Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

Tag

52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Longa-metragem A Colmeia em Zero Hora

zh_28.11.19.jpg

 A Colmeia estreia em festivais no Brasil e no exterior

A_Colmeia_Poster_1080x1920

 Segundo longa-metragem de Gilson Vargas terá duas premières internacionais a partir de 24 de novembro e chega ao Brasil pela programação do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

 

A Colmeia, segundo longa-metragem de Gilson Vargas, terá sua estreia em dois festivais internacionais e um nacional a partir de domingo, 24 de novembro. A estreia mundial do projeto ocorre na Estônia, integrando a programação do PÖFF 23 – Black Nights International Film Festival, na mostra Rebels With a Cause. O evento é um dos 15 festivais competitivos membros do FIAPF – International Federation of Film Producers Association, ao lado dos festivais mais importantes do mundo, como Cannes e Tokyo. Em seguida, A Colmeia será exibido na mostra principal do Festival Internacional de Zaragoza, na Espanha, no dia 27 de novembro. O filme concorre com outras cinco produções de diferentes países, como Croácia, Holanda e Índia.

Segundo a organização do PÖFF 23 a sessão Rebels with a Cause (Rebeldes com Causa) exibe “produções que oferecem pontos de vista originais, polêmicos ou com forte valor estético para um ‘público exigente”. O PÖFF é um dos grandes festivais internacionais do mundo hoje, promovendo premières internacionais e lançando no mercado europeu importantes títulos, com especial foco para o cinema de arte.

No Brasil, A Colmeia chega ao público através do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que ocorre de 22 de novembro a 01 de dezembro. Único representante gaúcho a integrar a Mostra Novos Realizadores, o longa foi selecionado entre 701 inscritos de 22 Estados brasileiros. Segundo os curadores do festival, “Mostra Novos Realizadores pretende jogar luz sobre os novos talentos do audiovisual brasileiro, aqueles que já em seus primeiros filmes demonstram clara identidade narrativa, além de domínio da linguagem cinematográfica”. A Colmeia terá sua première brasileira na sexta-feira, 29 de novembro.

Filmado em 2017 nos municípios de Maratá e Harmonia, interior do RS, o filme situa-se na no período da 2ª Guerra Mundial e traz como protagonistas um grupo de imigrantes alemães que vive isolado no interior do Brasil. Eles tentam se manter invisíveis, mas a curiosidade dos mais jovens e a insegurança perante o novo ambiente instaura uma tensão e um ciclo de violência sem volta. A Colmeia flerta com o cinema de suspense, com doses de poesia visual, refletindo sobre os conflitos gerados pelo medo e a opressão.

Segundo Vargas, diferente de Dromedário no Asfalto, seu filme de estreia, um road movie tanto em seu roteiro quanto em sua produção, A Colmeia é um filme de processo: “tivemos a oportunidade de fazer uma imersão com equipe e atores no universo do filme antes das gravações, com visitas às locações, trabalho de pesquisa dos personagens, aulas de alemão e muito ensaios”, conta.

Durante a pré-produção do longa, o elenco pode desenvolver a construção de seus personagens através de um intenso processo de imersão dos atores, que passaram alguns dias no campo e vivendo na casa onde foram rodadas grande parte das cenas do filme, um casarão erguido em 1864. O grupo viveu como os personagens, trabalhando no campo e realizando as atividades conforme o período em que se passa a história de A Colmeia: “os atores chegaram a passar uma noite sozinhos na casa, fazendo sua própria comida, tomando banho com bacias, usando ferros de passar roupa com brasas e sob a luz de lampiões”, revela o diretor.

No elenco, Rafael Fronskoviak, Janaina Pellizon, Martina Froederich, Renata de Lelis, Thais Petzhold, Samuel Reginato, João Pedro Prates e Andressa Mattos interpretam os imigrantes alemães.

A Colmeia tem roteiro de Matheus Borges, Gilson Vargas e Diones Camargo, que também assina o argumento. A direção de arte é de Gilka Vargas e Iara Noemi e a direção de fotografia de Bruno Polidoro, parceiro de Vargas em seu primeiro longa, em diversos curtas e na série de TV Travessias. O desenho de som e a montagem são por conta de Gabriela Bervian, também parceira do diretor em diversos filmes e na vida afetiva – Gabriela e Gilson, além de casados, são sócios da Pata Negra, produtora que assina o trabalho. A dupla é responsável pela produção executiva do filme, que também conta as produtoras Eduarda Nedel e Deise Chagas na equipe.

O lançamento comercial está previsto para março de 2020, após o filme circular por festivais, com distribuição da Lança Filmes. A Colmeia tem financiamento do FSA Ancine e do FAC Pro-Cultura RS com recursos do Edital Arranjos Regionais, que fomentou a realização de diversos filmes realizados no Rio Grande do Sul, como Yonlu, de Hique Montanari, Rifle, de Davi Pretto e Disforia, de Lucas Cassales. A obra também conta com apoio Institucional do Goethe-Institut Porto Alegre e do Ministério das Relações Exteriores. Para mais informações, acesse: https://www.facebook.com/cinepatanegra/

 

GILSON VARGAS

Gilson Vargas é roteirista, diretor e produtor. Dirigiu diversos curtas-metragens premiados dentro e fora do Brasil, como o curta-metragem “Casa Afogada”, vencedor de quatro Kikitos no Festival de Cinema de Gramado. Em 2015 lançou o seu primeiro longa-metragem, “Dromedário no Asfalto”. Atualmente, está realizando a série de documentário para TV chamada “Travessias”, que também possui versão no formato de longa-metragem e foi filmada em diversos países, incluindo a Rússia, Mongólia, Estados Unidos, Japão, China e Tanzânia. No teatro, fez duas incursões como diretor, tendo recebido o Prêmio Nacional Myriam Muniz pelo espetáculo Crucial Dois Um. Leciona Roteiro e Direção no Bacharelado em Cinema da UNISINOS, no Rio Grande do Sul. A Colmeia é seu segundo longa-metragem. Gilson Vargas é também sócio da produtora Pata Negra, sediada em Porto Alegre.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