Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Antoniela Canto

folhadesp_10

Mariane com E recebe prêmio no Festafilm Montpellier

mariane_makingof_2_credito_Cassiana Umetsu

Produção levou prêmio especial do júri no evento realizado em novembro, na França

 

O curta-metragem “Mariane com E” foi um dos premiados no Festafilm Montpellier, festival de cinema lusófono e francófono, que está em sua sétima edição. O filme recebeu o prêmio especial do Júri.

A produção dirigida por Fernando Sanches e produzida pela Vetor Filmes traz Antoniela Canto como protagonista. Mariane com E é uma paródia com a situação vivida no dia a dia de todos que trabalham com publicidade.  Mariane é uma atriz de teatro que se submete a um desses testes para um filme de uma marca de comida congelada. Tudo vai bem, até que ela perde a paciência, toma uma atitude drástica e resolve virar o jogo.

Segundo Sanches, os roteiristas não pouparam nenhuma das funções “desde a assistente de direção até o cliente, passando por atores, diretores e criativos de agência”, revela. Mariane é interpretada por Antoniela Canto, que revela: “Ninguém sai ileso dessa brincadeira: da loucura da atriz à vulnerabilidade da assistente de direção. Das mãos atadas do diretor e da agência às decisões, muitas vezes incompreensíveis, do cliente. Em “Mariane com E”, todo mundo faz papel de bobo no melhor sentido da palavra. O filme encontrou a fórmula perfeita para nos dizer que às vezes não precisamos nos levar tão a sério”.

O curta foi todo rodado em uma diária em um estúdio de teste de elenco. Todos os atores e atrizes do cast já passaram por situações parecidas com a de Mariane e se identificaram muito com a trama.  Recentemente foi exibido na Mostra Audiovisual de Cambuquira – MOSCA. O filme ficou em terceiro lugar na categoria Melhor Curta da Mostra Brasil escolhido pelo Júri Popular.

Para saber mais, acesse: http://vetorfilmes.com/2015/03/marianecome/ e https://www.facebook.com/marianecomecurta

Saiba Mais:

Antoniela Canto

Atriz, diretora, locutora, produtora. Antoniela Canto é multitarefa. Integrante da Cia La Plongée, revela que fazer de tudo um pouco é parte do trabalho de estar em uma companhia, onde os papéis, dentro e fora do palco, se dividem e se misturam.

Nascida em Assis, interior de São Paulo, a artista pode ser vista na TV aberta – recentemente participou da série “Doce de Mãe”, uma co-produção da Casa de Cinema de Porto Alegre com a TV Globo – na TV à cabo – integrando o elenco de séries da HBO – como em espetáculos no teatro Cemitério de Automóveis, onde é uma das sócias, no Baixo Augusta, reduto underground de São Paulo.

Apesar da vontade de atuar ter aparecido cedo e a primeira tentativa em estudar teatro tenha sido aos 18 anos, quando saiu de Assis para morar em São Paulo, Antoniela iniciou a carreira em 2001, aos 28 anos. O primeiro espetáculo profissional foi em 2007, “Toalete”, de Walcyr Carrasco com direção de Cininha de Paula. “Acredito que tenha sido muito mais positivo para as escolhas que fiz como atriz ter iniciado mais tarde do que normalmente os colegas começam”, declara. “Os anos de vida a mais e as experiências em outras áreas só ajudaram a seguir em frente com mais serenidade para enfrentar as dificuldades na carreira”.

Na TV, pode ser vista recentemente na série PSI, da HBO, como a personagem Eliane, filha de um casal de sifilíticos. No quarto episódio da segunda temporada de “O Negócio”, também da HBO, Antoniela surge na trama como Rebeca, uma mulher milionária que consegue tudo o que quer e chega para balançar o relacionamento de Luna e Oscar.

No Canal Brasil, participa de “Sonhos de Abu”, um projeto de André Abujamra, totalmente feito com improvisos. “Eu só sabia que faria a Mercedez, personagem que tem um caso com o protagonista, André. A partir daí, foi só diversão nas gravações”, conta.

