EU NÃO DAVA PRAQUILO 2 - DNG
5D III

Monólogo com Cassio Scapin tem patrocínio da Petrobras e é uma homenagem ao ofício teatral através da vida da atriz e diretora Myriam Muniz

 

Com patrocínio da Petrobras, chega a Porto Alegre nos dias 04, 05 e 06 de março o monólogo “Eu não dava praquilo”, com Cassio Scapin no elenco e direção de Elias Andreato. A montagem é uma homenagem ao fazer teatral e à arte de interpretar, transcorrendo através da história do teatro brasileiro e depoimentos da vida da atriz e diretora Myriam Muniz, influente personalidade da área.

Neste monólogo cômico dramático, além de contar passagens da vida pessoal e profissional de Myrian a partir da sua biografia, o espetáculo pretende ser uma homenagem ao ofício teatral e sua importância como agente de transformação tanto individual quanto social. Para o autor e intérprete Cassio Scapin, seria impossível contar a história dos palcos brasileiros sem falar da artista paulista. Para ele, a atriz era dona de personalidade ímpar, que conferiu a ela uma forma inigualável de representar. Suas passagens pelos palcos eram impregnadas do modo como encarava a vida e o ofício do ator, Cassio a vê como “impulsiva, intuitiva, generosa, de uma generosidade hoje rara nos palcos” sendo essas muitas das qualidades que ele procura explorar nos palcos desde sua estreia em janeiro de 2015.

Para o diretor Elias Andreato, Myrian Muniz é uma sacerdotisa do teatro e os seus ensinamentos marcaram profundamente e apaixonadamente muitos artistas. Segundo ele, “Eu Não Dava Praquilo” é uma forma de agradecimento e reverência pelo seu encantamento.

As apresentações em Porto Alegre ocorrem no teatro do Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Av. Independência, 75), com sessões às 20h na sexta-feira e sábado e às 19h no domingo. Os ingressos custam R$ 25,00 e as vendas iniciam no dia 18 de fevereiro, no Café do Teatro (Phyto Bistrô) até o dia 03 de março, das 14h às 18h. Nos dias de espetáculo, a bilheteria abre três horas antes de cada apresentação.

SINOPSE

Criado por Cassio Scapin e Cássio Junqueira, “Eu Não Dava Praquilo” é um monólogo cômico dramático a partir da biografia da atriz e diretora paulista Myrian Muniz, uma das mais influentes personalidades do teatro brasileiro das últimas décadas. O monólogo foi indicado ao prêmio APCA nas categorias autor, diretor e ator, além de contar passagens da vida pessoal e profissional da homenageada, o espetáculo pretende ser uma ode ao ofício teatral e sua importância como agente de transformação tanto individual quanto social. Direção de Elias Andreato. Com Cassio Scapin.

FICHA TÉCNICA

Roteiro: Cássio Junqueira e Cassio Scapin

Elenco: Cassio Scapin

Direção: Elias Andreato

Figurino e Cenário: Fabio Namatame

Iluminação: Wagner Freire

Trilha Sonora: Jonatan Harold

Assistente de Direção: André Acioli

Produção Executiva: Angela Dória

Fotos: João Caldas

Programação Visual: Denise  Bacellar

Direção de Produção: Fernanda Signorini

Realização: Signorini Produções e Dub Serviços Artísticos

Produção Local: Primeira Fila Produções

Assessoria de Imprensa Local: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

 

SERVIÇO

Eu Não Dava Praquilo
Local: Teatro do Centro-Histórico Cultural Santa Casa
Endereço: Av. Independência, 75

Data: 04, 05 e 06 de março de 2016
Horário: sexta-feira e sábado às 20h, domingo às 19h

Ingressos: R$ 25,00

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 16 anos
Ingressos:

Vendas antecipadas:

De 18 de fevereiro a 03 de março – Café do Teatro (Phyto Bistrô), das 14h às 18h

 

