Crédito-Priscila-Prade-(11)

O espetáculo “Atreva-se” com direção de Jô Soares, em cartaz no Theatro São Pedro neste final de semana abriu uma sessão extra neste domingo, dia 18 de agosto, às 20h30. Os ingressos estão à venda na bilheteria do teatro e pelo site compreingressos.com, com valores entre R$ 20,00 e R$ 70,00.

Dirigida por Jô Soares, “Atreva-se” traz aos palcos uma mistura de cinema e teatro, com drama e suspense, envolvidos em ondas de gargalhadas.

Chega a Porto Alegre nos dias 17 e 18 de agosto o espetáculo Atreva-se, dirigido por Jô Soares, após temporadas de sucesso em São Paulo e Rio de Janeiro e diversos elogios da crítica especializada. A montagem, uma comédia onde nada é exatamente o que parece ser, com texto de Maurício Guilherme, traz no elenco os atores Marcos Veras, Júlia Rabello, Mariana Santos e Carol Martin, nomes de destaque na cena do humor brasileiro. As apresentações acontecem no Theatro São Pedro e os ingressos já estão à venda.

Explicitamente inspirada no antigo cinema noir, Atreva-se é uma comédia que revela muitas surpresas e viradas. Mostrada em quatro sequências – “A Mansão”, “O Medo”, “O Pacto” e “De Volta a Mansão” – a peça remete a épocas diferentes, tendo sempre a mansão como pano de fundo e conta histórias permeadas de suspense que, de alguma forma, estão ligadas entre si.

A sensação, segundo o autor, é de se estar em um trem fantasma daqueles antigos parques de diversão. “É apenas na realidade cinematográfica que o homem tem a ilusão de recriar a vida ao seu próprio gosto e é especificamente no cinema noir que os lados mais escuros da alma humana começaram a ser explorados por grandes protagonistas. Estas foram minhas inspirações principais devidamente retemperadas pela liberdade do humor”, explica.

“O jogo é driblar o espectador. O suspense está presente o tempo todo, nunca acaba e não se explica. É comédia, mas levada a sério e esse humor do nonsense, do absurdo, me agrada muito”, revela Jô Soares. “É como se fosse uma sátira àquelas obras de suspense que nunca se explicam direito. Você sente no visual os cortes, as paradas e ilustrações musicais de cinema. Além disso, os nomes e a linguagem, com um tipo de falso coloquialismo, também dão o clima do cinema antigo”, completa.

O ator Marcos Veras, que interpreta três personagens na peça, explica que Atreva-se não se trata de uma comédia rasgada, pois, misturando cinema e teatro, conta com drama e muito suspense. “Faço o sinistro Ballantine, corretor da mansão, o Edgar, que é cadeirante, e o Max que é metido a galã. São personagens completamente diferentes, é um exercício maravilhoso para qualquer ator”, diz o comediante que trabalha pela primeira vez com Jô Soares. “Todos os atores deveriam ser dirigidos pelo Jô, ele é muito preciso e sabe o que quer. Mesmo uma bronca vem acompanhada de um carinho ou uma piada”, completa. Quanto menos você entende, mais você se diverte.

Os ingressos custam entre R$ 20,00 e R$ 70,00, com descontos de 50% para os 100 primeiros titulares do Clube do Assinante (20% de desconto para os demais) e 50% de desconto para sócios da Associação Amigos do Theatro São Pedro na estreia. À venda na bilheteria do teatro e pelo site compreingressos.com.

Sinopse:

A Mansão

Um corretor de imóveis mostra a uma empolgada cliente as maravilhas de uma velha mansão de construção clássica, defronte a um enorme parque municipal. Ela está ansiosa por assinar os papéis e ele diz acreditar que não haverá grandes impedimentos, uma vez que o imóvel teve apenas dois inquilinos antes dela. Antes de saírem, o corretor, num tom algo dúbio, deseja à sua cliente que ela seja tão feliz na mansão quanto os que ali um dia já viveram. Esta sequência se passa em 1963.

O Medo

Em uma ensolarada manhã, no final da década de 1920, uma sóbria governanta cruza a elegante sala da velha mansão, cuidando de pequenos detalhes no ambiente. Lá vivem apenas um homem inseguro, preso a seus medos e a uma cadeira de rodas, e sua irmã, uma mulher segura e assoberbada pela tarefa de cuidar de tudo na vida dos dois. Ela precisa fazer uma viagem de negócios, o que a deixará longe de casa por alguns meses e seu amedrontado irmão não consegue conviver com a ideia de ficar ali por tanto tempo, apenas em companhia de sua sinistra governanta.

O Pacto

No início da década de 1940, em uma noite fria, duas primas, agora moradoras da velha mansão, aguardam pela chegada de um antigo colega de juventude. Pelo que conversam, supõe-se que as duas tem algo tramado – e certamente nada muito confiável – para quando chegar o visitante. Finalmente o aguardado amigo chega e elas o recebem com ensaiado entusiasmo. Na verdade, os três estão ali para cumprir um pacto feito na tarde do dia de sua formatura. Eles se encontrariam, houvesse o que houvesse, trinta anos após aquele dia, para saberem os rumos de suas vidas. Mas algo estranho aconteceu naquela mesma noite, durante o baile de formatura. A simples menção desta data causa uma desconfortável reação nos três. Reação que se explicará pelas misteriosas revelações que se seguem noite afora.

