Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Cine Esquema Novo

estadodeminas_29.06.19.jpg

Cine Esquema Novo 2019 na capa do caderno Arte & Agenda do Correio do Povo de hoje

correiodopovo_24.06.19.jpg

Convocatória para Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira encerra em 30 de junho

CARD-INCRICOES-ATE-3006site

 

Inscrições através do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97

 

Porto Alegre, 19 de junho de 2019 – Encerram no domingo, 30 de junho, as inscrições para a Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira, que ocorrerá de 21 a 27 de novembro em Porto Alegre. A convocatória do CEN 2019 recebe inscrições a partir do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97  onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, entre outros) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros) finalizados a partir de 30 de junho de 2018. A Competitiva Brasil do CEN 2019 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019 e até cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

Em 2019, o Cine Esquema Novo chega a sua 13ª edição renovando a sua proposta de exibir e debater o audiovisual brasileiro em suas mais diversas vertentes. O festival segue buscando construir um espaço de diálogo entre obras, público e realizadores, focando em experiências audiovisuais inovadoras, criativas, surpreendentes e experimentais que, não necessariamente, se encaixem na lógica de um festival de cinema. “Através desta convocatória, buscamos trabalhos audiovisuais, independentemente se foram criados para circular em salas de cinema, exposições ou para serem performados ao vivo. O CEN é um evento que privilegia todo o audiovisual, esteja ele onde estiver”, declaram Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo, organizadores do festival.

Criado em Porto Alegre em 2003, o CEN já realizou, além de mostras competitivas, diversas seleções com produções fundamentais dentro da história do cinema experimental, além de oficinas, debates e seminários, fomentando a formação de público de Arte Audiovisual,  estimulando a produção na área e construindo um espaço de referência, proporcionando um rico intercâmbio entre realizadores, público e instituições. “Mais do que uma janela de exibição tradicional, nossa maior realização é ver o CEN como um evento de formação de público e desenvolvimento de projetos e realizadores”, afirmam os criadores do festival.  Nestes 16 anos, foram inúmeras parcerias com outros festivais, eventos e instituições, como Festival de San Sebastián (Espanha), Cine Humberto Mauro (MG), Goethe-Institut Porto Alegre (correalizador já há algumas edições), Arsenal Institut (Alemanha), Semana dos Realizadores (RJ), Bienal do Mercosul (RS), Bafici (Argentina), Fuso Lisboa e Temp d’Images (Lisboa), entre outros.

Ao longo de nossas edições, o CEN já exibiu trabalhos de Jonathas de Andrade, Ruy Guerra, Alumbramento, Cao Guimarães, Kiko Goifman, Paulo Brusky, Harmony Korine, Cinthia Marcelle, Luiz Roque, Cristiano Lenhardt, Rivane Neuenschwander, Distruktur, Steve McQueen, Beto Brant, Lírio Ferreira, Andrea Tonacci, Rogério Sganzerla, Felipe Bragança, Kléber Mendonça Filho, Helena Ignez, Barbara Wagner e Benjamin de Burca, Claudio Assis, Ricardo Alves Jr., Marina Meliande, Tavinho Teixeira, entre outros artistas que já cruzaram as 12 edições em mostras competitivas e informativas.

A novidade deste ano é que o evento promoverá mais uma atividade na programação: além das exibições das obras, oficinas e debates, o CEN 2019 contará com uma Rodada de Negócios, que será divulgada futuramente.

Com financiamento do edital SAV/MINC/FSA nº 11, 2018, o Cine Esquema Novo 2019 é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem e conta  com correalização do Goethe-Institut Porto Alegre e apoio da Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura através da Coordenação de Cinema e Audiovisual/Cinemateca Capitólio Petrobras . Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cine_esquema_novo

Cine Esquema Novo 2019 na imprensa

correiodopovo_10.04.19

zh_10.04.19

Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira abre convocatória para a Competitiva Brasil

avatar_facebook2

 

 Inscrições estão abertas até 30 de junho, através do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97

 

 

Porto Alegre, 01 de abril de 2019 – Estão abertas as inscrições até 30 de junho para as candidaturas na Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira, que ocorrerá de 21 a 27 de novembro em Porto Alegre. A convocatória do CEN 2019 recebe inscrições a partir do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97  onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, etc) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros) finalizados a partir de 30 de junho de 2018.

