 30 minutos, HD

Direção: Barbara Rubin

Obra transgressora inspirada no poema Uma Temporada no Inferno, escrito por Arthur Rimbaud. Ao combinar, através de um ritual orgiástico, as paixões da jovem cineasta – 17 anos de idade – e as aspirações de emancipação de seu tempo, Natal na Terra tornou-se rapidamente uma obra de arte icônica da cena underground dos Estados Unidos.

 

O Evangelho Segundo São Mateus

(Il vangelo secondo Matteo)

Itália, 1964, 138 minutos, HD

Direção: Pier Paolo Pasolini

A vida de Jesus Cristo é recontada segundo o primeiro e o mais belo dos Evangelhos, o de São Mateus.

 

O Gato no Saco

(Le Chat dans le Sac)

Canadá, 1964, 75 minutos, HD

Direção: Gilles Groulx

Um jornalista encontra-se em um conflito entre tentar mudar a sociedade ou aceitar seu lugar nela. Enquanto vive essa tensão existencial, sua namorada, uma jovem atriz, não compartilha dos mesmos pensamentos. Surge uma tensão entre os dois. O longa de estreia de Groulx é um dos pilares do cinema moderno realizado no Québec nos anos 1960.

 

O Demônio das Onze Horas

(Pierrot Le Fou)

França, 1965, 115 minutos, HD

Direção: Jean-Luc Godard

Para escapar de uma sociedade entediante, Ferdinand Griffon viaja com Marianne. Os dois iniciam uma onda de crimes que vai da França ao Mediterrâneo e termina com um banho de sangue.

 

Filmes de Moustapha Alassane

 

O Anel do Rei Koda

(La bague du roi Koda)

Níger, 1962, 24 minutos, HD

Direção: Moustapha Alassane
Ilustração de uma lenda do país de Djerma em Niger. No reino do Rei Koda, um selvagem e cruel déspota, vive um bravo pescador chamado “Dedo de Deus”. Para testar sua virtude, o rei Koda lhe dá o anel que ele usa em seu dedo com a missão de devolvê-lo depois de um ano.

 

Aouré

Níger, 1962, 30 minutos, HD

Direção: Moustapha Alassane

Neste híbrido de ficção e documentário, Alassane narra a vida conjugal de um jovem casal muçulmano de etnia Zharma que vive no vale do rio Níger.

 

O Retorno do Aventureiro

(Le retour d’un Aventurier)

Níger, 1966, 33 minutos, digital

Direção: Moustapha Alassane

Uma sátira aos filmes de cowboys norte-americanos é o plano de ação que leva o diretor Moustapha Alassane a questionar a África e o mundo ocidental.

 

Boa Viagem, Sim

(Bon Voyage, Sim)

Níger, 1966, 5 minutos, digital

Direção: Moustapha Alassane

Sim, presidente da ‘Repúplica dos Sapos’, parte em viagem convidado pelo presidente de um país vizinho

 

As Pequenas Margaridas

(Sedmikrásky)

Tchecoslováquia, 1966, 72 minutos, 35mm

Direção: Věra Chytilová

Duas garotas, ambas chamadas Marie, reconhecem que o mundo está corrompido e decidem embarcar em uma série de brincadeiras destrutivas que consomem e destroem o que está ao redor delas. Carro-chefe da Nouvelle Vague Tcheca, o filme é um exercício audiovisual extravagante, anarquista e dadaísta, com uma explosão de cores psicodélicas e símbolos do inconsciente. A diretora definiu o filme como “uma farsa filosófica feminista”.

 

Despedida de Ontem

(Abschied von Gestern)

Alemanha, 1966, 84 minutos, digital

Direção: Alexander Kluge

Uma jovem, Anita G., rouba um pulôver para se aquecer. Cumprida a pena, ela faz várias tentativas de começar vida nova. Depois de uma fuga em ziguezague, vai parar de novo na cadeia. Os nazistas tinham levado seus pais. Ela vem do Leste. E agora passa frio no Oeste. Três Alemanhas.

 

Memórias do Subdesenvolvimento

(Memorias del subdesarrollo)

Cuba, 1968, 97 minutos, HD

Direção: Tomás Gutiérrez Alea

Baseado no livro homônimo de Edmundo Desnoes, o filme conta a história de Sergio. Mesmo após a partida de seus amigos e familiares de Cuba, no início dos anos 1960, ele decide permanecer no país e acompanhar as transformações vivenciadas após a Revolução.

 

A Cor da Romã

(Sayat Nova)

União Soviética, 1969, 80 minutos, HD

Direção: Sergei Parajanov

A vida, a arte, as ideias, as paixões, os tormentos e as trepidações da alma do trovador armênio do século XVIII, Harutyun Sayatyan, conhecido como Sayat Nova (O Rei da Canção). Uma abordagem lírica e mística recriada por Parajanov a partir do mundo interior do poeta.

 

O Chacal de Nahueltoro

(El Chacal de Nahueltoro)

Chile, 1969, 95 minutos, HD

Direção: Miguel Littin

Basado em fatos reais, o filme é a recriação de um impactante crime, descoberto na crônica policial do Chile em meados da década de 1960, quando um campesino chamado Jorge del Carmen Valenzuela Torres foi preso pelo assassinato múltiplo de uma mulher campesina e seus cinco filhos, na localidade de Nahueltoro.

 

Mr. Shome

(Bhuvan Shome)

Índia, 1969, 85 minutos, digital

Direção: Mrinal Sen

Viúvo acostumado à rotina resolve tirar um dia de folga. O encontro com uma jovem camponesa abala seu modo de ver a vida. Comédia política com uma enorme abertura à invenção cinematográfica, o filme é considerado o marco inicial do cinema paralelo indiano.

 

Diário de um Ladrão de Shinjuku

(Shinjuku Dorobu Nikki)

Japão, 1969, 96 minutos, HD

Direção: Nagisa Oshima

Um retrato híbrido de Shinjuko, bairro famoso de Tóquio, livremente centrado em duas personagens: Torio Okanoue, que tem um fascínio quase erótico pelos livros que rouba de uma livraria, e Umeko Suzuki, a assistente da loja começa a se relacionar com ele após tê-lo observado a roubar.

 

GRADE DE HORÁRIOS

4 a 16 de junho

 

4 de junho (terça-feira)

20h – As Pequenas Margaridas

 

5 de junho (quarta-feira)

18h30 – As Pequenas Margaridas

20h – Filmes de Moustapha Alassane + debate com Pedro Henrique Gomes

 

6 (quinta-feira)

18h30 – Filmes de Moustapha Alassane

20h – O Gato no Saco

 

7 (sexta)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – A Cor da Romã

 

8 (sábado)

18h30 – Barravento

20h – Memórias do Subdesenvolvimento

 

9 (domingo)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – A Solidão do Corredor de Fundo

 

11 (terça)

18h30 – Despedida de Ontem

20h – Memórias do Subdesenvolvimento

 

12 (quarta)

18h30 – O Demônio das Onze Horas

20h30 – O Chacal de Nahueltoro

 

13 (quinta)

18h – A Solidão do Corredor de Fundo

20h – Mr. Shome

 

14 (sexta)

18h – A Cor da Romã

20h – Projeto Raros Especial: Diário de um Ladrão Shinjuku

 

15 (sábado)

18h – O Evangelho Segundo São Mateus

21h – Natal na Terra

 

16 (domingo)

18h – O Demônio das Onze Horas + debate com Enéas de Souza

 

 

Primeira edição do “Noites na Cinemateca” ocorre no sábado, 27 de abril

let-it-be.jpg

Projeto de maratonas cinematográficas temáticas na madrugada integra a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras 2019

 

Na madrugada do dia 27 para o dia 28 de abril, a Cinemateca Capitólio Petrobras abre as portas da sala de cinema para a primeira edição do Noites na Cinemateca, projeto que a cada dois meses promoverá maratonas cinematográficas temáticas nas madrugadas de sábado para domingo.

