Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

mês

outubro 2021

O Que Eu Não Posso Mais Sentir Sozinho chega às plataformas de streaming em 15 de outubro

EP que marca lançamento da carreira solo do multiartista Lipsen conta com seis faixas autorais

Depois dos lançamentos dos singles Ninguém e Como o pôr do sol, o multiartista Lipsen comemora seu aniversário na próxima sexta-feira, 15 de outubro, com a chegada de seu EP O que eu não posso mais sentir sozinho, que marca sua carreira solo autoral. O projeto reúne seis canções que apresentam ao público histórias de dores e desamores vividos pelo artista, que utiliza todo seu repertório teatral na interpretação. As faixas foram gravadas em 2021 e contam com composições produzidas durante os últimos dez anos.

O título do EP é uma referência ao desejo de dividir com o público tanto as questões amorosas que permeiam as músicas, como também sobre a necessidade de compartilhar o trabalho autoral do artista. O projeto caracteriza muito bem a múltipla personalidade de Lipsen, profissional que passa por diversos estilos e linguagens: em O que eu não posso mais sentir sozinho é possível ouvir desde referências a Luiz Gonzaga, passando por beats eletrônicos e sintetizadores, o piano romântico ao estilo Elton John, rock e MPB.

Lipsen gravou as canções acompanhado de Viridiana e Gabriela Lery, e assina a produção do EP em parceira com a produtora Corda Solta (com participação na produção de Celso Zanini e Gabriel Severo em Pavão), e colaboração de Dessa Ferreira, Dani Eizirik, Jordana Henriques, Martina Fröhlich e do Grupo Cerco. As seis faixas são de autoria de Lipsen e Ventilador conta com a parceria com Martina Frölich, parceira do artista no teatro e no Bloco da Laje.

O que eu não posso mais sentir sozinho conta com clipes dos singles Ninguém e Como o pôr do sol, já disponíveis nos canais do cantor e compositor. 

A capa, assim como os outros lançamentos, é uma criação da artista Talita Hoffmann, conhecida no mercado editorial por assinar capas de publicações das editoras Todavia Livros, Terreno Estranho, Ubu, Antofágica e Claraboia. Talita já produziu obras para outros nomes da música, como a banda O Terno, Pedro Pastoriz, Mari Romano, Murilo Sá e o selo Light in the Attic, dos EUA.

Na quinta-feira, 14 de outubro, às 20h, Lipsen, acompanhado de parte da equipe do EP, promoverá uma audição comentada, que será transmitida pela plataforma Zoom. Para mais informações, acesse – instagram.com/lipsen.ph e youtube.com/Lipsen 

Rock, pop, MPB, música regional e trilhas sonoras integram a programação de outubro da Cubo Play

Shows de Nikita, Carlos Badia, Pão de Queijo e Chimarrão, Antonio Villeroy e Duca Leindecker ocorrem nas próximas semanas na plataforma de streaming

O mês de outubro conta com diversos estilos musicais na programação da  Cubo Play, plataforma de streaming da Cubo Filmes. O público poderá conferir performances de Nikita, Carlos Badia, Pão de Queijo e Chimarrão, Antonio Villeroy e Duca Leindecker  –  os ingressos já estão à venda. 

A dupla de pop rock Nikita, formada por Jader Cardoso (vocais / violão e guitarra) e Leo Henkin (programas e guitarra / vocais) anima a noite de sexta, 15 de outubro. A performance preparada para exibição na Cubo Play conta com a participação dos músicos Rodrigo Reinheimer (baixo / vocais) e Luke Faro (bateria). A banda se apresenta às 21h, executando músicas do novo álbum, que conta com o single “Estrada zero um”. Ingressos do primeiro lote a R$ 20,00 – https://cuboplay.com.br/nikita/

Carlos Badia lança seu novo álbum, “Voo”, na sexta, 22 de outubro. O terceiro disco do artista é um trabalho totalmente instrumental e com ritmos brasileiros nada óbvios, como milongas e chamamé. O espetáculo, programado para 21h, conta com ingressos entre R$ 20,00 e R$ 100,00 https://cuboplay.com.br/voo-carlos-badia-grupo/ . No sábado, 23 de outubro, é a vez de Pão de Queijo e Chimarrão, projeto criado pelos músicos gaúchos Veco Marques e Diego Dias, que nasceu da admiração de ambos pela música mineira e pela geração do Clube da Esquina. No repertório, pérolas históricas como “Bola de Meia, Bola de Gude”, “Espanhola”, “Clube da Esquina 2”, “Trem Azul”, “San Vicente”, “Nada Será Como Antes”, “Ponta de Areia”, “Quem Sabe Isto Quer Dizer Amor” e “O Sal da Terra”, entre outras. Ingressos de primeiro lote a R$ 15,00 – https://cuboplay.com.br/pao-de-queijo-chimarrao/ 