Em 2019, o Cine Esquema Novo chega a sua 13ª edição renovando a sua proposta de exibir e debater o audiovisual brasileiro em suas mais diversas vertentes. O festival segue buscando construir um espaço de diálogo entre obras, público e realizadores, focando em experiências audiovisuais inovadoras, criativas, surpreendentes e experimentais que, não necessariamente, se encaixem na lógica de um festival de cinema. “Através desta convocatória, buscamos trabalhos audiovisuais, independentemente se foram criados para circular em salas de cinema, exposições ou para serem performados ao vivo. O CEN é um evento que privilegia todo o audiovisual, esteja ele onde estiver”, declaram Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo, organizadores do festival.

A Competitiva Brasil do CEN 2019 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019 e até cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

A novidade da programação deste ano é que o evento contará com outras atividades na programação: além das exibições das obras, oficinas e debates, o CEN 2019 contará com uma Rodada de Negócios, que será divulgada futuramente.

Este momento, que marca o pontapé inicial do festival deste ano, ocorre ao mesmo tempo em que foi divulgada uma notícia alarmante. Poucos dias após o Tribunal de Contas da União determinar à ANCINE a paralisação das atividades de investimento direto via Fundo Setorial do Audiovisual faz-se necessário destacar que os recursos financeiros que viabilizarão a realização do CEN 2019 são oriundos deste mecanismo. Os recursos do FSA também foram fundamentais para a realização de uma série de outros eventos de difusão e formação, bem como para a produção de centenas de longas-metragens que compõem a programação destes eventos. São milhões de Reais investidos em obras cinematográficas que chegam às telas das salas de cinema comerciais e canais de televisão juntamente com obras seriadas com alto grau de qualidade técnica e artística. A equipe do CEN, assim como toda a cadeia da indústria audiovisual brasileira (uma das poucas áreas da economia nacional que têm apresentado crescimento) e que envolve centenas de empresas e milhares de profissionais, está extremamente preocupada com o impacto que esta determinação do TCU gerará no mercado e na renda destes profissionais e lamenta a situação. “Esperamos que os investimentos pelo FSA sejam retomados o mais rápido possível para que não ocorram maiores perdas nos diferentes elos desta cadeia”, declaram.

Com financiamento do edital SAV/MINC/FSA nº 11, 2018, o Cine Esquema Novo 2019 é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cine_esquema_novo

Festival Cine Esquema Novo no Correio do Povo

correiodopovo_01.12.18.jpg

Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga vencedores da Mostra Competitiva Brasil

Marcela Ilha Bordin e Camila Leichter_crédito Thiéle Elissa

Júri elegeu os filmes A Casa, de Camila Leichter, e Princesa Morta do Jacuí, de Marcela Ilha Bordin como os vencedores do Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018

 

Porto Alegre, 28 de novembro de 2016 – Nesta quarta-feira, 28 de novembro, o Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulgou os ganhadores da Mostra Competitiva Brasil em cerimônia de premiação na Cinemateca Capitólio. O júri, composto pelo jornalista, crítico e programador Leo Bomfim, a atriz-bailarina e mestre em performance artística Renata de Lélis e  a artista e mestre em poéticas visuais Romy Pocztaruk, elegeu dois  filmes como os grandes vencedores da noite: A Casa, de Camila Leichter, e Princesa Morta do Jacuí, de Marcela Ilha Bordin, que receberam o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e dividiram o troféu criado pelo artista Luiz Roque, além de R$ 7 mil em locação de equipamentos na Locall Porto Alegre, apoiadora da premiação.

