Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

Acessibilidade

Cinemateca Capitólio Petrobras inaugura equipamento de acessibilidade para a sala de cinema

cineassista

A partir desta semana o espaço conta com equipamento de acessibilidade em sua sala de cinema

Aquisição foi possibilitada por meio do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – Programação Especial 2019 que tem patrocínio master da Petrobras

Porto Alegre, 18  de novembro de 2019 – A partir desta semana a Cinemateca Capitólio Petrobras conta com acessibilidade completa. Desde sua reinauguração, o espaço possui acessibilidade física, com banheiros adaptados, elevador de acesso a todos os andares e espaços reservados para cadeirantes e obesos na plateia da sala de cinema. A partir de agora, a acessibilidade também chegou à tela da sala de cinema, mediante o equipamento que permite aos exibidores tornarem suas salas acessíveis para espectadores com deficiência visual ou auditiva. A aquisição foi possibilitada por meio da realização do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – Programação Especial 2019 que realizou oito mostras de cinema, quatro eventos especiais “Noites na Cinemateca”, duas master classes; duas exposições na Galeria da Cinemateca, dez sessões de cinema acessível e o tratamento de material de acervo, digitalização de cartazes e documentos.

Visando ampliar o acesso à Cinemateca, o projeto fez a aquisição do equipamento que permite acesso a espectadores com deficiência visual ou auditiva e, assim cumprir com a legislação brasileira vigente, IN 128 / 2016. O equipamento se chama CineAssista e possui três aparelhos (smartphones) que possibilitam a fruição do filme, dentro da sala de cinema, em conjunto com os demais espectadores, por intermédio dos recursos de acessibilidade (LIBRAS, legendas descritivas e audiodescrição – AD) em sistema fechado.

O processo de implementação do equipamento está sendo um aprendizado para todas as pessoas envolvidos nesta ação, pois para que seu uso seja bem-sucedido, é necessária a qualificação da equipe. Para isto, os funcionários da Cinemateca estão se preparando para melhor atender aos usuários, contando com a assessoria da Ovni Acessibilidade Universal. “Tudo para que a comunidade de Pessoas com Deficiência se sinta incluída e faça parte deste novo momento da Cinemateca”, afirma Beto Rodrigues, presidente da FUNDACINE.

“Para termos certeza da funcionalidade do equipamento foi realizado um teste onde foram convidados Rafael Braz, psicólogo clínico e consultor em audiodescrição, Ana Luisa Paganelli Caldas, professora de Libras da UFRGS e doutoranda na UFPEL, Eraldo Fortini, professor e Celina Xavier intérprete de LIBRAS, que puderam avaliar o uso dos smartphones numa sessão exclusiva. Para eles o equipamento é eficaz e colabora para a inclusão e democratização do cinema”, conta Beto Rodrigues.

Já na primeira semana que acessibilidade será possível conferir as produções “Diz a ela que me viu chorar”, “O olho e a faca”, “A cidade dos piratas” e “Legalidade”, em cartaz na programação da Cinemateca.

“A democratização do acesso do público ao cinema passa, necessariamente, pela acessibilidade plena com filmes com audiodescrição, LIBRAS e legendes descritivas”, afirma Luiz Alberto Cassol, vice-presidente da Fundacine.

O uso do equipamento de acessibilidade será viabilizado mediante agendamento prévio do público interessado nas sessões de filmes que possuem os recursos de acessibilidade. Como o aparelho é móvel será possível aos usuários escolherem a cadeira que desejam sentar, por isso é importante, chegar antecipadamente para que a equipe da Cinemateca possa atender da melhor maneira e instalar o aparelho. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7458 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio 

COMO FUNCIONA:

O uso do equipamento de acessibilidade será viabilizado mediante agendamento prévio do público interessado nas sessões de filmes que possuem os recursos de acessibilidade.

A Cinemateca Capitólio Petrobras é um espaço cultural e diante desta prerrogativa exibe mostras, filmes de diferentes nacionalidades e produzidos em diferentes épocas, possuindo uma programação diferenciada das demais salas de exibição, por isso, a exibição de filmes que possuam os recursos de acessibilidade fechada está sujeita a programação dos mesmos e, quando o filme dispuser de tais recursos haverá a divulgação nas mídias tradicionais e on line.

Cada aparelho (estarão disponíveis 03 smartphones por sessão) é individual e neste há o aplicativo de acessibilidade, devendo o usuário selecionar a modalidade mais adequada. Mesmo durante a exibição do filme é possível mudar a tecnologia de acessibilidade, conforme a necessidade ou o conforto. O aparelho não possui iluminação para não interferir na luminosidade da sala e da projeção; possui uma instalação móvel com adaptador no braço da cadeira e espaço para a inserção do smartphone. (PHOTO).

