Busca

Bruna Paulin

Assessoria de Flor em Flor

mês

setembro 2014

jc_15.09.14

Dromedário no Asfalto na imprensa

metro_15.09.14correiodopovo_14.09.14 correiodopovo_14.09.14

Pluft, o Fantasminha tem apresentações nos dias 27 e 28 de setembro no Theatro São Pedro

foto Guga Melgar 18

Montagem dirigida por Cacá Mourthé traz Claudia Abreu no papel título

 

Chega a Porto Alegre nos dias 27 e 28 de setembro o espetáculo Pluft, o Fantasminha, uma das mais emblemáticas peças de Maria Clara Machado (1921/2001). A montagem, dirigida por Cacá Mourthé iniciou uma turnê nacional após temporada de 2013 no Teatro O Tablado, no Rio de Janeiro, passando por Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre e São Paulo.

Indicado a seis e vencedor de duas categorias (Menção Honrosa e Melhor Atriz) no Prêmio Zilka Sallaberry 2013, esta versão comemorativa dos dez anos de sua mais recente montagem traz Claudia Abreu no papel-título, José Lavigne, Thelmo Fernandes, Miriam Freeeland, Renata Amaral, Sergio Maciel, Pedro Kosovski e João Sant’anna no elenco.

Esta montagem nasceu do desejo de levar às novas gerações a alegria e a riqueza deste que é um dos mais importantes textos da dramaturgia voltada ao público infanto-juvenil, considerado uma obra-prima por críticos e artistas.

Desde 1955, PLUFT vem sendo montado por amigos, familiares, alunos, ex-alunos consagrados. Sempre com muita emoção e muito afeto, muito afeto mesmo. Estamos caminhando para a nona montagem e esta comemorativa dos dez anos da última apresentação. PLUFT é um verdadeiro caleidoscópio de emoções e parcerias, encontros e amizades. Um clássico como Pluft deveria estar permanentemente em cartaz assim como O Pássaro Azul, de Stanislavski, que permanece há anos e anos em cartaz na Rússia, em Moscou.”, afirma a diretora Cacá Mourthé.

Pluft, o Fantasminha estreou no Tablado em setembro de 1955 e desde então não parou de correr os palcos do Brasil e do exterior, fascinando públicos de todas as idades – seus primeiros espectadores, hoje avós, levaram seus filhos e depois seus netos para conhecer a história deste fantasminha que já foi traduzida para mais de dez idiomasmontada em toda a América Latina, Alemanha, França, Itália e até mesmo nos países da antiga União Soviética.

As apresentações ocorrem nos dias 27 e 28 de setembro, às 16h e 19h no sábado e às 11h e 16h no domingo. Os ingressos custam entre R$ 30,00 e R$ 70,00 e já estão à venda na bilheteria do teatro ou pela Compre Ingressos – www.compreingressos.com | (51) 26261310

Saiba Mais

PLUFT, O FANTASMINHA – UMA HISTÓRIA QUE COMEÇOU EM 1955

“Pluft, o Fantasminha”, texto de Maria Clara Machado que estreou há quase 60 anos, tornou-se um clássico da literatura dramática brasileira, inaugurando, em sua síntese poética, uma linguagem teatralmente elaborada para crianças.

“Pluft” estreou no Tablado em setembro de 1955 e desde então não parou de correr os palcos do Brasil e do exterior, fascinando gente de todas as idades – existem espectadores dos anos 1950 que já são avós, tendo acompanhado seus filhos para ver a peça que os encantara quando crianças e mais tarde os netos, num reencontro de gerações com o personagem criado por Maria Clara Machado.

Marco tanto na história do Teatro O Tablado quanto do teatro infantil brasileiro, “Pluft” consolidou o prestígio do grupo fundado por Maria Clara. O badalado Prêmio Saci, atribuído ao espetáculo pela crítica paulista, sancionaria a importância da peça.

O impacto sobre as plateias foi extraordinário e até hoje persiste. Considerada obra-prima por críticos e artistas, “Pluft” se aproxima dos 60 anos com o mesmo carisma e fascínio que exerceu sobre as pessoas que o assistiram há décadas atrás. Em mais cinquenta anos, a história deste fantasminha já foi traduzida para mais de dez idiomas, montada em toda a América Latina, Alemanha, França, Itália e até mesmo nos países da antiga União Soviética.

