cartaz.jpg

Depois de oito anos o diretor retorna aos cinemas com, em suas próprias palavras, “uma história que aconteceu comigo e a conto da melhor forma que eu sei.”

 

Uma experiência pessoal de Hector Babenco foi o ponto de partida para seu novo longa, “Meu Amigo Hindu”, que estreia em 3 de março no circuito comercial do país.

Diego (Willem Dafoe) é um diretor de cinema que, ao saber que sofre de uma doença que pode ser fatal, casa-se com sua mulher de muitos anos, despede-se de seus amigos e entra numa rotina de longas jornadas em um hospital.

Lidando com a dor e conversando com a morte, conhece um menino hindu que se torna seu mais novo amigo. Um dia ele não aparece mais. Diego recebe alta, mas sua vida nunca mais será a mesma. Seu casamento acaba e, solitário, chega a se questionar se ele não estaria morrendo e ninguém lhe diz nada, até que conhece uma nova mulher.

No elenco, estão nomes como Willem Dafoe, Maria Fernanda Cândido, Barbara Paz, Selton Mello, Guilherme Weber, Reynaldo Gianecchini, Tuna Duek e Dan Stulbach.

O longa é uma produção é da HB Filmes e foi produzido por Babenco, além de contar com os produtores executivos Jeremy Thomas e Marcelo Torres. A distribuição nacional é da Europa Filmes.

O Diretor

Nascido em Buenos Aires, na Argentina, Hector Babenco se mudou para o Brasil aos 19 anos. No cinema, antes de assinar seu primeiro longa-metragem, foi produtor executivo e codiretor, com Roberto Farias, de “O Fabuloso Fittipaldi” (1973). Dirigiu seu primeiro longa de ficção, “O Rei da Noite”, em 1975 e em 1977, “Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia”. Em seguida, lançou dois de seus filmes mais reconhecidos, “Pixote, A Lei do Mais Fraco” (1980) e “O Beijo da Mulher-Aranha” (1984).

Trabalhou com Jack Nicholson e Meryl Streep em “Ironweed”(1987), filme pelo qual os dois atores foram indicados ao Oscar, e com Aidan Quinn e Katty Bates em “Brincando Nos Campos do Senhor” (1990). “Coração Iluminado” (1998) marcou a volta de Babenco à ativa, depois de vencer um câncer linfático, descoberto oito anos antes. Em “Carandiru” (2003), levou para as telas o livro Estação Carandiru de Dráuzio Varella, médico oncologista que acompanhou seu tratamento. Em 2007, abriu a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo com “O Passado”, assim como em 2015, com “Meu Amigo Hindu”.

Também dirigiu a série “Carandiru – Outras histórias” (2005), da Rede Globo e diversos espetáculos teatrais como “Loucos de Amor”, (1988), “Closer – Mais Perto” (2000) e  Hell (2010).  Sua montagem mais recente foi “Vênus em Visom”, que esteve em cartaz em 2013 e 2014.

Meu Amigo Hindu (Brasil, 115 min., 2015)

Direção e roteiro: Hector Babenco

Produção: HB Filmes

Produtor: Hector Babenco

Produtores executivos: Jeremy Thomas e Marcelo Torres

Coprodutores: Lúcia Segall e Sun Moritz

Direção de Fotografia: Mauro Pinheiro Jr. ABC

Música original: Zbigniew Priesner

Montagem: Gustavo Giani

Designers de produção: Caroline Schamall (Carrô), Clovis Bueno, Isabel Xavier, Luís Oliveira e Clissia Morais

Figurinista: Rita Murtinho

Casting: Julia Medeiros

Elenco: Willem Dafoe, Maria Fernanda Cândido, Barbara Paz, Selton Mello, Guilherme Weber, Reynaldo Gianecchini, Denise Weinberg, Maitê Proença, Dan Stulbach, Vera Valdez, Stella Schnabel, Phil Miler, Dani Galli, Dalton Vigh, Clara Choveux e Rio Adlakha (Menino Hindu)

Produção

A HB Filmes foi fundada na década de 1970, com o intuito de produzir os filmes e trabalhos de seu sócio-fundador, o cineasta Hector Babenco.

Em mais de 40 anos, produziu longas como:

. O Rei da Noite (1975), que foi visto por mais de um milhão de expectadores nos cinemas.

. Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia (1977), que levou aos cinemas brasileiros seis milhões de pessoas.

. Pixote – A Lei do Mais Fraco (1981), que foi eleito o Melhor Filme Estrangeiro pela Associação de Críticos de Los Angeles e de Nova York, além de ter sido visto por três milhões de espectadores somente no Brasil.

. O Beijo da Mulher Aranha (1985), que recebeu quatro nominações ao Oscar: Filme, Diretor, Roteiro Adaptado e Ator para Willian Hurt, que levou a estatueta.

. Ironweed (1987), pelo qual Jack Nicholson e Meryl Streep foram indicados ao Oscar de Melhor Ator e Melhor Atriz.

. Brincando nos Campos do Senhor (1991), que teve em seu elenco nomes como Tom Berenger, Tom Waits, Kathy Bates, John Lithgow, Aidan Quinn.

. Coração Iluminado (1996), pelo qual Hector Babenco foi indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes.

. Carandiru (2003), que teve cerca de dez milhões de expectadores no Brasil e também concorreu à Palma de Ouro em Cannes.

. O Passado (2007), que com o ator mexicano Gael Garcia Bernal em seu elenco.

. Meu Amigo Hindu (2015), que é protagonizado por Willem Dafoe, Maria Fernanda Cândido, Selton Mello e Bárbara Paz.

Distribuição

A Europa Filmes é uma empresa brasileira que atua no mercado de distribuição de filmes, em cinema, vídeo, televisão e internet (VOD), desde 1990. Tem como diretor geral, Wilson Feitosa, fundador da empresa.

Possui um amplo repertório de filmes, que vai de blockbusters americanos aos filmes de arte europeus. Em seu catálogo, estão muitos indicados e ganhadores do Oscar, tanto estrangeiros como brasileiros. A Europa Filmes é uma distribuidora preocupada em oferecer o que há de melhor em conteúdos e serviços a seus parceiros e consumidores.

Globo Filmes

Desde 1998, a Globo Filmes já participou de mais de 160 filmes, levando ao público o que há de melhor no cinema brasileiro. Com a missão de contribuir para o fortalecimento da indústria audiovisual nacional, a filmografia contempla vários gêneros, como comédias, infantis, romances, dramas e aventuras, apostando em obras que valorizam a cultura brasileira. A Globo Filmes participou de alguns dos maiores sucessos de público e de crítica como “Tropa de Elite 2”, “Se Eu Fosse Você 2”, “2 Filhos de Francisco”, “O Palhaço”, “Getúlio”, “Xingu”, “Carandiru”, “Nosso Lar” e “Cidade de Deus”– com quatro indicações ao Oscar. Suas atividades se baseiam em uma associação de excelência com produtores independentes e distribuidores nacionais e internacionais.

Informações para a Imprensa

Porto Alegre: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

 

Nacional: ProCultura