Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Arte Audiovisual Brasileira

Convocatória para Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira encerra em 30 de junho

CARD-INCRICOES-ATE-3006site

 

Inscrições através do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97

 

Porto Alegre, 19 de junho de 2019 – Encerram no domingo, 30 de junho, as inscrições para a Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2019 – Arte Audiovisual Brasileira, que ocorrerá de 21 a 27 de novembro em Porto Alegre. A convocatória do CEN 2019 recebe inscrições a partir do link https://forms.gle/pFD4nWZukLxyNbu97  onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, entre outros) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros) finalizados a partir de 30 de junho de 2018. A Competitiva Brasil do CEN 2019 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2019 e até cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

Em 2019, o Cine Esquema Novo chega a sua 13ª edição renovando a sua proposta de exibir e debater o audiovisual brasileiro em suas mais diversas vertentes. O festival segue buscando construir um espaço de diálogo entre obras, público e realizadores, focando em experiências audiovisuais inovadoras, criativas, surpreendentes e experimentais que, não necessariamente, se encaixem na lógica de um festival de cinema. “Através desta convocatória, buscamos trabalhos audiovisuais, independentemente se foram criados para circular em salas de cinema, exposições ou para serem performados ao vivo. O CEN é um evento que privilegia todo o audiovisual, esteja ele onde estiver”, declaram Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo, organizadores do festival.

Criado em Porto Alegre em 2003, o CEN já realizou, além de mostras competitivas, diversas seleções com produções fundamentais dentro da história do cinema experimental, além de oficinas, debates e seminários, fomentando a formação de público de Arte Audiovisual,  estimulando a produção na área e construindo um espaço de referência, proporcionando um rico intercâmbio entre realizadores, público e instituições. “Mais do que uma janela de exibição tradicional, nossa maior realização é ver o CEN como um evento de formação de público e desenvolvimento de projetos e realizadores”, afirmam os criadores do festival.  Nestes 16 anos, foram inúmeras parcerias com outros festivais, eventos e instituições, como Festival de San Sebastián (Espanha), Cine Humberto Mauro (MG), Goethe-Institut Porto Alegre (correalizador já há algumas edições), Arsenal Institut (Alemanha), Semana dos Realizadores (RJ), Bienal do Mercosul (RS), Bafici (Argentina), Fuso Lisboa e Temp d’Images (Lisboa), entre outros.

Ao longo de nossas edições, o CEN já exibiu trabalhos de Jonathas de Andrade, Ruy Guerra, Alumbramento, Cao Guimarães, Kiko Goifman, Paulo Brusky, Harmony Korine, Cinthia Marcelle, Luiz Roque, Cristiano Lenhardt, Rivane Neuenschwander, Distruktur, Steve McQueen, Beto Brant, Lírio Ferreira, Andrea Tonacci, Rogério Sganzerla, Felipe Bragança, Kléber Mendonça Filho, Helena Ignez, Barbara Wagner e Benjamin de Burca, Claudio Assis, Ricardo Alves Jr., Marina Meliande, Tavinho Teixeira, entre outros artistas que já cruzaram as 12 edições em mostras competitivas e informativas.

A novidade deste ano é que o evento promoverá mais uma atividade na programação: além das exibições das obras, oficinas e debates, o CEN 2019 contará com uma Rodada de Negócios, que será divulgada futuramente.

Com financiamento do edital SAV/MINC/FSA nº 11, 2018, o Cine Esquema Novo 2019 é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem e conta  com correalização do Goethe-Institut Porto Alegre e apoio da Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura através da Coordenação de Cinema e Audiovisual/Cinemateca Capitólio Petrobras . Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cine_esquema_novo

Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga vencedores da Mostra Competitiva Brasil

Marcela Ilha Bordin e Camila Leichter_crédito Thiéle Elissa

Júri elegeu os filmes A Casa, de Camila Leichter, e Princesa Morta do Jacuí, de Marcela Ilha Bordin como os vencedores do Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018

 

Porto Alegre, 28 de novembro de 2016 – Nesta quarta-feira, 28 de novembro, o Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulgou os ganhadores da Mostra Competitiva Brasil em cerimônia de premiação na Cinemateca Capitólio. O júri, composto pelo jornalista, crítico e programador Leo Bomfim, a atriz-bailarina e mestre em performance artística Renata de Lélis e  a artista e mestre em poéticas visuais Romy Pocztaruk, elegeu dois  filmes como os grandes vencedores da noite: A Casa, de Camila Leichter, e Princesa Morta do Jacuí, de Marcela Ilha Bordin, que receberam o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e dividiram o troféu criado pelo artista Luiz Roque, além de R$ 7 mil em locação de equipamentos na Locall Porto Alegre, apoiadora da premiação.