O TABLADO E AS CRIAS DA CASA

A volta de Claudia Abreu ao personagem, neste momento de sua vida, tem uma forte motivação: Eu quis voltar a fazer a peça porque tive três filhos depois da outra montagem, e eles têm menos de 6 anos! Quis fazer especialmente para eles. Acho que vai ser um marco carinhoso na infância deles. Espero me divertir muito, como da primeira vez, e também descobrir novas formas de fazer essa peça maravilhosa. O contato com as crianças é sempre surpreendente e encantador!

E quanto à volta ao Tablado, casa onde Claudia iniciou sua carreira de atriz: O Pluft significa meu eterno retorno ao Tablado. Já voltei pra fazer ‘O Boi e o Burro’, leituras, cursos de filosofia, além de fazer o ‘Pluft’ pela segunda vez. Lá conheci meus grandes amigos da vida toda. E lá reencontro o verdadeiro sentimento que me fez escolher esse ofício, sem as vaidades e distorções tão freqüentes nesta profissão. Me sinto em casa.”

diretor de TV e teatro José Lavigne (diretor de “Na Moral”, com Pedro Bial, Lavigne fez história no teatro carioca dos anos 1980 à frente do grupo Manhas e Manias, celeiro de talentos como Andrea Beltrão, Debora Bloch e Pedro Cardoso, e na TV dirigiu sucessos como TV Pirata, Armação IlimitadaCasseta & Planeta Urgente e Fantástico) é outra ‘cria da casa’. Atuou nas peças “A Bruxinha Que Era Boa”, “O Embarque de Noé”, “O Patinho Feio” e “O Camaleão na Lua”, além de do próprio “Pluft”. Dirigiu “O Rapto das Cebolinhas” (que considera sua primeira direção profissional) e mais recentemente “Maroquinhas Fru Fru” (2012), que marcou sua volta ao teatro depois de anos se dedicando exclusivamente à TV.

José Lavigne sobe ao palco pela terceira vez para interpretar o Tio Gerúndio de “Pluft, o Fantasminha”. Ele esteve na montagem de2003, com Claudia Abreu no papel título, e também na montagem de 1977, em que Cacá Mourthé intepretava Pluft.Participar de mais uma montagem do ‘Pluft’ me dá uma segurança de ter uma raiz forte a que me apegar, um lugar ao qual pertenço há quarenta anos e pretendo continuar pertencendo”, afirma Lavigne. “Quero me divertir ao máximo possível com meus amigos e, espero, com o público”, completa.

A história de Claudia Abreu e José Lavigne tem em comum com a dos demais atores, todos ‘crias da casa’, a forte ligação afetiva e profissional com O Tablado, onde deram seus primeiros passos e cresceram como artistas.

SINOPSE

A peça conta a história do rapto da Menina Maribel (Miriam Freeland) pelo Pirata Perna-de-Pau (Thelmo Fernandes), em busca do tesouro do avô da menina, o Capitão Bonança, que morreu no mar deixando lá no fundo a sua herança. Enquanto os amigos de Maribel, o trio João (João Sant’Anna) / Julião (Pedro Kosovski) / Sebastião (Sergio Maciel), saem à sua procura, o vilão esconde a menina no sótão de uma velha casa abandonada onde vive uma família de fantasmas: o fantasminha Pluft (Claudia Abreu), que nunca viu gente; a Mãe (Renata Amaral), que faz deliciosos pastéis de vento e vive conversando ao telefone com Prima Bolha; Tio Gerúndio (José Lavigne), que passa o dia inteiro dormindo dentro de um baú; e Xisto (representado por um boneco), o primo aviador que surge apenas no final para ajudar no salvamento da menina.

A grande chave da poesia teatral criada pela autora é a amizade que surge entre a Menina Maribel e o Fantasminha Pluft.