Mais informações:

http://www.capitolio.org.br

3289-7458 (Administração)

cinematecacapitolio@gmail.com

https://www.facebook.com/cinemateca.capitolio/

https://www.instagram.com/cinematecacapitolio/

Cinemateca Capitólio Petrobras recebe duas Sessões Acessíveis no mês de setembro

dWWsTe4Q

Exibições integram a programação especial 2019 que conta com 26 atividades e patrocínio master da Petrobras. A produção cultural é da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

O público poderá conferir com entrada franca os longas “Mulher do Pai” (21/09) e “Djon África” (28/09)

 

A Cinemateca Capitólio Petrobras promove duas Sessões Acessíveis no mês de setembro, com entrada franca. As exibições dos longas-metragens Mulher do Pai e Djon África integram as dez sessões acessíveis da programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. No dia 21 de setembro, às 14h, o público poderá conferir Mulher do Pai, de Cristiane Oliveira. Já no dia 28, também às 14h, é a vez de Djon Àfrica, dirigido por Filipa Reis e João Miller Guerra. As atividades contam com interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto.

Mulher do Pai, filmado no interior do Rio Grande do Sul, traz para as telas o trabalho de Marat Descartes e Maria Galant como protagonistas da trama que conta a história de Ruben e Nalu, pai e filha que moram no campo, perto da fronteira entre Brasil e Uruguai. Quando Ruben percebe que a filha, aos 16 anos, já é uma mulher, uma perturbadora proximidade surge entre os dois. O estranhamento inicial dá lugar ao ciúme quando Rosario, uma atraente uruguaia, ganha espaço na vida de ambos.

Djon Àfrica, dirigido por Filipa Reis e João Miller, conta a história de Miguel “Tibars” Moreira, mais conhecido como Djon Africa, filho de cabo-verdianos, que nasceu e cresceu em Portugal. Sem conhecer seu pai, ele acaba descobrindo que ele mora em Tarrafal, e decide aventurar-se à sua procura.

As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. Além desta atividade, o projeto engloba oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses e duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. “O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. “Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

Eu de Você tem sessão dupla no dia 08 de setembro

eu de voce_credito_caca bernardes (5)

Solo texto inédito escrito a partir de histórias reais com Denise Fraga e direção de Luiz Villaça conta também com acessibilidade no sábado e domingo

 

Porto Alegre, 03 de setembro de 2019 – Eu de Você, um solo com música ao vivo e texto inédito, com patrocínio da BB Seguros através de Lei Federal de Incentivo à Cultura, Secretaria Especial da Cultura e Ministério da Cidadania, traz Denise Fraga de volta a Porto Alegre para temporada de pré-estreia no Theatro São Pedro neste final de semana (de sexta a domingo). O espetáculo contará com sessão dupla no domingo, 08 de setembro, com apresentações às 18h e 20h30. Parte das apresentações contará com acessibilidade, com sessões com LIBRAS (sábado e domingo às 18h) e audiodescrição (domingo 18h e 20h30).

Durante seis meses, Denise convocou o público a enviar suas histórias para seu novo projeto: “anunciamos no jornal, nas redes sociais e fizemos uma delicada seleção de todo o material que recebemos – mais de 400 histórias, com 33 selecionadas”. Este material vem costurado a pérolas da literatura, música, imagens e poesia. “Que seria de nós sem os poetas? E o que seria deles sem a vida comum?  É dessa mistura que surge a ideia de nosso Eu de Você. O que tem em comum a Mariana, o Fernando Pessoa e o Paulinho da Viola? Tchekhov, eu e Luiz Carlos? Pelo que a bisavó da Cláudia estava chorando enquanto Lupicínio Rodrigues compunha mais uma canção? O que fará a Elisete quando ouvir o que Chico Buarque fez com o seu também coração partido”, conta a atriz.

Eu de Você foi idealizado por Denise, ao lado do diretor Luiz Villaça e o produtor José Maria, parceiros de longa data no teatro e no cinema.  Na equipe de criação do projeto, estão o dramaturgo Rafael Gomes, que assina o texto final, através de dramaturgia criada por Villaça, Denise, Cassia Conti, André Dib, Kenia Dias, Fernanda Maia e Simone Mina. Dib também é o diretor de imagens em vídeo, Simone diretora de arte, Fernanda diretora Musical e Kenia diretora de movimento.

“Podemos, assim, rir de nós mesmos. Porque rimos do que entendemos. Rimos quando conseguimos assistir a própria vida enquanto ela passa. Acredito no humor como uma arma poderosa para a ampliar nossa consciência e sabedoria. Acredito no Teatro como um ritual de reflexão. E acredito que há uma fronteira preciosa no ofício de representar, um fino fio entre o humor e o drama que é um terreno fértil de comunicação,
meu lugar favorito. É aí que mais uma vez quero estar”.