As 39 obras exibidas em sessões de cinema, videoinstalações e performance foram avaliadas pelos jurados, que tiveram a missão de criar livremente prêmios destaque além de indicar o Grande Prêmio do Cine Esquema Novo 2018, todos eles acompanhados de uma justificativa que explicita as razões da escolha. As produções selecionadas foram El Meraya, de Melissa Dullius e Gustavo Jahn, Azougue Nazaré, de Tiago Mello, B.U.N.I.T.A.S [ce], de Estela Lapponi, A Cidade dos Piratas, de Otto Guerra, Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes, além de Menção Honrosa para Tinta Bruta de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, Sem Título (5), de Maíra Flores e Luciano Scherer e Supercomplexo Metropolitano Expandido de Guerreiro do Divino Amor. O Júri classificou as categorias com nomes de pedras preciosas.

Como sempre trazendo mudanças e movimento, em 2018 o CEN apresentou novidades em seu time curatorial, que contou com dois sócios da ACENDI, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo, e também Vinicius Lopes, parceiro da Pátio Vazio.

Além da Mostra Competitiva Brasil, o festival contou com duas mostras especiais: Topographical Translations, de Philip Widmann, e Existir/Resistir do duo Strangloscope, além de atividades formativas, como o Seminário Pensar a Imagem, ministrado por Elaine Tedesco, James Zortea e Maria Henriqueta Creidy Satt, e as oficinas Crítica no Brasil Hoje, ministrada pelo jornalista e crítico Daniel Feix e Câmera Causa, ministrada pelo sócio da ACENDI e  realizador Gustavo Spolidoro e a  realizadora Jadhe Fucilini.

O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura e Cinemateca Capitólio Petrobras e Goethe-Institut Porto Alegre, apoio institucional TECNA PUCRS, apoio de premiação da Locall e apoio Prime Box Brazil, Unisinos FM, Grupo RBS, Studio Leo Zamper, rogerlerina.com.br, Fantaspoa, Restaurante Suprem, Bárbaros Cervejas Especiais e  Ocupação Utopia e Luta. Para informações sobre o evento e programação, acesse: www.cineesquemanovo.org

 

Saiba Mais

Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 – Diamante

“De uma sensibilidade ímpar, ‘A Casa’ nos transporta para um tempo onde a memória é um artefato para construção da identidade feminina. Enigmático, sutil e intenso”.

A CASA, Camila Leichter

“Princesa morta do Jacui’, ficção cientifica B nos confins do progresso no Rio Grande do Sul, onde a crença nas possibilidades fabulares cria uma narrativa delirante”.

PRINCESA MORTA DO JACUÍ, Marcela Ilha Bordin

 

Prêmio Destaque Cine Esquema Novo 2018 – vencedores

Prêmio Rubi

“Destaque para o trabalho colaborativo entre os diretores e o grupo de Bagaceira de teatro que rendeu ótimas atuações, “Inferninho” é um filme plástico. A imagem milimetricamente construída, junto à densidade onírica do cenário e personagens, transforma a obra em uma experiência estética e sonora que merece atenção”.

INFERNINHO, Guto Parente e Pedro Diógenes

 

Prêmio Pirita

“A Cidade dos Piratas’, organização narrativa que instiga um mosaico sobre a sexualidade masculina em seus medos e desejos, promovendo uma antologia de muitos períodos e humores da obra de Laerte, em um trabalho radical de montagem que traduz para o cinema a linguagem fragmentada e subversiva das tirinhas em quadrinhos”.

A CIDADE DOS PIRATAS, Otto Guerra

 

Prêmio Ametista

“Com caráter surrealista onde a boca se converte na própria vulva, “B.U.N.I.T.A.S” reconstrói o mito da “vagina dentada” desejada e assustadoramente perigosa. O filme conduz a necessidade pungente de conhecer e reconhecer a beleza assimétrica da genitália feminina, seus mistérios e prazeres. Um filme necessário, impactante e sensual”.

B.U.N.I.T.A.S, Estela Lapponi

 

Prêmio Turmalina Negra

“Apresenta personagens construídos com características multidimensionais, dando a ver desde a fragilidade humana às forças ancestrais que se manifestam no Maracatu, no ciúme, no gozo, no futebol, na fé. Pelo equilíbrio complexo muito bem orquestrado entre atores e não atores”.

AZOUGUE NAZARÉ, Tiago Melo

 

Prêmio Calcita

“Thriller místico sob o signo de mil e uma noites. Um prisma de possibilidades narrativas, “El Meraya” é um enigma underground.”

EL MERAYA, Melissa Dullius e Gustavo Jahn

 

Menção Honrosa do Júri

“Pelas abordagens políticas contundentes”

TINTA BRUTA, Marcio Reolon e Filipe Matzembacher

SEM TÍTULO (5), Maíra Flores e Luciano Scherer

SUPERCOMPLEXO EXPANDIDO METROPOLITANO, Guerreiro do Divino Amor

Prêmios em serviços

Locall

– R$ 7.000,00 (cinco mil reais) em aluguel de equipamentos a serem resgatados na filial Porto Alegre

Júri

LEO BOMFIM: Jornalista carioca radicado em Porto Alegre, é programador da Cinemateca Capitólio Petrobras desde 2015 e da Sala P. F. Gastal desde 2013. É editor do site Freakium e do fanzine de crítica de cinema Zinematógrafo. Codiretor do documentário Nas paredes da pedra encantada (2011), sobre o disco Paêbirú, de Lula Côrtes e Zamalho. Compositor e guitarrista na banda do cantor psicodélico gaúcho Plato Divorak.