As 39 obras exibidas em sessões de cinema, videoinstalações e performance foram avaliadas pelos jurados, que tiveram a missão de criar livremente prêmios destaque além de indicar o Grande Prêmio do Cine Esquema Novo 2018, todos eles acompanhados de uma justificativa que explicita as razões da escolha. As produções selecionadas foram El Meraya, de Melissa Dullius e Gustavo Jahn, Azougue Nazaré, de Tiago Mello, B.U.N.I.T.A.S [ce], de Estela Lapponi, A Cidade dos Piratas, de Otto Guerra, Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes, além de Menção Honrosa para Tinta Bruta de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, Sem Título (5), de Maíra Flores e Luciano Scherer e Supercomplexo Metropolitano Expandido de Guerreiro do Divino Amor. O Júri classificou as categorias com nomes de pedras preciosas.

Como sempre trazendo mudanças e movimento, em 2018 o CEN apresentou novidades em seu time curatorial, que contou com dois sócios da ACENDI, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo, e também Vinicius Lopes, parceiro da Pátio Vazio.

Além da Mostra Competitiva Brasil, o festival contou com duas mostras especiais: Topographical Translations, de Philip Widmann, e Existir/Resistir do duo Strangloscope, além de atividades formativas, como o Seminário Pensar a Imagem, ministrado por Elaine Tedesco, James Zortea e Maria Henriqueta Creidy Satt, e as oficinas Crítica no Brasil Hoje, ministrada pelo jornalista e crítico Daniel Feix e Câmera Causa, ministrada pelo sócio da ACENDI e  realizador Gustavo Spolidoro e a  realizadora Jadhe Fucilini.

O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura e Cinemateca Capitólio Petrobras e Goethe-Institut Porto Alegre, apoio institucional TECNA PUCRS, apoio de premiação da Locall e apoio Prime Box Brazil, Unisinos FM, Grupo RBS, Studio Leo Zamper, rogerlerina.com.br, Fantaspoa, Restaurante Suprem, Bárbaros Cervejas Especiais e  Ocupação Utopia e Luta. Para informações sobre o evento e programação, acesse: www.cineesquemanovo.org

 

Saiba Mais

Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 – Diamante

“De uma sensibilidade ímpar, ‘A Casa’ nos transporta para um tempo onde a memória é um artefato para construção da identidade feminina. Enigmático, sutil e intenso”.

A CASA, Camila Leichter

“Princesa morta do Jacui’, ficção cientifica B nos confins do progresso no Rio Grande do Sul, onde a crença nas possibilidades fabulares cria uma narrativa delirante”.

PRINCESA MORTA DO JACUÍ, Marcela Ilha Bordin

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2018 – vencedores

Prêmio Rubi

“Destaque para o trabalho colaborativo entre os diretores e o grupo de Bagaceira de teatro que rendeu ótimas atuações, “Inferninho” é um filme plástico. A imagem milimetricamente construída, junto à densidade onírica do cenário e personagens, transforma a obra em uma experiência estética e sonora que merece atenção”.

INFERNINHO, Guto Parente e Pedro Diógenes

 

Prêmio Pirita

“A Cidade dos Piratas’, organização narrativa que instiga um mosaico sobre a sexualidade masculina em seus medos e desejos, promovendo uma antologia de muitos períodos e humores da obra de Laerte, em um trabalho radical de montagem que traduz para o cinema a linguagem fragmentada e subversiva das tirinhas em quadrinhos”.

A CIDADE DOS PIRATAS, Otto Guerra

 

Prêmio Ametista

“Com caráter surrealista onde a boca se converte na própria vulva, “B.U.N.I.T.A.S” reconstrói o mito da “vagina dentada” desejada e assustadoramente perigosa. O filme conduz a necessidade pungente de conhecer e reconhecer a beleza assimétrica da genitália feminina, seus mistérios e prazeres. Um filme necessário, impactante e sensual”.

B.U.N.I.T.A.S, Estela Lapponi

 

Prêmio Turmalina Negra

“Apresenta personagens construídos com características multidimensionais, dando a ver desde a fragilidade humana às forças ancestrais que se manifestam no Maracatu, no ciúme, no gozo, no futebol, na fé. Pelo equilíbrio complexo muito bem orquestrado entre atores e não atores”.