De Volta a Mansão

Voltando ao tempo da primeira sequência (A Mansão), a nova inquilina tenta organizar sua mudança na velha casa. Em meio a caixas abertas e objetos esparramados, recebe a visita do corretor que aparece num gesto de cortesia. No rápido diálogo que travam, os dois fazem novas e surpreendentes descobertas a respeito de suas identidades o que certamente deixará a plateia bastante surpresa.

“Atreva-se”

Por Mauricio Guilherme, autor.

A primeira versão de “Atreva-se” foi escrita no inicio da década de 90, ainda no formato de história, com apenas algumas sequencias já desenvolvidas na forma de diálogos. Evidentemente, a ideia era transformar o conto em uma peça teatral algum dia.

Após quase dez anos depois, estava trabalhando com uma amiga redatora (Luciana Sendyk, creditada como colaboradora de texto neste projeto) e comentei a existência deste meu antigo “Atreva-se”, a essas alturas já esquecido em alguma gaveta da minha casa. Ela, curiosa, o pediu para ler e, assim que terminou, iniciou uma campanha para que eu transformasse logo o material em teatro.

Como estava impossibilitado na ocasião, comprometido com outros trabalhos, deixei que a Luciana fizesse um tratamento sobre a minha história. Posso afirmar que foi dessa maneira que ela me fez redescobrir meu próprio projeto. Inspirado pela empolgação genuína da minha colega, comecei a escrever a primeira de muitas versões que este roteiro já teve. Por isso fiz questão de creditá-la como colaboradora. Sem ela, talvez eu nunca tivesse olhado de novo para uma antiga ideia minha.

“Atreva-se”, com o passar dos anos, foi se transformando. De tempo em tempo, mesmo sem saber quando e onde seria montado, reescrevia uma nova versão do meu texto. A atual foi redigida em constantes discussões com Jô Soares, que inicia sua direção “já no papel”, como ele mesmo costuma dizer. Brincava com ele dizendo que estava escrevendo “nosso roteiro de filmagem”.

Em principio como uma comédia nonsense, nossa peça tenta mostrar as emoções extremadas da condição humana, aqui ampliadas em dobro, pela tentativa de recriar uma linguagem cinematográfica do passado no palco de um teatro e pela ótica exagerada da própria comédia.

A escolha de nomes estrangeiros e afetados, num país longínquo, numa realidade distante da nossa, procura associar o mundo misterioso de um local desconhecido ao próprio desconhecimento da mente humana. Esta ideia também está presente na forma não coloquial dos diálogos, numa referencia clara aos antigos filmes dublados. É apenas na realidade cinematográfica que o homem tem a ilusão de recriar a vida ao seu próprio gosto. E é especificamente no cinema noir, que os lados mais escuros da alma humana começaram a ser explorados por grandes protagonistas. Estas foram minhas inspirações principais devidamente retemperadas pela liberdade do humor.

Num emaranhado de situações absurdas, o controle vai se desfazendo nas mãos das personagens e o impacto dos sustos vai tomando conta da lógica. Por isso, costumo dizer que “Atreva-se!” é uma comédia onde nada é exatamente o que parece ser. Como se estivéssemos em um Trem Fantasma daqueles antigos parques de diversões, onde a cada virada temos uma nova surpresa.

“Atreva-se é uma ‘comédia de pé’ turbinada, reúne ótimos comediantes para realizar cenicamente o que o gênero mais popular do momento, o “stand-up”, faz com mais economia: promover seguidas ondas de gargalhadas”. Luiz Fernando Ramos, crítico da Ilustrada.

“Jô Soares dosa bem os momentos de tensão e distensão em seu pacto declarado com o cinema noir. O espectador é enredado com perspicácia em meio a falsas pistas”. Valmir Santos, revista Bravo.

Ficha Técnica:

Texto: Mauricio Guilherme
Direção: Jô Soares
Elenco: Marcos Veras, Júlia Rabello, Mariana Santos e Carol Martin
Iluminação: Maneco Quinderé
Cenografia: Chris Aizner
Figurinos: Fábio Namatame
Direção Musical: Eduardo Queiroz
Colaboração de texto: Luciana Sendyk
Produção: Rodrigo Velloni

Produção Porto Alegre: Antena Cultural
Produção Executiva: Giovani Tozi
Realização: Velloni Produções Artísticas

ATREVA-SE

Dias 17 e 18 de agosto 2013

Sábado às 21h | Domingo às 18h e 20h30

Duração | 75min

Recomendação | 14 anos

Gênero | comédia

Theatro São Pedro

Praça Mal. Deodoro | Centro |  POA | (51) 3227-5100
Estacionamento Multipalco | (51) 3227-5300

Valores

Plateia e cadeiras extras: R$ 70,00

Camarotes centrais: R$ 50,00
Camarotes laterais: R$ 40,00
Galeria central: R$ 20,00
Galerias laterais: R$ 20,00
Associação Amigos do Theatro São Pedro: 50% na estreia para sócio
Clube do Assinante Zero Hora: 50% titular para os 100 primeiros; após, 20% de desconto para titular

Venda de ingressos on-line | compreingressos.com

Horário de funcionamento da bilheteria

Dias úteis de 13 às 18h30 | em que não houver espetáculo

13h às 21h | com espetáculo noturno

Sábado | 15h às 21h.

Domingo | 15 às 18h.

Assessoras de imprensa Mariele Salgado e Bruna Paulin

Mariele (51) 3028 3231 e 9189 8847 –  assessoria@marielesalgado.com.br

Bruna (51) 8407 0657 – brunapaulin@gmail.com