RENATA DE LÉLIS: Atriz-bailarina, pesquisadora e professora, mestre em Performance Artística-Dança na FMH-Lisboa. Atua como atriz de teatro e audiovisual desde 2005, tendo recebido cinco prêmios em festivais ao longo de sua carreira. É membro do COLETIVO HABITANTES, coletivo interdisciplinar que pesquisa corpo e tecnologia desde 2015. Com o videoarte Onda, produzido pelo coletivo, participou do FILE – SP, em 2016 e 2017 e no Live Cinema Festival, Itália, em 2016. Em 2018 o coletivo participa do Kino Beat com a videoinstalação Beej.

ROMY POCZTARUK: mestre em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Seu trabalho lida com simulações e com a posição a partir da qual o artista interage com diferentes lugares, e com as relações possíveis a partir do cruzamento de diferentes campos e disciplinas (como ciência e comunicação) com o campo da arte, gerando resultados poéticos em diferentes meios e suportes. Realizou exposições individuais no CDF Centro de Fotografia de Montevideo (2016), Centro Cultural São Paulo (2015), SIM Galeria (2014), Galeria Gestual (2014) e Instituto Goethe POA (2013).

 

Números do CEN 2018

10 filmes premiados

3 mostras

39 filmes selecionados para Competitiva Brasil

13 projetos dirigidos por grupos

13 realizadoras

36 realizadores

9 produções assinadas por brasileiros no exterior

34 filmes em exibição na Cinemateca Capitólio

2 sessões com acessiblidade

1 filme no espaço expositivo do Capitólio

4 filmes na galeria do Goethe-Institut

2 performances

2 seminários

Mais de 30h programação em sala de cinema, galerias, ruas e paredes da cidade;

22 sessões em sala de cinema

2 oficinas

 

Quem fez o CEN 2018:

 Curadoria Mostra Competitiva Brasil: Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinícius Lopes

Curadoria Mostra Topographical Translations: Philip Widmann

Curadoria Mostra Strangloscope: Cláudia Cárdenas & Rafael Schilchting

Curso “Crítica no Brasil Hoje”: Daniel Feix

Curso “Câmera Causa”: Gustavo Spolidoro e Jadhe Fucilini

Seminário “Pensar a Imagem”: Elaine Tedesco, James Zortéa, Queta Satt

Júri Mostra Competitiva Brasil: Leonardo Bom Fim, Renata de Lélis, Romy Pocztaruk

Equipe de Produção: Jaqueline Beltrame (coordenação), Arthur Ferraz, Kamyla Claudino Belli, Marco Mafra e Tulia Radaelli

Equipe de Programação: Ramiro Azevedo (coordenação), Isabel Cardoso

Equipe de comunicação: Bruna Paulin (coordenação), Bruna Paulin e Lucas Thompson (assessoria de imprensa) e Juliana Palma (reportagem e redes sociais)

Site: Pomo Studio (Gabriella Tachini e Fred Messias)

Fotografia: Thiéle Elissa

Arte – concepção & design: Gustavo Panichi

Vinheta: Kamyla Claudino Belli

Rádio Oficial CEN 2018: Unisinos FM

Minuto CEN: Equipe TECNA PUCRS

Consultoria Jurídica: Adv. Patrícia Goulart

Ponto de Encontro Oficial CEN 2018: Kaza Zamper

Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre

POSTERCEN2018

Três Mostras, oficinas e seminários integram programação que ocorre na Cinemateca Capitólio, Goethe-Institut Porto Alegre e Ocupação Utopia e Luta

Porto Alegre, 12 de novembro de 2018 – O Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 ocorre entre os dias 22 e 28 de novembro, com atividades gratuitas na Cinemateca Capitólio Petrobras, Goethe-Institut Porto Alegre e Ocupação Utopia e Luta. São três mostras, duas oficinas e dois seminários que integram a programação do evento, que em 2018 completa 15 anos de existência e chega a sua 12ª edição.

A programação do Cine Esquema Novo inicia em grande estilo, com uma sessão de abertura especial: no dia 22 de novembro às 20h na Cinemateca Capitólio o público poderá conferir o show do trio instrumental Reverba TrioPor um Punhado de Trilhas, onde o grupo executa versões de grandes clássicos do cinema, como O Poderoso ChefãoTubarãoAmarcord, Blade Runner,  A Primeira Noite de um Homem e ET, o extraterrestre. Os arranjos compostos tradicionalmente para grandes orquestras foram convertidos para o formato power trio formado pelo guitarrista Julio Cascaes, o baixista Régis Sam e o baterista Gustavo Telles. Por um Punhado de Trilhas contará com projeções e imagens selecionadas por Carolina Grimm.