Na sexta-feira, 29 de outubro, o compositor Antonio Villeroy promove um espetáculo híbrido, com transmissão ao vivo e público presencial. Este ano, Villeroy comemora 60 anos de vida e 40 de carreira musical com diversos lançamentos e o show que estreia na Cubo Play, “Trilhas Sonoras”. No repertório, canções do autor criadas para trilhas de filmes, novelas e peças de teatro, além de músicas de outros nomes como Michel Legrand, Rodrigo Amarante, Roberto Menescal e Chico Buarque. A lotação presencial é de 30 lugares e o público deve apresentar carteira vacinal para acessar o local. Ingressos entre R$ 20,00 e R$ 40,00 – https://cuboplay.com.br/antonio-villeroy-trilhas-sonoras/

Encerrando o mês, Duca Leindecker apresenta no sábado, 30 de outubro, o show “Triângulo”, novo projeto que lança ao lado do filho, Guilherme, no baixo, e Claudio Mattos na bateria, formando um power trio com uma pegada rock. Os ingressos de primeiro lote custam R$ 20,00 – https://cuboplay.com.br/duca-leindecker/

Além das performances, a plataforma conta com podcasts e conteúdos on demand que podem ser acessados gratuitamente. No catálogo de programas estão os podcasts A História do Disco, da artista e comunicadora Bruna Paulin, The Borbacast, do jornalista Mauro Borba, Enchendo os Canecos, com o produtor Marcelo Calçada e a estreia na plataforma, Eu Quero Ser Seu Amigo de Novo, apresentado pelo produtor e radialista Lelê Bortholacci e pela jornalista e doutora em comunicação Carol Govari, que terá seu primeiro episódio veiculado ainda este mês. O Cubo Play podcast também recebe as atrações da plataforma com entrevistas. Na área esportiva, o público pode conferir o CraqueCast com Digão e Lucas Fogs, o podcast da Prosports sobre Jiu Jitsu e o Kumite, apresentado por Márcio Miranda, sobre artes marciais. Para mais informações, acesse www.cuboplay.com.br

PROGRAMAÇÃO DE OUTUBRO CUBO PLAY

15/10 às 21h – Nikitahttps://cuboplay.com.br/nikita/

22/10 às 21h – Carlos Badia & Grupohttps://cuboplay.com.br/voo-carlos-badia-grupo/ 

23/10 às 21h – Pão de Queijo e Chimarrãohttps://cuboplay.com.br/pao-de-queijo-chimarrao/

29/10 às 21h – Antonio Villeroy –  https://cuboplay.com.br/antonio-villeroy-trilhas-sonoras/

30/10 às 21h – Duca Leindecker – Triângulo – https://cuboplay.com.br/duca-leindecker/

SOBRE A CUBO PLAY

A Cubo Play oferece conteúdos de entretenimento on-line com transmissões ao vivo e diversas opções de programas para consumo on demand. São shows musicais, eventos culturais e de esporte nas suas mais variadas formas, além de conteúdos como entrevistas, podcasts e debates.

Com três meses de existência plataforma já alcança mais de 50 mil acessos vindos de 90 países. “A Cubo Play nasceu em plena pandemia e pensada para além dela, com o objetivo de incentivar e permitir que os artistas possam ter um ambiente agradável e profissional para suas performances”, afirma Claudio Fagundes, diretor da Cubo Filmes. “Nosso objetivo é oferecer um conteúdo de alta qualidade com excelência de som e imagem para os usuários, além de proporcionar oportunidades de trabalho com segurança para a classe artística, impossibilitada neste momento de voltar aos palcos”, revela.  “Com a facilidade de comercializar ingressos ilimitados, os produtores também conseguem oferecer um valor mais acessível de ingresso, promovendo acessibilidade não somente para os espectadores que não estão em Porto Alegre, como também pelo acesso com valores mais baixos que ingressos presenciais”. 

Já passaram pela plataforma shows de artistas e grupos como Nenhum de Nós, Zé Caradípia, Nei Van Sória, Trick’n’Roll, Marcelo Gross, Rock de Galpão, Império da Lã, Anka Brasil, o Festival 100 Grandes Álbuns, entre outros. Além de receber os artistas e atrações nos estúdios da produtora, a Cubo Play também transmite eventos de outros locais, como a Copa Evolution de Jiu Jitsu.