Fernando Sanches começou a trabalhar com audiovisual em 1997 na área de pós produção da Casablanca Finish em São Paulo. Em 2000 foi contratado pela Conspiração Filmes como supervisor de efeitos digitais.

Em 2008 dirige seu primeiro curta metragem, Landau 66, que participou de vários festivais pelo Brasil e pelo mundo, ganhando o prêmio de melhor montagem no Festival Internacional de Cinema de Brasília. Em 2010, dirige uma campanha para S.O.S. Mata Atlântica intitulada Xixi no Banho, vencedor de prêmios do mercado publicitário, como Leão de Ouro em Cannes, Clio Awards e o troféu de melhor animação comissionada no festival Anima Mundi.

Desde 2012 atua como diretor de cena e animação na Vetor Zero e Vetor Filmes, trabalhando com grandes agências do Brasil e do mundo.

Em 2013 adquiriu os direitos do livro inédito do cultuado escritor paulista Lourenço Mutarelli. Uma Ocasião Exterior, e a partir da obra idealizou uma adaptação para o cinema intitulada O Grifo de Abdera, que será seu primeiro longa-metragem como diretor. Em 2014 lançou seu segundo curta de Ficção “O desejo de Saiuri” que está atualmente rodando festivais internacionais e em 2015 lança seu terceiro curta “Mariane com E”, estrelado por Antoniela Canto.

Ondas Curtas volta a cartaz a partir de 11 de setembro no Teatro Cemitério de Automóveis

ondascurtas_credito_lucasmayor(1)

Mais recente espetáculo da Cia La Plongée em parceria com Cemitério de Automóveis traz textos inéditos de Jô Bilac, Lucas Mayor e Marcos Gomes

Após temporada de estreia, em julho, o mais recente espetáculo da Cia La Plongèe em parceria com o Teatro Cemitério de Automóveis, “Ondas Curtas”, volta a cartaz no dia 11 de setembro. A montagem, dirigida por Lucas Mayor e Marcos Gomes, é a sexta produção da companhia.

Três cenas, sendo uma delas um texto inédito de Jô Bilac, compõem o espetáculo. Tal como os ‘fait divers’ (fatos diversos), expressão própria do jargão jornalístico que designa acontecimentos pitorescos e algo inexplicáveis, colhidos na rua, as cenas que formam o conjunto da peça poderiam facilmente estampar as manchetes dos jornais e os programas noticiosos do rádio.

Na primeira cena, “Drive-in”, texto inédito de Jô Bilac, um casal assiste à exibição de um filme enquanto repassa as bases do relacionamento. Na sequência, “Drive-Thru”, de Marcos Gomes, uma festa a fantasia agrupa três personagens lidando com questões de identidade, a passagem do tempo e as máscaras sociais. Na última, “Seja bem-vindo, titio Walter”, de Lucas Mayor, um aeroporto serve como um consultório terapêutico para assuntos familiares.

Três lugares de fluxo constante, de passagem. As ondas do rádio. As notícias do jornal. A ‘vida-jornal’, embrulhando frutas na feira, servindo de tapete de esterco para o papagaio da vizinha. A vida dando voltas no quarteirão, sem rumo, assim como um entregador de jornal que sofre de amnésia.

No elenco, Antoniela Canto, Gabriela Fortanell, Luna Martinelli, Marcos Gomes, Mauricio Bittencourt e Pablo Perosa. As apresentações ocorrem às sextas-feiras, às 20h30, até 30 de outubro, com ingressos a R$ 15,00 e R$ 30,00 O Teatro Cemitério de Automóveis fica na Rua Frei Caneca, 384.

FICHA TÉCNICA

TEXTOS Jô Bilac, Lucas Mayor e Marcos Gomes

DIREÇÃO Lucas Mayor e Marcos Gomes

COM Antoniela Canto, Fernando Fecchio, Gabriela Fortanell, Luna Martinelli, Marcos Gomes, Mauricio Bittencourt e Pablo Perosa

TEMPORADA 11 de setembro a 30 de outubro (sempre às sextas)

20h30

[Rua Frei Caneca, 384. Teatro Cemitério de Automóveis.]