Após a apresentação, a Mostra Competitiva Brasil abre sua programação às 21h com a exibição de A Cidade dos Piratas, de Otto Guerra. A Mostra Competitiva Brasil apresenta 39 obras – 35 exibidas na Cinemateca Capitólio e quatro videoinstalações expostas no Goethe Institut, corealizadores do CEN 2018. seleção conta com 13 projetos dirigidos por grupos, 13 realizadoras e 36 realizadores.

Serão 35 obras exibidas na Cinemateca Capitólio e quatro videoinstalações que serão expostas no Goethe-Institut Porto Alegre, co-realizadores do CEN 2018. A seleção conta com 13 projetos dirigidos por grupos, 13 realizadoras e 36 realizadores. Temáticas como feminismo, empoderamento da negritude, política atual, colonialismo, questões indígenas, pertencimento, religião, queer, entre outras, pautam os títulos selecionados de onze Estados brasileiros e nove produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

“Neste amplo panorama da recente produção autoral e independente do país, fica bastante claro que será uma edição extremamente posicionada e política”, afirmam os curadores que assinam a seleção, Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinicius Lopes.  A lista integra títulos como “Sol Alegria”, de Tavinho Teixeira e sua filha Mariah Teixeira, uma ficção científica lo-fi, onde uma família nada tradicional corre por um país dominado por uma junta militar e pastores corruptos; “Supercomplexo Metropolitano Expandido”, de Guerreiro do Divino Amor, que investiga como forças ocultas e ficções de diferentes naturezas, sejam elas geográficas, sociais, midiáticas, políticas ou religiosas, interferem na construção do território e do imaginário coletivo a ideia de cidade-máquina em São Paulo; e “Azougue Nazaré” de Tiago Melo, eleito o melhor filme da mostra Bright Future da 47ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdã,  que incorpora elementos sobrenaturais em um retrato quase antropológico de uma pequena comunidade canavieira, dividida entre o Maracatu e o evangelismo.

Destaque também para “Majur”, documentário de Rafael Irineu Alves Lacerda que mostra um ano na  vida de Majur, chefe de comunicação de uma aldeia no interior do Mato Grosso; “O Peixe”, curta-metragem documental experimental que retrata uma vila de pescadores que tem o ritual de abraçar os peixes ao pesca-los; além de “Terremoto Santo” de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, um curta musical com jovens cantores da cena da música evangélica da cidade de Palmares em Pernambuco, explorando com poesia e uma direção de fotografia muito autêntica a cultura evangélica do país.

O festival que, há quinze anos e onze edições derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, apresentará a performance “Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada”, de Marcelo Birck. Realizada em tempo real, exibe animações feitas à mão em super-8, antigas lâminas de lanterna mágica, e slides encontrados com som gerado a partir de um processo similar à montagem do cinema, transposto para outro material: vinis cortados a laser e recolados.

Entre os realizadores gaúchos, destacam-se “Tinta Bruta”, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, premiado como Melhor Longa Metragem no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim e “Música para quando as luzes se apagam” de Ismael Canepppelle.

O público poderá conferir três filmes com sessões acessíveis na Cinemateca Capitólio Petrobras: no dia 23 de novembro, às 17h, será exibido o longa A Cidade dos Piratas e no dia 27, às 15h, os filmes profanAÇÃO Majur.

A Mostra Competitiva premiará ao final do evento, no dia 28 de novembro, às 20h, na Cinemateca Capitólio, o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição), com apoio da Locall. O júri desta edição é composto por Leo BomFim, Renata de Lélis e Romy Pocztaruk.

O realizador alemão Philip Widmann, artista convidado do CEN 2018, vem a Porto Alegre para exibição de mostra e seminário com entrada franca no Goethe-Institut Porto Alegre. Topographical Translations reúne trabalhos que tentam situar questões de representatividade e inteligibilidade na visibilidade de superfícies construídas e crescidas, contrastando com a evanescência do discurso escrito e falado. O artista apresentará dois programas no auditório do Goethe-Institut Porto Alegre: às 14h, os curtas Fictitious Force, Das Gestell (ambos de Widmann), em diálgo com os filmes The Voice of God (de Bernd Lützeler) e Nutsigassat (Translations) (de Tinne Zenner), e às 16h, o primeiro longa-metragem do realizador, Szenario. Às 17h30, Widmann promove um Seminário com entrada franca. Os filmes possuem legendas em português e o seminário será realizado em inglêsNo dia 26, a mostra tem reprise nos mesmos horários.

Duo Strangloscope, dos artistas Cláudia Cárdenas & Rafael Schilchting, promove a mostra Existir/Resistir no dia 27, na Cinemateca Capitólio. A dupla executa a performance Carcará, com filmes e projetores 35mm, 16mm e Super 8 e apresenta uma curadoria de seis filmes experimentais de artistas do México, Argentina, EUA, Espanha, Venezuela e  França, três deles em 16mm, que refletem e dão forma a questões sobre existência e resistência.