Festival Internacional de Folclore de Nova Prata – Brasil ocorre em formato online de 15 a 17 de outubro

Evento contará 21 países participantes

Edição de 2020 recebeu o FIDAF Best Festival Award

Primeiro festival da América a entrar no circuito de concursos de dança da Federation of International Dance Festivals (FIDAF), o Festival Internacional de Folclore de Nova Prata – Brasil ocorre nos dias 15, 16 e 17 de outubro em formato online, com sua programação transmitida através dos canais do festival.

Em sua 17ª edição, o evento já recebeu 100 delegações estrangeiras e mais de 480.000 visitantes e na última semana recebeu o Prêmio de Melhor Festival de 2020 pela FIDAF, Federação Internacional de Festivais de Folclore. Este é o prêmio oficial da FIDAF e outorgado anualmente a festivais de grande expressão como Nova Prata, que em 2020 em sua edição virtual obteve um número muito expressivo de visualizações e qualidade de organização, além da capacidade de se reinventar e manter o espírito da FIDAF vivo durante a pandemia. 

Considerado pela ATUASERRA o maior evento cultural da Região Turística Uva e Vinho, em 2018 passou a integrar o calendário oficial de eventos do Rio Grande do Sul, por seu relevante interesse cultural, conforme Lei Estadual 15.094. Este ano serão 15 grupos locais participantes e 18 internacionais concorrendo ao campeonato que serão avaliados pelo júri formado por Emil Dimitrov (Bulgaria), Gabriel Frontera Mestre (Espanha), Gürhan Ozanoğlu (Turquia), Maria Szupiluk (Polônia), Vincent Reyes (Guam) e Régis Eduardo Bastian (Brasil), este como chefe do júri, além de três grupos convidados.

No campeonato internacional de danças folclóricas serão avaliados itens como técnica, figurino, música, coreografia e harmonia, além de impressão geral por uma equipe de jurados com experiência mínima de 15 júris internacionais da FIDAF. Esses avaliadores elegem os três primeiros lugares, além de melhor coreografia, melhor figurino, melhor música, e o prêmio especial do júri. Os grupos disputam entre si em busca do título de Campeão da 17ª edição do Festival e do FIDAF Brazil World Championship, sendo o Festival Internacional de Folclore de Nova Prata o primeiro na América a sediar o Concurso. As performances competitivas ocorrem na Pedreira De Conto, uma pedreira de basalto ainda em atividade na Comunidade de Gramado, interior de Nova Prata, e iniciam às 19h com transmissão pelos canais do festival e a Conecta TV.  Na noite de sábado, 16 de outubro, ocorre a semi-final, onde apenas 10 dos 18 concorrentes passam para a final. Os nomes serão conhecidos no domingo pela manhã, após a Celebração pela paz.

O público também participa da seleção dos melhores do ano: durante os dias de competição, os espectadores votam em seus grupos favoritos através do júri popular disponível no site do evento, que elege o “Prêmio de Público”. As performances presenciais serão realizadas e transmitidas pelos canais do festival, diretamente do Teatro da Pedreira.

Guardiões dos Saberes Ancestrais é o tema da 17ª edição

A cada edição uma temática norteia o festival, abordando fatos históricos de Nova Prata ou atrelados ao cenário sociocultural do mundo. Em 2021 os saberes ancestrais e seus guardiões pautam o evento. “Havia um tempo em que o ensinar e o aprender eram mais simples e próximos de nós. Um tempo em que os mais velhos eram conhecidos por ser a fonte inesgotável de tudo o que se sabia sobre o mundo e sobre as gentes. Esses saberes e fazeres eles contavam que vinham de antes de nossos avós e que assim sempre foi, desde as lições de bordado até os tratos com a terra, com as pedras, com o couro e com os bichos”, conta o diretor artístico do evento, Marcelo Nedeff.

“A humanidade passa por um momento duro em que os nossos guardiões são os maiores alvos do mal que nos assombra. Verdadeiras bibliotecas vivas silenciam e, com elas, uma imensurável gama de riquezas se dissolve. Sem nos darmos conta, toda a bagagem imaterial que eles carregam se está perdendo, junto daqueles que a guardam. É por esse motivo que o Festival Internacional de Folclore de Nova Prata, em sua décima sétima edição, recolhe aquelas vozes e memórias cheias de saberes e fazeres como forma de perpetuar esses conhecimentos seculares”.