Neste primeiro noitão, com início marcado para a meia-noite, a música é o tema que pauta a seleção de filmes, com a exibição de quatro títulos: o premiado documentário brasileiro Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla, sobre a cantora paulista Linn da Quebrada, o mítico documentário inglês Let It Be, sobre as gravações do disco homônimo da banda The Beatles, um filme surpresa (internacionalmente cultuada produção da década de 1970, nunca lançada nos cinemas brasileiros), e o drama russo Verão, sobre a cena roqueira na Rússia durante a década de 1980.

O Noites na Cinemateca faz parte das ações do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – programação especial 2019.  Entre os meses de março a novembro deste ano, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e produção cultural da Fundacine – Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação de Cinema e Audiovisual.

Entre cada projeção haverão intervalos de 20 a 30 minutos para os espectadores poderem recarregar as energias. Caso haja disponibilidade de lugares, também serão colocados à venda ingressos para quem desejar assistir a apenas parte da programação.

Os ingressos para o Noites na Cinemateca custam R$ 20,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras e valem para os quatro filmes da maratona.  A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 |http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

PROGRAMAÇÃO

Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla (Brasil, 2018, 75 minutos)

Linn da Quebrada, cantora transexual negra, é apresentada ao público neste documentário que captura a sua esfera pública e privada, ambas marcadas não apenas pela força de sua presença de palco, mas também por sua incessante luta pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça, aliada a um discurso político contundente. Vencedor do Teddy Award de melhor documentário no Festival de Berlim em 2018 e do prêmio do público no último Festival de Brasília, este original retrato de uma das mais potentes artistas surgidas no Brasil em anos recentes – ainda inédito nos cinemas brasileiros – o  ganha sua primeira exibição em Porto Alegre, abrindo a primeira edição do Noitão na Cinemateca.

 

Let It Be, de Michael Lindsay-Hogg (Inglaterra, 1970, 81 minutos)

Quinto filme feito pelo grupo de rock inglês The Beatles, lançado em maio de 1970, um ano após ser gravado junto com o álbum homônimo. Originalmente a ideia do filme era mostrar a banda gravando e criando um álbum em estúdio. Mas quando começaram as gravações os integrantes dos Beatles viviam em meio a uma série de conflitos e quando o filme foi finalmente lançado a banda já havia se separado. O filme ficaria então reconhecido como o documentário sobre o fim da banda. As câmeras captaram discussões, o gradual desinteresse dos músicos e uma briga notória entre Paul McCartney e George Harrison. A artista conceitual Yoko Ono, casada com John Lennon,  acusada como um dos pivôs da separação do grupo, também é vista em várias cenas do filme. A parte final do documentário é um mini-show realizado no telhado do estúdio em Saville Row. As filmagens começaram em 2 de janeiro de 1969 e terminaram no final do mesmo mês. Algumas músicas gravadas durante as filmagens jamais foram lançadas oficialmente pelo grupo.

Filme Surpresa  (98 minutos)

Filme de culto, nunca lançado nos cinemas brasileiros, esta obra única realizada na década de 1970 e assinada por um artista célebre, vai surpreender o público com sua inventividade.

Verão, de Kirill Serebrennikov (Rússia/França, 2018, 126 minutos)

No verão de 1981, o rock underground chegava na Rússia Soviética, mais precisamente em Leningrado, onde hoje localiza-se a cidade de São Petersburgo. Sob a influência de artistas internacionais, como Led Zeppelin e David Bowie, o rock vibrava na cidade, marcando o nascimento de uma nova geração de artistas independentes. O jovem Viktor Tsoi (Teo Yoo) ganhou fama internacional e tornou-se o primeiro grande representante russo do gênero. Além da música, ele também ficou conhecido pelas polêmicas relacionadas a sua vida pessoal, como o triângulo amoroso que viveu junto com o seu mentor musical, Mike, e a esposa dele, Natasha.

 

 

GRADE DE HORÁRIOS

00:00 – Bixa Travesty, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla (Brasil, 2018, 75 minutos)

02:00 – Let It Be, de Michael Lindsay-Hogg (Inglaterra, 1970, 81 minutos)

04:00 – Filme Surpresa (98 minutos)

06:00 – Verão, de Kirill Serebrennikov (Rússia/França, 2018, 126 minutos)

Primeira edição do Débats d’Idées 2019 recebe Anne Poiret na sexta, 05 de abril

Anne Poiret09

Evento promove exibição do filme “Welcome to Réfugistan” seguido de debate com a diretora com realização do Ministério da  Cidadania e  Aliança Francesa  Porto Alegre

Na sexta-feira, 05 de abril, às 20h, a Aliança Francesa de Porto Alegre promove a primeira edição 2019 do projeto Debats d’Idées, que contará com a presença da jornalista Anne Poiret, na Cinemateca Capitólio Petrobras.

Vencedora do Prix Albert Londres, o principal prêmio do jornalismo francês, em 2007 por “Muttur: um crime contra o humanitário” (França 5), a escritora e jornalista produz documentários há 15 anos. Anne participa de sessão comentada do filme Welcome to Réfugistan, que trata sobre histórias de refugiados pelo mundo, que hoje já somam mais de 17 milhões de pessoas.

Welcome to Réfugistan revela o modo como a agência de refugiados das Nações Unidas administra campos que abrigam milhões de refugiados em todo mundo, criando um país virtual do tamanho da Holanda. Como lidar com as necessidades urgentes de milhares de refugiados que chegam todos os dias? Como esta resposta de emergência se transformou em uma situação durável com uma permanência média de mais de quinze anos? Quais são as perspectivas de longo prazo para este tipo de resposta à urgência humanitária? O documentário foi rodado em diversos campos pelo mundo, como no Quênia, Tanzânia, Jordânia, fronteira da Grécia com a Macedônia e em escritórios da agência na França, Inglaterra e Suíça.

Anne é diretora de “Meu País Fabrica Armas”, (France 5), “Síria: Missão Impossível” (ARTE), “Sudão do Sul: fábrica de um Estado” (ARTE), “Namíbia: O Genocídio do Segundo Reich” – (França 5) – e colabora com diferentes publicações. No Oriente Médio, África ou Ásia, ela está particularmente interessada nas áreas cinzentas do período do pós-guerra. “Reconstruir Mossul”, gravado ao longo do ano de 2018, será transmitido em breve pelo canal ARTE.

A mediação do Débat d´Idées estará a cargo da jornalista gaúcha Claudia Laitano, com tradução consecutiva de Vanise Dresch e a entrada é franca.