FICHA TÉCNICA

TEXTO: Maria Clara Machado

DIREÇÃO: Cacá Mourthé

 ELENCO / PERSONAGEM           

Claudia Abreu / Pluft

Renata Amaral / Mãe Fantasma

José Lavigne / Tio Gerúndio

Thelmo Fernandes / Capitão Perna de Pau

Miram Freeland / Maribel

Sergio Maciel / Sebastião

Pedro Kosovski / Julião

João Sant’anna / João

TRILHA SONORA: Carlos Cardoso

DESENHO DE LUZ: Jorginho de Carvalho

CENÁRIO: Ronald Teixeira e Flávio Graff

FIGURINO: Ronald Teixeira

DIREÇÃO DE MOVIMENTO: Marcia Rubin

FOTOS: Guga Melgar

ASSISTENTE DE DIREÇÃO: Zé Helou

PROGRAMAÇÃO VISUAL: Marcus Moraes

HAIR DESIGN: Marcia Elias

DIREÇÃO DE PRODUÇÃO: Fernando do Val

ASSESSORIA DE IMPRENSA: JS Pontes Comunicação  / O TABLADO

ASSESSORIA DE IMPRENSA PORTO ALEGRE: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

PRODUÇÃO LOCAL: Primeira Fila Produções

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre (indicada a partir dos 03 anos)

DURAÇÃO: 55min

 Pluft, o fantasminha

Dias 27 e 28 de setembro

Theatro São Pedro – Praça Marechal Deodoro, s/n

Sábado às 16h e 19h | Domingo às 11h e 16h

Na sessão de sábado às 19h, haverá um debate após a apresentação

Ingressos na bilheteria do teatro e pela Compre Ingressos – www.compreingressos.com | (51) 26261310

Ingressos:

Plateia e Cadeira Extra     R$ 70,00

Camarotes Centrais:          R$ 60,00

Camarotes Laterais:          R$ 40,00

Galerias:               R$ 30,00

Descontos:

50% para idosos com idade igual ou superior a 60 anos;

50% para sócio do Clube do Assinante + acompanhante nos primeiros 100 ingressos.

50% nos demais ingressos somente para sócios do Clube do Assinante.

10% para estudantes de sexta a domingo, para espetáculos com mais de três apresentações.

50% para sócios AATSP em 100 ingressos da estreia (temporada) ou 30 ingressos (apresentação única).

50% para funcionários ELETROBRÁS FURNAS com 01 acompanhante

40% para funcionários e correntistas com 01 acompanhante para BRADESCO SEGUROS E PREVIDÊNCIA

jc_12.09.14

Encontros Vivo Encena na imprensa

osul_10.09.14 jc_09.09.14 metro_08.09.14

Valter José Pötter recebe Prêmio Destaque Medicina Veterinária 2014

valterjosepotter_credito_zzn_peres_fotografias

Evento é promovido pelo Conselho de Medicina Veterinária do RS

O diretor-proprietário da Estância Guatambu, de Dom Pedrito, Valter José Pötter, recebeu, na última sexta-feira, dia 05 de setembro, o Prêmio Destaque Medicina Veterinária 2014 na categoria Liderança Empresarial – Agronegócio.

Esta é a segunda edição do evento, promovido pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS e contou com 11 categorias. Na solenidade, o presidente da entidade, Rodrigo Lorenzoni, definiu o prêmio como um “reconhecimento aos profissionais que contribuíram para o crescimento das duas áreas e que foram além das simples atribuições do dia a dia, tornaram-se exemplos”.
Valter Potter é médico veterinário formado em 1971 pela Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente é diretor-proprietário da Estância Guatambu, de Dom Pedrito, reconhecida nacional e internacionalmente como empresa agropecuária modelo. Desenvolve pecuária de corte em ciclo completo, com bovinos das raças Polled Hereford e Braford, com reconhecido trabalho de seleção genética nessas raças. Na agricultura, é produtor de arroz irrigado, milho irrigado, soja, sorgo, sementes certificadas de arroz e forrageiras e uvas viníferas.

Em 1980 foi Ganhador do Prêmio Nacional de Produtividade Rural, categoria Grande Propriedade, promovido pelo Ministério da Agricultura do Brasil, em caráter único, no qual concorreram 500.000 produtores rurais. Possui várias participações em Gestões de Diretorias Executivas, tais como Sindicato Rural, Associação dos Agricultores, Cooperativas, Santa Casa, Conselhos de Desenvolvimento Municipais e Setoriais.

Em 2009 iniciou na produção de vinhos finos e espumantes, e em 2013 inaugurou a sede da Guatambu Estância do Vinho. Foi Presidente da Federação dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul de 2004 a 2007 e do Programa Gaúcho de Produtividade e Qualidade no Setor Pecuária de Corte.

Atualmente é Presidente do Conselho Consultivo da Federarroz e da Associação de Pecuaristas Conexão Delta G Sul, Vice-presidente da Associação dos Produtores de Vinhos da Campanha Gaúcha e da Associação dos Produtores de Carne do Pampa Gaúcho.