AZOUGUE NAZARÉ, Tiago Melo

 

Prêmio Calcita

“Thriller místico sob o signo de mil e uma noites. Um prisma de possibilidades narrativas, “El Meraya” é um enigma underground.”

EL MERAYA, Melissa Dullius e Gustavo Jahn

 

Menção Honrosa do Júri

“Pelas abordagens políticas contundentes”

TINTA BRUTA, Marcio Reolon e Filipe Matzembacher

SEM TÍTULO (5), Maíra Flores e Luciano Scherer

SUPERCOMPLEXO EXPANDIDO METROPOLITANO, Guerreiro do Divino Amor

Prêmios em serviços

Locall

– R$ 7.000,00 (cinco mil reais) em aluguel de equipamentos a serem resgatados na filial Porto Alegre

Júri

LEO BOMFIM: Jornalista carioca radicado em Porto Alegre, é programador da Cinemateca Capitólio Petrobras desde 2015 e da Sala P. F. Gastal desde 2013. É editor do site Freakium e do fanzine de crítica de cinema Zinematógrafo. Codiretor do documentário Nas paredes da pedra encantada (2011), sobre o disco Paêbirú, de Lula Côrtes e Zamalho. Compositor e guitarrista na banda do cantor psicodélico gaúcho Plato Divorak.

RENATA DE LÉLIS: Atriz-bailarina, pesquisadora e professora, mestre em Performance Artística-Dança na FMH-Lisboa. Atua como atriz de teatro e audiovisual desde 2005, tendo recebido cinco prêmios em festivais ao longo de sua carreira. É membro do COLETIVO HABITANTES, coletivo interdisciplinar que pesquisa corpo e tecnologia desde 2015. Com o videoarte Onda, produzido pelo coletivo, participou do FILE – SP, em 2016 e 2017 e no Live Cinema Festival, Itália, em 2016. Em 2018 o coletivo participa do Kino Beat com a videoinstalação Beej.

ROMY POCZTARUK: mestre em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Seu trabalho lida com simulações e com a posição a partir da qual o artista interage com diferentes lugares, e com as relações possíveis a partir do cruzamento de diferentes campos e disciplinas (como ciência e comunicação) com o campo da arte, gerando resultados poéticos em diferentes meios e suportes. Realizou exposições individuais no CDF Centro de Fotografia de Montevideo (2016), Centro Cultural São Paulo (2015), SIM Galeria (2014), Galeria Gestual (2014) e Instituto Goethe POA (2013).

 

Números do CEN 2018

10 filmes premiados

3 mostras

39 filmes selecionados para Competitiva Brasil

13 projetos dirigidos por grupos

13 realizadoras

36 realizadores

9 produções assinadas por brasileiros no exterior

34 filmes em exibição na Cinemateca Capitólio

2 sessões com acessiblidade

1 filme no espaço expositivo do Capitólio

4 filmes na galeria do Goethe-Institut

2 performances

2 seminários

Mais de 30h programação em sala de cinema, galerias, ruas e paredes da cidade;

22 sessões em sala de cinema

2 oficinas

 

Quem fez o CEN 2018:

 Curadoria Mostra Competitiva Brasil: Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinícius Lopes

Curadoria Mostra Topographical Translations: Philip Widmann

Curadoria Mostra Strangloscope: Cláudia Cárdenas & Rafael Schilchting

Curso “Crítica no Brasil Hoje”: Daniel Feix

Curso “Câmera Causa”: Gustavo Spolidoro e Jadhe Fucilini

Seminário “Pensar a Imagem”: Elaine Tedesco, James Zortéa, Queta Satt

Júri Mostra Competitiva Brasil: Leonardo Bom Fim, Renata de Lélis, Romy Pocztaruk

Equipe de Produção: Jaqueline Beltrame (coordenação), Arthur Ferraz, Kamyla Claudino Belli, Marco Mafra e Tulia Radaelli