Duas oficinas integram a programação do evento: Crítica no Brasil Hoje, ministrada pelo jornalista e crítico de cinema Daniel Feix, ocorre nos dias 22, 23 e 26 de novembro, na Cinemateca Capitólio. O curso de três módulos sobre análise de filmes na contemporaneidade com foco na produção atual cinematográfica brasileira ocorre das 15h às 18h e tem 20 vagas. As inscrições devem ser feitas pelo site do festival. Já o projeto Câmera Causa, ministrado por Gustavo Spolidoro e Jadhe Fucilini, ocorre nos dias 24 e 25 de novembro na Ocupação Utopia e Luta e contará com projeções dos filmes realizados na oficina no dia 27, no auditório do Goethe-Institut Porto Alegre.

Oficina voltada para pessoas são pertencentes ou atuam junto a projetos sociais e grupos em vulnerabilidade social. O intuito é levar a estes grupos/pessoas uma reflexão e prática da realização audiovisual voltada a criação de conteúdo que possa ser utilizado como divulgação do trabalho destes grupos, sua realidade e causas. As inscrições estão abertas até 18 de novembro e as 20 vagas serão preenchidas mediante seleção, feita pelo site do festival. A divulgação dos selecionados ocorrerá no dia 20.

No sábado, 24 de novembro, das 10h30 às 12h, a artista visual, professora de Artes Visuais na  UFRGS Elaine Tedesco, professor da Unisinos e Doutorando em Poéticas Visuais pela UFRGS James Zortéa e a jornalista, doutora em cinema e professora da PUCRS Maria Henriqueta  Creidy Satt integram o Seminário Pensar a Imagem, no auditório do Goethe-Institut Porto Alegre. A atividade é uma reflexão sobre a imagem contemporânea, abordando especificidades teóricas, técnicas, conceituais, narrativas e de circulação, entre outros aspectos, associados à produção autoral e experimental de imagens no século 21. Não é necessária inscrição prévia.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorre na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Secretaria Municipal da Cultura e Cinemateca Capitólio Petrobras e Goethe-Institut Porto Alegre, apoio institucional TECNA PUCRS, apoio de premiação da Locall e apoio Prime Box Brazil, Unisinos FM, Grupo RBS, Studio Leo Zamper, rogerlerina.com.br e Ocupação Utopia e Luta. Mais informações, acesse: www.cineesquemanovo.org |www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga selecionados para a Mostra Competitiva Brasil

cartazcen2018

Evento ocorre de 22 a 28 de novembro na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre

 

Porto Alegre, 17 de outubro de 2018 – O Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 divulga os selecionados para a Mostra Competitiva Brasil do evento que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre, RS. Do total de 875 inscritos, sendo 666 curtas e médias-metragens, 103 longas e 106 videinstalações, videoperformances e performances, 39 obras foram escolhidas para integrar a programação do festival.

Serão 35 obras exibidas na Cinemateca Capitólio e quatro videoinstalações que serão expostas no Goethe-Institut Porto Alegre, co-realizadores do CEN 2018. A seleção conta com 13 projetos dirigidos por grupos, 13 realizadoras e 36 realizadores. Temáticas como feminismo, empoderamento da negritude, política atual, colonialismo, questões indígenas, pertencimento, religião, queer, entre outras, pautam os títulos selecionados de onze Estados brasileiros e nove produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

“Neste amplo panorama da recente produção autoral e independente do país, fica bastante claro que será uma edição extremamente posicionada e política”, afirmam os curadores que assinam a seleção, Jaqueline Beltrame, Ramiro Azevedo e Vinicius Lopes.  A lista integra títulos como “Sol Alegria”, de Tavinho Teixeira e sua filha Mariah Teixeira, uma ficção científica lo-fi, onde uma família nada tradicional corre por um país dominado por uma junta militar e pastores corruptos; “Supercomplexo Metropolitano Expandido”, de Guerreiro do Divino Amor, que investiga como forças ocultas e ficções de diferentes naturezas, sejam elas geográficas, sociais, midiáticas, políticas ou religiosas, interferem na construção do território e do imaginário coletivo a ideia de cidade-máquina em São Paulo; e “Azougue Nazaré” de Tiago Melo, eleito o melhor filme da mostra Bright Future da 47ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdã,  que incorpora elementos sobrenaturais em um retrato quase antropológico de uma pequena comunidade canavieira, dividida entre o Maracatu e o evangelismo.

Destaque também para “Majur”, documentário de Rafael Irineu Alves Lacerda que mostra um ano na  vida de Majur, chefe de comunicação de uma aldeia no interior do Mato Grosso; “O Peixe”, curta-metragem documental experimental que retrata uma vila de pescadores que tem o ritual de abraçar os peixes ao pesca-los; além de “Terremoto Santo” de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, um curta musical com jovens cantores da cena da música evangélica da cidade de Palmares em Pernambuco, explorando com poesia e uma direção de fotografia muito autêntica a cultura evangélica do país.