Débats d’Idées é uma realização da Aliança Francesa Porto Alegre que busca promover encontros com pensadores, jornalistas e intelectuais sobre questões como fronteira, geopolítica, imigração, cultura e meio ambiente, entre outros temas contemporâneos. O Débats d’Idées é realizado pela Aliança Francesa de Porto Alegre e pelo Ministério da Cidadania por meio da Lei de Incentivo à Cultura (Rouanet), com patrocínio da Timac Agro e apoio da Cinemateca Capitólio Petrobras.

CINEMA

Débats d’Idées com Anne Poiret

Exibição de “Welcome to Réfugistan” (2016, 72min) seguida de debate com Anne Poiret, mediação de Claudia Laitano e tradução consecutiva de Vanise Dresch

05 de abril, 20h – Cinemateca Capitólio Petrobras

Realização: AFPOA e Ministério da Cultura

Patrocínio: Timac Agro

Apoio: Cinemateca Capitólio Petrobras

Entrada Franca

 

Despedida no Diário Popular

diariopopular_capa_09.03

diariopopular_09.03

diariopelotas_09.03.2019

diariopelotas2_03.09

zh_26

12ª edição da Mostra Cinema e Diretos Humanos ocorre em Porto Alegre e Viamão até 14 de dezembro com entrada franca

Lucio Flávio 2

Abertura oficial ocorre na Cinemateca Capitólio Petrobras em Porto Alegre na terça, 04 de dezembro

 

Porto Alegre, 29 de novembro de 2018 – A 12ª Edição da Mostra Cinema e Direitos Humanos chega a Porto Alegre e Viamão no dia 04 de dezembro, com sessões gratuitas no Sesc Viamão e Cinemateca Capitólio Petrobras, além de exibições itinerantes mediante agendamento.  Este é o quinto ano consecutivo que o evento conta com produção local da Primeira Fila Produções.

Em 2018, a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa 70 anos de existência e é o tema do festival. A mostra será realizada nos meses de novembro e dezembro nas 26 capitais do país e no Distrito Federal e a programação é totalmente gratuita.  Ao todo, serão exibidos 40 filmes, divididos em 4 mostras: Temática, Panorama, Mostrinha, dedicada ao público infanto-juvenil, e Homenagem, que celebra a carreira do ator e diretor Milton Gonçalves. A mostra é uma iniciativa do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), com realização do Instituto Cultura em Movimento (ICEM).

Os filmes abordam as diversas temáticas dos Direitos Humanos, como memória e verdade, questões de gênero, população negra, população indígena, população LGBT, imigrantes, direito das pessoas com deficiência, direito da criança, direito dos idosos, direito da mulher, direito à saúde, direito à educação, diversidade religiosa e meio ambiente.  Para permitir a acessibilidade, todas as sessões contam com closed caption, e em sessões selecionadas haverá áudio descrição e Libras. Os espaços onde ocorrem as exibições também possuem estrutura acessível para receber os diferentes públicos, além de contar com a programação em Braille para consulta.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos surgiu em 1948 como um grito de liberdade e o clamor por respeito, contra o fascismo e as milhões de mortes da 2ª Guerra Mundial. Segundo a Diretora de Promoção e Educação em Direitos Humanos do MDH, Juciara Rodrigues, a Mostra promove ações públicas que transcendem governos, por isso já está em sua 12ª edição. “Trata-se de uma revolução silenciosa e maravilhosa. Vai até as pessoas para mostrar a elas a importância de ser cidadão e do respeito ao próximo. Chega até elas levando educação amorosa e libertária, para que possam refletir qual o nosso papel no mundo. É uma forma de lutar e resistir a qualquer tipo de opressão, de objeção em relação ao exercício da nossa cidadania e direitos.”, diz Juciara.

Com mais de 70 filmes no cinema, o ator e diretor Milton Gonçalves, homenageado na Mostra, é um dos mais prolíficos artistas do país. Presente nas telas e palcos desde a década de 50,  participou da história da televisão, do teatro e do cinema brasileiros. Sua versatilidade dramática e seu talento venceram as barreiras que normalmente são impostas aos artistas negros no país. “Sua atuação no cenário político e sua militância pelos Direitos Humanos e contra o racismo o tornam um desses artistas cuja trajetória precisa ser registrada e cuja história deve ser contada para os jovens. Milton Gonçalves soube como poucos manter um rigor artístico e, ao mesmo tempo, uma atuação e coerência política”, diz a diretora do ICEM Luciana Boal. “Com a proximidade de seus 85 anos de vida, em 2018, é fundamental conhecer o homem, marido, pai, político, ator e diretor Milton Gonçalves”, completa.

Para instituições, grupos e escolas que tenham interesse em receber a itinerância da Mostra ou participar das sessões programadas, os agendamentos devem ser feitos pelo email contato@primeirafilaproducoes.com.br ou através do telefone 51 982980541 até 30 de novembro. O evento ocorre nos dias 04, 05, 06, 07, 11, 13 e 14 de dezembro. Mais informações, acesse: facebook.com/mostradecinemaedireitoshumanosnomundors

 

Programação 12º Mostra de Cinema e Direitos Humanos

 

26/11/2018 – Segunda-feira

 

19h – Salão de Atos da FAMECOS (Prédio 7)

Café com Canela – 1h40 – Brasil

Após perder o filho, Margarida (Valdinéia Soriano) vive isolada da sociedade. Ela se separa do marido Paulo e perde o contato com os amigos e pessoas próprias. Um dia, Violeta (Aline Brunne) bate à sua porta. Trata-se de uma ex-aluna de Margarida, que assume a missão de devolver um pouco de luz àquela pessoa que havia sido importante pra ela na juventude.

Tempo: 1h40

Classificação: 14 anos

Janela de Libras

 

 

04/12/2018 – Terça-Feira

 

9h30 – SESC VIAMÃO

 

Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones – 25 minutos – Direito a pessoa com Deficiência – Brasil

História da criação da Banda “Os Goiabeiras” da qual fazem parte três pessoas com deficiência: um paralisado cerebral e dois autistas.

 

Nunca Me Sonharam – 1h24 – Direito à Educação – Brasil

Os desafios do presente, as expectativas para o futuro e os sonhos de quem vive a realidade do Ensino Médio nas escolas públicas do Brasil. Na voz de estudantes, gestores, professores e especialistas, “Nunca me sonharam‟ reflete sobre o valor da educação.

Tempo: 1h49

Classificação: Livre

Closed Caption

 

 

14h30 – SESC VIAMÃO

A Rua Noiz – 14 minutos – Cultura, Educação e Direitos Humanos – Brasil

O documentário trata das realidades enfrentadas dentro da periferia do Grande Bom Jardim, e de como uma mulher que aos 5 anos de idade vendia verduras e aos 35 dirige a maior escola de dança de Fortaleza em número de atendidos.

 

Enrolado na Raiz – 23 minutos – População Negra – Brasil

Mulheres negras falam sobre as diferentes formas de violência física e simbólica que o racismo impõe cotidianamente sobre seus corpos. Desejos, sonhos, frustrações, traumas e enfrentamentos são expostos em falas que recuperam experiências da infância.