Equipe de Programação: Ramiro Azevedo (coordenação), Isabel Cardoso

Equipe de comunicação: Bruna Paulin (coordenação), Bruna Paulin e Lucas Thompson (assessoria de imprensa) e Juliana Palma (reportagem e redes sociais)

Site: Pomo Studio (Gabriella Tachini e Fred Messias)

Fotografia: Thiéle Elissa

Arte – concepção & design: Gustavo Panichi

Vinheta: Kamyla Claudino Belli

Rádio Oficial CEN 2018: Unisinos FM

Minuto CEN: Equipe TECNA PUCRS

Consultoria Jurídica: Adv. Patrícia Goulart

Ponto de Encontro Oficial CEN 2018: Kaza Zamper

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, encerra o Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018

THEDEADANDTHEOTHERS_JOAOSALAVIZARENEENADERMESSORA_PHOTO2

Festival divulga vencedores da Mostra Competitiva Brasil na quarta, 28 de novembro

 

Porto Alegre, 26 de novembro de 2018 – Na próxima quinta-feira, 28 de novembro, às 18h, o Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 chega ao fim de mais uma edição, com a exibição do longa-metragem de Renée Nader Messora e João Salaviza, Chuva é cantoria na aldeia dos mortos, seguida de cerimônia de premiação da Mostra Competitiva Brasil, na Cinemateca Capitólio Petrobras, com entrada franca.

Vencedor do Prêmio do Júri da seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes e Prêmios de Melhor Fotografia no Festival do Rio de 2018, Ihjãc é um jovem do povo Krahô, aldeia indígena localizada em Pedra Branca, no interior do Brasil. Depois de ser surpreendido pela visita do espírito de seu falecido pai, ele se sente na obrigação de organizar uma festa de fim de luto, comemoração tradicional da comunidade. O filme contou com os membros da comunidade de 3.500 no interior do Tocantins, interpretando eles mesmos e falando em seu próprio idioma.  Chuva é cantoria na aldeia dos mortos foi filmado durante nove meses.

Logo a seguir, na premiação do CEN 2018, as 39 obras da Mostra Competitiva Brasil concorrem ao Grande Prêmio Cine Esquema Novo. A comissão julgadora é formada pelo jornalista e programador Leonardo Bom Fim, a artista e mestre em Poéticas Visuais, Romy Pocztaruk e atriz-bailarina, pesquisadora e professora, mestre em Performance Artística Renata de Lélis

O vencedor do Grande Prêmio Cine Esquema Novo recebe o troféu, confeccionado pelo artista Luiz Roque, e levará para casa R$ 7 mil em locação de equipamentos da Locall. O júri também elegerá até cinco prêmios de escolha livre.

A cerimônia também premiará o espectador mais assíduo desta edição, uma homenagem ao filósofo e historiador Décio Andriotti, referência na pesquisa da história da música erudita no Rio Grande do Sul, e uma figura constante na programação do Cine Esquema Novo, com o Prêmio Cadeira Cativa. Falecido em abril deste ano, Décio era presente e muito assíduo, acompanhava toda a programação do festival desde seu início. Estava sempre com seu caderno fazendo anotações sobre os filmes, participava dos debates e interagia sempre que possível com os realizadores. O participante mais assíduo e que publicar a maior cobertura em suas redes sociais, receberá um presente do Studio Leo Zamper.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorre na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura e Cinemateca Capitólio Petrobras e Goethe-Institut Porto Alegre, apoio institucional TECNA PUCRS, apoio de premiação da Locall e apoio Prime Box Brazil, Unisinos FM, Grupo RBS, Studio Leo Zamper, rogerlerina.com.br e Ocupação Utopia e Luta. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

 

Saiba Mais

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, 2018, 114min

Classificação Indicativa 10 anos

Elenco: Henrique Ihjãc Krahô e Raene Kotô Krahô

Não há espíritos ou serpentes nesta noite e a floresta que envolve a aldeia está tranquila. Ihjãc é um jovem indígena krahô, do norte do Brasil, e tem pesadelos desde que perdeu o pai. É hora de organizar a cerimônia funerária para o espírito poder partir para a aldeia dos mortos. O luto deve cessar. Negando seu dever e querendo escapar de um processo de se tornar um xamã, Ihjãc foge para a cidade. Longe de seu povo e de sua cultura, ele enfrenta a realidade de ser indígena no Brasil contemporâneo.