Os ingressos custam entre R$ 40,00 (galerias) e R$ 70,00 (plateia) em 20 de agosto pelo site e bilheteria do teatro, com desconto para estudantes, idosos, doadores de sangue, pessoas com deficiência, jovens de baixa renda e clientes BB Seguros.

 

Eu de Você

Não há melhor espelho do que o outro. Sabemos quem somos a partir do que reverberamos. É́ urgente ver o outro, olhar pelo olhar do outro, ser eu de você̂. O que seria de nós se pudéssemos ser eu de você̂ e você̂ de mim, deixando-nos ambos atravessar por nossas experiências?

Sou do tipo de pessoa que vai ao mercado e volta com uma história. Sempre me encantei pelo cotidiano, sempre me fascinaram as diversas formas de vida e a criatividade de cada um para resolver nossos eternos problemas. O que nos difere? O que nos iguala? O que é capaz de tornar cada um de nós especial?

Não foi à toa que fizemos por nove anos um programa de televisão contando histórias reais: o Retrato Falado, na TV Globo.

Também sou do tipo de pessoa que ama os escritores, os poetas, os músicos, os artistas. São eles que nos salvam da mediocridade, que embelezam nossos dias comuns, que dão voz à nossa angústia e palavras para o que nos fica na garganta.

Que seria de nós sem os poetas? E o que seria deles sem a vida comum?

É dessa mistura que surge a ideia de nosso Eu de Você. O que tem em comum a Cris, o Paulo Leminski e o Zezé di Camargo? Tchekhov, eu e Francisco? Pelo que a avó do Felipe estava chorando enquanto os Beatles compunham mais uma canção? O que fará o Wagner quando ouvir o que Chico Buarque fez com o seu também coração partido?

Costumo dizer que a arte ajuda a gente a viver, que quem lê̂ Dostoiévski e Fernando Pessoa, no mínimo, vai sofrer mais bonito. Porque sofrerá com companhia, sofrerá com a cumplicidade dos poetas. Entenderá que fazemos parte de algo maior, que pertencemos à roda da humanidade, seus dilemas eternos e sua fatídica imperfeição.

Podemos, assim, rir de nós mesmos. Porque rimos do que entendemos. Rimos quando conseguimos assistir a própria vida enquanto ela passa. Acredito no humor como uma arma poderosa para a ampliar nossa consciência e sabedoria. Acredito no Teatro como um ritual de reflexão. E acredito que há́ uma fronteira preciosa no ofício de representar, um fino fio entre o humor e o drama que é um terreno fértil de comunicação, meu lugar favorito. É aí que mais uma vez quero estar.

Resolvi subir no palco para um solo, mas jamais estarei sozinha. Estarei com a Fátima, com o Bruno, com a Clarice, com a Dona Maria. E, como não poderia deixar de ser, com os poetas. Convidamos artistas de extremo talento, criadores cujos trabalhos admiramos há́ muito tempo, para juntos, em parceria, tecermos este bordado da vida com a arte.

Luiz Villaça, premiado cineasta, roteirista, criador e diretor de teatro de reconhecimento internacional, que tem nos tocado sempre com seu humor delicado, sua compreensão humana e sua inquietude, criando pequenas perolas de nossa cena no cinema e no teatro. A diretora de arte Simone Mina, multiartista, professora, figurinista, artista plástica, cenógrafa, premiada por importantes parcerias na cena teatral. Geraldinho Carneiro, poeta, compositor e dramaturgo, membro da Academia Brasileira de Letras, grande tradutor de Shakespeare, uma companhia preciosa para criação de nossa dramaturgia. Rafael Gomes, criador, roteirista, dramaturgo e diretor de teatro e de cinema, responsável por montagens teatrais de reconhecimento nacional. Kenia Dias, pesquisadora, encenadora e pedagoga no campo da dança e do teatro, desenvolve trabalhos que tem a corporalidade, teatralidade e composição como diretrizes, com o foco nas dinâmicas do movimento e suas relações com a improvisação. E Fernanda Maia, musicista, diretora musical, maga extraordinária da composição de vozes para diversos espetáculos. Pessoas que admiro muito e que tenho a imensa honra de estar na companhia para este trabalho.

Temos a alegria de contar, desta vez, com o patrocínio de um novo parceiro, empresa que acredita no valor da Arte, da Cultura, do Teatro e, principalmente, dos Artistas para o contínuo enriquecimento subjetivo e cultural de um povo, imprescindíveis para o crescimento de um país: BB Seguros,  que através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, torna a criação deste trabalho uma realidade.