Programação paralela

Além dos espetáculos, uma extensa programação paralela está sendo preparada para o evento. As masterclasses contarão com atividades formativas com experientes profissionais de diferentes segmentos da dança. Em três encontros, diferentes mestres nacionais e internacionais abordarão temas como as danças afro-gaúchas, o frevo e o tango, ministradas por Iara Deodoro, Lairton Guedes e Victor Recalde, da Argentina. As aulas ocorrem pela plataforma Zoom, gratuitamente, e as inscrições ocorrem pelo site do festival até quinta-feira, 14 de outubro. São 100 vagas por atividade, sem pré-requisitos para participação. 

A tradicional feira de artesanato, que reúne artesãos da região e de diversas localidades do Brasil e do exterior, neste ano, vai abrigar saberes ancestrais através de vídeos de alguns guardiões, que apresentarão o processo de criação de suas artes, com quem aprenderam e as relações criadas a partir delas.

A Feira Gastronômica também poderá ser conferida através de três programas virtuais de enogastronomia típica das etnias formadoras de Nova Prata, por meio de receitas tradicionais da região, que foram passadas de pais e avós para seus filhos e netos.

Já a Feira do Livro contará com a contribuição do campus local da Universidade de Caxias do Sul e sua editora (EDUCS), que promoverá um debate sobre ancestralidade, reunindo professores e pesquisadores do tema.  O Projeto Escola, que mobiliza a rede de ensino do município, mais de quatro mil crianças e jovens, em 2021 promoverá um intercâmbio entre os alunos de Nova Prata e de outros países que também falam a Língua Portuguesa, como Moçambique, Portugal, entre outros. Por meio de caixas de memórias produzidas pelos professores e alunos, os estudantes da cidade enviaram por correio e receberam conteúdos culturais e educativos.

Programas de turismo local, apresentações dos grupos folclóricos da região, ações solidárias também integram a programação, que podem ser acessada pelo site do evento festivalnovaprata.com.br.

O 17º Festival Internacional de Folclore de Nova Prata é apresentado por Secretaria da Cultura do Estado do Rio Grande do Sul e Atria Implementos Agrícolas. Patrocínio Master de Axell Banheiras e Spas e REGGLA. Patrício de Adylnet Telecom, Supermercados Porta, Clip, Super Cassol, Unimed, Postal Engenharia e Sicredi. Apoio de Qualisteel, Agetra Gráfica, Fogocem, Casa Trevo, Basalto Santo Antônio, Pratavera Tour, Mauricio Benigni e Artemobili. Parceria do Município de Nova Prata e da Universidade de Caxias do Sul. Organização de Bailado Gaúcho. Financiamento: PRÓ-CULTURA – Governo do Estado do Rio Grande do Sul. 

Para mais informações, acesse: https://festivalnovaprata.com.br/ | https://www.instagram.com/festivaldenovaprata/

Festival Internacional de Folclore de Nova Prata – BRASIL – 17ª edição

FIDAF Brazil World Championship

15 a 17 de outubro de 2021 – Guardiões dos Saberes Ancestrais

Grupos Locais Participantes: Pré-Bailadinho, Bailadinho, Bailado Gaúcho, Bailado Maior, Bailado Gaúcho Musical, CTG Querência do Prata, CTG Retorno à Querência, Grupo Afro, Grupo Abadá-Capoeira, Grupo CALA, Grupo Kalina, Grupo Per Tutte L’eta, Grupo Novo Milênio, Ascodef e APAE.

Júri: Emil Dimitrov (Bulgaria), Gabriel Frontera Mestre (Espanha), Gürhan Ozanoğlu (Turquia), Maria Szupiluk (Polônia), Vincent Reyes (Guam) e Régis Eduardo Bastian (Brasil)

Grupos Internacionais:

África: Madagascar: Benja Gasy

América:

México: Ballet Folclorico de la Universidad de Guadalajara

 Panamá: Centro Folklórico Atenay Batista

Ásia:

China: Beijing Dance Academy

Coréia do Sul: Neulsum Dance Company 

Filipinas: Leyte Kalipayan Dance Company

Japão: The Dance Company Izena-no-Kai 

Malásia: Sultan Idris Education University

Taiwan: YiTzy Folk Dance Theatre

Europa:

Azerbaijão: Azerbaijan State Academic Dance Ensemble

Eslováquia: Pul’s – Poddukélský umelecký l’udový súbor

Geórgia: National Song And Dance Ensemble “Georgian Folklore” (Tbilisi State Medical University)