Nos dias de espetáculo, a bilheteria abre três horas antes de cada apresentação

 

Descontos de 50% para titulares e acompanhante do Clube do Assinantes

 

Saiba Mais

 

CASSIO SCAPIN

Cassio Scapin é um dos grandes atores brasileiros, formado pela Escola de Arte Dramática da USP participou de diversas telenovelas, filmes, minisséries e peças de teatro de sucesso. Desde 1984 trabalha como ator profissional e nos últimos anos esteve nas peças “O Mistério de Irma Vap”, com direção de Marília Pêra e “O Libertino”, com direção de Jô Soares. Na televisão é muito reconhecido pelo participação no Castelo Rá-Tim-Bum e atualmente é contratado da Record onde atuou na novela Ribeirão do Tempo. Recebeu o Prêmio Mambembe, o Prêmio Governador do Estado, o Prêmio Associação Paulista dos Críticos de Arte, o Prêmio Apetesp entre muitos outros. No currículo reúne participação em mais de 30 projetos no teatro, 12 na televisão além de concertos, longas e curtas metragens.

 

CÁSSIO JUNQUEIRA

Cássio Junqueira é um apaixonado pelas formas literárias, principalmente pela poesia. Desde 2004 publicou 9 obras entre as quais estão “A beleza fundamental de todos os lugares”, “Poeta no divã” e “Só Poesia”. O autor também realiza recitais nas principais livrarias e bibliotecas de São Paulo. Como poeta ganhou os prêmios “Segnalazione di merito” para o poema “Deus fala comigo” no Prêmio “Poesia, Prosa e Arti figurative” 2005 da “Accademia Internazionale Il Convivio” e o “1° Premio assoluto”, em 2012, na “35ª edizione del “Premio Letterario Internazionale Franco Delpino – Santa Margherita Ligure”, promovido pela ANPAI – Associazione Nazionale Poeti Autori e Artisti d’Italia.

 

ELIAS ANDREATO

Elias Andreato é um reconhecido ator e diretor teatral brasileiro que atua desde a década de 1970 no teatro, na televisão e no cinema. Estreou os monólogos “Diário de um Louco”, de Nicolai Gogol e “Van Gogh”, baseado nas cartas do pintor. Além disso, atuou nas peças “Lua de Cetim”, de Alcides Nogueira, “Trágico à Força”, de Anton Tchecov, “Édipo Rei”, de Sófocles, “Hello! Boy”, de Roberto Gil Camargo, entre outras. Com “Sexo dos Anjos”, em 1990, ganhou os prêmios Shell, Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e Apetesp de melhor ator.

 

FÁBIO NAMATAME

Fabio Namatame é um famoso figurinista e cenógrafo brasileiro formado em Publicidade e Propaganda pela FAAP. Depois de participar de um curso de expressão corporal e estudar com a atriz Denise Stoklos começou a atuar em espetáculos de mímica, para os quais ele mesmo criava os figurinos. A partir daí, realizou trabalhos de direção de arte em teatro, ópera, publicidade e cinema pelos quais recebeu os prêmios Shell, Apetesp, APCA, Mambembe, Cultura Inglesa e Sesc. Fábio criou o cenário e o figurino de inúmeras obras teatrais como: “Oscar Wilde”, dirigida por Vivien Buckup, “Desmedéia”, dirigida por Denise Stoklos, “Intimidade Indecente”, dirigida por Regina Galdino, entre outras. Criou os figurinos das óperas “Carmen”, dirigida por Carla Camurati, “O Guarani”, “Bodas de Fígaro”, “Falstaff” e “Romeu e Julieta”, dirigidas por José Possi Neto, além das peças teatrais “Joana Dark”, dirigida por José Possi Neto, “Cenas de um Casamento”, dirigida por Vivian Buckup, “Pigmaleoa”, dirigida por Jacques Lagoa, entre outras.