Nosso Eu de Você̂ foi construído na sala de ensaio. Nossa matéria prima são as histórias reais costuradas com pérolas da literatura, música, imagens e poesia. Recolhemos as histórias. Anunciamos no jornal, nas redes sociais e fizemos uma delicada seleção de todo o material que recebemos.

Vivemos tempos estranhos que nos convidam diariamente ao isolamento, ao medo do convívio e ao individualismo. Uma espécie de epidemia que nos tem aprisionado atrás de nossas telas geniais, que nos conectam e distanciam em alternância estroboscópica num abismo de encantamento e retórica. Um tempo que tem confundido e abalado a nossa esperança. Tenho a impressão de que cada dia nos distanciamos mais da potência que poderíamos ser se estivéssemos realmente conectados e acredito que o Teatro ainda é capaz de promover este milagre.

Muitas vezes, estou em cena e me comovo com o próprio evento teatral. Penso naquele pacto oculto entre nós, atores e público, quinhentas, seiscentas pessoas, celulares desligados, o silêncio coletivo, as risadas, todos concentrados no mesmo ponto, conectados de verdade, num milagre de presença. Recebemos sempre o público na porta para fazê-los perceber ainda mais, que estamos, sim, inacreditavelmente, verdadeiramente, todos ali.

Acredito no que esta percepção de presença é capaz de provocar, na potência desse poderoso ritual de reflexão chamado Teatro. Acredito porque vi ele acontecer. Rodamos o Brasil há́ mais

de dez anos com as produções de nossa NIA TEATRO e já colecionamos cerca de 700.000 espectadores, sempre fazendo espetáculos das periferias aos grandes centros, de pequenas a grandes cidades. O retorno que tivemos deste público tão diverso, a maneira com que vimos eles  saírem do teatro, me enchem de esperança.

Agora vamos para EU DE VOCÊ. Contando histórias reais, rompendo a fronteira entre palco e plateia, fato e ficção, pedaços de vida embalados pela arte, pretendendo ampliar o nosso Teatro para uma real experiência de empatia.

Denise Fraga, julho de 2019

 

Ficha Técnica

Idealização e Criação: Denise Fraga, José Maria e Luiz Villaça

Com Denise Fraga

Direção Luiz Villaça

Produção José Maria

Obra inspirada livremente nas narrativas de Akio Alex Missaka, Anas Obaid, Barbara Heckler, Bruno Favaro Martins, Clarice F. Vasconcelos, Cristiane Aparecida dos Santos Ferreira, Deise de Assis, Denise Miranda , Eliana Cristina dos Santos, Enzo Rodrigues, Érico Medeiros Jacobina Aires, Fátima Jinnyat, Felipe Aquino, Fernanda Pittelkow, Francisco Thiago Cavalcanti, Gláucia Faria, José Luiz Tavares, Julio Hernandes, Karina Cárdenas, Liliana Patrícia Pataquiva Barriga, Luis Gustavo Rocha, Maira Paola de Salvo, Marcia Angela Faga, Marcia Yukie Ikemoto, Marlene Simões de Paula, Nanci Bonani, Nathália da Silva de Oliveira, Raquel Nogueira Paulino, Ruth Maria Ferreiro Botelho, Sonia Manski, Sylvie Mutiene Ngkang, Thereza Brown, Vinicius Gabriel Araújo Portela, Wagner Júnior

 

Dramaturgia: Cassia Conti, André Dib, Denise Fraga, Kênia Dias, Fernanda Maia, Geraldo Carneiro, Luiz Villaça e Rafael Gomes.

Texto Final: Rafael Gomes, Denise Fraga e Luiz Villaça

 

Direção de imagens em vídeo: André Dib

Direção de Arte: Simone Mina

Direção Musical: Fernanda Maia

Direção de Movimento: Kenia Dias

Iluminação: Wagner Antônio

Fotos para arte: Willy Biondani

Fotos de cena: Cacá Bernardes

Programação visual: Guime Davidson, Phillipe Marks

Redes Sociais: Pedro Lins

Assessoria de Imprensa SP: Morente Forte Comunicações

Assessoria de Imprensa POA: Bruna Paulin

Projeto realizado através da Lei Federal de Incentivo à Cultura

Apoio: Hotel Everest

Parceria Institucional: Theatro São Pedro

Co-produção: Café Royal

Produção: NIA Teatro

Patrocínio:  BB Seguros

Realização: Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania e Governo Federal

 

Ingressos

Galeria – R$ 40,00

Camarote lateral – R$ 50,00

Camarote central – R$ 60,00

Plateia – R$ 70,00

Descontos para estudantes, idosos, doadores de sangue, pessoas com deficiência, jovens de baixa renda e clientes BB Seguros