Hungria: Duna Art Ensemble

Moldávia: Baletul National JOC

Polônia: The “Mali Gorzowiacy” Folk Dance Group 

Russia : State Song and Dance Ensemble Siverko

Turquia: Büyükçekmece Municipality Golden Bridge Folk Dance Group

Oceania:

Polinésia Francesa: Tamariki Poerani

GRUPOS INTERNACIONAIS CONVIDADOS (NÃO COMPETIDORES)

Argentina: Grupo Coreografico Nomade

Chile: Compañia de Danza Folclorica Poyenmahat

Colômbia: Grupo de Musica y Danza Folclorica de la Universidad CESMAG

Me Diz O Que Que É chega às plataformas de streaming em 08 de Outubro

Single marca a estreia da carreira solo de Miri Brock

Uma canção dançante e a cara do verão chega às plataformas de streaming no dia 08 de outubro, marcando a estreia da carreira solo de Miri Brock. A cantora, compositora e produtora cultural, com uma trajetória de mais de dez anos dedicada à música, lança Me Diz O Que Que É.

Este é o primeiro single autoral de uma série de lançamentos da artista, que conta com produção de Marcelo Fruet, conhecido e premiado por inúmeras produções no mercado fonográfico do Rio Grande do Sul. “A canção surgiu a partir de uma harmonia criada por mim no violão e a letra e melodia vieram logo depois. A inspiração veio de um encontro que tive com uma pessoa com a qual eu trabalhei por um dia. Eu a conheci e  instantaneamente fui impactada pela sua presença única, encantadora, charmosa, doce e sexy ao mesmo tempo. Percebi que não sabia nomear aquele sentimento, fiquei vários dias pensando na pessoa, querendo conviver mais com ela, usufruir mais da presença dela, algo ficou dentro de mim e acabou nascendo a música”, conta Miri. “A confusão de sentimentos é algo muito marcante da minha personalidade, sempre acho que estou apaixonada, mas geralmente é tudo fantasia da minha cabeça, logo passa e se torna música”, se diverte a musicista que já integrou as bandas Louis&Anas (posteriormente rebatizada como apenas Louis) que fundia referências do soul, da disco music e do R&B, e Miri Brock & The Back Band, em que explorava as referências femininas do standard norte-americano e do cancioneiro do samba.

A versão composta por Miri, em voz e violão, foi apresentada a Fruet e Daniel Roitmann, que criou o delicioso beat e o restante do arranjo. As gravações ocorreram nos estúdios 12 Experiências Sonoras (vozes e instrumentos eletrônicos) e Tambor e Arte, onde Lucas Kinoshita registrou as percussões. O público encontrará semelhanças com Yendry, Mahalia, Marina Senna, Duda Beat, entre outras inspirações da compositora, como Céu e Gal Costa. 

A faixa conta com clipe, gravado em Porto Alegre e São Paulo com produção e direção do  jornalista, escritor e diretor de arte Allex Colontonio, que deve ser lançado nas próximas semanas. 

Estão previstos mais lançamentos para os próximos meses, até a chegada do EP às plataformas, com previsão de estreia no primeiro semestre de 2022. Para saber mais, acesse: 

Spotify: https://spoti.fi/3jmP9jv

Instagram: https://www.instagram.com/miribrock/?hl=pt-br

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCiKfaQnvvndH_zaJXTefCgg

Facebook: https://www.facebook.com/miribrockoficial

Miri Brock é cantora, compositora e produtora cultural, com uma trajetória de mais de 10 anos dedicada à música. Após passagens pelas bandas Louis, que fundia referências do soul, da disco music e do R&B, e o projeto Miri Brock & The Back Band, em que explorava as referências femininas do standard norte-americano e do cancioneiro do samba, a artista estreia em carreira solo autoral em 2021, com o lançamento do single Me Diz O Que Que É, que conta com produção de Marcelo Fruet e clipe com direção de Allex Colontonio. 

Miri é uma das integrantes do projeto Gliti, que ela desenvolve em parceria com Victor Fão e Martina Fröhlich, um experimento musical e audiovisual que aborda temáticas de liberação feminina e sexualidades plurais numa roupagem eletropop. 

Como apresentadora, lançou em 2020 o programa de cultura Meio Desligada, em que apresenta nomes consagrados e novidades da cena pop brasileira. Também é produtora e uma das sócias do Circuito Orelhas, projeto de circulação de artistas da nova música brasileira em palcos gaúchos, vencedor do Natura Musical 2020. 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