Vencedor do Prêmio do Júri da seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, Prêmio de Fotografia e Direção no festival do Rio 2018

Direção e Roteiro: Renée Nader Messora e João Salaviza

Produção: Entrefilmes, Karõ Filmes, Material Bruto

Produtores: Ricardo Alves Jr, Thiago Macêdo Correia, João Salaviza, Renée Nader Messora

Fotografia: Renée Nader Messora

Montagem: João Salaviza, Renée Nader Messora, Edgar Feldman

Elenco: Henrique Ihjãc Krahô e Raene Kotô Krahô

Distribuição no Brasil: Embauba

 

Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018

Prêmio:

Locall

– R$ 7.000,00 (sete mil reais) em aluguel de equipamentos

Jurados

Leo BomFim – Jornalista carioca radicado em Porto Alegre, é programador da Cinemateca Capitólio Petrobras (desde 2015) e da Sala P. F. Gastal (desde 2013).  Editor do siteFreakium (2004-2007) e do fanzine de crítica de cinema Zinematógrafo. Codiretor do documentário Nas paredes da pedra encantada (2011) sobre o disco Paêbirú, de Lula Côrtes & Zé Ramalho. Compositor e guitarrista na banda do cantor psicodélico gaúcho Plato Divorak.

Renata de Lélis – atriz-bailarina, pesquisadora e professora, mestra em Performance Artística – Dança na FMH-Lisboa. Atua como atriz de teatro e audiovisual desde 2005, tendo recebido cinco prêmios em festivais ao longo de sua carreira. É membro do COLETIVO HABITANTES, coletivo interdisciplinar que pesquisa corpo e tecnologia desde 2015. Com o videoarte “Onda”, produzido pelo coletivo, participou do FILE – SP, em 2016 e 2017 e no Live Cinema Festival, Itália, em 2016. Em 2018 o coletivo participa do Kino Beat com a video-instalação “Beej”.

Romy Pocztaruk – mestre em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Seu trabalho lida com simulações e com a posição a partir da qual o artista interage com diferentes lugares, e com as relações possíveis a partir do cruzamento de diferentes campos e disciplinas (como ciência e comunicação) com o campo da arte, gerando resultados poéticos em diferentes meios e suportes. Realizou exposições individuais no CDF Centro de Fotografia de Montevideo (2016), Centro Cultural São Paulo (2015), SIM Galeria (2014), Galeria Gestual (2014) e Instituto Goethe POA (2013). Entre as principais mostras coletivas das quais participou estão: 11ª Bienal do Mercosul (2018), Porto Alegre; Panorama da arte brasileira (2017), MAM, São Paulo; Uma coleção particular (2015). Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil; 31ª Bienal de São Paulo (2014), BRICS (2014), Oi futuro flamengo, Rio de Janeiro, Brasil; Convite à Viagem – Rumos Artes Visuais (2011-13), Itaú Cultural, São Paulo/Rio de Janeiro/Goiânia, Brasil; 9ª Bienal do Mercosul (2013), Porto Alegre

Também realizou residências no Bronx Museum (Nova York), pela Bolsa Iberê Camargo de residências artísticas; China (Sunhoo Creatives in Residency), Berlim (Takt Kunstprojektraum) e Instituto Sacatar na Bahia

 

Encerramento Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018

Quarta-feira, 28 de novembro

18h – Exibição de Chuva é cantoria na aldeia dos mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza

20h – Cerimônia de Premiação mostra Competitiva Brasil

Cinemateca Capitólio – Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – Centro Histórico

Entrada Franca

Cine Esquema Novo 2018 em Zero Hora

zh_15.11.18.jpg

Blog no WordPress.com.

Acima ↑