O festival que, há quinze anos e onze edições derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, apresentará a performance “Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada”, de Marcelo Birck. Realizada em tempo real, exibe animações feitas à mão em super-8, antigas lâminas de lanterna mágica, e slides encontrados com som gerado a partir de um processo similar à montagem do cinema, transposto para outro material: vinis cortados a laser e recolados.

Entre os realizadores gaúchos, destacam-se “Tinta Bruta”, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, premiado como Melhor Longa Metragem no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim, “Música para quando as luzes se apagam” de Ismael Canepppelle e “Cidades dos Piratas” de Otto Guerra.

A Mostra Competitiva premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição), que serão divulgados em breve.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Cinemateca Capitolio e Goethe-Institut Porto Alegre e apoio Prime Box Brazil e Unisinos FM. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

MOSTRA COMPETITIVA BRASIL – CEN 2018 – SELECIONADOS

26 postais contam a história de uma amizade de 30 anos, Frederico Benevides

A Casa, Camila Leichter (realizadora); Mauro Bomfim Espíndola e Ali Khodr (co-realizadores)

A Chinesa de Riad, Leonardo Amaral & Roberto Cotta

A Cidade dos Piratas, Otto Guerra

À cura do rio, Mariana Fagundes

Apenas um gesto ainda nos separa do Caos, Yuri Firmeza

Azougue Nazaré, Tiago Melo

B.U.N.I.T.A.S. [ce], Estela Lapponi

BLANK Damour, Ali Khodr, Camila Leichter e Mauro Bomfim Espíndola

Bye Bye Deutschland, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

El Meraya, Distruktur

Entre Parentes, Tiago de Aragão

Era uma vez Brasília, Adirley Queirós

Estamos Todos Aqui, Chico Santos e Rafael Mellim

Frequências, Adalberto Oliveira

Galinhas no Porto, Caioz e Luís Henrique Leal

Heart of Hunger, Bernardo Zanotta

Ilhas ressonantes, Juruna Mallon

IMO, Bruna Schelb Correa

Inconfissões, Ana Galizia

Inferninho, Guto Parente e Pedro Diógenes

Latossolo, Michel Santos

Majur, Rafael Irineu Alves Lacerda

Música para quando as luzes se apagam, Ismael Caneppele

Nome de Batismo-Alice, Tila Chitunda

Num País Estrangeiro, Karen Akerman & Miguel Seabra Lopes

O Peixe, Jonathas de Andrade

Os Sonâmbulos, Tiago Mata Machado

Princesa Morta do Jacuí, Marcela Ilha Bordin

profanAÇÃO, Estela Lapponi

Sem título (5), Luciano Scherer e Maíra Flores

Silêncios, Caio Casagrande

Sobrado, Renato Sircilli

Sol Alegria, Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira

Sr. Raposo, Daniel Nolasco

Supercomplexo Metropolitano Expandido, Guerreiro do Divino Amor

Terremoto Santo, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca

Tinta Bruta, Marcio Reolon e Filipe Matzembacher

Título Provisório Para Obras de Formação Indeterminada, Marcelo Birck

Convocatória para Mostra Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira 2018 encerra em 31 de julho

cartazcen2018

Inscrições ­podem ser feitas através do site do festival https://goo.gl/YBeu4S

Edição 2018 comemora 15 anos do evento

Porto Alegre, 17 de julho de 2018 – Encerram em 31 de julho as inscrições para as candidaturas na Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2018 – Arte Audiovisual Brasileira, que ocorre de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre. A convocatória do CEN 2018 recebe inscrições a partir do site http://www.cineesquemanovo.org, onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição para trabalhos finalizados a partir de 01 de janeiro de 2017.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, etc) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros). O festival que, há quinze anos derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, promoverá programação gratuita e aberta ao público. “O Cine Esquema Novo 2018 busca, nesta convocatória, aprofundar seu mergulho na relação da imagem com o cinema e as artes visuais, colocando de forma efetiva trabalhos audiovisuais que circulam em salas de cinema ao lado de outros que circulam em exposições”, afirmam os curadores Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo.

A Competitiva Brasil do CEN 2018 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

A Arte desta edição é assinada pelo designer Gustavo Panichi, que se inspirou nos conceitos de liberdade, natureza, inovação, pluralidade, versatilidade e organicidade para chegar ao tema Vida Surreal – um mundo de formas da natureza que quando se encontram formam novos seres.