Tempo: 43 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption

 

19h – SESC VIAMÃO

Eles Não Usam Black Tie – 2h14

Eles não usam black-tie debruça-se sobre os conflitos, contradições e anseios da classe

trabalhadora no final dos anos 1970, na crise final da ditadura militar. Baseado em peça homônima de Gianfrancesco Guarnieri escrita duas décadas antes, o filme adota uma narrativa realista que situa, em pólos antagônicos, a esperança na ação coletiva e a aposta nas saídas individuais, como alternativa de vida para os trabalhadores. Em torno do conflito entre o pai sindicalista, Otávio (Guarnieri), e o filho alienado, Tião (Carlos Alberto Ricelli), constrói-se uma trama comovente que reflete os efeitos da luta pela sobrevivência no seio da família operária. Eles não usam black-tie cativou o

público e a crítica, e recebeu vários prêmios, entre os quais se destaca o Leão de Ouro no Festival de Veneza de 1981.

Tempo: 2h14

Classificação: 14 anos

Closed Caption

 

 

21h – CINEMATECA CAPITÓLIO PETROBRAS (Cinema)

ABERTURA OFICIAL DA 12º MOSTRA DE CINEMA E DIREITOS HUMANOS COM DEBATE

Nós – 6 minutos – Imigrantes – Brasil

O filme mostra a trajetória cíclica dos refugiados através dos tempos, uma reedição de acontecimentos passados.

 

Do Outro Lado – 14 minutos – População LGBT – Brasil

Às vésperas de uma importante decisão, a juíza da Corte Suprema de Taiwan recebe uma carta inesperada.

Tempo: 20 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption / com Libras ao vivo

 

 

05/12/2018 – Quarta-feira

 

9h30 – SESC VIAMÃO * Sessão com Debate e Libras

Histórias da Fome no Brasil – 52 minutos – Brasil

“Histórias da Fome no Brasil” mostra uma cronologia da fome no país. Do Brasil Colônia, onde foram plantadas as sementes das desigualdades sociais, até as políticas públicas recentes que culminaram na saída do Brasil, em 2014, do Mapa da Fome divulgado pela ONU, retratamos como se deu o enfrentamento deste mal por parte da sociedade e do governo.

A importância da superação da fome pode ser dimensionada quando consideramos que este flagelo perdurou durante séculos em nosso país e que até recentemente não se vislumbrava a história da crença de que ela era uma fatalidade que nunca reverteríamos, o filme nos aponta o pensamento daqueles que “nadaram contra a corrente”, como Josué de Castro, Dom Helder, Betinho e tantos outros, que acreditaram que a fome era um mal reversível, ocasionada pelos próprios homens e suas políticas.

Tempo: 52 minutos

Classificação: Livre

Libras

 

19h – SESC VIAMÃO

Carandirú – 2h26

Carandiru, história baseada em fatos reais e no livro escrito pelo médico Drauzio Varella (Luiz Carlos Vasconcelos), começa quando ele resolve fazer um trabalho de prevenção à AIDS no maior presídio da América Latina: a Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru, vítima de um dos dias mais negros da história do Brasil, quando a Polícia Militar do Estado de São Paulo, a pretexto de manter a lei e a ordem, fuzilou 111 pessoas. Ali, o médico toma contato com o que, aqui fora, temos até medo de imaginar: violência, superlotação, instalações precárias, falta de assistência médica e jurídica, falta de tudo. O Carandiru, com seus mais de sete mil detentos, merece sua fama de inferno na terra. Porém, nosso personagem logo percebe que, mesmo vivendo numa situação limite, os internos não representam figuras demoníacas. Ao contrário, ele testemunha solidariedade, organização e, acima de tudo, uma grande disposição de viver. Não é pouco e é o suficiente para que ele, fascinado, resolva iniciar um trabalho voluntário. Oncologista famoso, habituado a mais sofisticada tecnologia médica, Dráuzio Varella pratica a medicina como os antigos: com estetoscópio, olhar sensível e muita conversa.

 

 

06/12/2018 – Quinta-Feira

 

9h30 – SESC VIAMÃO

Henfil – 1h14 – Brasil

O documentário registra uma proposta curiosa feita a uma turma de jovens

animadores: tentar trazer para a atualidade as obras do cartunista, jornalista e ativista brasileiro Henrique de Souza Filho, o Henfil. Além desse processo, o filme traz depoimentos de amigos e revelações sobre como o artista hemofílico lidava com sua doença e utilizava seus desenhos como instrumento de luta contra a censura política de sua época.

Tempo: 1h14

Classificação: 12 anos

Closed Caption

 

9h30 – CINEMATECA CAPITÓLIO PETROBRAS (CINEMA)

À Espera – 22 minutos – Direito a criança e adolescente e Questão de Gênero – Moçambique

Em Moçambique, 39% de meninas se casam antes dos 15 anos com homens mais

velhos que elas, fazendo com que o país se encontra em 10 lugar entre os países mais afetados pelos casamentos prematuros, negando seus direitos como o da Educação e de serem o que elas quiserem.

 

Chega de Fiu Fiu – 1h13 – Questão de Gênero – Brasil

O retrato do dia a dia de três mulheres com vidas distintas, mostrando como a

violência de gênero é constantemente praticada no espaço público urbano. Dessa

forma, as diretoras Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão procuraram

especialistas para discutir sobre o assunto, buscando encontrar respostas e

alternativas para a uma questão fundamental: Será que as cidades foram feitas para as mulheres?

Tempo: 1h35

Classificação: 14 anos

Closed Caption

 

 

14h30 – SESC VIAMÃO

Rua das Casas Surdas – 8 minutos – Memória e Verdade – Brasil

Em uma vizinhança silenciosa, durante a ditadura nos anos 70, Carlos e Ernesto aproveitam o intervalo do jogo no rádio para voltar ao trabalho.

 

Marcos Medeiros – Codinome Vampiro – 1h11 – Memória e Verdade – Brasil

O documentário apresenta Marcos Medeiros, um personagem esquecido da nossa história que foi líder estudantil em 1968. Preso, torturado, cassado e exilado na Europa, Marcos começou a se dedicar ao cinema, tendo feito curtas com Chris Marker na França, um longa com Glauber em Cuba, e depois trabalhado na Itália com Rosselini. de volta ao Brasil, nos anos 80, com a anistia, Marcos inicia um trabalho pioneiro em vídeo, mas não encontra um espaço para viabilizar sua arte que não se identificava com o main stream. A incapacidade de se inserir numa sociedade burguesa e sem utopias leva Marcos à depressão. Morre em 1997 depois de uma longa internação no Pinel.

Tempo: 1h19

Classificação: 16 anos

Closed Caption

 

18h30 – Associação de Cegos do Rio Grande do Sul / ACERGS

Sessão com Audiodescrição

Heróis – 1h10 – Brasil

A judoca Rafaela Silva foi a primeira atleta da delegação brasileira a ganhar uma medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio em 2016, levando toda nação as lágrimas. Popople Misenga, o congolês convidado a participar da delegação composta por refugiados, fez o mesmo. Além disso, como esquecer de Rogério Sampaio e o ouro no mesmo esporte durante as Olimpíadas de Barcelona em 1992. A partir de uma abordagem heroica, a carreira desses desportistas é transformada em filme.

Tempo: 1h10

Classificação: Livre

Closed Caption/ Audiodescrição

 

19h – SESC VIAMÃO

 

O Que é Isso Companheiro – 1h50

Em 1964, um golpe militar derruba o governo democrático brasileiro e, após alguns anos de manifestações políticas, é promulgado em dezembro de 1968 o Ato Constitucional nº 5, que nada mais era que o golpe dentro do golpe, pois acabava com a liberdade de imprensa e os direitos civis. Neste período vários estudantes abraçam a luta armada, entrando na clandestinidade, e em 1969 militantes do MR-8 elaboram um plano para sequestrar o embaixador dos Estados Unidos para trocá-lo por prisioneiros políticos, que eram torturados nos porões da ditadura.