Sessão Acessível de junho na Cinemateca Capitólio Petrobras traz o longa “Diamantino”, no sábado, dia 22

DIAMANTINO_BRAZIL-HD24_PRORES4444_VOLTRT_VO51_VILTRT_VI51-26062018.00_59_11_17.Still027

 

Atividade integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 06 de junho de 2019 – No sábado, 22 de junho, o público poderá conferir a terceira das dez sessões acessíveis que integram a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio master da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O filme Diamantino, dirigido por Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, será exibido com sessão gratuita, às 14h. A atividade terá interpretação em Libras feita pela Ovni Acessibilidade Universal, parceira cultural do projeto.

Diamantino foi o Grande Prêmio da Semana da Crítica de Cannes 2018, e é uma coprodução entre Portugal, França e Brasil. Com inspirações no ensaio do escritor norte-americano David Foster Wallace sobre o tenista Roger Federer e no mítico Cristiano Ronaldo, a trama traz o jogador de futebol Diamantino (Carloto Cotta) no centro da história. Depois de ser responsabilizado por um dos maiores fracassos da história recente do futebol português, o jogador resolve deixar os campos. Em crise, ele resolve fazer uma série de coisas em busca de um novo propósito na vida, entre elas, a adoção de um refugiado. Enquanto embarca nessa odisseia, as irmãs gêmeas do jogador tramam para continuarem lucrando às custas do seu talento nas quatro linhas. Rodado em Portugal, o filme trata de maneira bem-humorada assuntos da atualidade, como o culto à celebridade, o crescimento da extrema direita e a crise dos refugiados.

As sessões acessíveis da Programação Especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. Além desta atividade, o projeto engloba oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses e duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o Projeto Cinemateca Capitolio Petrobras – Programação Especial 2019, aprovado na Lei Rouanet/ Governo Federal, realizado pela Fundação Cinema do RS – Fundacine e possui patrocínio master da Petrobras.

“O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes da sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

Sobre o filme

Sinopse:

Diamantino, o maior jogador de futebol do mundo, perde seu talento e encerra sua carreira em desgraça. Em busca de um novo propósito na vida, o ícone internacional embarca numa odisseia delirante, onde ele enfrenta o neofascismo, a crise dos refugiados, mutações genéticas, e a busca pela origem de seu gênio.

 

Ficha Técnica:

direção: Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

produzido por: Daniel van Hoogstraten, Justin Taurand e Maria João Mayer

produtora: Maria & Mayer (Portugal) / Les Films du Belier (França)

coprodução: Syndrome Films (Brasil)

roteiro: Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

elenco: Carloto Cotta, Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Joana Barrios, Maria Leite

direção de fotografia: Charles Ackley Anderson

direção de arte: Bruno Duarte e Cypress Cook

montagem: Raphaëlle Martin-Holger

edição de som: Daniel Turini e Fernando Henna

mixagem: Benjamin Viau

música original: Ulysse Klotz & Adriana Holtz

 

 

 

 

“Sueño Florianópolis” inaugura programação de sessões acessíveis 2019 na Cinemateca Capitólio Petrobras no sábado, 27 de abril

SF 02

 

Atividade integra a programação especial com 26 atividades com patrocínio da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre

 

Porto Alegre, 17 de abril de 2019 – No sábado, 27 de abril, inicia a série de dez sessões acessíveis que integram a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras com patrocínio da Petrobras e produção cultural da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O filme Sueño Florianópolis, escrito e dirigido por Ana Katz foi o escolhido para abrir a programação, com sessão gratuita às 14h.

O filme, uma coprodução entre Brasil, Argentina e França, conta a história de uma família que viaja da Argentina para o Brasil em busca de reconexão entre si. No elenco, estão os atores brasileiros Andréa Beltrão, Caio Horowicz, Marco Ricca, e os argentinos Mercedes Morán, Gustavo Garzón, Manuela Martinez e Joaquin Garzon. O longa conquistou três prêmios no Karlovy Vary International Film Festival: Melhor Atriz (Mercedes Morán), Prêmio Especial do Júri e Prêmio da Crítica Internacional. Produzido pela Prodigo Films, Campo Cine e Groch Filmes, as filmagens aconteceram entre abril e maio de 2017, em Florianópolis (Santa Catarina/Brasil) e Buenos Aires (Argentina).

As sessões acessíveis da programação especial 2019 da Cinemateca Capitólio Petrobras contam com legendagem descritiva, audiodescrição e libras. O projeto conta com oito mostras de cinema, quatro eventos “Noites na Cinemateca”, duas masterclasses, dez sessões de cinema acessível, além de duas exposições relacionadas ao acervo da Cinemateca. Além disso, o aporte também possibilitou a compra de equipamentos que proporcionarão acessibilidade completa (Libras, legenda descritiva e audiodescrição), que em breve será disponibilizada.