Antoniela Canto integra o elenco do projeto Woodiálogos

Woodialogos 1-REP.00000419

Série de cenas curtas com diálogos bem-humorados é dirigido por Geórgia Guerra-Peixe

Estão no ar os três primeiros episódios do projeto Woodiálogos da Vetor Filmes. Dirigido por Geórgia Guerra-Peixe, a série de cenas curtas com diálogos bem-humorados que nasceu da vontade de produzir conteúdo em um ambiente de filmagem publicitária.

“Longe de ser uma questão de “aproveitamento” de espaço, equipe e estrutura, é um movimento “de ir além” e exercitar. Isso é combustível para mim. Uma fórmula que pretendo repetir”, declara Geórgia.

A atriz Antoniela Canto, que também estrela o curta “Mariane com E”, que faz uma divertida paródia com a situação vivida no dia a dia de todos que trabalham com publicidade, integra o elenco de um dos episódios, além de desenvolver alguns dos roteiros e assinar o casting do projeto. Os três primeiros filmes foram gravados nos intervalos de uma diária de filmagem de um brand content para o Banco Itaú, em uma sala de cinema. “Foi necessária muita agilidade de escrever e atuar ‘na guerrilha’, aproveitando a estrutura de um set para desenvolver dois conteúdos”, revela Antoniela.

Com roteiros de Adriana Brunstein e Lucas Mayor, o objetivo é manter uma frequência na produção, sempre que for possível encaixar as gravações entre os períodos ociosos nos sets. “Onde encontrarmos uma brecha em uma locação que pudermos utilizar para criarmos conteúdo criativo, estaremos lá”, brinca a atriz.

Para conferir, acesse: http://vetorfilmes.com/2015/04/woodialogos-sala6-1830/

Woodiálogos – Ficha Técnica

Vetor Filmes

Elenco: Antoniela Canto, Luciana Caruso, Pablo Perosa, Francisco Eldo Mendes e Wagner Molina

Direção: Georgia Guerra-Peixe (Joca)

Roteiro: Adriana Brunstein e Lucas Mayor

Direção de Fotografia: Glauco Firpo

Montagem/Cor e Finalização: Marcelo Teixeira

Câmeras: Georgia Guerra-Peixe, Glauco Firpo, Danilo Rosa Carneiro, Renato Helena Jr e Lucas Gabriel Soares

Produtora de som: Punch Audio

Espetáculo “Ondas Curtas” na coluna de Mônina Bergamo na Folha de São Paulo

folhadesp_18.07.15

Ondas Curtas estreia no dia 19 de julho no Teatro Cemitério de Automóveis

ondascurtas_credito_lucasmayor

Novo espetáculo da Cia La Plongée em parceria com Cemitério de Automóveis traz textos inéditos de Jô Bilac, Lucas Mayor e Marcos Gomes

Estreia no dia 19 de julho o novo espetáculo da Cia La Plongèe em parceria com o Teatro Cemitério de Automóveis, “Ondas Curtas”. A  montagem, dirigida por Lucas Mayor e Marcos Gomes, é a sexta produção da companhia.

Três cenas, sendo uma delas um texto inédito de Jô Bilac, compõem o espetáculo. Tal como os ‘fait divers’ (fatos diversos), expressão própria do jargão jornalístico que designa acontecimentos pitorescos e algo inexplicáveis, colhidos na rua, as cenas que formam o conjunto da peça poderiam facilmente estampar as manchetes dos jornais e os programas noticiosos do rádio.

Na primeira cena, “Drive-in”, texto inédito de Jô Bilac, um casal assiste à exibição de um filme enquanto repassa as bases do relacionamento. Na sequência, “Drive-Thru”, de Marcos Gomes, uma festa a fantasia agrupa três personagens lidando com questões de identidade, a passagem do tempo e as máscaras sociais. Na última, “Seja bem-vindo, titio Walter”, de Lucas Mayor, um aeroporto serve como um consultório terapêutico para assuntos familiares.