Tempo: 1h50

Classificação: 14 anos

Closed Caption

 

07/12/2018 – Sexta-Feira

 

19h – SESC VIAMÃO * Sessão com Debate

Batuque Gaúcho – 26 minutos – Diversidade Religiosa – Brasil

O Batuque Gaúcho é o nome dado a religião africana no Rio Grande do Sul, maior fenômeno religioso do Brasil, com cerca de 8 a 10 mil casas em todo o Estado. Mesmo assim, ainda é a que mais sofre preconceitos e está inviabilizada devido o racismo.

 

As Sementes – 32 minutos – Meio Ambiente – Brasil

Neneide fala sobre empoderamento feminino e como o grupo “Mulheres Decididas a Vencer” passou a trabalhar com abelhas num assentamento no Rio Grande do Norte. Izanete resiste ao agronegócio que ocupa extensas terras no Rio Grande do Sul, onde produz leite ecológico e pães para a merenda escolar. Para Efigênia, horta é terapia e o trabalho na roça em Minas Gerais, independência. Maria dos Santos recorda lutas pela posse da terra e igualdade de gênero e contra a desnutrição nas áreas quilombolas da

Bahia. Quatro sementes da economia solidária, do cooperativismo, do feminismo, da agroecologia.

 

10/12/2018 – Segunda-Feira

 

9h30 – CINEMATECA CAPITÓLIO PETROBRAS (CINEMA)

Uma Bala – 2 minutos – Defesa aos Defensores de Direitos Humanos – Brasil

Marielle Franco foi assassinada em 14 de março de 2018. Quem matou Marielle? Quem mandou matar Marielle? O crime permanece sem solução! “Uma bala. Uma bala realmente abala. Abala, mas não cala. Quem batalha por igualdade!”

 

Nomes que Importam – 15 minutos – População LGBT – Brasil

Filme que aborda a importância dos nomes sociais das pessoas trans.

O curta-metragem nomes que importam revela as histórias que permeiam as escolhas dos nomes das travestis e transexuais que participam do filme. Por meio de depoimentos, o documentário aciona memórias afetivas.

Repense o Elogio – 48 minutos – Questão de Gênero – Brasil

Repense o Elogio é um documentário que propõe a reflexão sobre a maneira como as crianças são elogiadas. Enquanto meninas são lindas, princesas e delicadas, meninos são fortes, inteligentes e corajosos. Até que ponto estes adjetivos aprisionam o verdadeiro ser de cada um? Este é um filme que reflete sobre o poder das palavras e da cultura, que trouxeram este desequilíbrio tão profundo na forma que elogiamos meninas e meninos.

Tempo: 1h05

Classificação: Livre

Closed Caption / Libras ao Vivo

 

11/12/2018 – Terça-Feira

 

9h30 – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (CINEMA)

Outro Olhar – 34 minutos – Direitos a pessoa com deficiência – Brasil

A história da estudante gaúcha Renata Basso, que tem síndrome de Down e acaba de concluir o ensino médio, é o fio condutor de um retrato impressionante sobre a educação inclusiva no Brasil. Por meio de entrevistas com professores, colegas de classe, familiares e a própria Renata, o filme mostra que o esforço coletivo torna possível oferecer uma aprendizagem de qualidade a estudantes especiais.

 

Monocultura da Fé – 23 minutos – População Indígena – Brasil

Como no resto do país, também entre os Guarani Kaiowá a igreja evangélica vêm ganhando espaço. O mini-documentário percorre aldeias do Mato Grosso do Sul para mostrar denúncias das cada vez mais frequentes violências cometidas por grupos evangélicos contra a população indígena.

 

Waapa – 20 minutos – População Indígena – Brasil

O documentário propõe um mergulho inédito na infância Yudja (Parque Indígena do Xingu/MT) e os cuidados que acompanham seu crescimento. O brincar, a vida comunitária e as influências de uma relação espiritual com a natureza.

14h – EMEF Escola de Surdos Bilíngüe Salomão Watnick

Príncipe da Encantaria – 11 minutos

As margens do Rio Negro a imaginação de Aninha cria asas enquanto Vó Esmeralda conta-lhe a estória de Benito, o boto cor de rosa.

 

A Natureza Agradece – 14 minutos

Bernardo vive em um pequeno rancho cheio de diversidade ambiental, um dia uma fábrica aparece colocando em risco toda a natureza.

 

A Câmera do João – 22 minutos

Uma faixa de luz passa por uma pequena perfuração, e se faz imagem. João descobriu que fotografias são heranças.

Tempo: 47 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption / Libras

 

15h30 – EMEF Escola de Surdos Bilíngüe Salomão Watnick

Louise – 5 minutos

Durante brincadeira de futebol de rua entre quatro garotos a bola é chutada para longe e cai próximo a Louise e Bia. Juca corre para pegar a bola, percebe a habilidade das duas garotas para o futebol e as convida para brincar. Iago não aceita a participação delas mas Louise não quer ficar fora do jogo.

 

A Bicicleta do Vovô – 22 minutos – Brasil

A Bicicleta do Vovô é um curta metragem para crianças e adultos que aborda a relação entre avô e neto. Em um lugar muito distante, O Reino do Sertão Pelejado, homensmorcegos capturam lendas através de televisores. Surgem, então, o Super Tigre e o Mestre Conselheiro para salvar o nosso planeta das forças malignas da Feiticeira Mabá. É contando essas histórias que vô Rui transforma a infância do neto Cauê em um universo de aventuras e fantasias, re-significando símbolos através de um olhar mais lúdico sobre as coisas da vida.

Tempo: 27 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption / Libras

 

13/12/2018 – Quinta-Feira

 

8h – EMEF Escola de Surdos Bilíngüe Salomão Watnick

Menina de Barro – 1h37 – Bullying – Brasil * Sessão com Debate

A jovem Diana é uma garota habilidosa e especial. Na aurora de seus 12 anos de idade já carrega uma bagagem de conhecimento e talento que se mostra difícil de lidar: ela traz a estigmatizada e dadivosa marca de ser superdotada. Entre a solidão e a curiosidade, entre a agressividade e o carinho, Diana vai tecendo uma auto-crítica minuciosa ao passo que descobre a força do conhecimento e da amizade para liberar seus impulsos mais solidários. Ao mesmo tempo que busca “combater” o Bullying em sua escola, Diana precisará estar pronta para enfrentar seus problemas de família, seu coração e uma fúria típica daqueles que não se contentam com a apatia alheia. Demais para uma garotinha? Sinta-se convidado para descobrir de qual barro são feitas as guerreiras.

Tempo: 1h37

Classificação: 16 anos

Closed Caption

 

 

9h30 – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (CINEMA)

Príncipe da Encantaria – 11 minutos

As margens do Rio Negro a imaginação de Aninha cria asas enquanto Vó Esmeralda conta-lhe a estória de Benito, o boto cor de rosa.