“O projeto como um todo reforça a vocação da Cinemateca como um espaço de cinefilia e reflexão crítica do cinema clássico e contemporâneo e como um local de referência na preservação do audiovisual garantindo a difusão do seu acervo ao público. Estamos também muito felizes com a realização da programação acessível que vem ampliar a democratização do acesso à Cinemateca garantindo a inclusão de pessoas com deficiências”, afirma Andreia Vigo, Diretora da Cinemateca Capitólio Petrobras.

A bilheteria abre 30 minutos antes da sessão, para distribuição de senhas. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

 

 

Sinopse

Buenos Aires, Argentina, verão de 1990, Pedro (Gustavo Garzón) e Lucrécia (Mercedes Morán), separados após vinte e dois anos de casamento, decidem viajar de férias com seus dois filhos adolescentes rumo ao litoral Sul do Brasil. Motivados pelo câmbio favorável, caem na estrada em um Renault 12, sem ar-condicionado, e viajam 1.750 km até Florianópolis (Santa Catarina). Juntos, porém separados, conhecem Marco (Marco Ricca) e Larissa (Andrea Beltrão). Pouco a pouco vão descobrindo qual é o sonho de cada um.

 

Ficha técnica

Direção: Ana Katz

Roteiro: Ana Katz e Daniel Katz

Produzido por: Beto Gauss, Camila Groch, Francesco Civita, Nicólas Avruj

Produção Executiva: Camila Groch, Beto Gauss, Nicolás Avruj

Uma Produção: CAMPO CINE (ARG) e PRODIGO FILMS (BRA), em coprodução com GROCH FILMES (BRA)

Fotografia: Gustavo Biazzi

Direção de Arte: Gonzalo Delgado

Elenco Brasil: Andrea Beltrão (Larissa), Marco Ricca (Marco), Caio Horowicz (César)

Elenco Argentina: Mercedes Morán (Lucrécia), Gustavo Garzón (Pedro), Manuela Martinez (Flor), Joaquim Garzón (Julián)

Distribuição: VITRINE FILMES (BRA)

Sales Agent Internacional: Film Factory

 

SOBRE A DIRETORA

 

ANA KATZ é uma diretora argentina formada pela Universidad del Cine de Buenos Aires. Acumula também experiências como roteirista, dramaturga e atriz. Tem filmes premiados em importantes festivais pelo mundo, como São Paulo Short Film Festival, Rotterdam Film Festival, Habana Film Festival, Festival de Mar del Plata, Festival de San Sebastián e Festival de Cannes. Em 2012 foi convidada para mostras retrospectivas de seus filmes em Nova York (USA) e em Belo Horizonte (Brasil). Em 2013 seu projeto “Sueño Florianópolis” foi vencedor do Edital de Coprodução Brasil-Argentina, promovido pela ANCINE e INCAA. No ano de 2014 rodou seu quarto longa-metra gem, “Mi amiga del Parque”, ganhador do prêmio Ibermedia e selecionado no Festival de San Sebastián.

 

Filmografia

 

Direção / Roteiro (Longas)

“Sueño Florianópolis” (2018)

“Mi amiga del parque” (2018)

[Prêmio de melhor roteiro em Sundance 2016]

“Los Marziano” (2011)

[Competição Oficial do Festival de San Sebastián – Espanha]

“Una novia errante ” (2007)

[Seleção Un certain regard, Festival de Cannes]

“El juego de la silla” (2002)

[Premiado em festivais da Espanha, Alemanha, França e Itália]

 

Direção / Roteiro (Curtas)

“El Fotógrafo” (2005)

“Mujeres en Rojo: Despedida” – telefilme (2005)

“Ojalá corriera viento” (2001)

“Pantera” (1998)

“Merengue” (1995)

 

 

Ministério da Cultura e Petrobras apresentam espetáculo infantil Terremota em Porto Alegre e Gravataí

terremota_maria-clara-diniz2

Com apresentações gratuitas, projeto também oferece intérprete de libras nas apresentações e encontro de dramaturgia, que ocorrem no mês de novembro

 

Chega ao Rio Grande do Sul a premiada peça infantil Terremota, de São Paulo, com Jackie Obrigon e Guto Togniazollo. A montagem, escrita e dirigida pelo dramaturgo Marcelo Romagnoli, o mesmo da Bandamirim, conta com o patrocínio do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura, via Lei Rouanet, e tem como objetivo proporcionar a circulação de peças teatrais não inéditas pela Região Sul do país. O público de Porto Alegre e Gravataí poderá conferir as apresentações que ocorrem nos dias 16 e 23 de novembro no Teatro do Sesc, 19 no Teatro Bruno Kiefer, na Casa de Cultura Mario Quintana e dia 18 no Sesc Vale do Gravataí.