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em co-realização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre através da Cinemateca Capitolio e Goethe-Institut Porto Alegre e apoio Prime Box Brazil. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

Cine Esquema Novo 2018 – Arte Audiovisual Brasileira abre convocatória para a Competitiva Brasil

cen

Inscrições estão abertas até 31 de julho, através do site do evento http://www.cineesquemanovo.org

Edição 2018 comemora 15 anos do festival

 

Porto Alegre, 16 de fevereiro de 2018 – Estão abertas as inscrições até 31 de julho para as candidaturas na Competitiva Brasil do Cine Esquema Novo 2018 – Arte Audiovisual Brasileira. A convocatória do CEN 2018 recebe inscrições a partir do site http://www.cineesquemanovo.org, onde é possível acessar o regulamento e a ficha de inscrição para trabalhos finalizados a partir de 01 de janeiro de 2017.

Serão aceitos para a seleção trabalhos de qualquer duração ou formato, pensados para diferentes ambientes (cinema, galeria, etc) e realizados no Brasil (por brasileiros ou estrangeiros) ou ainda no exterior (por artistas brasileiros). A novidade para este ano é o prazo mais extenso de inscrições, para facilitar a ponte entre realizadores e a curadoria do evento, construindo um diálogo na busca de diferentes possibilidades de exibição dos filmes, antes de chegar a uma seleção final. “Percebemos que não fazia sentido um período de inscrições curto, como é praxe, afinal, queremos ver os filmes desde sempre, conhecer os realizadores, propor e receber propostas”, revelam os curadores Alisson Ávila, Gustavo Spolidoro, Jaqueline Beltrame e Ramiro Azevedo.

O festival que, há quinze anos derruba as barreiras simbólicas e experienciais entre o cinema e as artes visuais para exibir obras tanto na tradicional sala de cinema quanto em galerias de arte e espaços públicos, promoverá programação gratuita e aberta ao público. “O Cine Esquema Novo 2018 busca, nesta convocatória, aprofundar seu mergulho na relação da imagem com o cinema e as artes visuais, colocando de forma efetiva trabalhos audiovisuais que circulam em salas de cinema ao lado de outros que circulam em exposições”, afirmam.

A Competitiva Brasil do CEN 2018 pretende apresentar um amplo panorama da recente produção autoral e independente do país e premiará ao final do evento o Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2018 e cinco Prêmios Especiais do Júri (o Júri Oficial poderá outorgar até cinco prêmios, de forma livre, dentre todas as obras em competição).

Com financiamento do edital de apoio a festivais e mostras do Ministério da Cultura / Secretaria do Audiovisual, o Cine Esquema Novo 2018 ocorrerá de 22 a 28 de novembro em Porto Alegre, com atividades na Cinemateca Capitólio e Goethe-Institut Porto Alegre, contemplando além da Competitiva Brasil outros programas especiais a serem anunciados nos próximos meses. O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem. Mais informações, acesse: http://www.cineesquemanovo.org | http://www.facebook.com/cineesquemanovocen | @cineesquemanovo

Beduino, de Julio Bressane, encerra o Cine Esquema Novo 2016 – Arte Audiovisual Brasileira

still_07

Festival divulga vencedores da Competitiva Brasil na quinta, 10 de novembro

 

Porto Alegre, 07 de novembro de 2016 – Na próxima quinta-feira, 10 de novembro, o Cine Esquema Novo 2016 – Arte Audiovisual Brasileira chega ao fim de mais uma edição, com a exibição do mais recente longa-metragem de Julio Bressane, Beduino, às 20h, seguida da cerimônia de premiação da mostra Competitiva Brasil, na Cinemateca Capitólio, com entrada franca.

Com première mundial em agosto no Festival de Locarno, na Suíça, Beduino traz no elenco Alessandra Negrini e Fernando Eiras interpretando um curioso casal que através da arte retrata repetidas e variadas representações, em um cenário de luz onde se misturam esperança e desespero.

Logo a seguir, na premiação do CEN 2016, as 44 obras da Mostra Competitiva Brasil concorrem ao Grande Prêmio Cine Esquema Novo. A comissão julgadora é formada pelo professor do Instituto de Artes da UFRGS, Eduardo Veras, a jornalista e professora no curso de Cinema da UFPel, Ivonete Pinto e o diretor, roteirista e montador Vicente Moreno.

O vencedor do Grande Prêmio Cine Esquema Novo recebe o troféu, confeccionado pelo artista Luiz Roque e ainda levará para casa prêmios em serviços (ver lista completa abaixo) oferecidos por Kiko Ferraz Studios, Lilit Laboratório Digital, Psycho N’ Look e Locall. O júri também elegerá até cinco prêmios de escolha livre.

O CEN é uma realização da ACENDI – Associação Cine Esquema Novo de Desenvolvimento da Imagem, em correalização com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria Municipal de Cultura e Goethe-Institut Porto Alegre; coprodução da Pátio Vazio e apoio institucional do Instituto Ling, Departamento de Artes Visuais e Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFRGS, Fluxo – Escola de Fotografia Expandida e Tecna – Centro Tecnológico Audiovisual do RS. Para informações sobre o evento e programação, acesse: www.cineesquemanovo.org

Saiba Mais

Beduino, de Julio Bressane, 2016, 75min, RJ

Classificação indicativa 12 anos

Elenco:  Alessandra Negrini e Fernando Eiras

Um casal bastante curioso – dramaturgos de sua própria existência na qual a arte surge acompanhada de uma singular pretensão metafísica – procura pela coisa mais difícil, através de repetidas e variadas representações, em um cenário de luz onde se misturam esperança e desespero.