 

A Natureza Agradece – 14 minutos

Bernardo vive em um pequeno rancho cheio de diversidade ambiental, um dia uma fábrica aparece colocando em risco toda a natureza.

A Câmera do João – 22 minutos

Uma faixa de luz passa por uma pequena perfuração, e se faz imagem. João descobriu que fotografias são heranças.

Tempo: 47 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption / Libras

 

11h00 – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (CINEMA)

Louise – 5 minutos

Durante brincadeira de futebol de rua entre quatro garotos a bola é chutada para longe e cai próximo a Louise e Bia. Juca corre para pegar a bola, percebe a habilidade das duas garotas para o futebol e as convida para brincar. Iago não aceita a participação delas mas Louise não quer ficar fora do jogo.

 

A Bicicleta do Vovô -22 minutos – Brasil

A Bicicleta do Vovô é um curta metragem para crianças e adultos que aborda a relação entre avô e neto. Em um lugar muito distante, O Reino do Sertão Pelejado, homensmorcegos capturam lendas através de televisores. Surgem, então, o Super Tigre e o Mestre Conselheiro para salvar o nosso planeta das forças malignas da Feiticeira Mabá. É contando essas histórias que vô Rui transforma a infância do neto Cauê em um universo de aventuras e fantasias, re-significando símbolos através de um olhar mais lúdico sobre as coisas da vida.

Tempo: 27 minutos

Classificação: Livre

Closed Caption / Libras

 

18h30 – Associação de Cegos do Rio Grande do Sul / ACERGS

Sessão com Audiodescrição

Eduardo Galeano Vagamundo – 1h12 – Brasil

Amigos e profissionais do mundo artístico contam suas lembranças do escritor e jornalista uruguaio Eduardo Hughes Galeano, que faleceu em 2015. A trajetória de Galeano, autor do livro “As Veias Abertas da América Latina”, foi fortemente marcada pelo seu desejo de conhecer o mundo sempre buscando estar em contato com as belezas da vida.

Tempo: 1h12

Classificação: Livre

Closed Caption/ Audiodescrição

 

19h – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (SALA MULTIMIDIA)

Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia – 1h58

Enfoca as ligações entre ladrões e policiais. Lúcio Flávio é um bandido famoso que empreende fugas e ações espetaculares. Seu bando é trazido por um detetive que acobertava suas ações, que acaba sendo denunciado por Lúcio numa reunião com a imprensa. É oferecido um passaporte para fugir do país e não denunciar o policial; entretanto ao saber que seu irmão foi morto, ele recusa. Ao voltar para sua cela, é executado à facadas.

Tempo: 1h58

Classificação: 16 anos

Closed Caption

 

 

 

14/12/2018 – Sexta-Feira

9h30 – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (CINEMA)

 

O Começo da Vida – 1h47 – Direito da Criança – Brasil

Um dos maiores avanços da neurociência é ter descoberto que os bebês são muito mais do que uma carga genética. O desenvolvimento de todos os seres humanos encontra-se na combinação da genética com a qualidade das relações que desenvolvemos e do ambiente em que estamos inseridos.

O Começo da Vida convida todo mundo a refletir como parte da sociedade: estamos cuidando bem dos primeiros anos de vida, que definem tanto o presente quanto o futuro da humanidade?

Tempo: 1h47

Classificação: Livre

Closed Caption

 

14h30  – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (SALA MULTIMIDIA)

Sociedade Etiquetada – 5 minutos – Direitos Humanos

Fernando, um homem gay, vive em uma sociedade que os rótulos sociais, que são dados a nos por outras pessoas, são vistos a olho nu, e ele tem que suportar o dia a dia dentro dessa sociedade cada dia mais cansado.

 

Tente Entender o Que Eu Tento Dizer – 1h25 – Direito a Saúde

Tente Entender é um documentário sobre a força do coletivo e da militância na transformação das pessoas e de uma realidade marcada pelas barreiras impostas pelo HIV. Um contraponto à desinformação, o filme mostra que a vida é rica em possibilidades ao acompanhar a vida de 6 personagens soropositivos das mais variadas classes sociais, profissões, orientações sexuais e religiosas em seu cotidiano.

Tempo: 1h30

Classificação: 12 anos

Closed Caption

 

 

16h30 – CINEMATECA CAPITOLIO PETROBRAS (SALA MULTIMIDIA)

Palestra / Oficina sobre Direitos Humanos destinado a Professores e Graduandos com apresentação do seguinte programa:

 

Narrativas de Um Crime – 15 minutos – Combate à Violência e LGBT

Constantin, um investigador da Polícia Civil e aspirante a escritor, está em busca de uma boa história. Paulo, um Policial Militar, acaba de voltar de um período de suspensão da corporação em que trabalha. Os diferentes pontos de vista de Constantin e Paulo colidem quando eles se cruzam numa cena de um crime: uma jovem drag queen foi brutalmente assassinada. O conflito entre eles desconstrói preconceitos e flerta com a tragédia, revelando uma dura realidade repleta de ironias, lágrimas e sangue.

 

Um Café e Quatro Segundos – 15 minutos – Memória e Verdade – Brasil

Dois torturadores se encontram para tomar um café depois de mais de trinta anos sem se verem, para acertarem contas daquela época.

 

Lacerda – O Corvo da Guanabara – 19 minutos – Memória e Verdade – Brasil

O filme reconstitui a trajetória de Carlos Lacerda, ex-governador da Guanabara e líder radical da UDN em formato cine-jornal, visando iluminar sua participação direta em conspirações e tentativas de golpe em momentos chave da história do Brasil.

Tempo: 49 minutos

Classificação: 16 anos

Closed Caption

 

19h – CINEMATECA CAPITÓLIO PETROBRAS (SALA MULTIMIDIA)

Rainha Diaba – 1h50

Lapa, Rio de Janeiro. Diaba (Mílton Gonçalves), um homossexual, comanda de um dos quartos de um bordel uma quadrilha responsável pelo controle de vários “pontos” de venda de droga. Sabendo que um dos seus homens de confiança está para ser preso, Diaba “fabrica” um novo marginal, para depois entregá-lo a polícia. Ela encarrega Catitu (Nélson Xavier), seu homem de confiança, de fazer isto. Catitu decide que o alvo.

Tempo: 1h50

Classificação: 18 anos

Closed Caption

 

 

Filmagens do longa-metragem Os Dragões ocorrem até 05 de outubro no interior do RS

OS DRAGÕES - frame Direção de Foto BRUNO POLIDORO - os dragões Paulo Reginatto_Jacó, Juliana Zardo_Zéqui, Lóren Maite_Dani, Larissa Tres_Isa e Raphael Scarton_Mike em seu galpã

Novo projeto de Gustavo Spolidoro (“Ainda Orangotangos”, 2007) traz o universo fantástico do escritor mineiro Murilo Rubião para a pequena cidade de Cotiporã/RS, mesmo cenário do seu longa “Morro do Céu” (2009).

 

O mais recente projeto do diretor Gustavo Spolidoro está sendo filmado no interior do RS, na cidade de Cotiporã. É o longa-metragem Os Dragões, uma adaptação da obra do escritor mineiro Murilo Rubião, em uma história com fogo, adolescentes e crises geracionais.