SOBRE A ESTÂNCIA GUATAMBU

Situada em Dom Pedrito, no coração do pampa gaúcho, a Estância Guatambu é uma empresa familiar dedicada a gerar produtos primários e agroindustriais.

Com aptidão de solo e clima privilegiados, a estância produz uma grande diversidade de produtos. Destaca-se pela utilização de tecnologia de ponta, tanto na agricultura quanto na pecuária, sendo suas atividades centradas na integração de ambas. A pecuária de corte é desenvolvida com bovinos Polled Hereford e Braford, em ciclo completo, e ovinos Texel. Os produtos desta atividade são touros reprodutores superiores e carne de alta qualidade proveniente de animais precoces abatidos dos 14 aos 24 meses de idade, além dos cordeiros pampeanos.

Na agricultura, destaca-se a produção de arroz irrigado, milho irrigado com pivô central, soja, sorgo, sementes certificadas de arroz, forrageiras e uvas viníferas. Em 2009 a Guatambu intensificou suas atividades na vitivinicultura, iniciada em 2003, estreando na produção de vinhos finos com o lançamento do vinho Rastros do Pampa. Em 2013, a sede da vinícola foi inaugurada.

Guatambu na Folha do Sul de hoje

folhadosul2_11.09.14 folhadosul_11.09.14

jc_11.09.14

“Dromedário no Asfalto” é um dos selecionados para o programa Encontros com o Cinema Brasileiro

arte-Dromedario

Três produções gaúchas constam na lista de 12 títulos que serão apresentados à curadoria do Sundance Festival

 

O programa Encontros com o Cinema Brasileiro, iniciativa da ANCINE em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, anunciou nesta quarta-feira, 10 de setembro, os doze longas metragens selecionados para exibição à curadora Shari Frilot, do Festival de Cinema de Sundance.

Shari assistirá os filmes em sessões exclusivas entre os dias 17 e 19 de setembro, no Rio de Janeiro. Por meio dos teasers e informações fornecidas pelos produtores nas inscrições do programa, a curadora selecionou doze títulos, entre eles o primeiro longa-metragem de Gilson Vargas, “Dromedário no Asfalto”, além de mais duas produções gaúchas – “Beira-Mar”, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon (Avante Filmes) e “Eles Vieram E Roubaram Sua Alma”, de Daniel De Bem (Sofá Verde).

Esta é a segunda vez que a curadora Shari Frilot participa dos Encontros com o Cinema Brasileiro. O festival de Cinema de Sundance acontece de 22 de janeiro a 1º de fevereiro de 2015, em Utah, nos Estados Unidos.

Filmado no Brasil e no Uruguai, contando com elenco dos dois países, o “Dromedário no Asfalto” é uma co-produção entre as produtoras Pata Negra, Ponto Cego e Boomboom. Tendo como protagonista o ator Marcos Contreras, o filme mostra a jornada de Pedro pelas paisagens platinas, rumo ao encontro com seu pai, após anos de afastamento entre ambos. Rodado durante dois anos, com seis viagens entre os dois países, totalizando mais de 10 mil quilômetros de idas e vindas.

O longa tem apoio da Film Comission do Uruguai. Na fase de montagem recebeu o prêmio Fumproarte (Prefeitura de Porto Alegre) e o prêmio para Finalização de Longas do Governo do Estado do RS.

A equipe conta com Bruno Polidoro na fotografia, Vicente Moreno na montagem e Gabrela Bervian no som, todos sócios do filme, além de Luciana Baseggio como assistente de câmera e produção.  Gilka Vargas, Besouro Filmes e o ator Marcos Contreras são produtores associados.

Vargas comemora, ao lado da esposa, Gabriela Bervian, o sucesso do curta metragem dirigido por Gabriela com roteiro escrito pelo casal, “Domingo de Marta”, que recebeu seis troféus Assembleia Legislativa na Mostra de Curtas Gaúchos do 42º Festival de Cinema de Gramado, no início de agosto.

A parceria de produção da dupla vem se consolidando em vários projetos da Pata Negra. A produtora recém completou três anos de existência, mas já contabiliza diversos prêmios, como os quatro Kikitos e três troféus Assembleia Legislativa pelo curta Casa Afogada no 40o Festival de Gramado, além de outros 26 prêmios em diversos festivais e concursos.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