Terremota conta a história de Maria, menina que mora com seu Tio Bigode e passa muito tempo sozinha com o gato Platão dentro de casa, onde observa o mundo através da janela da sala. Depois que uma tempestade frustra os planos da família de ir à praia, Maria decide, então, proclamar sua própria República – a Terremota – e virar a Maria Terremota Primeira. Ali ela manda, desmanda e conta com a ajuda do tio e do gato na brincadeira.

“Isso revela a relação de poder entre adultos e crianças. Quem ensina quem? Maria realmente questiona o mundo adulto e se torna a dona do apartamento”, conta Romagnoli. Ele acrescenta que a personagem foi inspirada nas personagens Mafalda, do argentino Quino, e Pippi Meialonga, da escritora sueca Astrid Lindgren, por serem “libertárias e revolucionárias”.

Maria é interpretada pela premiada atriz Jackie Obrigon, que há poucos meses esteve em Porto Alegre com o espetáculo adulto Galileu Galilei. Acostumada a atuar para crianças desde o começo de sua carreira, ela acredita que esse é o verdadeiro trabalho de formação de público. “É uma plateia mais sincera, reage na hora, joga junto, você precisa estar inteiro porque eles estão, e não aceitam qualquer coisa”, ressalta a atriz. Terremota já levou os prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte, em 2012, como Melhor Texto, e o Coca-Cola Femsa 2012 – Melhor Atriz e Melhor Texto.

O projeto inclui, ainda, um encontro direcionado a educadores, escritores, dramaturgos, estudantes, atores e interessados. Intitulado Caminhos da dramaturgia para crianças no Brasil, o objetivo é trocar e debater experiências, formas e conteúdos sobre a dramaturgia jovem atualmente feita no Brasil, seus avanços, resultados e dificuldades. A atividade, com entrada franca, tem duração de duas horas e é comandado por Marcelo Romagnoli, Jackie Obrigon e Guto Togniazollo. Em Porto Alegre o evento está agendado para 20 de novembro, das 15h às 18h, na sala Hermes Mancilha na Casa de Cultura Mario Quintana. Inscrições devem ser feitas com inscrições e informações Viviana Schames 519137-1990 vivi.schames@gmail.com. Em Gravataí, o encontro será no dia 17, das 17h às 20h. As inscrições devem ser realizadas através do fone: 51 3497-6174 (falar com Fernanda ou Jhonatan).

Tanto as apresentações quanto o encontro são gratuitos e a peça conta ainda com intérprete de LIBRAS, o que torna o ambiente cultural inclusivo e democrático.

 

Ficha Técnica

TERREMOTA

Texto e direção: Marcelo Romagnoli

Com: Jackie Obrigon e Guto Togniazzolo

Cenário e Luz: Marisa Bentivegna

Figurinos: Cláudia Schapira

Música composta: Tata Fernandes e Dr Morris

Trilha Sonora: Dr Morris

Produção Musical e arranjos: Dr Morris

Adereços: Ivaldo de Mello

Fotos : Maria Clara Diniz 

Stan in:Milena Gasparetti e Fábio D’Arrochella.

Técnico de luz: Jean Marcel

Teacnico de som :Bruno Garcia

Direção de Produção: Jackie Obrigon

Concepção  e realização : Jackie Obrigon e Marcelo Romagnoli

Assessoria de imprensa local: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Duração: 50 minutos

Recomendação etária: livre

 

Sinopse

Maria é uma menina corajosa e esperta que mora com o tio Bigode e o gato Platão. Sua maior diversão é analisar o mundo pela janela. Num feriado, o tio resolve viajar, mas uma forte chuva atrapalha os planos.  A menina fica indignada e prepara uma revolução: inventa um outro mundo na sala de casa e funda a República Terremota.