Os Dragões é um filme com, sobre e para adolescentes, estejam eles onde estiverem em cada um de nós”, diz o diretor, que desde 2015 tem voltado parte do seu trabalho para o universo infanto-juvenil, com as séries “Ernesto, o Exterminador de Seres Monstruosos”  (em exibição na TV Brasil desde maio de 2017), “A Velha História do Meu Amigo Novo” (aguardando grade na TV Brasil) e “Formigas” (aguardando grade na TVE/RS).

O filme tem roteiro de Gibran Dipp (“Ainda Orangotangos”) e Spolidoro, a partir dos contos “Os Dragões”, “O Pirotécnico Zacarias”, “A Cidade” e “Alfredo”. A história gira em torno de cinco adolescentes que, confrontados com o medo da vida adulta que se aproxima e o desafio de encenar uma peça de teatro, acabam somatizando isso em mudanças corpóreas que os levam a adquirir poderes como o fogo dos dragões. O Realismo Mágico de Rubião não trata o fantástico como um universo paralelo, mas sim como algo inserido e a ser aceito pelo real que cerca os personagens.

Os cinco Dragões do título são interpretados por Lóren Maite, Paulo Reginatto, Juliana Zardo, Larissa Tres e Raphael Scarton, que integram a Companhia de Teatro Arte in Cena da pequena Cotiporã, cidade na Serra Gaúcha de apenas quatro mil habitantes. Os mais de 20 atores do grupo e sua diretora, Adriana Titon Balotin, integram o elenco principal do projeto, que desde seu início conta com a ideia de utilizar o cast local. Além deles, mais de uma centena de moradores participaram das figurações.

Marcos Breda interpreta o Mestre de Cerimônias do Gran Circo Rubião. O ator gaúcho radicado no Rio é filho do cotiporanense Ciro e passou parte de sua infância na cidade. Spolidoro também tem raízes no município: sua avó, Ignez Varnier, hoje com 93 anos, é natural de Cotiporã.

Além de “Morro do Céu”, Cotiporã foi cenário dos longas “Os Famosos e os Duendes da Morte” (2009), de Esmir Filho, e “O Filme da Minha Vida” (2017), de Selton Mello. Isso porque a cidade, fundada por descendentes de italianos há mais de 140 anos, possui um casario histórico, paisagens impressionantes rodeadas pelo Rio das Antas, e “uma tranquilidade utópica para quem vive nos grandes centros”, destaca.

Os Dragões é uma produção da GusGus Cinema com Distribuição da Lança Filmes, Produção Executiva de Patrícia Goulart e Chico Deniz, Direção de Fotografia de Bruno Polidoro, Direção de Arte de Manuela Falcão, Som Direto de Gabriela Bervian e Marcelo Armani, Montagem de Bruno Carboni, efeitos especiais de set de Tiago Kremer (Muka), efeitos especiais de pós de Alexandre Linck e Assistência de Direção de Cassio Tolpolar. O projeto foi viabilizado pelo Edital PRODECINE 2016/02 da Ancine e fundo Setorial do Audiovisual.

As filmagens iniciaram em 04 de setembro e seguem até 05 de outubro em Cotiporã e Garibaldi. O dia a dia do filme, em vídeos, fotos e outros materiais pode ser acompanhado pelo Instagram @osdragoesofilme, projeto transmídia coordenado pela Distribuidora Lança Filmes, pelo roteirista Gibran Dipp e operacionalizado pela cineasta Jadhe Fucilini.

Convocatória para Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 encerra em 31 de julho

cartazcen2018

Inscrições ­podem ser feitas através do site do festival https://goo.gl/YBeu4S

Edição 2018 comemora 15 anos do evento

Porto Alegre, 17 de julho de 2018 – Encerram em 31 de julho as inscrições para as candidaturas na Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2018 – Arte Audiovisual Brasileira, que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre. A convocatória do CEN 2018 recebe inscrições a partir do site http://www.cineesquemanovo.org, onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição para trabalhos finalizados a partir de 01 de janeiro de 2017.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, etc) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros). O festival que, há quinze anos derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, promoverá programação gratuita e aberta ao público. “O Cine Esquema Novo 2018 busca, nesta convocatória, aprofundar seu mergulho na relação da imagem com o cinema e as artes visuais, colocando de forma efetiva trabalhos audiovisuais que circulam em salas de cinema ao lado de outros que circulam em exposições”, afirmam os curadores Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo.

A Competitiva Brasil do CEN 2018 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

A Arte desta edição é assinada pelo designer Gustavo Panichi, que se inspirou nos conceitos de liberdade, natureza, inovação, pluralidade, versatilidade e organicidade para chegar ao tema Vida Surreal – um mundo de formas da natureza que quando se encontram formam novos seres.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Cinemateca Capitolio e Goethe-Institut Porto Alegre e apoio Prime Box Brazil. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

Festival de Cinema Janela Itinerante ocorre em abril em três municípios do RS

Janela Itinerante_Cartaz

Projeto com financiamento Pró-Cultura e Governo do Estado do RS levará a Cidreira, Palmares do Sul e Capivari do Sul filmes e atividades formativas

 

A partir de 12 de abril as cidades de Cidreira, Palmares do Sul e Capivari do Sul receberão a primeira edição do Festival de Cinema Janela Itinerante, que promove programação gratuita para o público infantojuvenil. O projeto é um desdobramento do Festival Primeira Janela – Festival de Cinema Infantojuvenil, que acontece em Porto Alegre desde 2014.

O Janela Itinerante visa levar conteúdos audiovisuais até regiões que não possuem a facilidade de acesso ao universo do cinema, possibilitando crianças e adolescentes a experienciar, vivenciar e ser inserido no contexto do audiovisual. A programação conta com a projeção de filmes raramente exibidos em circuito comercial, visando despertar o interesse da nova geração pelo cinema e oportunizando pela primeira vez o acesso de muitas crianças e jovens a uma sessão de cinema.

O tema desta edição é o som no cinema, elemento de expressão importante na composição dos filmes e que pauta a seleção das obras exibidas, assim como as atividades promovidas pelo evento. Com programação dividida em três dias, o Janela Itinerante promove exibição de filmes, debates com realizadores, oficinas e workshops em escolas dos municípios que receberão o evento e encerra no terceiro dia com a exibição do longa-metragem “As Aventuras do Avião Vermelho”, que terá sua trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Villa-Lobos.

O primeiro dia de atividades conta com a exibição dos curtas-metragens “Vento” de Betânia Furtado, “Pierre e a mochila”, de Iuli Gerbase, e “Lipe, Vovô e o Monstro”, de Felipe Steffens e Carlos Mateus Souza, que foi realizado em conjunto com os alunos do segundo ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre. Após a exibição, integrantes da equipe realizadora de um dos filmes participam de bate-papo com o público.

No segundo dia de atividades os alunos de 13 a 18 anos participam do Workshop “O Som no Cinema”, ministrado por Caio Amon, onde os integrantes vão explorar o universo do som e da trilha sonora, investigando como são feitos alguns dos recursos mais utilizados no cinema. Para os pequenos, a oficina “Histórias Contadas – Efeitos Sonoros”, contempla crianças de 06 a 12 anos e trabalha a percepção sensível, construção e expressão do som através de vivências, exercícios, jogos e brincadeiras.

Encerrando a programação, no sábado, às 19h30, um cinema a céu aberto receberá a comunidade dos locais para assistir ao longa-metragem de Frederico Pinto e José Maia “As Aventuras do Avião Vermelho”, que terá trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Villa-Lobos que conta com 45 crianças e jovens de 10 a 24 anos.