Três lugares de fluxo constante, de passagem. As ondas do rádio. As notícias do jornal. A ‘vida-jornal’, embrulhando frutas na feira, servindo de tapete de esterco para o papagaio da vizinha. A vida dando voltas no quarteirão, sem rumo, assim como um entregador de jornal que sofre de amnésia.

No elenco, Antoniela Canto, Gabriela Fortanell, Luna Martinelli, Marcos Gomes, Mauricio Bittencourt e Pablo Perosa. As apresentações ocorrem aos domingos, às 20h, até 09 de agosto, com ingressos a R$ 15,00 e R$ 30,00 O Teatro Cemitério de Automóveis fica na Rua Frei Caneca, 384.

FICHA TÉCNICA

TEXTOS Jô Bilac, Lucas Mayor e Marcos Gomes

DIREÇÃO Lucas Mayor e Marcos Gomes

COM Antoniela Canto, Fernando Fecchio, Gabriela Fortanell, Luna Martinelli, Marcos Gomes, Mauricio Bittencourt e Pablo Perosa

TEMPORADA 19 de julho a 9 de agosto (sempre aos domingos)

20h

[Rua Frei Caneca, 384. Teatro Cemitério de Automóveis.]

“Separações” tem nova temporada a partir de 11 de julho no Teatro Cemitério de Automóveis

separacoes2_creditolucasmayor

Montagem é uma homenagem declarada a Domingos de Oliveira

Depois de grande sucesso de público, “Separações” está de volta a cartaz no Teatro Cemitério de Automóveis, a partir de 11 de julho. Uma homenagem declarada a Domingos de Oliveira, o espetáculo apresenta as histórias de quatro casais envolvidos por questões cotidianas do relacionamento.

Dividido em quatro cenas com textos Mário Bortolotto, Adriana Brunstein, Lucas Mayor e Marcos Gomes, as narrativas revelam intimidades, torradeiras elétricas, inundações, alianças, bebedeiras, relógios quebrados e fechaduras trocadas. No elenco, Antoniela Canto, Eldo Mendes, Luna Martinelli, Walter Figueiredo, Carla Kinzo e Marcos Gomes. Bortolotto, Mayor e Gomes também assinam a direção.

A quinta montagem da Cia La Plongée, segunda em parceria com o Grupo Cemitério de Automóveis, segue a proposta da companhia de projetos com dramaturgia própria e produção independente, sem financiamento ou patrocínio.

A segunda temporada da montagem tem apresentações sempre aos sábados, às 21h30, até 15 de agosto, com ingressos a R$ 15,00 e R$ 30,00. O Teatro Cemitério de Automóveis fica na Rua Frei Caneca, 384.

SEPARAÇÕES

As histórias de quatro casais envolvidos por questões cotidianas do relacionamento. Uma narrativa de torradeiras elétricas, inundações, alianças, bebedeiras, relógios quebrados efechaduras trocadas.

[SEPARAÇÕES é uma homenagem declarada a Domingos Oliveira]

A peça é composta por quatro cenas breves (em sequência):

“Garotas apaixonadas não usam aliança”
TEXTO e DIREÇÃO de Mário Bortolotto
com Eldo Mendes e Luna Martinelli

“Ato fálico”
TEXTO Adriana Brunstein DIREÇÃO Lucas Mayor
com Antoniela Canto e Walter Figueiredo

“Entre nós”
TEXTO e DIREÇÃO de Marcos Gomes
com Carla Kinzo e Marcos Gomes

“Um lugar estranho”
TEXTO Lucas Mayor DIREÇÃO Mário Bortolotto
com  Antoniela Canto e Eldo Mendes

[REESTREIA 11 de julho]

SÁBADOS, 21h30
TEMPORADA: 11 de julho a 15 de junho
LOCAL: Teatro e Bar Cemitério de Automóveis – Rua Frei Caneca, 384.
INGRESSOS: R$30 inteira | R$15 meia-entrada

Espetáculo “Separações”, com Antoniela Canto, é destaque no Guia da Folha de São Paulo

folhadesp2_08.05.15

Espetáculo “Separações” na coluna de Mônica Bergamo de hoje

folhadesp_13.05.15

Blog no WordPress.com.

Acima ↑