 

Serviço:

Terremota – Apresentações em Porto Alegre

Teatro do Sesc (Av. Alberto Bins, 665 – Centro)

Apresentações: 16/11 – 15h e 20h | 23/11 – 15h e 20h

 

Teatro Sesc Vale do Gravataí (Rua Anápio Gomes, 1241 – Centro)

Encontro de Dramaturgia – 17/11 das 17h às 20 h – inscrições e informações Viviana Schames 519137-1990 vivi.schames@gmail.com

Apresentações – 18/11 às 15h e 20h

 

Casa de Cultura Mario Quintana (Rua dos Andradas, 736 – Centro Histórico)

Apresentação – 19/11 às 16h – Teatro Bruno Kiefer

Encontro de Dramaturgia – 20/11 das 15h às 18h – inscrições e informações Viviana Schames 519137-1990 vivi.schames@gmail.com – Sala Hermes MancilhaTodas as atividades têm entrada franca e serão acompanhadas por intérprete de LIBRAS

É Proibido Miar volta a cartaz na Sala Álvaro Moreyra

proibido-miar-11_thais-fernandes-jpg

Apresentações ocorrem nos dias 15, 16, 22 e 23 de outubro

 

Em comemoração ao Mês da Criança, a M.A.Cia – teatro, dança e assemelhados promove uma série de apresentações durante o mês de outubro do espetáculo É Proibido Miar, encerrando com temporada nos dias 15, 16, 22 e 23, na Sala Álvaro Moreyra.

O espetáculo, baseado no livro homônimo de Pedro Bandeira, traz um importante diferencial: desde sua concepção os atores utilizaram o potencial criativo da audiodescrição e LIBRAS, enquanto narrativa e gesto. “Queremos que as crianças que não enxergam ou não escutam desfrutem de atividades artísticas em igualdade de condições com as demais, conquistando autonomia por meio de recursos de acessibilidade para constituir a plateia de hoje e também a do futuro”, declara a atriz e produtora Juliana Kersting.

Ao trazer a oportunidade de assistir a um espetáculo para todas as crianças, a companhia busca mostrar que o diferente existe e está em todos os lugares. “Nossas atitudes são importantes e contribuem para o convívio entre todas as pessoas”, afirma. Para além de uma peça para crianças, É Proibido Miar é um trabalho que atinge adolescentes e adultos, ouvintes e videntes, pessoas cegas ou com baixa visão e surdos, além de pessoas com síndrome de Down, Asperge, Autismo e/ou deficiência cognitiva, de uma forma onde todos possam ter uma nova experiência através do teatro.

“Nosso objetivo é, além de oferecer a oportunidade de todas as pessoas poderem ir ao teatro, é de também promover a importância da acessibilidade”, conta o diretor Denis Gosch. Minutos antes de iniciar cada sessão, os atores convidam o público a participar de um “tour tátil” pelo espaço onde a apresentação será realizada, espaço cênico e figurinos. Assim, as pessoas cegas ou com baixa visão recebem mais estímulos sobre a história que será contada e o público vidente pode conhecer um pouco mais sobre a peça interagindo com o espaço cênico.

Financiado pelo edital Fumproarte Porto Alegre Amanhã 2014, É Proibido Miar estreou em 2015 e conta a história do cãozinho Bingo que não via nenhum problema em miar como um gato, mas sua família e sua dona não pensavam como ele. “Partilhamos do conceito de que a deficiência não está nas pessoas, mas no ambiente, na informação e nas atitudes de acolhimento não preparados para a diversidade. Quando adaptamos essas três variáveis, a deficiência desaparece e todos podemos miar, latir ou cacarejar à vontade”, diz Juliana.

As apresentações na Sala Álvaro Moreyra ocorrem às 16h, com ingressos antecipados a R$ 30,00 na Livraria Bamboletras e pela internet. Nos dias de espetáculo, as entradas custam R$ 40,00 com descontos de 50% para estudantes, pessoas com deficiência, idosos e classe artística. Para saber mais sobre a programação do espetáculo durante outubro, acesse: http://www.eproibidomiar.com.br

Direção: Denis Gosch

Atuação: Dani Dutra, Douglas Dias, Joana Amaral e Juliana Kersting

Audiodescritora: Mimi Aragón

Psicopedagoga especializada em educação para surdos: Joana Amaral

Iluminação: Casemiro Azevedo

Produção: Débora Maier e Juliana Kersting

Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Realização: M.A.Cia – teatro, dança e assemelhados

É Proibido Miar – temporada do Mês da Criança

15, 16, 22 e 23 de outubro, sábados e domingos sempre às 16h

Sala Álvaro Moreyra (Av. Erico Veríssimo, 307)

Ingressos: R$ 40,00

Compre antecipadamente por R$ 30,00 nos postos de venda:

– Livraria Bamboletras (Rua General Lima e Silva, 776 loja 3)

– pela internet*: www.bit.ly/miar-antecipado

* taxa de conveniência de 10%

Desconto de 50% para estudantes, pessoas com deficiência, idosos e classe artística.

Assista nosso vídeo de boas-vindas:

https://www.youtube.com/watch?v=dpydmbed-Uw

Confira nossa agenda para o mês da criança em nosso site: www.eproibidomiar.com.br

E nos siga em nossa fanpage https://www.facebook.com/eproibidomiar/

Blog no WordPress.com.

Acima ↑