Com o propósito de aprofundar o diálogo entre cinema e educação, encantar, divertir e despertar na criança e nos jovens a paixão pelo cinema, o Festival Janela Itinerante pensa o cinema e a educação, linguagens que se enriquecem mutuamente, como instrumento de transformação, formação, difusão, qualificação, reciclagem e criatividade. Para que esta formação siga ao longo do ano letivo, uma atividade especial para professores foi realizada no dia 29 de março, em Cidreira. O 1º Encontro Pensando Cinema e Educação com as cineastas, pesquisadoras e educadoras Gilka Vargas e Iara Noemi reuniu 200 professores. A utilização da tecnologia – tão presente na vida dos alunos –, respeitando as múltiplas linguagens da criança e do adolescente, constitui-se em um desafio. Entendendo o cinema como uma arte importante na formação e expressão do indivíduo, como uma forma de produzir conhecimento e como facilitador para trabalhar questões pertinentes às diferentes idades, as palestrantes apresentaram o cinema como mediador no processo de aprendizagem em sala de aula.

O Festival de Cinema Janela Itinerante ocorre em Cidreira entre os dias 12 a 14 de abril, Palmares do Sul de 19 a 21 e Capivari do Sul de 26 a 28, com todas as atividades com entrada franca, financiamento Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul e realização Mobb Moving Images e Ckooqo Entertainment. Informações no site www.janelaitinerante.com.br .

 

I FESTIVAL DE CINEMA JANELA ITINERANTE – DE 12 A 28 DE ABRIL

Cidreira – 12, 13 e 14 de abril

Palmares do Sul – 19, 20 e 21 de abril

Capivari do Sul – 26, 27 e 28 de abril

 

Programação

Exibição de curtas-metragens para as escolas.

Horário: período manhã (09h30 às 11h30) e período tarde (14h00 às 16h00)

Vento – direção Betânia Furtado – Animação – 13’ – Porto Alegre/RS

Sinopse: Uma garrafa com uma mensagem desperta em Gabriel, um garoto solitário, a vontade de aprender a ler e descobrir que o sonho pode estar mais perto do que se imagina.

 

Pierre e a Mochila – direção Iuli Gerbase – Ficção – 10’30” – Porto Alegre/RS

Sinopse: Pierre, um menino de 10 anos, muda-se para a casa de seu avô, após sua mãe ter o abandonado. No novo colégio, Ana, Elisa e Fauna, três meninas muito teimosas, irão ajudá-lo a ficar alegre enquanto eles preparam seu projeto para a aula de ciências: um musical sobre as invenções de Tomas Edison.

 

Lipe, Vovô e o Monstro – direção Felipe Steffens e Carlos Mateus Souza – Animação – 9’ – Porto Alegre/RS

Sinopse: Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade. Filme realizado em conjunto com os alunos do 2º ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre.

 

Oficina e Workshop para as escolas:

O Som no Cinema

Ministrante: Caio Amon

Faixa etária: 13 a 18 anos

Horário: período manhã (09h às 11h) e período tarde (14h às 16h)

Ementa: Nesta oficina iremos explorar o universo do desenho de som e da trilha sonora, investigando como são feitos alguns dos recursos mais utilizados no cinema. O objetivo é ampliar a escuta para os sons do cinema (e do mundo!), e ver o som como possibilidade de criação. A partir deste momento, os sons ao seu redor nunca mais serão os mesmos.

Histórias Contadas – Efeitos Sonoros

Ministrante: Teresa de Lucena e Naida Machado

Faixa etária: 06 a 12 anos

Horário: período manhã (09h às 12h) e período tarde (14h às 17h)

Ementa: A oficina contará uma história através do som e trabalhará com a percepção sensível, construção e expressão do som através de vivências, exercícios, jogos e brincadeiras. As fontes dos trabalhos propostos são a arte educação, a educação brincante, a educação biocêntrica e a percussão corporal.

Mostra Especial de Encerramento na Praça

Orquestra formada por 45 crianças e jovens tocando ao vivo a trilha sonora do filme “As aventuras do avião vermelho”, de Frederico Pinto e José Maia, simultaneamente com a projeção. A Orquestra Villa-Lobos é o resultado do trabalho de educação musical desenvolvido há 26 anos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Heitor Villa-Lobos e tem por objetivo proporcionar a crianças e jovens da Lomba do Pinheiro, periferia de Porto Alegre, o acesso ao conhecimento musical e a vivências artísticas e socializadoras, sendo um agente transformador na comunidade.

As Aventuras do Avião Vermelho  Direção Frederico Pinto e José Maia – Animação – 1h10m – Porto Alegre/RS – Ano 2014

Sinopse: O filme conta a história de Fernandinho, um menino de 8 anos, que perdeu a mãe há pouco tempo, tornando-se um garoto solitário, sem amigos e com problemas de relacionamento com o pai e na escola. Sem saber como lidar com a situação, o pai tenta conquistá-lo com presentes. Nada funciona até que ele dá para o filho um livro de sua infância. Encantado com a história, Fernandinho decide que precisa de um avião para salvar o Capitão Tormenta – aviador personagem do livro, que está preso no Kamchatka. A bordo do Avião Vermelho e junto com seus brinquedos favoritos, Ursinho e Chocolate, que ganham a vida com sua imaginação, Fernandinho visita lugares inusitados, como a Lua e o fundo do mar, e percorre diferentes territórios – África, China, Índia, Rússia. Ao longo dessa jornada, Fernandinho descobre o prazer da leitura, a importância de ter amigos e o amor do pai.

 

Ficha técnica

Financiamento: Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Realização: Mobb Moving Images e Ckooqo Entertainment

Direção Geral e Curadoria: Patrícia Monegatto

Produção Executiva: Letícia Góes Schaurich

Direção de Produção: Tatiana Sirtoli

Assistente de Produção: Nathália Severo

Comunicação e Entretenimento: Letícia Góes Schaurich e Rafael Franskowiak

Coordenação Técnica: Bruna Abubakir e Kadu Mirapalhete

Direção Musical: Everton Rodrigues

Regente Orquestra Villa-Lobos: Cecília Silveira

Músicos Convidados: Vanessa Costa (Trompa) e Felipe Schütz (Contrabaixo)

Técnico de Som: Tiago Becker

Coordenação Pedagógica: Gilka Vargas e Iara Noemi

Apresentador e Mágico: Sandro Dreher

Oficina: Teresa de Lucena e Naida Machado

Workshop: Caio Amon

Ilustração: Galvão Bertazzi

Design Gráfico e Website: Rafael Franskowiak

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Social Media: Okta Branding & Design

Vinheta: Bruna Abubakir e Max Laux

Locução Vinheta: Amanda de Sá Matos, Antônio de Almeida Bueno, Benício Schaurich Franskowiak, João Vitor de Sá Matos, Juan Ferronato Pinto, Matheus Severo, Miguel Franskowiak Bacaicoa da Silva e Nathália Severo.

Making Of: Fábio Canale

Concepção Troféu: Sandro Dreher

Produção Troféu: Brascril

Projeção, Iluminação e Sonorização: Impacto Vento Norte

Transporte: Motorhome Frajola

Blog no WordPress.com.

Acima ↑