 

DIREÇÃO

JULIO BRESSANE carioca, nascido em 1946. Começou a fazer cinema profissionalmente como assistente de direção de Walter Lima Júnior, em 1965. Participou de articulações e invenções que consagraram o estilo e o modo de produção do chamado Cinema Marginal. Em 1967, apresenta no Festival de Brasília o seu primeiro longa-metragem, Cara a Cara. Em 1970, funda com Rogério Sganzerla a Belair Filmes. Bressane viveu alguns anos de exílio em Londres e quando retornou ao país, em 1972, dirige seus interesses para a chanchada, o deboche e o diálogo com tradições da cultura brasileira como a canção e a linguagem popular. Experimental, provocador, considerado um cinepoeta, Bressane já recebeu vários prêmios em Brasília, inclusive o de melhor filme com Tabu, de 1982. Outros títulos de sua vasta e apaixonada filmografia: Cuidado, Madame (1970); A Família do Barulho (1970); Tabu (1982); Brás Cubas (1985); Dias de Nietzsche em Turim (2001); Filme de Amor (2003); Cleópatra (2007); A Erva do Rato (2008); Educação Sentimental (2013); Garoto (2015) e Beduino (2016).

 Roteiro e direção Julio Bressane
Produção
Tande Bressane e Bruno Safadi
Direção de fotografia
Pepe Schettino e Pablo Baião
Colaboração no roteiro e montagem
Rosa Dias
Montagem Rodrigo Lima
Direção de arte
Moa Batsow
Figurinista
Daniela Aparecida Gavaldão
Companhia produtora TB Produções

Grande Prêmio Cine Esquema Novo 2016

Prêmios:

Kiko Ferraz Studio

– 40 horas de edição de som

– 12 horas de mixagem

– 6 horas de foley

– 4 horas de estúdio para dublagem 

Lilit – Laboratório Digital

– Preparação de 5 diárias de material bruto para montagem, incluindo: conversão com LUT offline para software de edição, sincagem por timecode e/ou claquete, organização no software de edição.

– Backup duplo em fitas de LTO 05*

*até 5tb sem incluir a mídia (fita de LTO05), apenas o serviço

Psycho n’Look

– 10 horas de correção de cor

– 1 DCP de um filme de até 15 minutos

Locall

– R$ 5.000,00 (cinco mil reais) em aluguel de equipamentos a serem resgatados nas filiais dos estados de São Paulo, Curitiba ou Porto Alegre.

 

Jurados

EDUARDO VERAS – Eduardo Veras é professor do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atuando no Bacharelado em História da Arte e no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais. É membro do Comitê Brasileiro de História da Arte. Integra o Conselho Deliberativo da Fundação Vera Chaves Barcellos e o Comitê de Acervo e Curadoria da Fundação Iberê Camargo.

IVONETE PINTO – Jornalista, doutora em Cinema pela USP; professora no curso de Cinema da UFPel; editora das revistas Teorema e Orson; sócia fundadora e ex-vice-presidente da Abraccine – Assoc. Brasileira de Críticos de Cinema; sócia-fundadora e ex-presidente da Accirs (Assoc. e Críticos de Cinema do RS); participou de júris em festivais como Gramado, Mar del Plata, Teerã, Cine Ceará,  Mostra de São Paulo, Havana, Cartagena e FestRio. É autora dos livros A Mediocridade, Descobrindo o Irã e Samovar nos Trópicos.

VICENTE MORENO – Vicente Moreno atua como diretor, roteirista e montador. Entre seus trabalhos recentes está o curta Depois da Avenida, a série Grandes Cenas e o longa Dromedário no Asfalto, do qual foi montador e produtor executivo. Graduou-se realizador audiovisual pela UNISINOS, onde atualmente é professor de montagem e roteiro, e concluiu seu mestrado em comunicação pela PUCRS, com ênfase em narratologia. Foi também professor convidado na CINETVPR em Curitiba e na Especialização em Cinema da UNISINOS.

Encerramento Cine Esquema Novo 2016 – Arte Audiovisual Brasileira

Quinta-feira, 10 de novembro

20h – Exibição de Beduino, de Julio Bressane

21h30 – Cerimônia de Premiação mostra Competitiva Brasil

Cinemateca Capitólio – Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – Centro Histórico

Entrada Franca

zh_05-11

Cine Esquema Novo 2016 na imprensa

jc_03-11

zh-03_11_2016

zh-03_11_2016-2

metro_03-11-2016

correio_do_povo_03-11

Blog no WordPress.com.

Acima ↑